Mauá E A Tradição Da Modernização Industrial No Brasil - Biblioteca ...

Copy and paste this link to your website, so they can see this document directly without any plugins.



Keywords

para, como, mais, Mauá, pelo, pela, econômica, Brasil,, país, sobre, seus, Brasil, política, entre, Estado, suas, grande, história, economia, visconde, Janeiro,, Mauá,, obra, nacional, social, vida, ainda, também, Irineu, que,

Transcript

RAFAEL RODRIGO RUELA SOUZA
MAUÁ E A TRADIÇÃO DA
MODERNIZAÇÃO INDUSTRIAL NO BRASIL
BELO HORIZONTE
2007
2
RAFAEL RODRIGO RUELA SOUZA
Mauá e a Tradição da
Modernização Industrial no Brasil
Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado
da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas
da Universidade Federal de Minas Gerais,
como requisito parcial à obtenção do título de
Mestre em História.
Área de concentração: História, Tradição e
Modernidade. Política, Cultura e Trabalho.
Orientadora: Prof.ª Eliana Regina de Freitas
Dutra
BELO HORIZONTE
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS
2007
3
À minha família: oásis permanente em minha jornada.
4
AGRADECIMENTOS
É conhecida a frase de Isaac Newton, que escrevendo a
Robert Hooke, em 1676, assim dizia: “Se vi mais longe, foi porque
estava sobre os ombros de gigantes”. Embora não tenha a pretensão de
pensar que, com esta Dissertação, tenha visto mais longe, abro esta
página de agradecimentos com a citação de Newton, por considerá-la,
sobretudo, em sua segunda oração, um resumo do sentimento que me
invade a alma. Certamente, se consegui chegar aqui, após anos de
formação, foi porque pude contar com pessoas e instituições, gigantes,
que me sustentaram, afetiva, intelectual e financeiramente.
Agradeço, em primeiro lugar, a meus pais. Sua presença
constante e sua solicitude paternal são, para mim, um esteio
incomparável. Também sou grato a minha irmã, antes de tudo, uma
amiga para todas as horas.
Entre meus familiares, sou especialmente grato a minha tia
Rute. Por três vezes, quando precisei ir ao Rio de Janeiro realizar
parte da pesquisa documental desta Dissertação, ela me recebeu e,
junto com seus filhos, Jander e Jaquison, me familiarizou com uma
cidade, sem dúvida, maravilhosa, mas também, sob diversos aspectos,
um tanto quanto, assustadora.
Aos colegas de classe, sobretudo, ao João Paulo, Raphael
Rajão, Márcio Bustamante, Hilário Figueiredo e Davidson Rodrigues,
com quem tive a oportunidade de estreitar relações, não apenas
durante a Graduação, mas também ao longo da Pós, muito obrigado
5
por terem trilhado comigo mais esta etapa, parte substancial de minha
caminhada pessoal.
Ao professor e colega Alexandre Fonseca, agradeço pelo
interesse verdadeiro, demonstrado num incentivo constante, que,
certamente, ajudou a fecundar projetos, quando estes não passavam de
esboços, ainda mal acabados, de pesquisas, que se consumariam no
futuro.
Aos professores do Departamento de História da UFMG, sou
grato pela parcela de contribuição dada por cada um, nestes anos de
aprendizado. Em um destaque especial, menciono os nomes de Eliana
Dutra, Heloísa Starling, Carla Anastásia e José Carlos Reis. Em razão
da identidade teórico-metodológica e da similaridade dos interesses de
pesquisa, foi com estes professores que cursei o maior número de
disciplinas, tanto na Graduação, quanto na Pós.
À Kátia Baggio e à Carla Anastásia, a gratidão se renova,
visto que ambas acompanharam, mais de perto, a trajetória desta
Dissertação, participando, com suas sugestões e críticas feitas durante
o exame de Qualificação, do aperfeiçoamento das reflexões contidas
nesta obra.
Os mais sinceros e profundos agradecimentos, expresso a
minha orientadora, Eliana Dutra. Desde a Graduação, Eliana me tem
secundado, com sua reconhecida erudição e sensibilidade histórica, no
projeto de pesquisa que, hoje, desemboca nesta Dissertação de
Mestrado.
Dedico um agradecimento geral a todos os professores e
funcionários da Universidade Federal de Minas Gerais, muito
6
especialmente, aos da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, com
os quais partilhei meu cotidiano durante estes anos.
À FAPEMIG, pela bolsa integral durante o período do
Mestrado, e ao CNPq, pela bolsa de Iniciação Científica, durante os
tempos da Graduação, agradeço o apoio financeiro, de grande valia
para a realização desta pesquisa.
Finalmente, sou grato ao projeto integrado Coleção
Brasiliana: Escritos e Leituras da Nação (1931-1941), do qual tenho
participado desde a Iniciação Científica, com inestimável proveito
para o amadurecimento desta Dissertação.
Sem dúvida, se cheguei aqui, posso dizer, sem medo de errar,
foi porque estive sobre os ombros de gigantes.
7
“Em nossa história, aparecem muitas figuras de idealistas, mas apenas
um dentre eles intuiu, desde meados do século XIX, que a chave para a
modernização do Brasil estava na industrialização. Essa é a
singularidade de Mauá, que tentou antecipar de um século nossa
inserção na modernidade. Ao rejeitarem sua liderança, os que
mandavam no Brasil condenaram-nos ao subdesenvolvimento”.
Celso Furtado
8
RESUMO
Este é um trabalho que almeja, partindo da análise das representações políticas em torno da
figura de Irineu Evangelista de Souza, o visconde de Mauá, inicialmente, construídas em sua
própria narrativa autobiográfica e, posteriormente, retomadas em uma narrativa biográfica, a
primeira de vulto sobre o visconde, surpreender os fundamentos de uma nova racionalidade
política em processo de constituição nos anos 1920 e 1930. A hipótese central aqui defendida
é a de que a auto-imagem elaborada por Mauá em sua Exposição aos credores, ao ser reapropriada por Alberto de Faria na década de 1920, teria sido responsável pelo ingresso do
visconde no panteão cívico nacional. Posteriormente, um outro intelectual, Azevedo Amaral,
aproveitando-se da força da imagem arquetípica de Mauá e das contribuições da historiografia
econômica, em consolidação no país, teria, em uma série de ensaios de interpretação do Brasil
escritos na década de 1930, dado o passo decisivo para o surgimento de uma nova tradição no
pensamento social brasileiro: a modernização industrial.
Palavras-chave: visconde de Mauá; representações políticas; narrativas (auto)biográficas;
pensamento social brasileiro.
9
ABSTRACT
This is a study that, beginning with the analysis of the political representations around the
figure of Irineu Evangelista of Souza, the viscount Mauá, initially built in his own
autobiographical narrative and, later re-taken in a biographical narrative, considered the first
important biography on the viscount, longs to surprise the foundations of a new political
rationality which was being stablished during the 1920’s and 1930’s. The central hypothesis
here defended is that the self-portrait elaborated by Mauá in his Exhibition to the creditors,
being reappropriated by Alberto de Faria in the 1920’s, would have been responsible for the
viscount's entrance in the national civic pantheon. Later, another intellectual, Azevedo
Amaral, taking advantage of the force of the archetypal image of Mauá and of the
contributions of the economical historiography, then emergent in the country, would have, in
a series of essays of interpretation of Brazil written throughout the 1930’s, given the decisive
step for the appearance of a new tradition in the Brazilian social thought: the industrial
modernization.
Key-words: viscount Mauá; political representations; (auto)biographical narratives; Brazilian
social thought.
10
SUMÁRIO
1 – INTRODUÇÃO.....................................................................................................................................................11
PRIMEIRA PARTE
UMA IMAGEM EM CONSTRUÇÃO:
OS PRIMEIROS ALICERCES DE UM MITO
2 - A TRAJETÓRIA EMPRESARIAL DE IRINEU EVANGELISTA DE SOUZA:
UMA ABORDAGEM HISTORIOGRÁFICA PRELIMINAR.............................................................................................29
3 - MAUÁ AOS OLHOS DO PRÓPRIO MAUÁ:
UM “ESCRITO DE SI” PARA A “ESCRITA DA NAÇÃO”.............................................................................................67
3.1 - Exposição aos credores: natureza autobiográfica e vocação política.......................................................70
3.2 - A Exposição aos credores e o fim do Império.............................................................................................90
SEGUNDA PARTE
A CRIAÇÃO DE UM MITO:
UM NOVO HERÓI PARA UMA NOVA TRADIÇÃO DO PENSAMENTO SOCIAL BRASILEIRO
4 - O MAUÁ DE ALBERTO DE FARIA:
SIGNIFICADOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS DE UMA BIOGRAFIA............................................................................107
4.1 - De uma simples polêmica a uma significativa controvérsia....................................................................110
4.2 - “Mauá Redivivo”: a apoteose de um novo herói......................................................................................125
4.2.1 - Um herói do trabalho: um pedagogo pragmático da nação.....................................................................129
4.2.2 - Um herói da Indústria com um discurso da conciliação social................................................................143
5 - MAUÁ E O PENSAMENTO SOCIAL BRASILEIRO:
AS REPERCUSSÕES DE UM HERÓI NA “ESCRITA DA NAÇÃO”...............................................................................164
5.1 - Um herói para um ramo historiográfico nascente...................................................................................170
5.2 - Formação econômica brasileira: os primeiros panoramas.....................................................................178
5.3 - Um novo marco na “escrita da nação”.....................................................................................................200
6 – CONCLUSÃO....................................................................................................................................................226
REFERÊNCIAS.......................................................................................................................................................241
11
1 - INTRODUÇÃO
... formidável gênio realizador,
vidente dos grandes problemas nacionais.
Referência ao visconde de Mauá feita por Getúlio Vargas, em
discurso ao assumir o Ministério da Fazenda do governo
Washington Luís, em 21 de novembro de 1926.
Dentre os atores sociais que viveram nos tempos do Brasil Império, o nome de
Irineu Evangelista de Souza, o visconde de Mauá, certamente está no rol daquelas
personalidades históricas que mais atraíram a atenção das gerações futuras. Desde sua morte,
em outubro de 1889, um volume considerável de páginas vem sendo despendido, no intuito de
delimitar-lhe individualidade e precisar-lhe o significado histórico. Integram esse esforço, que
absorve, há mais de um século, estudiosos de profissão e meros admiradores ou entusiastas,
pequenos artigos em revistas e jornais, discursos e conferências em eventos específicos sobre
o personagem ou congressos de temática mais abrangente, análises densas e pormenorizadas
em estudos biográficos de peso, além de uma extensa gama de obras de divulgação. Anos
atrás, até um filme foi consagrado à memória do visconde 1. Os tempos passam, contudo, o
interesse por Mauá permanece, ainda que, periodicamente, renovado. A cada época, é como
se as luzes se voltassem para um aspecto singular da vida daquele homem. A cada período,
1 O filme mencionado é Mauá, o imperador e o rei (1999). Esta superprodução do cinema brasileiro, dirigida por
Sérgio Resende, contou com a participação de atores nacionais consagrados, como Paulo Betti e Malu Mader.
Para uma avaliação do uso da História pelo cinema nacional na década de 1990, no contexto das comemorações
dos quinhentos anos do “descobrimento” do Brasil e da criação das novas leis de incentivo à cultura, ver:
SCHVARZMAN, 2003, p.165-182.
12
com efeito, nasce um novo Irineu Evangelista. O “enigma Mauá” parece desafiar o tempo,
revelando, de quando em quando, um diferente e vivo significado.
Na trajetória de consolidação da figura de Mauá no imaginário político brasileiro,
a década de 1920 teve um papel extraordinário. Foi, naqueles anos, que Irineu Evangelista
adentrou, definitivamente, o panteão cívico nacional, por intermédio de uma biografia
publicada em 1926. O Mauá do advogado de formação, jornalista por vocação e empresário
por interesse, Alberto de Faria, representou o primeiro grande marco na história da memória
nacional em torno do visconde. Repercutindo favoravelmente entre as elites brasileiras do
período, esta obra teve o mérito de chamar a atenção daqueles segmentos para o personagem
em questão. Com isso, entre os anos de 1925 e 1929, houve uma intensa produção histórica
sobre Mauá - objeto central do estudo desta Dissertação. O cerne deste trabalho encontra-se
na imbricação das representações políticas 2 sobre Mauá, em um período em que estas viviam
momentos de grande efervescência, com o surgimento de uma nova tradição no pensamento
social brasileiro, a tradição da modernização industrial 3, que também despontava naquela
mesma ocasião, respaldada pelo prestígio de um campo específico do saber histórico,
igualmente nascente, qual seja: a historiografia econômica. Enfocando o contexto no qual este
saber conquistou seu espaço no país, mas, sobretudo, examinando as causas e compreendendo o
significado do prestígio crescente de um personagem como Mauá no imaginário político nacional
daquela época, procuraremos demonstrar como se deu, historicamente, o aparecimento desta nova
2 Para uma abordagem teórico-metodológica a respeito das representações políticas, cf. CAPELATO; DUTRA,
2000, p. 227-267.
3 Por tradição da modernização industrial, entenda-se aquele segmento do pensamento social brasileiro cuja
ênfase de análise se concentra no desenvolvimento do sistema capitalista, muito particularmente, no processo de
industrialização, ao qual confere um poder explicativo ímpar na formação histórica do Brasil. Nesse sentido, o
campo tradicional do pensamento industrialista brasileiro constitui-se em um elemento formador da tradição da
modernização industrial. Em outros termos, os posicionamentos ideológicos da burguesia industrial brasileira
representam apenas um componente dentre os fatores intelectuais que deram origem a essa nova tradição do
pensamento social do país na década de 1930. No bojo dos elementos constitutivos dessa traditio, também
incluímos as posições ideológicas provenientes daquele segmento das elites, políticas e intelectuais, brasileiras
favorável ao desenvolvimento do país, tendo na indústria o seu motor principal. Finalmente, ainda consideramos
de grande valor para o surgimento dessa tradição, a historiografia econômica, em processo de consolidação
durante as décadas de 1920 e 1930. No decorrer desta Dissertação, procuraremos mostrar como todos esses
“ingredientes” se mesclaram, em um determinado momento da trajetória nacional, para dar origem à tradição da
modernização industrial no Brasil.
13
tradição no pensamento social brasileiro. Em outros termos, ao investigar todo este rico e
instigante material, o que divisamos, em nosso horizonte, é a constituição de uma nova
racionalidade política – definida por Pierre Rosanvallon, ao apresentar sua metodologia de
trabalho, nos seguintes termos.
O objetivo da história conceitual do político é compreender a formação e evolução
das racionalidades políticas, isto é, dos sistemas de representação que governam o
modo como uma época, um país ou certos grupos sociais conduzem sua ação e
imaginam seu futuro. […] A meta da história conceitual do político é: 1) fazer a
história da maneira como uma época, um país ou certos grupos sociais procuram
construir respostas ao que percebem mais ou menos confusamente como um
problema, e 2) fazer a história do trabalho efetuado pela interação permanente entre
a realidade e sua representação, definido campos históricos problemáticos.4
Como mostra Lúcia Lippi Oliveira, a década de 1920 foi marcada pela renovação
do pensamento social brasileiro. Período de crise no arranjo político-institucional da Primeira
República e de aceleração das transformações urbano-industriais que, anos depois, alterariam
profundamente a configuração e a identidade social do país, aquele decênio representou uma
fase de inflexão. Momento propício para se reler a nação e, em diálogo com a tradição,
reinterpretar o passado, rever o presente e repensar o futuro, este clima revisionista ganha
ainda mais vivacidade, quando nos lembramos da importância do ano de 1922 para os homens
daquela geração. As comemorações que marcaram a efeméride do centenário da
Independência foram igualmente oportunas para uma renovação dos padrões intelectuais
vigentes no Brasil. Desejava-se pensar o país de uma perspectiva “pura” ou verdadeiramente
nacional; almejava-se encontrar a solução, a chave para os problemas que assolavam a nação
e abatiam a nacionalidade.5
Neste contexto em que as elites do país buscavam novos caminhos e se agitavam,
perplexas com o presente, mas, ao mesmo tempo, confiantes no futuro, procurando respostas,
4 ROSANVALLON, 2002, p. 128 e 129, tradução nossa.
5 OLIVEIRA, 1990, p. 118-126. Ainda segunda a mesma autora: “Os anos 20 foram férteis em balanços, em
retratos do Brasil, nos quais eram elaborados os diagnósticos sobre o “atraso” brasileiro. [...] Por ter reunido
manifestações que expressavam as diferentes vertentes da vida político-cultural do país, o ano de 1922 tem sido
apontado como data simbólica deste movimento em que predominaram os balanços e as propostas de
renovação”. (OLIVEIRA, 1990, p. 175).
14
um personagem emergiu do passado imperial brasileiro. Revestindo-se de um interesse
crescente e tornando-se objeto de discussão em todo território nacional, Irineu Evangelista
passou a ser reconhecido pelas elites brasileiras como um precursor das transformações
urbano-industriais vivenciadas pelo país sob um ritmo que, na década de 1920, começava a
ser alucinante. Para muitos, sua história de vida, especialmente, no que diz respeito às
adversidades que o levariam à queda, era como que um esboço dos desafios nacionais e uma
lição para a nacionalidade. A partir dessas apropriações políticas de sua figura, Mauá tornouse um personagem-chave, um homem cuja biografia não poderia permanecer esquecida ou,
antes, negligenciada pela nação, sobretudo, por suas elites.
Segundo Berstein momentos de instabilidade político-institucional e de crise
sócio-econômica, períodos de reorganização sócio-cultural e de instabilidade das identidades
coletivas são sempre ocasiões privilegiadas na vida das culturas políticas. Em meio às
indefinições, urgem respostas que diminuam as dúvidas e aliviem as angústias do presente,
acenando para um futuro promissor. É diante dos impasses apresentados pelo vivido, que os
atores históricos se movem e, nesse movimento, lançam mão dos recursos que o passado lhes
lega e que o presente lhes disponibiliza para desatar esses “nós”.6 Nesta complicada e decisiva
tarefa, a constituição de uma memória nacional é, historicamente, uma das “saídas” mais
usadas pelos atores sociais – como indica Meneses. Longe de ser a reunião da diversidade de
memórias coletivas existentes em um país e que dão fundamento a seus grupos constitutivos,
a memória nacional é uma espécie de reminiscência totalizante e que se quer “... unificada e
integradora, procurando a harmonia e escamoteando ou sublimando o conflito: é da ordem
da ideologia” 7 . Em geral, o Estado e as elites são seus principais disseminadores,
interessados que estão na conservação e legitimação de uma determinada ordem políticosocial. A memória nacional pode ser e, com efeito, invariavelmente é solicitada e produzida
6 BERSTEIN, 1998, p. 355-359.
7 MENESES, 1992, p. 15.
15
em momentos de crises e em épocas propícias a rupturas, de contornos revolucionários, em
uma sociedade 8. Impondo-se e espraiando-se em meio a uma conjuntura tensa e instável, a
memória nacional, quando bem-sucedida, atua como uma excelente apaziguadora de
conflitos. Difundindo uma identidade nacional capaz de recolocar nos eixos (pelo menos, no
plano simbólico, o que já é muito) passado, presente e futuro e a situar cada ator histórico em
seu “devido” lugar, este tipo de memória surge com a intenção de ser um norte para a
nacionalidade e nasce com o propósito de coordenar as energias sociais – mobilizando, para
isso, toda a carga imaginária. Componente básico do universo cultural formador da memória
nacional, os mitos políticos e, dentre eles, os mitos do herói nascem exatamente com esta
proposta.
O mito político é fabulação, deformação ou interpretação objetivamente recusável
do real. Mas, narrativa legendária, é verdade que ele exerce também uma função
explicativa, fornecendo certo número de chaves para a compreensão do presente,
constituindo uma criptografia através da qual pode parecer ordenar-se o caos
desconcertante dos fatos e dos acontecimentos. É verdade ainda que esse papel de
explicação se desdobra em um papel de mobilização: por tudo o que veicula de
dinamismo profético, o mito ocupa um lugar muito importante nas origens das
cruzadas e também das revoluções.9
Esta Dissertação tem como primeiro e fundamental objetivo contar a história da
invenção de um mito político: a história da introdução de um novo herói no panteão cívico
nacional. Para tanto, importa reconstruir a rede de relações que vinculam o mito Mauá ao
contexto de seu nascimento. A que tipo de angústias, impasses e tensões, as representações
políticas de Mauá acenavam positivamente? É preciso identificar os vínculos existentes entre
a emergência da memória em apreço e o cenário histórico nacional e internacional que lhe viu
surgir. Por outro lado, também será necessário reconhecer o papel político do mito em
questão. Quais os sonhos, as esperanças, os projetos, a visão de mundo, enfim, o sistema de
valores que a ele se ligavam? E a quem, ou melhor, a que setores sociais foi útil e
8 “A memória nacional é o caldo de cultura, por excelência, para a formulação e desenvolvimento da identidade
nacional, das ideologias da cultura nacional e, portanto, para o conhecimento histórico desses fenômenos. Daí
ser a questão da identidade nacional, em sua natureza problemática, o tema melhor estudado dentre todos os
que se referem à memória social”. (MENESES, 1992, p. 15).
9 GIRARDET, 1987, p. 13.
16
significativa esta ampliação do panteão cívico do país? Procurar a resposta para tais
indagações é essencial, afinal de contas, as representações políticas não se constituem a partir
do nada 10. Pelo contrário, forjam-se e se consolidam em um ambiente de embates políticosociais e tendo em vista alguma agenda de reivindicações e expectativas minimamente
delimitada 11.
Faz parte da vocação historiador recolocar na evolução geral de uma sociedade ou
de uma civilização esses grandes ímpetos de efervescência onírica que, ao longo dos
dois últimos séculos, tão freqüentemente marcaram as mentalidades políticas. Cabelhes colocá-los em relação com tal ou qual fenômeno de ruptura ou de mutação, tal
crise ou tal situação de ordem política, econômica ou social. Cabe-lhe igualmente
pesquisar quais grupos ou quais meios foram seus focos privilegiados. Cabe-lhe
ainda acompanhá-los em seu desenvolvimento ou em seu declínio, reconstituí-los na
complexidade concretamente vivida de seu poder de fascínio.12
Recolocar o mito Mauá em sua própria temporalidade, definindo os principais
fatores que convergiram para lhe dar vida e sendo sensível aos significados que permearam o
momento inaugural de sua história é o objetivo principal desta Dissertação. Não obstante, na
medida em que esta criação mítica, em conjunto com a emergente historiografia econômica,
concorreu, de forma decisiva, para a renovação do pensamento social no país, este trabalho
também não deixa de ser uma investigação das bases, intelectuais e simbólicas, desta nova
tradição em fase de afirmação no país, a modernização industrial. A contribuição
historiográfica deste estudo situa-se, portanto, no âmbito da imbricação entre a análise do
nascimento de um novo herói nacional e a investigação de um lance 13 operado no
pensamento social brasileiro com a participação decisiva deste mesmo herói e o respaldo da,
então nascente, historiografia econômica. Acreditamos que, fazendo isso, lançaremos luzes
10 Para uma análise a respeito das condições político-sócio-culturais necessárias à emergência dos mitos, ver:
BACZKO, 1985, p. 308-314.
11 “Por ser parte real, parte construído, por ser fruto de um processo de elaboração coletiva, o herói nos diz
menos sobre si mesmo do que sobre a sociedade que o produz”. (CARVALHO, 1990, p. 14).
12 GIRARDERT, 1987, p. 21.
13 SKINNER, 2000, p. 187-191; POCOCK, 2003, p. 28-30.
17
sobre uma faceta do pensamento social brasileiro ainda pouco explorada pelos historiadores
do “político” 14, no país.
Junto a essa contribuição historiográfica, um segundo aporte, de natureza teórica, integra
o rol dos objetivos principais desta Dissertação. Como mostra Gomes, o interesse de pesquisa nos
chamados textos auto-referenciais conheceu um boom nas duas últimas décadas; prova disso, é o
número crescente de estudos, tendo como objetos de pesquisa memórias, diários, autobiografias,
correspondências, bilhetes... Em um mundo, muito particularmente, o da modernidade e o da
pós-modernidade ocidental, onde a idéia de indivíduo e o relevo dado ao que é próprio de
cada um ganharam importância jamais vistas em outros tempos, a produção de si – e, parte
dela, a produção autobiográfica – passou a desempenhar um papel fundamental. É como
formadora, constituinte e, mesmo, cúmplice de uma imagem pessoal, em um contexto social
marcado por indefinições e conflitos de identidade, que o gênero encontrou sua razão de ser,
especialmente, na passagem do século XVIII para o XIX. Em um vivido marcado pela
experiência da atomização social e da fragmentação do indivíduo, a busca por uma imagem de
si mais ou menos fixa e durável foi e continua sendo uma resposta aos conflitos de identidade
próprios a esse estar estilhaçado no mundo. A “ilusão biográfica” 15, ficção da estabilidade
temporal do ser, apresenta-se ao homem moderno como um imperativo de coerência,
mediante a multiplicidade desarmônica de suas experiências cotidianas. 16
Fonte de auto-referência, em meio ao vivido agitado e fragmentário que marca a vida das
sociedades modernas, a “escrita de si” vem sendo estudada, quase que exclusivamente, pelo seu viés
auto-identitário. Qual imagem de si determinado indivíduo deixou em seus escritos? Como a construiu
e a foi alterando ao longo do tempo? Qual seus significados na vida de um personagem histórico? Ou,
14 Utilizamos o termo político tal como Rosanvallon a define: “o político não é uma “instância” ou um
“domínio” entre outros da realidade: é o lugar em que se articulam o social e sua representação, a matriz
simbólica na qual a experiência coletiva se arraiga e se reflete ao mesmo tempo” (ROSANVALLON, 2002, p.
126, tradução nossa).
15 A expressão “ilusão biográfica” foi cunhada por Pierre Bourdieu. Ver o artigo em que o referido autor a
define: BOURDIEU, 2002, p. 183-192. A caracterização de “ilusão biográfica” se encontra, especialmente, nas
páginas 183-185.
16 GOMES, 2004, p. 11-13.
18
o que ela permite iluminar na experiência de um grupo – abordagem muito comum no caso dos
estudos de gênero e de etnias? São estas as principais perguntas que os pesquisadores têm procurado
responder. Dando um passo além, a contribuição aqui proposta é: em primeiro lugar, tentar responder
a esse mesmo tipo de questão, para depois, em um segundo momento, procurar demonstrar de que
forma a apropriação da auto-imagem de um indivíduo, no caso o visconde de Mauá, contribuiu, seja
para a inserção do personagem em foco no panteão cívico nacional nos fins da década de 1920, seja
para a renovação do pensamento social brasileiro que se verificou ao longo da década de 1930. Em
outros termos, ao estudarmos esta apropriação futura da vida de um personagem histórico e, muito
particularmente, de um escrito de natureza autobiográfica, estaremos interessados na história de uma
traditio, a história da transmissão e tradução de um texto, isto é, de sua re-discussão no tempo 17. Ao
fazer esse percurso, nossa intenção, a segunda contribuição básica deste estudo, será analisar a
interação entre a memória individual e a memória nacional - segundo Ulpiano Bezerra de Meneses,
uma questão ainda pouco investigada no meio acadêmico 18.
17 Segundo a nova História das Idéias, todo texto insere-se em uma conjuntura intelectual: é um “ato de fala” em
um certo paradigma hermenêutico. Um autor, além de estar localizado em um contexto social, é alguém que
discute seu vivido presente com seus pares e com a tradição da qual faz parte. Ele participa de uma experiência
(uma polêmica) comum – peça-chave para a compreensão das intenções de qualquer autor que intervenha em um
dado contexto lingüístico. Reconstruir a intenção de um autor, contudo, além disso, delimitar o campo de
“efetuação” de uma obra, ou seja, estar sensível aos efeitos (previstos e, mesmo, inesperados) de um escrito é o
maior desafio deste fazer histórico. Isso significa dizer que todo texto, por mais bem “amarrado” que seja, está
aberto às mais diversas leituras, seja por receptores contemporâneos partilhando do mesmo contexto intelectual,
seja por interlocutores futuros já vivendo em um outro paradigma lingüístico. Em outros termos, há sempre uma
lacuna, que se mantém no tempo, entre a intenção pretendida e os efeitos obtidos por uma obra. E é, por isso, que
ao se referir ao significado de uma obra e ao objetivo de um escritor, Skinner se perguntava a respeito do que um
autor “estava fazendo” e, não, simplesmente, o que ele fez. “O que um autor “estava fazendo”, portanto, inclui
o suscitar em terceiros respostas que o autor não pode controlar nem prever, algumas das quais se efetuarão em
contextos completamente diversos daqueles em que ele “estava fazendo” aquilo que talvez soubesse que estava
fazendo. A fórmula de Skinner define um momento na história das interações entre parole e langue, mas o
define, ao mesmo tempo, como um momento aberto no tempo. [...] O que um autor “estava fazendo”, portanto,
revela-se como algo que está em continuidade e mudança – o que pode ser mais ou menos drástico, radical e
“original” – a performance de uma diversidade de atos de fala em uma diversidade indefinida de contextos,
tanto de linguagem quanto de experiência histórica” (POCOCK, 2003, p. 30 e 46). Sobre a metodologia da nova
História das Idéias, cf. o que dizem os expoentes principais desse fazer histórico em: POCOCK, 2003;
SKINNER, 2000. Para uma abordagem historiográfica acerca da nova História da Idéias, ver: LOPES, 2002.
18 Abordando a diferenciação da memória individual, coletiva e nacional, Ulpiano Bezerra de Meneses comenta
que “[...] são ainda escassos e fazem grande falta estudos que examinem a fisiologia destas categorias de
memória e, em particular, as simbioses, adaptações, passagens de uma categoria a outra, seja na sua complexa
articulação, seja internamente. Dessa maneira, problemas tão graves como, por exemplo, o da apropriação das
memórias individuais ou da “memória alheia”, são ainda muito mal compreendidos”. (MENESES, 1992, p. 15,
grifos do autor).
19
Tendo em vista os dois objetivos acima apresentados, esta Dissertação está estruturada
em duas partes, cada uma das quais se encontra subdividida em dois capítulos. A primeira parte foi
concebida com o intuito de responder a uma mesma pergunta bastante específica: o que o
personagem histórico em foco neste texto, o visconde de Mauá, trazia consigo que fez dele
uma figura tão importante no Brasil das décadas de 1920 e 1930? O processo de criação de
um mito não ocorre à revelia do imaginário de uma época e, muito menos, do vivido passado.
Como mostra Girardet, há uma linguagem, uma “sintaxe” própria que rege o universo onírico
que não pode ser desrespeitada 19. Por isso é que a tentativa de heroificação de algumas
figuras acaba, muitas vezes, malfadada, haja vista a incapacidade do personagem histórico em
se transmutar em um arquétipo dos valores e aspirações de uma época ou de um grupo. Ainda
que o grau de fabulação e os limites da manipulação da memória sejam gigantescos, os mitos
precisam ter pontos de contato com a realidade passada 20. Conforme Baczko, são estas
“pegas” no real, sujeitas à decodificação do imaginário e em meio a um contexto histórico
propício ao aparecimento de novas representações, que permitem ao mito se estabelecer e
difundir 21. Nas palavras de Raoul Girardet: “a coerência e a lógica do delírio paranóico vão
ao encontro aqui da coerência e da lógica do discurso mitológico. A análise sociológica e a
observação psiquiátrica tendem a confundir-se” 22.
Pensar, pois, como a própria trajetória de vida, mas, muito especialmente, a autoimagem produzida pelo visconde de Mauá já o conduziam a uma apropriação mítica futura
será a preocupação fundamental que irá nortear toda a primeira parte desta Dissertação. Além
disso, reconstruir os laços que ligam a vida deste personagem a uma temporalidade futura, irá
nos permitir colocar em diálogo dois períodos da história brasileira marcados por grande
19 “O mito existe independentemente de seus usuários eventuais; impõe-se a eles bem mais do que eles
contribuem para sua elaboração. [...] Em sua estrutura, em sua forma, como em seu conteúdo, a mensagem a
ser transmitida deve, para ter alguma possibilidade de eficácia, corresponder a um certo código já inscrito nas
normas do imaginário”. (GIRARDET, 1987, p. 54).
20 GIRARDET, 1987.
21 BACZKO, 1985.
22 GIRARDET, 1987, p. 57.
20
efervescência político-intelectual e significativas mudanças sócio-econômicas. Épocas em
que, de diferentes formas e com enfoques diversos, a nação era pensada, sobretudo, pelas
elites. Momentos em que o capitalismo, sistema econômico internacional ao qual o Brasil
estava integrado, passava por transformações profundas, exigindo dos governantes nacionais e
das elites econômicas dos países uma resposta à altura.
No segundo capítulo, situamos as atividades empresariais de Irineu Evangelista de
Souza no contexto político-econômico do Segundo Império: época de consolidação do Estado
brasileiro; momento de maior integração do país no sistema capitalista, em decorrência da
prosperidade da cultura do café; período em que uma série de investimentos, sobretudo
ingleses, foram feitos no país, aproveitando-se as oportunidades advindas de um comércio
internacional em franca expansão. Essa breve e limitada contextualização dos
empreendimentos levados a efeito por Mauá não tem, absolutamente, a pretensão de aclarar
toda a vida do visconde. Só isso já seria assunto para toda uma Dissertação ou, mesmo, uma
Tese. Em suma, o propósito deste capítulo é, apenas e tão somente, favorecer o entendimento
da atuação financeira e industrial de Irineu Evangelista, numa conjuntura em que o Brasil
dava seus passos iniciais rumo a uma inserção mais ampla no sistema capitalista
internacional. Demarcando o lugar de evidência ocupado por Mauá naquele cenário, este
capítulo permitirá uma compreensão mais adequada de suas idéias, analisadas no que se
segue, e lançará luzes sobre a grande repercussão obtida pelo personagem décadas depois,
assunto de que nos ocupamos na segunda parte desta Dissertação.
Na elaboração deste segundo capítulo, entre outras fontes, valemo-nos da leitura
da Exposição do visconde de Mauá aos credores de Mauá & Cia. e ao público, obra
autobiográfica publicada por Irineu Evangelista em 1878, quando seu complexo bancário,
com filiais em diversas províncias do Império e com ramificações nos países vizinhos da
Bacia do Prata e nos principais centros financeiros do Dezenove, foi à falência. Nesta obra,
21
Mauá faz um resumo panorâmico de sua vida empresarial, abordando as principais empresas
em que atuou diretamente ou teve algum tipo de participação mais indireta. Grande parte das
informações sobre a carreira empresarial do visconde de Mauá pode ser encontrada em sua
Exposição aos credores. Além da narrativa autobiográfica propriamente dita, a reedição
daquele texto, feita no início da década de 1940 (e republicada recentemente) 23, traz uma
série de notas explicativas, contendo dados cartoriais, referências à legislação imperial,
balancetes das empresas de Mauá, trechos de relatórios dos Ministros da Fazenda e do
Império e excertos de jornais da época, além de correspondências do visconde, que muito
cooperam para o entendimento daquele período da sua vida.
As biografias sobre Mauá feitas ao longo dos anos são também um importante
recurso de análise. Nestes textos, além de inúmeras referências de fontes, há transcrições, por
vezes, até na íntegra, de documentos, que nos permitem, por meio do cotejamento de
informações, chegar a uma avaliação adequada dos dados contidos na Exposição aos credores
– escrito claramente apologético. Outro auxílio fundamental para o exame e interpretação da
carreira empresarial de Mauá é a historiografia sobre o Segundo Império – sobretudo, aquela
produzida a partir da década de 1980. É por meio desta literatura que nos acercamos do
período, conhecendo por dentro sua dinâmica político-intelectual e sócio-econômica. Boa
parte das biografias sobre o visconde peca por considerá-lo, tal como sua auto-representação,
um homem além de seu tempo. Entre seus biógrafos, quem menos comete este erro é
justamente uma autora estrangeira: Anyda Marchant em seu Viscount Mauá and the empire of
Brazil (1965). Tomando conhecimento das análises mais atuais sobre o Império, a idéia da
extemporaneidade do visconde constitui-se em um equívoco inconcebível. Ainda que Irineu
Evangelista tenha sido um entusiasta do progresso como poucos em seu tempo, ele não estava
sozinho. Em grande medida, o que o diferenciava de seus contemporâneos eram os meios que
23 Todas as citações, textuais e livres, à Exposição aos credores feitas nesta Dissertação têm como referência a
segunda edição da narrativa autobiográfica em apreço, impressa em 1942 e reimpressa em 1943. Valemo-nos da
segunda reimpressão.
22
ele propugnava para alcançar o desenvolvimento e não tanto este fim – em si mesmo, por
todos, desejado.
Para conhecer um pouco dessa divergência de opiniões no que se refere aos
caminhos econômicos a serem tomados pelo país, analisamos um texto paradigmático do
pensamento político-econômico do Império: as Considerações sobre a franqueza da indústria
no Brasil de José da Silva Lisboa, o visconde de Cairu. Este livro oferece ao leitor uma
excelente noção do meio em que Mauá atuava e das idéias, então predominantes, que tinha
que combater, apesar de não travar esta luta sozinho. O posicionamento ideológico pouco
favorável à proteção da indústria brasileira que se encontra no livro de Cairu, verifica-se, na
prática, no caráter meramente fiscal das tarifas alfandegárias que vigorou por todo o século
XIX e se estendeu pelas primeiras três décadas do seguinte. Os relatórios dos Ministros da
Fazenda são, por isso, uma fonte muito importante para se perceber o lugar concedido à
indústria na política econômica do país 24. Em suma, é este o material que utilizamos no
capítulo que serve de introdução ao objeto central desta Dissertação: as representações
políticas sobre o visconde.
No terceiro capítulo, nosso objetivo é compreender a Exposição aos credores
como um texto de natureza política. Conquanto esta narrativa autobiográfica esteja longe de
ser uma obra política stricto sensu, intentamos demonstrar que a imagem de si elaborada por
Mauá naquele folheto tinha caráter eminentemente político e dialogava, a todo o tempo, com
o contexto reformista das duas últimas décadas do Império. De um lado, portanto, desejamos
pensar aquele folheto como um discurso político a ser compreendido em sua temporalidade, muito
24 Até que ponto os políticos imperiais estavam dispostos a defender o setor secundário e em que medida os
industriais se faziam escutar na definição dos rumos da política aduaneira? Esta discussão foi feita por Nícia
Vilela Luz em seu A luta pela industrialização do Brasil (1975). Neste livro encontramos análises e excertos dos
principais relatórios dos ministros da pasta da Fazenda. Quando estivemos na Biblioteca Nacional do Rio de
Janeiro, consultamos um desses relatórios na íntegra. Trata-se do relatório apresentado pelo Ministro da Fazenda,
Rodrigues Torres, à 1ª sessão da 8ª legislatura, em 1850. Além de ser conselheiro financeiro do Imperador, o
visconde de Itaboraí ocupou por diversas vezes a pasta da Fazenda durante o Império e foi um dos membros da
trindade saquarema. Este relatório traduz bem o que foi a política econômica do Império em relação ao setor
industrial brasileiro. A parte deste documento dedicada à indústria também será ressaltada no segundo capítulo.
23
especialmente, tendo em vista seu contexto histórico-intelectual. Por outro lado, contudo, também
temos a intenção de demonstrar de que formas um escrito, enfocando a vida de um indivíduo e feito
por ele mesmo, tornou-se significativo nas discussões que se davam em torno do tema da nação e da
nacionalidade, cerca de cinqüenta anos após ter vindo a lume. A idéia central do capítulo é
evidenciar que, valendo-se das especificidades da escrita autobiográfica, Irineu Evangelista de
Souza não somente deu sua contribuição pessoal aos debates políticos que agitaram o final do
período imperial, mas, ao assim fazê-lo, auto-instituiu-se como um símbolo da luta pela
modernização industrial do Brasil. Um símbolo que, decênios depois, foi re-apropriado como
um ícone do progresso, essencial tanto para o seu ingresso no rol dos heróis nacionais, como
para a renovação do pensamento social brasileiro.
Escrita em 1878, durante o momento mais sombrio da vida de um bem-sucedido
homem de negócios, a Exposição aos credores teve e continua a ter uma importância crucial
para a história da memória do visconde. Todos quantos escreveram sobre Mauá sempre
fizeram alguma menção àquele folheto, invariavelmente repetindo as mesmas imagens que
Irineu Evangelista elaborou para si naquelas páginas. Reconstruir os fios que ligam a vida do
visconde e, muito particularmente, as representações políticas presentes no interior da
Exposição aos credores às discussões em torno da nação e da nacionalidade verificadas nos
anos 1920 e 1930 será indispensável para compreendermos o prestígio conquistado pelo
personagem protagonista desta Dissertação naquela temporalidade futura. Para tanto, será
imprescindível explorar alguns aspectos do fazer autobiográfico – gênero literário em que a
Exposição aos credores foi escrita. Definir historicamente este gênero, discutir seus
significados ao longo do tempo, demarcar o surgimento da nova prática autobiográfica a partir
da modernidade, refletir sobre a natureza da escrita de si, atentando para suas características e
especificidades, problematizar a relevância do estilo para a compreensão de uma narrativa,
24
todas essas são temáticas a ser levadas em conta, visto que conhecer a linguagem de uma
fonte é a primeira condição para poder tentar decifrá-la.
Na primeira parte desta Dissertação, perseguimos as “credenciais históricas” que,
numa conjuntura futura, levaram o visconde de Mauá a se tornar uma figura de destaque no
imaginário político nacional. Uma questão resume o esforço básico desta primeira grande
seção: o que o personagem Mauá trazia consigo que fez dele um personagem significativo
para as elites brasileiras nas décadas de 1920 e 1930? O papel, ao mesmo tempo trágico e
glorioso, protagonizado por Irineu Evangelista no cenário do primeiro surto industrial vivido
pelo país, em meados do século XIX, mas, sobretudo, o empreendimento de sua representação
autobiográfica representam as duas respostas principais que encontramos para aquela
pergunta. Na segunda parte desta Dissertação, voltamos toda nossa atenção para o período em
que o visconde foi conduzido ao panteão cívico nacional, por parte significativa das elites
brasileiras. Estamos interessados nos significados assumidos por este novo herói nas décadas
de 1920, assim como por sua contribuição para a renovação do pensamento político do país
no decênio seguinte.
No processo de consolidação de Irineu Evangelista no imaginário político
brasileiro, a biografia publicada em 1926 por Alberto de Faria desempenhou um papel de
absoluta centralidade. Entre 1925 e 1929, em razão do impacto nacional causado por esta
obra, o interesse pelo visconde conheceu seu primeiro pico entre as elites do país. Haja vista a
enorme importância do livro de Faria no esforço cívico responsável pela inclusão de Mauá
entre os grandes heróis brasileiros, o quarto capítulo desta Dissertação será consagrado à
análise dos significados mais imediatos assumidos pela biografia em questão, naquela
temporalidade. Intentamos mostrar, neste capítulo, que a ênfase dada ao novo herói e o desejo
de efetivá-lo no panteão cívico do país estavam intimamente ligados ao amadurecimento de
um projeto de Brasil que se voltava para duas áreas estratégicas e cada vez mais interligadas
25
da vida nacional, a política e a educação, e se interessava prioritariamente pela modernização
industrial da nação.
Além do Mauá de Faria, neste capítulo, também nos valemos, sempre que
necessário, da recepção desta obra, para melhor delinear suas intervenções no contexto
histórico-intelectual daquele período. Assim sendo, de forma auxiliar ou complementar, um
rico conjunto de artigos, livros e outros textos integrarão o rol das fontes deste capítulo. São
pequenos textos retirados de jornais dos principais centros na época da publicação do livro de
Faria; são conferências ou discursos apresentados em eventos em que a figura de Mauá estava
em pauta; são livros cuja temática acercava-se dos temas em foco neste capítulo ou do seu
personagem principal, Irineu Evangelista; enfim, são escritos de circunstância e textos
claramente datados que, na perspectiva da nova História das Idéias 25, revestem-se de um
valor especial. A despeito de serem constituídos basicamente por escritos de ocasião, será esse
precioso corpus documental que nos permitirá visualizar, com maior vivacidade e exatidão, o
ambiente intelectual, a gramática das linguagens políticas da época em que a obra de Faria
veio à tona 26.
Finalmente, no quinto capítulo desta Dissertação, dividimos nossa atenção em
dois pontos interdependentes. A princípio, vamos abordar a repercussão menos imediata da
25 “[...] nos últimos 20 anos, a história das idéias desceu daquele empíreo onde freqüentava apenas autores de
renome; interessou-se pelas mil degradações do modelo original, pelas formulações vulgares dos temas
políticos, pelo pensamento automático dos órgãos de opinião, pelos reflexos condicionados, pela circulação dos
mitos e dos esteriótipos, pelos novos suportes dos enunciados ideológicos... Mais preocupada em acompanhar o
trabalho das idéias na sociedade política, ela passou de uma certa forma da história da literatura e da filosofia
para uma história das mentalidades políticas. Sempre atenta à produção intelectual personalizada, está,
entretanto, cada vez mais empenhada em apreender o que Michel Foucault chamava de “filosofia espontânea”
daqueles que não filosofam”. (WINOCK, 1996, p. 284-5 apud LOPES, 2002, p. 65).
26 “Estudar o contexto de qualquer grande obra de filosofia política não significa apenas adquirir uma
informação adicional sobre sua etiologia; também implica dotar-nos [...] com um meio de alcançar maior visão
interna do que seu autor queria dizer. [...] Podemos começar assim a ver não apenas que argumentos eles
apresentavam, mas também as questões que formulavam e tentavam responder, e em que medida aceitavam e
endossavam, ou contestavam e repeliam, ou às vezes até ignoravam (de forma polêmica), as idéias e convenções
então predominantes no debate político. Não podemos esperar atingir esse nível de compreensão estudando tãosomente os próprios textos. A fim de percebê-los como respostas a questões específicas, precisamos saber algo
da sociedade na qual foram escritos. E, a fim de reconhecer a direção e força exatas de seus argumentos,
necessitamos ter alguma apreciação do vocabulário político mais amplo de sua época”. (SKINNER, 2003, p.
13).
26
biografia do embaixador Alberto de Faria, procurando evidenciar as repercussões desta obra
sobre o pensamento social brasileiro. Entendemos que um dos impactos de maior alcance do
Mauá de Faria foi chamar a atenção das elites brasileiras para a centralidade das questões
econômicas na trajetória da formação social do país. De um lado, o sucesso deste livro neste
esforço de redirecionar o foco de interesse do pensamento social brasileiro para os assuntos
econômicos, ao que tudo indica, esteve intimamente ligado à natureza da escrita biográfica,
capaz de seduzir os leitores tanto por seu caráter literário, aberto ao universo onírico da
imaginação, quanto por seu caráter histórico, alicerçado nos ideais da objetividade da
narrativa. Por outro lado, entendemos que um outro elemento se agregou à natureza biográfica
do texto de Faria, facilitando-lhe o impacto, qual seja: a, então nascente, historiografia
econômica. Discutimos o processo de consolidação deste ramo da historiografia em um tópico
especial, no qual aproveitamos para analisar quatro obras que marcaram o início desta
especialidade do saber histórico no país 27.
Concluído esse primeiro momento, em um segundo, vamos dirigir nossa atenção
para um autor do pensamento social brasileiro, intentando estabelecer suas interfaces, seja
com o ramo historiográfico supracitado e em processo de consolidação, seja com a memória
nacional em torno do visconde de Mauá – objeto de estudo central desta Dissertação. Neste
momento, a obra de Azevedo Amaral receberá um destaque especial. Um dos primeiros
intelectuais, certamente, o de maior envergadura na época, a levar em conta a importância do
econômico na trajetória histórica do país foi Azevedo Amaral. Pensador político nacionalista
e modernizante, este intelectual considerava a industrialização como a única solução para o
problema do “atraso” brasileiro. Grande admirador de Irineu Evangelista, não deixa de ser
curioso que o período historiográfico fértil (1930-1941) de Azevedo Amaral tenha,
27 As obras em destaque são: Histórico da formação econômica do Brasil (1922) de Vitor Vianna; Pontos de
partida para a história econômica do Brasil (1923) de José Gabriel de Lemos Brito; Evolução econômica do
Brasil (1935; a primeira edição brasileira data de 1939) do norte-americano J. F. Normano; e História econômica
do Brasil (1937) de Roberto Cochrane Simonsen.
27
justamente, coincidido com o momento em que Mauá já se consolidara como um herói
nacional entre as elites brasileiras. Ensaios brasileiros, sua primeira obra de análise da
formação social do Brasil, é de 1930. Naquela data, a repercussão causada pela publicação de
Mauá, marco inicial na memória em torno do visconde, já havia arrefecido, tendo a biografia
de Faria cumprido, com êxito, sua missão cívica de resgate da memória do visconde. Por toda
a década, Azevedo Amaral continuou a escrever, sempre defendendo o desenvolvimento
industrial do país e fazendo apologias ao visconde. Consideramos o conjunto da obra deste
autor como o marco inaugural da tradição da modernização industrial no pensamento social
brasileiro – um marco para o qual as representações políticas veiculadas pelo visconde de
Mauá em sua autobiografia e re-apropriadas, muito particularmente, pela biografia escrita por
Alberto de Faria tiveram, sem dúvida, uma parcela considerável de contribuição.
A hipótese fundamental defendida nesta Dissertação pode ser formulada nos
seguintes termos: a auto-imagem elaborada por Mauá em sua Exposição aos credores, obra de
1878, ao ser re-apropriada no final da década de 1920 a partir da veiculação do Mauá de
Alberto de Faria, teria desempenhado um papel de relevo para o surgimento, no nível do
discurso, de uma nova tradição no pensamento social brasileiro, a modernização industrial,
que, em certo sentido, inclusive, já se concretizava, simultaneamente, no âmbito das práticas
políticas, ao longo da década de 1930. Este é um trabalho que almeja, partindo da análise das
representações políticas em torno da figura de Irineu Evangelista de Souza, inicialmente,
construídas em sua própria narrativa autobiográfica e, posteriormente, retomadas em uma
narrativa biográfica, a primeira de vulto sobre o visconde, surpreender os fundamentos de
uma nova racionalidade política em processo de constituição nos anos 1920 e 1930.
28
PRIMEIRA PARTE
UMA IMAGEM EM CONSTRUÇÃO:
OS PRIMEIROS ALICERCES DE UM MITO
29
2 - A TRAJETÓRIA EMPRESARIAL DE IRINEU EVANGELISTA DE SOUZA:
UMA ABORDAGEM HISTORIOGRÁFICA PRELIMINAR
31 de maio de 1871. Fui com o Antônio ao Barão de
Mauá, tratar da organização do Caminho de Ferro
do Paraná. Recebeu-nos com a benevolência de
costume; guardou as plantas e o Prospecto, a fim de
dar solução na segunda-feira.
O Barão de Mauá é indubitavelmente o mais
inteligente e o mais patriótico dos capitalistas com os
quais eu tenho lidado. Se não fossem os seus
embaraços financeiros e sua ausência no Rio da
Prata, eu nunca teria tratado com outro.
Diário de André Rebouças.
Foi confinado em sua fazenda Atalaia, em Sapopemba, que Irineu Evangelista de
Souza, consternado pela dor falência, empreendeu sua mais duradoura obra, em meados de
1878. Escrita em pouco mais de duas semanas, a Exposição do visconde de Mauá aos
credores de Mauá & Cia. e ao público exprimia toda a amargura e desilusão de um dos
homens mais ricos do Império, no transe mais aterrador de sua existência. Três anos antes, por
ocasião da moratória de seu banco, Mauá já tinha concebido produzir este folheto, sendo,
então, demovido por amigos 28. Agora chegara o momento decisivo: nada mais havia a salvar;
restava apenas sua honra. Debruçando-se sobre esta empresa, o visconde produziu uma obra
que, afinal de contas, não apenas conseguiu expressar em palavras uma imagem do seu
28 “Já em 1875, [...] tive a intenção de intenção de fazer esta exposição, de que fui desviado por amigos que
viam na manifestação um ato de despeito, quando aliás, então como hoje, entendo ser ela o cumprimento de um
dever”. (MAUÁ, Autobiografia, p. 227. Reiteramos: as citações, livres e textuais, referentes à Exposição aos
credores tomaram como base a segunda edição desta obra, feita em 1942 e reimpressa em 1943. Valemo-nos
desta reimpressão).
30
conturbado estado de espírito, mas também obteve sucesso em representar o clamor de toda
uma classe em formação – referimo-nos à burguesia industrial.
O período da vida do visconde de Mauá em foco no texto de sua Exposição aos
credores correspondeu à época denominada por Capistrano de Abreu como o apogeu do
Império 29. Trata-se da segunda metade do século XIX, muito particularmente de seu terceiro
quartel. Nessa época, as grandes rebeliões regenciais já haviam sido apaziguadas, muito
embora as insatisfações sociais ainda não tivessem sido de todo eliminadas e, vez ou outra,
arrebentassem em motins (localizados, é bem verdade) 30. O Estado imperial e a integridade
territorial da nação estavam consolidados. A expansão da cafeicultura pelo vale do Paraíba,
adentrando o norte e, posteriormente, atingindo o oeste da província de São Paulo, colocava o
recém-independente país no bojo da economia mundial, em franca expansão. Enfim, a
unidade e o crescimento aconteciam, patrocinados por uma política conservadora que
privilegiava o setor produtivo brasileiro mais bem integrado na economia internacional.
Vejamos um pouco mais detidamente como se chegou a essa fase.
A vinda da Corte para a cidade do Rio de Janeiro marcou o início efetivo do
processo de “interiorização da metrópole” 31 . Os interesses dos colonizadores foram se
enraizando no então chamado Sul do país, correspondente próximo do atual centro-sul,
particularmente, na província do Rio de Janeiro – coração financeiro e burocrático da colônia.
O significativo crescimento populacional da cidade da Corte naqueles decênios traduz a
29 ABREU, 1976, p. 83.
30 Quatro grandes rebeliões marcaram o período regencial: a Cabanagem no Pará (1835-1840); a Sabinada na
Bahia (1837-1838); a Balaiada no Maranhão (1838-1840); e a Farroupilha no Rio Grande do Sul (1836-1845).
Na segunda metade do século XIX, as insatisfações da população imperial se fizeram sentir, sobretudo, em
regiões mais distantes da ação do poder central, como o nordeste do país. Essas rebeliões tiveram como
detonador imediato resoluções do governo imperial. Entre 1851 e 1852, uma série de rebeliões, conhecidas como
o “Ronco da Abelha”, ocorrerem nas províncias nordestinas. Entre 1874 e 1875, novas agitações populares
aconteceram na região mencionada. Estas rebeliões ficaram conhecidas pelo nome de “Quebra-Quilos”.
(MONTEIRO, 1977/1978; OLIVEIRA, 2005).
31 A tese da “interiorização da metrópole” foi defendida, pela primeira vez, por Maria Odila Leite da Silva Dias
em um artigo de mesmo nome que se encontra em: MOTTA, 1972. Para uma breve avaliação historiográfica de
como esta tese foi amadurecendo ao longo da obra de Silva e de como, após sua publicação, a idéia foi recebida
pelos historiadores dedicados, especialmente, aos estudos do Brasil Colônia e Império, cf. GOUVÊA, 2005.
31
importância crescente da localidade dentro do Império. Era lá que se concentravam a
administração, a vida política e os principais interesses econômicos. A cidade do Rio se
tornou o ponto de encontro da aristocracia e dos burocratas, dos grandes comerciantes e dos
capitalistas, dos plantadores escravistas e das autoridades estrangeiras. Na Corte, todos esses
interesses se mesclavam e tendiam a encontrar um denominador comum, sob os auspícios da
Coroa. Esta necessitava de apoio e de recursos para empreender sua política de reformas;
aqueles recebiam do poder central benesses, como pedaços de terra e outros privilégios, bem
como, honrarias, especialmente, títulos de nobreza.32
Foi também a partir dali (da Corte, entenda-se) que a promissora lavoura do café,
cujo cultivo já era incentivado pelo trono desde os tempos de D. João VI, avançou de forma
surpreendente pelo interior fluminense, pelo norte de São Paulo (continuação paulista do Vale
do Paraíba) e pelo Sul de Minas e pela Zona da Mata mineira - embora a produção nestas duas
últimas áreas não tenha sido tão relevante no cômputo nacional, sobretudo durante a primeira
metade do século XIX. Naquele período, a produção cafeeira fluminense foi a grande
responsável pelos aumentos consideráveis das exportações de café do Império, atingindo mais
de três quartos da produção nacional. As exportações efetuadas pelo porto do Rio
representavam, então, cerca de 55% da renda nacional das alfândegas – de longe a principal
fonte de receita do governo central.33
Não por acaso a Corte se tornou o locus de decisão dos destinos do Império,
muitas vezes, em confronto com os interesses de outras regiões. A partir de lá é que se
difundia o projeto de um grande império colonial português: sonho nutrido já há algum tempo
por estadistas lusos e que na figura de D. Rodrigo de Souza Coutinho, o conde de Linhares,
ministro e conselheiro de D. João VI, efetivara-se com a Transmigração. A concepção de um
Império português transparece nos eventos que marcaram a emancipação política do Brasil. A
32 MATTOS, 1987, p. 45-57.
33 CARVALHO, 1999, p. 168; MATTOS, 1987, p. 58-61.
32
preferência pela união ou federação monárquica, já encaminhada desde 1815 com a
instauração do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, só foi vencida pela insistência das
Cortes em restabelecer a política colonial. Daí, então, a opção das elites, em geral, foi pela
separação com monarquia constitucional. A solução republicana, apesar de alguns adeptos,
não gozou de grande aceitação entre os grupos dominantes, aterrorizados com a Revolução de
São Domingos ocorrida no Haiti, em 1792. Além disso, as províncias do Sul receavam que as
do Norte viessem a se separar – ameaça factível durante os conflitos civis que marcaram o
reconhecimento interno da Independência. Uma vez definida a monarquia como o regime
político do novo país, tudo isso favoreceu a imposição da centralização, não sem antes muitas
lutas terem sido travadas.34
As tendências federalistas voltaram a se manifestar com força após a Abdicação
de D. Pedro I. Em 1831, a Câmara deu o primeiro passo nesse sentido, aprovando um projeto
de reforma da Constituição. Três anos mais tarde estava pronto o Ato Adicional que aplicou
alguns princípios federalistas à monarquia em vigor, como a instauração de assembléias
provinciais e a adoção da divisão de rendas entre o poder central e o das províncias. Procurouse também, por meio da mesma reforma, eliminar os traços absolutistas da monarquia
brasileira. O projeto apresentado em 1831 na Câmara previa o fim do Conselho de Estado, do
Poder Moderador e da vitaliciedade do Senado. Apenas a primeira medida foi incluída no Ato
Adicional. Conseqüência ou não das reformas descentralizadoras, uma série de revoltas
estourou por todo o Império, sobretudo em áreas mais distantes do atual sudeste do país, onde
a autoridade da Coroa se fazia respeitar com mais facilidade. Frutos de conflitos intra-elites
pelo poder provincial, muitas dessas revoltas se tornaram assustadoras ao assumirem
contornos de verdadeiras guerras civis. Foi o caso da Cabanagem (1835-1840) no Pará.
Durante os conflitos, envolvendo grupos de índios, camponeses e escravos, cerca de 30 mil
34 CARVALHO, 1999, p. 159-164; DIAS, 1980/1981, p. 214-219; MATTOS, 1987, p. 45-57.
33
pessoas foram mortas: aproximadamente, 20% da população da província. Contestações como
a Farroupilha, no Rio Grande do Sul, também impressionam por sua longevidade: iniciado em
1935, o movimento só foi apaziguado em pleno Segundo Reinado, no ano de 1945. Todas
essas revoltas, ao todo cinco grandes revoltas ocorreram naquele período, deixaram marcas
profundas nos homens que viveram a Regência e influenciaram, de forma decisiva, os rumos
do processo de construção do Estado nacional no Brasil.35
A consolidação do Estado imperial foi o resultado de uma ação política levada a
cabo por uma elite senhorial vinculada aos interesses da agricultura mercantil-escravista,
sobretudo, a do sudeste. Durante a primeira metade do Oitocentos, período da “acumulação
primitiva de poder” 36, esta elite era composta basicamente por funcionários públicos. Seu
núcleo duro localizava-se na província do Rio de Janeiro, sendo composto pelos chamados
saquaremas. Dentre este grupo, destacavam-se três nomes, figuras de proa no Partido
Conservador: Rodrigues Torres, futuro visconde de Itaboraí; Paulino José Soares de Sousa,
futuro visconde do Uruguai; e, Eusébio de Queirós. Eram a trindade saquarema. Em síntese,
o que os Saquaremas propunham era o reforço do poder estatal e a necessidade de um
governo mais centralizado para conter as disputas entre facções, alimentadas pela agitada
experiência republicana dos anos da Regência. Eles estiveram na base do movimento, desde
então conhecido como o Regresso ou a Reação.37
Tendo início nos anos finais da Regência, quando da renúncia do regente liberal,
Feijó, em 1837, a reação conservadora foi avassaladora. Inúmeros liberais aderiram ao
movimento: o caso mais conhecido é o de Bernardo Pereira de Vasconcelos, redator do Ato
Adicional de 1834. Era preciso pôr termo às convulsões locais que ameaçavam a ordem e a
integridade do país: este foi o pensamento dominante na época. Para tanto, um pacote de
35 CARVALHO, 1999, p. 164-167.
36 A tese da “acumulação primitiva de poder” é uma formulação de José Murilo de Carvalho baseada, segundo o
próprio autor, na idéia da “concentração primitiva de poder” de Frey. Ver: CARVALHO, 1999, p. 103-104.
37 CARVALHO, 1996, p. 17-18, 103-104; DIAS, 1980/1981, p. 217-218; MATTOS, 1987, p. 2-4, 108-109.
34
medidas foi implementado, visando promover a centralização política e administrativa no
Império. Era a reforma do Ato Adicional. O Poder Moderador, a que cabia o direito de formar
o ministério, e o Senado vitalício foram mantidos, sendo restabelecido, em 1841, o Conselho
de Estado (os três grandes baluartes do absolutismo); os presidentes das províncias foram
investidos de maiores poderes, passando a serem constituídos pelo governo central; e, o juiz
de paz perdeu boa parte de suas prerrogativas, sendo estas assumidas por delegados indicados
pelo ministro da Justiça, que também ficou responsável pela nomeação dos altos cargos da
Guarda Nacional.38
Apesar de promovida pelos liberais como tentativa de frear o Regresso, o episódio
da Maioridade acabou sendo uma vitória dos grupos conservadores. Mais que a vitória do
princípio monárquico, então, quase uma unanimidade, a Aclamação e a Coroação do jovem
imperador significaram a vitória de uma concepção política corporativista. Fazendo
prevalecer a tradição do Iluminismo português, mais preocupada com a reforma e o
fortalecimento do poder estatal do que com medidas de caráter libertário ou revolucionário
baseadas no individualismo jusnaturalista, os saquaremas estabeleceram solidamente a
identificação da Coroa com a unidade territorial e, assim, tiveram condições de impor a
monarquia associada à centralização. O Império estabelecia-se como uma continuidade do
passado: era a retomada do Despotismo Ilustrado português, bastante vivo quando da
emancipação política do Brasil, seja para conservar a integridade do país, dissipando o perigo
republicano, seja para manter a hierarquização social típica de uma ordem escravista.39
Havendo derrotado os luzias, termo pejorativo com que foram denominados os
liberais após os movimentos de 1842, os saquaremas assumiram de vez a condução política e,
sobretudo, intelectual do Estado. Apesar da alternância dos ministérios, a “cara” do Império
coincidia muito mais com os traços peculiares ao grupo vitorioso. Como defende Ilmar
38 CARVALHO, 1999, p. 167-170; DIAS, 1980-1981, p. 222-223.
39 CARVALHO, 1999, p. 167-168; DIAS, 1980-1981, p. 223-225; MATTOS, 1987, p. 80-83.
35
Rohloff de Mattos, a construção do Estado e a formação da elite senhorial ocorriam pari
passu: de um lado, os saquaremas se distinguiam como os protagonistas do Regresso,
agregando em torno de si os interesses dos grandes comerciantes do centro-sul, da burocracia
(sobretudo, dos magistrados) da Corte e dos plantadores escravistas do Vale do Paraíba, fruto
da expansão da cafeicultura; do outro, a Coroa era estabelecida como uma espécie de Partido,
na acepção gramsciana do termo, sendo o locus principal da atuação política do núcleo
conservador.40
A ação saquarema realizou-se por meio de uma dominação e uma direção. A
dominação implicava em investimentos para a construção de um Estado moderno que se
impusesse à população por meio de um corpo burocrático bem aparelhado e uma
administração eficiente. Era a forma de se impor a Ordem e fazer reinar a harmonia social,
evitando os excessos do mundo privado. A direção, por sua vez, significava difundir as luzes,
emparelhando o país com as Nações Civilizadas e propagando os valores cívicos desejados. A
educação tinha como foco a boa sociedade e o povo mais ou menos miúdo. Ficavam de fora
os escravos. Ambas (dominação e direção) visavam a manutenção dos privilégios gozados
pelas elites e ameaçados durante as disputas que marcaram os eventos da Emancipação. Seu
objetivo era modernizar as estruturas político-administrativas do país, preservando ao mesmo
tempo a continuidade da ordem sócio-econômica colonial. Os saquaremas foram vitoriosos,
na mesma medida em que obtiveram sucesso em associar aos seus projetos os interesses de
grupos conservadores próximos e distantes da Corte e conquistaram a anuência e, mesmo, o
apoio dos liberais. Muito embora houvesse conflitos dentre os conservadores e entre
conservadores e liberais, algo os unia: todos eles participavam da elite e tinham seus olhos
voltados para a conservação de sua classe - então, baseada na propriedade de terras e de
escravos.41
40 MATTOS, 1987, p. 92-93, 104-106, 151-158.
41 DIAS, 1980/1981, p. 212, 224-225; MATTOS, 1987, p. 109-115, 195-209, 256-275.
36
A defesa do status quo conduziu conservadores e liberais a uma aproximação, não
apenas no que se refere à necessidade do regime monárquico no Brasil, como também à
importância da escravidão para o país. Como mostra José Murilo de Carvalho, em seu estudo
sobre a elite imperial brasileira, o grosso dos partidos políticos no período de consolidação do
Estado era formado por grandes proprietários, tendo o Partido Conservador a tendência a
concentrar funcionários públicos em seus quadros e o Partido Liberal, primeiramente, padres
e, depois, profissionais liberais e alguns industriais. Essa coalizão de interesses explica muito
bem o porquê dos conservadores terem se destacado tanto na defesa de um poder forte e
centralizado. Por outro lado, esclarece ainda o compromisso da Coroa com a manutenção da
escravidão – instituição contrariada frontalmente pela Inglaterra e cujas pressões foram
decisivas para a abolição do tráfico intercontinental de negros, em 1850, a despeito dos fortes
interesses ligados à continuidade da exploração da terra com mão-de-obra escrava africana. 42
No decorrer de todo o século XIX, a presença britânica em território brasileiro foi
marcante e, em alguns momentos, até mesmo ostensiva 43 . Inúmeros pesquisadores têm
estudado as influências dos britânicos sobre a sociedade daquela época, em seus contatos com
as diversas camadas da população nativa, dependendo de sua esfera de atuação. Foi um inglês,
entendido aqui em sua acepção ampla, diga-se, um britânico, que esteve na base de toda a
vida empresarial da figura protagonista desta Dissertação. O escocês Richard Carruthers,
42 CARVALHO, 1996, p. 191-193, 205; MATTOS, 1987, p. 115-127, 274-275.
43 “A posição privilegiadíssima que, ainda na fase colonial do Brasil, a Inglaterra conseguira para seus
produtos nos mercados brasileiros, não poderia deixar de dar à influência inglesa na América portuguesa o
perfil aquilino das influências imperiais. [...] A verdade é que bastaria para caracterizar a situação de quase
colônia do Brasil, durante grande parte da primeira metade do século XIX, em face da Grã-Bretanha, o fato de,
mesmo depois de proclamada a independência brasileira, de promulgado pelo novo Império um código
criminal, de instituído um sistema judiciário próprio, o Governo britânico ter inflexivelmente recusado a
reconhecer como satisfatórios os juízes consagrados pela Constituição do Império, mantendo aqui os seus
especialíssimos “juízes conservadores”: um privilégio extraterritorial que só desapareceria de todo em 1844. À
sombra de tais privilégios é que a economia brasileira fora imperialmente dominada pela britânica; de tal modo
que em 1812 o Brasil consumia 25% mais artigos ingleses do que a Ásia inteira e mais de 4/5 do total absorvido
pela América do Sul”. (FREYRE, 1948, p. 176-177). Também vale lembrar que muitas das empresas criadas por
Mauá foram, posteriormente, absorvidas por capitais ingleses: tal foi o destino, por exemplo, da Companhia de
Iluminação a Gás do Rio de Janeiro e da Companhia de Navegação a Vapor do Amazonas. (MAUÁ,
Autobiografia, p. 124, nota 44).
37
segundo o próprio Irineu Evangelista de Souza, “um dos melhores tipos da humanidade” 44,
foi quem o distinguiu nos negócios, colocando-o como sócio gerente de seu estabelecimento
comercial, ao retornar para sua terra de origem. Mais tarde, além de conselheiro e amigo fiel,
Carruthers sempre esteve ligado aos empreendimentos de Mauá, sobretudo, secundando-o na
captação de recursos financeiros no exterior45. A gratidão de Mauá ao parceiro era ilimitada;
em carta datada de 1861, o barão confessava: “... tudo o que de bom existe em mim devo ao
que foi incutido há trinta anos em minha jovem mentalidade de então, por você” 46.
A preeminência inglesa no Brasil 47 ao longo do século XIX não foi casual. Ela
esteve ligada ao processo avassalador de expansão do capitalismo pelo mundo, a começar da
Europa e passando por suas colônias asiáticas e africanas, bem como, por suas zonas de
influência econômica na América. Tendo seu início com a Revolução Industrial na Inglaterra,
em meados do século XVIII, a primeira fase do capitalismo (1770-1870) foi dominada quase
que exclusivamente pelos britânicos. Em posição secundária e tendo um papel ainda muito
tímido, estava a França, com sua produção de artigos de luxo. Esta é a etapa do capitalismo
livre-concorrencial, momento em que, sob a batuta inglesa, a divisão internacional do trabalho
disseminou-se pelo mundo, incentivando a especialização de cada país num ramo da produção
e promovendo a integração das nações através da troca crescente de produtos.48
Com números grandiloqüentes, Eric Hobsbawm mostra o desenvolvimento
acentuado do comércio mundial, na mesma proporção em que se ampliava a capacidade
produtiva das nações. Entre 1850 e 1870, período da grande expansão que preparou o
caminho para a nova fase do capitalismo, a fase monopolista, a produção mundial de carvão
cresceu duas vezes e meia; a de ferro, quatro vezes; e a força total de vapor em HP, quatro
44 MAUÁ, Autobiografia, p. 95.
45 CALDEIRA, 1995, p. 165-166; MARCHANT, 1965, p. 117.
46 GRAHAM, 1973, p. 208.
47 Utilizamos aqui a expressão de um estudo clássico sobre a influência político-econômica dos britânicos em
território brasileiro. Cf. MANCHESTER, 1973.
48 GRAHAM, 1973, p. 11-14; HARDMAN & LEONARDI, 1982, p. 26-29; SINGER, 1977, p. 347-349.
38
vezes e meia. Nestes mesmos anos, o comércio internacional, que não chegara a duplicar entre
1800 e 1840, teve um aumento de 260%. A mistura explosiva de capital barato com
perspectivas de elevação dos preços foi a grande responsável por esse verdadeiro boom, do
qual o recém-independente, Brasil, não ficou de fora.49
O crescimento espantoso da indústria dos países capitalistas em franca expansão
naqueles anos – vale dizer, Inglaterra, Estados Unidos e Alemanha, especialmente - requeria
mercados para seus produtos. Isso foi obtido com a formação de um mercado expandido a
nível mundial, na segunda metade do século XIX. Graças aos avanços dos meios de transporte
alcançados pelo emprego do vapor em locomotivas e navios e às melhorias nas comunicações
após a invenção do telégrafo elétrico, o planeta foi se unificando. Em 1975, o mundo tinha
cerca de 62 mil locomotivas, transportando por estimativa 1371 milhões de passageiros e 715
milhões de toneladas de mercadorias. Na década de 1870 e, sobretudo, na seguinte, os vapores
assumiram a liderança do transporte marítimo, dinamizando significativamente a navegação.
A instalação de cabos submarinos ganhou grande impulso após o sucesso do Great Western
em 1865, responsável pela ligação telegráfica do Velho com o Novo Mundo, através do
Atlântico norte. Os contatos entre os povos tornavam-se mais freqüentes; a circulação de
mercadorias, uma rotina; e a padronização, uma tendência.50
Aquele foi um século, sobretudo durante seu terceiro quartel, de autoconfiança
praticamente ilimitada. O progresso espalhava-se por toda parte, tendo nas ferrovias seu
símbolo maior. “A chegada da estrada de ferro era em si mesmo um símbolo revolucionário,
já que a construção do planeta como uma economia única era, de várias formas, o aspecto
mais espetacular e de maior alcance da industrialização” 51. Além das locomotivas, ícones
em movimento da civilização, a indústria era celebrada periodicamente nas concorridas
Exposições Universais. Da segunda metade do século em diante, todos países do globo,
49 HOBSBAWM, 1977, p. 49-59.
50 HOBSBAWM, 1977, p. 53-54, 60-64, 66, 72-79, 83-86; SINGER, 1977, p. 347-349.
51 HOBSBAWM, 1977, p. 60.
39
inclusive o Brasil, se esforçaram por participar desses eventos e exibir os “frutos” de sua
civilização à emulação mundial. Tais espetáculos foram importantes não apenas para afagar o
orgulho nacional, mas muito mais ainda para disseminar entre os povos o otimismo e outros
valores e ideais do ethos burguês.52
Desde cedo, o Brasil se fez representar nesses eventos, tendo enviado pela
primeira vez uma delegação quando da Exposição de Londres em 1862. A participação
permanente do país nas exposições industriais contribuiu para construir e afirmar uma
imagem de nação moderna: era uma espécie de “ritual de passagem que o fazia atuar por
inteiro no concerto das nações” 53. Sendo, naquela época, um país essencialmente rural, a
presença brasileira nesse evento e naqueles que logo se sucederam foi marcada pelo
artesanato e por inovações técnicas ligadas à agricultura, muito embora a exposição de
manufaturas não tenha sido tão diminuta como, em geral, se pensa. A qualidade da
participação brasileira no principal evento do mundo burguês esteve diretamente relacionada
com sua posição na divisão internacional do trabalho, então, em configuração.54
Durante todo o século XIX e, mesmo, nas décadas iniciais do século seguinte, a
inserção do Brasil no comércio mundial foi limitada. As áreas do país que mantinham contato
freqüente com os mercados externos estavam restritas a manchas no território nacional –
geralmente, próximas do litoral ou, então, a ele ligadas por meio de ferrovias. Levando em
conta essas ressalvas, pode-se dizer que 1850, ano da abolição do tráfico negreiro
transatlântico, marcou o início da integração definitiva do país na divisão internacional do
trabalho, sendo o café o grande responsável por essa démarche. Alavancadas pela expansão
progressiva daquele produto, que desde a terceira década do Novecentos já predominava em
nossa pauta de exportações graças ao florescimento da lavoura cafeeira Vale do Paraíba
adentro, as exportações e importações brasileiras cresceram, respectivamente, 86% e 89%,
52 HARDMAN, 1998, p. 49-62; HOBSBAWM, 1977, p. 52-54, 60-62.
53 HARDMAN, 1998, p. 91.
54 HARDMAN, 1998, p. 67-91.
40
entre os anos de 1840 e 1860. Este impulso inicial, entretanto, já dava mostras de esgotamento
a partir da década de 1870, sendo recuperado somente na virada do século, sob os estímulos
da chegada de contínuas levas de imigrantes.55
O “lugar” ocupado pelo Brasil na economia mundial ao longo daquele século foi
apenas secundário: destacava-se como produtor de artigos primários ligados aos hábitos de
consumo citadinos e exportador de matérias-primas requeridas pelas indústrias modernas.
Ainda assim, o país ia se modernizando e industrializando, seja sob o estímulo das rendas
provenientes das lavouras mais lucrativas, especialmente, no centro-sul, seja sob a ação de
investimentos estrangeiros, particularmente, ingleses. Esses dois fatores, interligados,
permitiram a inclusão do país no turbilhão econômico mundial.56
O início da modernização do Brasil foi marcado por uma série de grandes
empreendimentos infra-estruturais. A ligação do país com os mercados estrangeiros e viceversa impunha-se como uma necessidade urgente. Nessas circunstâncias, a construção de
portos e de estradas de ferro cumpriu um papel fundamental, permitindo o escoamento da
produção do interior para o litoral e possibilitando a entrada de artigos e equipamentos
importados até as áreas mais distantes. A instalação de cabos submarinos também foi um
passo importante na integração internacional da nacionalidade. Os investimentos em
melhoramentos materiais, como então se dizia, foram a grande coqueluche do momento,
tendo recebido amplo apoio governamental e despertado a atenção dos ingleses - na época,
dispondo de considerável soma de capitais excedentes.57
Em 1852, após longa discussão no Parlamento, o Governo imperial baixou uma
lei de apoio à construção de ferrovias58. A partir daquele momento, toda companhia que fosse
55 HARDMAN & LEONARDI, 1982, p. 43-45; SINGER, 1977, p. 349-352.
56 HARDMAN & LEONARDI, 1982, p. 32-40; SINGER, 1977, p. 352-354.
57 GRAHAM, 1973, p. 32-34; HARDMAN & LEONARDI, 1982, p. 53-56.
58 Deve-se ressaltar que a aspiração por um caminho de ferro no Brasil já vinha de alguns anos atrás.
Regressando ao país após uma viagem no exterior, durante a qual procurara uma nova esposa para Sua
Majestade, D. Pedro I, Felisberto Caldeira Brant Pontes, o marquês de Barbacena, voltou com a idéia de
41
organizada com o propósito de construir uma estrada de ferro contaria com a garantia legal de
5% de juros por parte da União. Pouco tempo depois, essa taxa foi elevada para 7%, ficando o
complemento sob encargo dos governos provinciais. Nos anos que se seguiram, inúmeros
caminhos de ferro foram instalados, quase sempre contando com investimentos ingleses sobretudo, após o sucesso financeiro da São Paulo Railway, a mais lucrativa ferrovia do
período. Além da concessão de financiamentos, os ingleses também construíram caminhos de
ferro por conta própria. Em 1880, havia 11 companhias ferroviárias controladas por britânicos
no Brasil; em 1890, este número já era de 25.59
Na fase industrial de sua vida, Irineu Evangelista de Souza teve participação ora
mais, ora menos destacada no estabelecimento de inúmeras ferrovias no país, ao longo do
penúltimo quartel do século XIX. Foi o concessionário e o construtor da Estrada de Ferro de
Petrópolis, conhecida como E. F. Mauá. Atuou de forma decisiva para evitar uma quebra de
contrato no caso da E. F. Pedro II, resultado de incompatibilidades havidas entre a Diretoria
brasileira da empresa e o empreiteiro inglês das obras60. Obteve ainda a concessão para a
construção da E. F. Santos a Jundiaí e organizou a companhia em Londres, tendo seu banco, o
Banco Mauá & Cia., feito vários adiantamentos à firma construtora, mais tarde, não
ressarcidos pela companhia. Finalmente, ele não deixou de concorrer para a sorte de outros
caminhos de ferro seja com capitais próprios, seja com o prestígio do seu nome junto ao
crédito nacional e estrangeiro, sobretudo inglês. É o caso da E. F. de Recife ao São Francisco,
estabelecer a ligação férrea entre a província do Rio de Janeiro e a de Minas Gerais. Anos mais tarde, quando
Diogo Antônio de Feijó era Regente e Antônio Paulino Limpo de Abreu, visconde de Abaeté, Ministro interino
do Império, votou-se, em 31 de Outubro de 1835, uma lei autorizando a construção de uma ferrovia ligando a
capital do império às províncias de Minas Gerais e São Paulo. A medida não conseguiu animar o concurso de
capitais ingleses para o empreendimento; na ocasião, a praça de Londres fora consultada por uma delegação
brasileira. Apenas em 1840, um médico inglês residente no país obteve do Governo a concessão para construir
uma via férrea ligando o Rio de Janeiro a São Paulo. Sem a coadjuvação de parceiros para a empreitada, Thomas
Cochrane, primo do Almirante Cochrane, perdeu o privilégio dois anos depois. A legislação imperial só veio a
sofrer alterações em 1852. Sob influência do médico inglês Cochrane, a lei de 26 de junho daquele mesmo ano
definiu a garantia de juros supracitada. (BESOUCHET, 1978, p. 67-68; SOUZA FERREIRA, 1900, p. 92-93).
59 GRAHAM, 1973, p. 59-78; SINGER, 1977, p. 366-367.
60 Mauá encontrava-se envolvido neste empreendimento porque seu banco fora escolhido pela Diretoria “para
depositário dos fundos a recolher-se dos acionistas”. (MAUÁ, Autobiografia, p. 175).
42
marco do primeiro aporte de capitais britânicos em ferrovias brasileiras, da E. F. da Bahia e
da E. F. do Rio-Verde no sul da província de Minas, sem contar sua participação nas batalhas
pelas E. F. de Antonina a Curitiba e Paraná a Mato-Grosso – ainda que causas perdidas.61
A inauguração do trecho inicial da E. F. de Petrópolis rendeu a Irineu Evangelista
o título de barão de Mauá. No dia 30 de abril de 1854, praticamente dois anos depois de ter
recebido a concessão do Governo da província do Rio de Janeiro para construir o caminho de
ferro, ouviu-se pela primeira vez na América do Sul o sibilo da locomotiva – logo apelidada
pela multidão de Baronesa, em homenagem à esposa do empreendedor ilustre. O trajeto
percorrido tinha 14,5 Km de extensão, indo do porto de Mauá até a localidade de Fragoso.
Inúmeras personalidades da política e da nobreza ali estiveram presentes para receber e saudar
o melhoramento. Suas Majestades Imperiais compareceram pessoalmente. O povo também
acorreu em profusão. Foi tudo uma grande festa, muito embora cada qual a saboreasse a sua
maneira ou, melhor, nos limites impostos pela sua condição. Apenas alguns escolhidos da boa
sociedade puderam ter a honra de experimentar a novidade, em vagões-coche construídos
especialmente para a ocasião. É bastante conhecido o relato que deu do evento a pena
graciosa de Francisco Otaviano, amigo e advogado de Irineu Evangelista.62
Eis que o sibilo do vapor dá o sinal da primeira corrida, SS. MM. e toda a sua corte,
as autoridades superiores da província do Rio de Janeiro, o presidente do conselho,
os ministros do Império, da Marinha, da Guerra, as senhoras dos convidados e
muitas outras pessoas mais notáveis, embarcaram ao som de uma banda marcial e de
repetidos aplausos. A locomotiva arranca-se do ponto da estação, arrasta o comboio,
corre, voa, atravessa as nove milhas e um quarto da estrada concluída e chega dentro
de 23 minutos ao Fragoso, ponto de parada.
[...]
Não se pode descrever o entusiasmo com que todos à porfia saudaram o monarca
americano e sua augusta esposa quando estes apearam do coche particular que se
construíra e adereçara pomposamente no centro do comboio. Os vivas os mais
cordiais, os aplausos os mais frenéticos e espontâneos demonstraram o alto apreço
que nos merece uma dinastia que soube associar-se a todas as idéias nobres, grandes,
generosas, de progresso e de proteção ilustrada à indústria. Esses aplausos
redobraram quando o Sr. Ministro do Império levou à presença do Imperador o Sr.
Irineu, para que este agradecesse a prova de alta distinção, que aquele augusto
Senhor lhe acabava de conferir, condecorando-o com o título de BARÃO DE
MAUÁ.
61 MAUÁ, Autobiografia, p. 123-136, 145-152, 159-179, 185-201, 211-214.
62 SOUZA FERREIRA, 1900, p. 92-96.
43
[...]
O que se lia nos olhos de todos os que ali estavam era fácil de se rastrear. Como é
que só agora, em 1854, tínhamos o primeiro caminho de ferro, e este mesmo
limitado a um ensaio em tão pequena escala? 63
Vinte anos depois, um novo melhoramento permitiu a Mauá subir mais um degrau
da escala nobiliárquica. O lançamento de um cabo submarino ligando o Brasil à Europa, por
meio do telégrafo elétrico, foi o grande responsável pelo novo título de visconde. A idéia de
ligar o país ao “mundo civilizado” remontava a 1853, quando o Governo imperial abriu
concessões para a obra. Desde então, dois concessionários já haviam tentado, sem sucesso,
organizar a companhia. Em 1872, Irineu Evangelista recebeu o privilégio. No ano seguinte,
estava aberta em Londres a Brazilian Submarine Telegraph Company, para quem Mauá
vendera o privilégio. Finalmente, em 22 de junho de 1874, o Imperador teve a honra de
inaugurar o cabo transatlântico, enviando telegramas ao papa e à rainha da Inglaterra, de uma
sala da Biblioteca Nacional. Quatro dias depois, Irineu era elevado de barão a visconde de
Mauá.64
A atenção dos britânicos, retomando o fio da meada, era atraída não somente para
o aparelhamento infra-estrutural do país. Este era apenas um dos elementos necessários à
formação do complexo exportação-importação, no qual eram os principais interessados,
juntamente com os produtores e o governo brasileiro. Além de portos, ferrovias e telégrafos, a
entrada do país nas correntes de comércio em expansão dependia do estabelecimento de
firmas de importação e exportação, de companhias de navegação, de agências de seguro e de
bancos financiadores. Só para se ter uma idéia da força britânica nesse setor, digamos que, ao
todo, suas firmas exportadoras de produtos brasileiros eram responsáveis por cerca da metade
da exportação do açúcar e do café e em torno de 60% da exportação de algodão, na década de
1840. Na cidade do Rio, a colônia de comerciantes inglesas era poderosíssima. Ao longo do
Novecentos, a afamada Rua Direita foi durante muito tempo dominada por comerciantes
63 SOUZA FERREIRA, 1900, p. 95-96.
64 CALDEIRA, 1995, p. 493-494; MAUÁ, Autobiografia, p. 201-206.
44
ingleses. Seus estabelecimentos encontravam-se instalados nos arredores da Alfândega, cujas
ruas largas eram as mais apropriadas para o comércio de artigos em grosso.65
A hegemonia inglesa nos mares brasileiros também era flagrante. Em vários anos
da segunda metade do século, dos vapores estrangeiros que ancoraram no porto do Rio de
Janeiro (ainda o principal porto brasileiro), quase a metade era de origem britânica.
Destacava-se nesse tipo de serviços, a Royal Mail Steam Packet Navigation, empresa que
deteve, em 1850, o monopólio da primeira linha de vapores Grã-Bretanha-Brasil e, logo
depois, ficou responsável pelo transporte das malas do correio britânico para o país. A
travessia transatlântica exigia precauções; inúmeros navios eram segurados por companhias
inglesas, instaladas em Londres ou aqui mesmo no Brasil. Distinguiam-se nesse tipo de
serviço os Lloydes de Londres, com representantes na cidade Corte desde 1809, bem como, a
Marine Insurance Company e a Home and Colonial Marine Insurance Company também no
Rio de Janeiro.66
No que concerne à atividade bancária, calcula-se que os bancos britânicos
detinham 30% do montante dos ativos de todos os bancos estabelecidos no país e 57% da
soma dos ativos de todos os bancos estrangeiros aqui instalados. E isso em pleno ano de 1913,
quando a presença inglesa no Brasil já estava em declínio. Finalmente, para concluir esse
breve quadro do já conhecido imperialismo britânico no século XIX, mencione-se que os
Rothschilds de Londres foram nomeados, em 1855, agentes exclusivos do Brasil,
monopolizando o financiamento externo do Governo brasileiro por toda o Império e
conservando-o intacto até a Primeira República. Somente, em 1908, capitais de origem
francesa romperam o monopólio inglês sobre a dívida pública do país.67
Controlando boa parte desse amplo complexo comercial, muitos dos ingleses aqui
instalados ou com capitais aqui investidos amealharam fortunas fazendo esta organização
65 FREYRE, 1948, p. 73, 167-173; GRAHAM, 1973, p. 79-87.
66 FREYRE, 1948, p. 159-160; GRAHAM, 1973, p. 79-87.
67 GRAHAM, 1973, p. 79-87, 100-111; SINGER, 1977, p. 365-366.
45
mercantil funcionar. Sua tática tanto aqui, como alhures era ter em suas mãos boa parte do
transporte, do financiamento e da comercialização dos principais artigos de exportação da
economia brasileira, com destaque especial para o café. Ao assim procederem, eles evitavam
os riscos que o envolvimento direto com a produção agrícola acarretava e embolsavam os
lucros mais seguros provenientes dessas atividades acessórias, porém, essenciais, e para as
quais o capital nativo era insuficiente.68 Como bem observou, em 1854, Sérgio Teixeira de
Macedo, ministro brasileiro na Grã-Bretanha, a respeito do poderio marítimo internacional
dos ingleses:
O comércio entre dois países é movimentado com capital inglês, em navios ingleses
e por firmas inglesas. Os lucros,... os juros sobre o capital,... o pagamento dos
prêmios de seguros, as comissões e os dividendos provindos das operações
financeiras, tudo é carreado para o bolso dos ingleses.69
Até a Primeira Grande Guerra, a Grã-Bretanha foi o país que mais exportava
capitais em todo o mundo. Ao longo da segunda metade do século XIX, os investimentos
provenientes daquela nação foram se destinando de forma crescente para as partes mais
meridionais do Novo Mundo. Na medida em que a competição mundial avançava com a
ascensão de novas potências, inúmeros países (sobretudo) da Europa, antes receptores de
empréstimos ingleses, alcançaram o status de exportadores de capital. Nessas circunstâncias,
além do cômputo de inversões endereçadas ao império britânico terem aumentado
sensivelmente, a América do Sul foi se definindo como um importante destinatário de
recursos ingleses. Se, entre 1861 a 1870, esta região recebeu cerca de 10,5% do total de
investimentos britânicos; esse número atingia 20%, entre 1881 e 1890, sendo o Brasil e a
Argentina os principais beneficiários. Estes capitais, ao permitirem a maior integração do
Brasil na economia mundial, criavam novas necessidades de consumo que, por sua vez, iam
68 SINGER, 1977, p. 366-367.
69 GRAHAM, 1973, p. 79.
46
abrindo oportunidades de mercado, logo aproveitadas por empreendedores nacionais e
estrangeiros.70
Muitos desses novos industriais não dispunham de experiência industrial. Em
geral, dedicavam-se anteriormente à agricultura ou ao comércio em grosso. Eram
latifundiários desejosos de aplicar excedentes financeiros em outros setores da economia caso muito freqüente entre os cafeicultores paulistas, os quais nos períodos de queda dos
preços do café ou de fim de um ciclo de expansão da cultura viam na diversificação de suas
atividades uma opção tentadora. Eram comerciantes ligados ao ramo da importação, cuja
experiência no fornecimento de máquinas e equipamentos pesados fornecia-lhes certa aptidão
industrial, além das vantagens que já possuía alguém habituado a contrair créditos e
conhecedor dos mercados e das vias de distribuição.71 Não foi outra a ocupação de Mauá,
antes de “engolfar-[se] em outra esfera de atividade” 72.
Irineu Evangelista de Souza começou sua vida profissional, em 1825, aos doze
anos de idade, na cidade do Rio de Janeiro, trabalhando como caixeiro para um negociante
português de nome João Rodrigues Pereira de Almeida. Quatro anos depois, após a liquidação
dos negócios de seu ex-patrão, o jovem Irineu entrou para a firma Carruthers & Cia, sendo
admitido como auxiliar de contabilidade. Destacando-se entre os demais funcionários,
Carruthers associou o moço aos seus interesses, escolhendo-o para ser o gerente de seu
estabelecimento comercial, ao retornar para a Escócia. Irineu contava, então, 23 anos. Na
direção desta firma de exportação e importação foi que o futuro industrial adquiriu o knowhow necessário para seus outros cometimentos. Quando em 1846, resolveu iniciar nova
carreira, Irineu possuía uma larga experiência comercial e financeira, além da firma criada por
ocasião de sua primeira viagem à Inglaterra, seis anos antes. Durante muito tempo, a casa
70 GRAHAM, 1973, p. 131-140; SINGER, 1977, p. 362-365.
71 DEAN, 1991, p. 25-28; LUZ, 1975, p. 40-41.
72 MAUÁ, Autobiografia, p. 96.
47
Carruthers, de Castro & Cia.73 foi o meio de obtenção do crédito inglês para suas empresas
no Brasil.74
Anos mais tarde, ainda no princípio da década de 1850, quando o comércio
internacional de negros escravos foi abolido, Irineu Evangelista, juntamente com outros
capitalistas, criou o segundo Banco do Brasil ou Banco do Brasil de Mauá, como depois ficou
conhecido. Absorvida pela disposição do Governo de fundir os dois maiores bancos da cidade
do Rio de Janeiro, o Banco de Mauá e o Banco do Comércio, a instituição logo foi ferida de
morte75. Em agosto de 1854, o novo Banco do Brasil iniciava suas operações, sob a direção
do visconde do Paraná. Mauá, porém, não desistiu de suas idéias a respeito da necessidade de
ampliação do crédito em um país, ainda quase todo a ser explorado, como o Brasil. Seu
objetivo, voltaremos a este tema no capítulo seguinte, era estar a frente de uma instituição
financeira capaz de injetar capitais na economia brasileira e impulsioná-la rumo ao progresso.
Para tanto, não poupou esforços no intuito firme de organizar um novo estabelecimento
bancário, através do qual os recursos de que o país carecia pudessem ter livre entrada vindos,
sobretudo, do exterior. No mesmo ano em que o segundo BB começou a funcionar, aparecia
no município da Corte o Banco Mauá, Mac Gregor & Cia76. Ramificando-se por várias
províncias do Império e, em seu período áureo, contando com várias filiais na Argentina, no
Uruguai e na Inglaterra, além de braços na França e nos Estados Unidos, esta instituição
funcionou como o motor, mas também atuou para a ruína de seus muitos cometimentos
empresariais.77
73 De Castro, refere-se a José Henrique Reydell de Castro, grande amigo e parceiro de Mauá em várias empresas.
De Castro era filho de D. Miguel Caetano de Castro, judeu obrigado a se converter ao cristianismo e trocar de
nome para atingir o cargo de físico-mor de D. João VI. (BESOUCHET, 1978, p. 26, 27 e 35; CALDEIRA, 1995,
p. 121).
74 BESOUCHET, 1978, p. 25-28; CALDEIRA, 1995, p. 60, 95-96, 121, 158, 166; SOUZA FERREIRA, 1900, p.
76-77.
75 O projeto de fusão foi apresentado no Senado, em 1852, pelo visconde de Itaboraí. A lei nº 683 de 5 de julho
de 1853 decidiu pela fusão dos dois bancos supracitados. (MAUÁ, Autobiografia, p. 227, nota 191).
76 Alexander Donald Mac Gregor era o parceiro inglês de Mauá nesta companhia e o gerente do braço londrino
da empresa. (MARCHANT, 1965, p. 127).
77 MAUÁ, Autobiografia, p. 119-122, 227-236; BESOUCHET, 1978, p. 61-63; MARCHANT, 1965, p. 117-123.
48
A limitação do mercado de crédito brasileiro e os obstáculos colocados pela falta
de uma política governamental francamente favorável ao desenvolvimento urbano-industrial
levaram Mauá e muitos outros agentes da burguesia industrial a lançar mão dos capitais
estrangeiros, para iniciar e dinamizar a produção de suas fábricas, a realização de
melhoramentos urbanos ou a consecução de empreendimentos em vias de comunicação.
Quanto ao recurso ao capital estrangeiro, naquela época, em geral, este não era visto como
causador de dependência econômica. Sendo os melhoramentos necessários, cumpria, segundo
a concepção amplamente dominante, buscar os recursos financeiros onde estes estivessem
disponíveis. Quanto ao apoio ao nascente setor secundário, o peso do setor agrário-exportador
na economia brasileira e as concepções políticas liberais que grassavam entre os estadistas
brasileiros no Oitocentos dificultaram a formulação de uma política industrial de contornos
bem definidos, como se percebe pela análise da primeira tentativa de industrialização do
Brasil, promovida nos tempos do Príncipe Regente.
Conquanto a Colônia não fosse completamente desprovida de fábricas e
atividades manufatureiras e artesanais 78, a tentativa inaugural de incentivar as indústrias do
Brasil ocorreu no reinado D. João, por meio da expedição de dois alvarás: o de 1º de abril de
1808 e o de 28 de abril de 1809. O primeiro eliminava as restrições impostas ao
desenvolvimento de manufaturas em solo colonial. O segundo era um pacote de medidas
78 Nos tempos do Brasil Colônia, a mineração e os engenhos eram as atividades, por excelência, industriais.
“Máquina e fábrica incrível”, como se dizia na época, o engenho envolvia um tipo de produção bastante
complexo e especializado. Compunha-se a manufatura do açúcar de três fases: moagem, cozimento e purgação.
A sincronia de todas as etapas da produção era uma necessidade indeclinável: dificuldades para prover as
fornalhas de combustível, problema comum ao final do século XVIII, colocavam todo o processo em risco. Por
isso, inovações técnicas eram constantemente necessárias em cada um dos setores da produção, e isso significava
sempre novos desafios para as outras fases. Muito embora não utilizasse o vapor, só depois descoberto e aplicado
a essa produção, vê-se que os engenhos, assim como a mineração eram verdadeiras fábricas coloniais. Em torno
desses dois setores econômicos principais, gravitava uma série de outras atividades manufatureiras: eram
fundições de ferro capazes de produzir os apetrechos exigidos pela agricultura e mineração; eram
estabelecimentos domésticos responsáveis pela provisão das roupas usadas pelos escravos; eram pequenos
estaleiros onde se prestavam reparos e se construíam pequenas embarcações para a navegação de cabotagem. O
universo industrial da colônia compunha-se ainda das chamadas artes mecânicas ou artesanais: fabricantes de
anil, produtores de charque, extratores do sal, carpinteiros, pedreiros, ferreiros, caldeireiros, curtidores, ourives,
sapateiros, enfim, gente que se ocupava dos ofícios à margem da grande produção monocultura, porém,
necessários à vida nas vilas e fazendas. (FERLINI, 1988, p. 102-129; HARDMAN & LEONARDI, 1982, p. 2326; SCHWARTZ, 1988, p. 95-121).
49
visando promover as indústrias no Brasil: isenções fiscais às fábricas nacionais, auxílios
financeiros aos setores estratégicos e privilégios a inventores e introdutores de novas
máquinas. Basicamente, foram estas as medidas tomadas por D. João. Sua política de
incentivo às manufaturas tinha como inspiração o colbertismo francês e a experiência
pombalina na Metrópole. A mistura de práticas mercantilistas, como eram as concessões de
privilégios e monopólios, com a adoção de uma política liberal no comércio, o livrecambismo, não surtiu os efeitos esperados. 79 Aliás, durante o século XIX, a defesa da
primazia da indústria no processo de criação da riqueza nacional esteve longe de ser consenso
entre a classe dirigente luso-brasileira. O pensamento político-econômico de um dos
“economistas” brasileiros mais influentes naquela época, cujo legado perpassou o Império,
lança alguma luz sobre as dificuldades enfrentadas pela indústria, então nascente, permitindonos situar, com maior precisão, o contexto intelectual em que o visconde de Mauá atuava.
Por volta de 1795, José da Silva Lisboa teve contato com a tradução portuguesa
da mais conhecida obra de Adam Smith: Uma investigação sobre a natureza e a riqueza das
nações. A leitura deste livro, publicado originalmente dezenove anos antes, causou-lhe grande
impressão. Em 1804, veio à luz em Portugal seus Princípios de Economia Política - primeira
vulgarização em língua portuguesa da Economia Política clássica. Silva Lisboa, cuja trajetória
política ganhou grande impulso com a chegada da Corte ao Brasil 80, tornou-se um defensor
79 LUZ, 1975, p. 19-23, 49-50.
80 José da Silva Lisboa (1756-1835) nasceu em Salvador: era filho de Henrique da Silva Lisboa, arquiteto
(pedreiro) português, com a baiana Helena Nunes de Jesus. Bacharel em Direito Canônico e Filosofia pela
Universidade de Coimbra em 1778, lecionou por vinte anos na Bahia, onde tinha a seu cargo as cadeiras de
Filosofia Racional e Moral e de Grego. De 1797 a 1808, tendo deixado o magistério, ocupou o posto de
Deputado e Secretário da Mesa da Inspeção da Agricultura e Comércio da Cidade da Bahia. Com a vinda da
Corte para o Brasil, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde seria lente do curso, recém-criado no Brasil e inédito
no mundo, de Economia Política. Como o decreto do Príncipe Regente criando a disciplina não entrou em vigor,
logo foi nomeado para assumir funções de relevo, entre as quais vale destacar a de desembargador da Mesa do
Desembargo do Paço e da Consciência e das Ordens, cargo que lhe conferia a atribuição de Censor Régio, e a de
membro da primeira Junta Administrativa da Impressão Régia. Silva Lisboa, com suas Observações sobre o
comércio franco no Brasil, foi o primeiro autor a publicar pela Imprensa Régia. Foi também o escritor com o
maior número de livros lançados pela referida casa. Muito embora nunca tenha assumido a cadeira de Economia
Política, seus livros foram mestres de muitas gerações, sobretudo, no século XIX. Além de grande publicista,
Cairu destacou-se pela participação que teve na definição dos rumos da política econômica nos tempos de D.
João. (CAIRU, 2001, p. 9-20).
50
ardoroso da economia política clássica, atuando em prol da abertura dos portos brasileiros às
nações estrangeiras e da adoção de outras medidas nessa mesma tendência liberalizante, como
a lei que facultou a liberdade de indústria no país. Suas obras constituíam-se na defesa teórica
dessas medidas políticas.81 Além do liberalismo, as idéias dos fisiocratas também tiveram
grande peso em seu pensamento: argumentava ele ser a agricultura a atividade mais lucrativa
em nações territorialmente extensas e pouco povoadas. No caso brasileiro, em que somados a
estes fatores, havia o agravante da falta de “capitais disponíveis” e da carência de luzes entre
a população, cumpria ainda mais dirigir para a “cultura das terras a sua indústria”. Afinal,
desviar capitais e braços daquele ramo onde se pode vislumbrar mais abundante fruto é ir de
encontro aos apelos da razão. De mais a mais, como é notório, “fábricas de grande
importância, variedade, e beleza” surgem apenas entre os povos que já se encontram
suficientemente experimentados na prática dos muitos ofícios mecânicos e a par dos
“segredos” das ciências naturais, sobretudo, da Física e da Química. Nessas circunstâncias,
“colhamos por ora os produtos espontâneos que a natureza nos oferece. Ela é a nossa
gratuita ou barata manufatureira, e prepara a maior parte das obras, e riqueza que
precisamos” 82. 83
Ao contrário do que parece à primeira vista, o pensamento econômico de Silva
Lisboa não era avesso à introdução de manufaturas, mesmo em países no estágio histórico em
que o Brasil se encontrava. Como argumenta, não era ele um fisiocrata ortodoxo, daqueles
“que prefere a agricultura a todas as demais indústrias”. Uma nação civilizada é fruto do
desenvolvimento de sua agricultura, e de seu comércio, e de suas artes. Comparando-se os
países, uns há que se “avantajam” aos outros no que se refere ao estado de suas “artes e
manufaturas superiores”. São nações mais “perfeitamente industriosas” e disso não há
dúvida que tiram proveito. No entanto, o caminho para civilização envolve uma marcha árdua
81 CAIRU, 2001, p. 12-14.
82 CAIRU, 2001, p. 222.
83 CAIRU, 2001, p. 236-44, 278-286, 303-314.
51
e sem atropelos que, por metáfora, assemelha-se ao ritmo de crescimento de um homem ou de
uma planta.84
O Regedor do Universo nada faz crescer de salto, mas por desenvolvimento dos
germens da vida e produção física e social. [...] Seria evidente barbarismo fazer
crescer uma criança à altura de um homem antes da idade viril, puxando-lhe com
violência os braços e pés, e deslocando-lhe o corpo. Também lhe faz mal o
demasiado abrigo. Isto verifica-se até nos vegetais, empece a tenra planta o muito
mimo, o muito benefício.85
A indústria de uma nação é o fruto de um amadurecimento histórico que não se
mede em anos, mas em décadas e, quiçá, séculos. Por indústria, Silva Lisboa entendia todo
tipo de trabalho que os homens empregam para ganhar a vida, seja cultivando a terra e
beneficiando seus frutos, seja produzindo artigos manufaturados nas grandes fábricas urbanas.
Limitar o entendimento do termo a este último caso, é incorrer em grave erro conceitual com
“resultados mui prejudiciais à economia política das nações”. No tempo certo, todo país
desenvolverá “estabelecimentos superiores”. Intervir nesse processo, almejando precipitá-lo,
é cair em contradição com as leis do universo: os resultados de um tal ato não são, senão,
contraproducentes. Por isso, Cairu recomendava muito cuidado no estímulo devido às fábricas
instaladas no país. Exclusivos concedidos a torto e a direito, auxílios pecuniários oferecidos
indiscriminadamente, fechamento dos mercados brasileiros às manufaturas e fábricas
estrangeiras e participação direta e intensiva do Estado na economia pareciam-lhe medidas
temerárias. A seus olhos, o princípio da “franqueza da indústria”, assim como o princípio da
“franqueza do comércio” eram os meios mais acertados para se alcançar tal fim.86
Conforme ponderava nas suas Observações sobre a franqueza da indústria e
estabelecimento de fábricas no Brasil, obra publicada em meio a duras críticas ao alvará de
28 de abril de 1809, os incentivos franqueados por aquela lei eram suficientes para promover
a criação de fábricas no Brasil. Concentrando-se, por ora, naquelas indústrias que mais
84 CAIRU, 2001, p. 234, 286.
85 CAIRU, 2001, p. 320.
86 CAIRU, 2001, p. 222-229, 255-64, 272-278.
52
“proximamente se associam à agricultura, comércio, navegação, e artes da geral
acomodação do povo”, logo o país galgaria outros degraus da indústria, após um período
necessário de amadurecimento de seu povo, de suas riquezas e de seu mercado. O livrecomércio é o único meio de se obter crescimento econômico sadio. Caso contrário, o que se
tem é um inchaço artificial de certos setores da economia, em detrimento de outras partes e do
próprio organismo nacional que definham para manter viva uma excrescência. Quando se
intenta emular as indústrias superiores fora do tempo, sofre a população, obrigada a comprar
mercadorias nacionais por preço mais elevado do que as estrangeiras de maior “bondade”;
sofre a agricultura, que se vê privada de capitais cujo retorno seria mais garantido; e sofre a
nação com a conseqüente diminuição dos réditos reais pela diminuição do comércio.87
“A planta que, acanhada no craveiro,
Minguada cresce, em campo aberto exposta,
Engrossa, se agiganta, e a rama altiva
Destouca pelos ares, copa, e assombra.” 88
(Poema do P. Francisco Manoel de Melo citado por Cairu)
Muito embora toda a defesa do liberalismo, Silva Lisboa não se opunha à
concessão de alguns favores às fábricas nascentes. Além das medidas de cunho mercantilista
propostas pelo referido alvará de 1809, ele defendia duas outras maneiras de se animar a
indústria em geral. Em primeiro lugar, pela criação de “literárias sociedades econômicas”,
onde se pudesse permanentemente promover o aperfeiçoamento da “indústria rural, fabril, e
comerciante”. O exemplo aqui vem dos britânicos, com sua afamada e prestigiosa Real
Sociedade, idealizada por Francis Bacon. No ano de 1827, estabeleceu-se na cidade do Rio de
Janeiro a Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional: espécie de centro de estudos, onde
eram realizados debates em torno das inovações técnicas necessárias ao aprimoramento dos
setores econômicos brasileiros, sobretudo, o agrícola 89. Em segundo lugar, ele pretendia
encorajar a economia nacional por meio do favorecimento da entrada de “artistas, sábios e
87 CAIRU, 2001, p. 214, 223-229, 235, 247, 273, 277-278, 284-286.
88 CAIRU, 2001, p. 321.
89 CARVALHO, 1996, p. 44.
53
ricos” estrangeiros (exceção feita aos franceses, “que se proscreveram por si mesmos da lei
da humanidade” 90) no Brasil. Imigrantes que trouxessem consigo “indústrias, ciências e
riquezas”, contribuindo assim para o progresso da nação. No decorrer do século XIX,
ingleses (especialmente, engenheiros) que para cá vieram provisória ou permanentemente
desempenharam importante papel na melhoria das técnicas de produção e no aperfeiçoamento
da mão-de-obra nativa 91. 92
Após este primeiro impulso dado à indústria brasileira, cujas medidas principais e
cujos fundamentos teóricos liberal foram vistos acima, a produção fabril nacional só veio a ter
melhores condições em meados do Novecentos. A combinação de aumento geral das tarifas
de importação e crescimento econômico permitiu, então, uma expansão considerável do setor
secundário no país. Na década de 1840, vencendo os prazos de diversos tratados comerciais
estabelecidos pelo Brasil após a chegada da Corte, a Assembléia Geral vislumbrou a
oportunidade de confeccionar uma nova pauta alfandegária. Naquela ocasião, Manuel Alves
Branco era o Ministro da Fazenda. A tarifa aduaneira decretada em 1844 definiu taxas de 2%
a 60% para todos os artigos importados; a maioria dos produtos estrangeiros foi tributada em
30%. Em suma, a tendência apresentada pela nova pauta foi a de defender mais as matériasprimas nacionais do que as manufaturas produzidas no país 93. Em termos protecionistas, o
próprio Alves Branco reconheceu a debilidade da mudança. A preocupação fiscal na
constituição das tarifas aduaneiras permaneceria, por muito tempo, uma constante num Brasil
90 A restrição explica-se pela invasão de Portugal pelos franceses, acontecimento que ocasionou a vinda da Corte
para o Brasil.
91 GRAHAM, 1973, p. 131, 142-145. Entre os imigrantes ingleses, Gilberto Freyre destaca a importância dos
engenheiros ferroviários: “Como, porém, a locomotiva veio empolgar, no Brasil, a imaginação dos meninos e da
gente do povo, mais do que qualquer outra máquina ou engenho inglês, em torno dos engenheiros ferroviários
ingleses é que se condensou principalmente a mística brasileira de enxergar na Inglaterra um país de novos
mágicos: os engenheiros, os técnicos, os mecânicos, os dominadores do ferro e do aço, do vidro e do cobre. Uns
mágicos ora considerados bruxos maus, ora bons feiticeiros, cujos instrumentos fabricados na Inglaterra fossem
também uma espécie de varinhas de condão capazes de realizar milagres da técnica”. (FREYRE, 1948, p. 52).
Ao longo de sua vida empresarial, Mauá contou com a ajuda de inúmeros técnicos ingleses, além de seus amigos
e sócios britânicos (MAUÁ, Autobiografia, p. 124-125, nota 44).
92 CAIRU, 2001, p. 303-305.
93 Ainda assim, o setor fabril foi favorecido pelo decreto nº 526 de 28 de julho de 1847, que manteve a isenção
de direitos para as matérias-primas empregadas pelas indústrias nacionais, considerando-se nacionais, a partir de
então, inclusive as grandes empresas dos estrangeiros que viviam no país.
54
onde a maior parte da renda estatal provinha da movimentação do comércio. Na dedada de
1850, por exemplo, cerca de 62% da arrecadação pública tiveram origem das alfândegas.94
Apesar das insuficiências da nova pauta para os industriais, a expansão econômica
proporcionada pelas rendas ascendentes do café, produto cuja produção mundial era
dominada na época pelo Brasil, permitiu um pequeno surto industrial no país. Havia capitais
disponíveis na economia brasileira, sobretudo, agora que o comércio internacional de escravos
fora banido. Percebendo a situação como uma oportunidade para o início de uma nova etapa
em sua carreira, Irineu Evangelista logo aproveitaria as novas condições. E a ocasião não
demorou a aparecer. O abastecimento de água potável havia se tornado um problema crônico
na cidade do Rio de Janeiro desde a chegada da delegação portuguesa, composta por cerca de
12.000 pessoas. Acertando com o Governo, em 1846, um contrato para fornecimento dos
tubos de ferro necessários às obras de canalização do rio Maracanã, o comerciante deu o
passo decisivo rumo a seus “outros destinos” 95 .96
Naquele mesmo ano de 1846, uma semana antes de assinar o contrato com o então
Ministro do Império, conselheiro Joaquim Marcelino de Brito, o futuro visconde de Mauá fez
a primeira aquisição de terrenos e benfeitorias para sua fábrica em Niterói. O Estabelecimento
de Fundição e Estaleiro Naval da Ponta da Areia 97 foi o eixo de inúmeros outros
empreendimentos levados a cabo por Irineu Evangelista em seus primeiros anos de industrial.
Além de fabricar tubos de ferro para a obra mencionada, aquela fábrica teve participação
decisiva na iluminação a gás do Rio de Janeiro e na construção do Canal do Mangue, obras
suas. Produziu vapores para três de suas companhias: a Companhia de Rebocadores para a
barra do Rio-Grande, a Companhia Navegação a Vapor do Amazonas e a Companhia de
94 LUZ, 1975, p. 23-25.
95 MAUÁ, Autobiografia, p. 96.
96 MAUÁ, Autobiografia, p. 96, 101-102; HARDMAN & LEONARDI, 1982, p. 32-34, 43-45; LUZ, 1975, p.
35; MARCHANT, 1965, p. 49-53.
97 A Ponta da Areia tinha o status de fábrica nacional. Com isso, esta empresa gozava de uma série de
privilégios fiscais para a importação e exportação de mercadorias.
55
Navegação a Vapor e Estrada de Ferro de Petrópolis. Durante os conflitos no Rio da Prata
em 1850, a empresa forneceu armamentos aos combatentes uruguaios, apoiados pelo Império.
Em seus onze primeiros anos, cerca de setenta e dois navios foram produzidos naquele
estabelecimento - quinze dos quais integraram a marinha de guerra brasileira, participando
dos conflitos contra o Paraguai. Agricultores interessados na modernização de suas
instalações também eram clientes do estabelecimento: caldeiras, engenhos de açúcar,
guindastes, peças para navios e máquinas a vapor de todo tipo faziam parte de seus pedidos.98
Como informa o relatório do Ministro do Império no ano de 1850, quando se refere à Ponta
da Areia:
É sem contestação o mais importante estabelecimento fabril do Império, tem tido
melhoramentos constantes, e é poderosíssimo auxiliar de muitas indústrias, que
promove e alimenta com a faculdade de acharem elas em seus produtos meios e
recursos que outrora mandavam mendigar à Europa. Tem produzido
importantíssimas peças de maquinismo, diversas caldeiras para máquinas de vapor,
entre elas um jogo de três da maior força que até o presente se tem empregado no
Brasil, engenhos de açúcar e de serrar, guindastes, molinetes, e muitas outras obras,
entre as quais os tubos de ferro para o encanamento de Maracanã.99
Estimulado pelo sucesso e pela diversificação 100 do negócio em seus anos
primaveris, Irineu Evangelista investiu pesado na empresa. Um ano após ter adquirido o
estabelecimento, este já representava “quatro vezes o capital empregado primitivamente”101.
Nos três anos que se seguiram ao ano da aquisição inicial, novos investimentos foram feitos
em prol da expansão da fábrica. Mais terrenos e outras benfeitorias e casas somaram-se à
“miniatura que então [em 1846] já se chamava Ponta da Areia” 102. A indústria que fechara
seu primeiro ano de vida com cerca de trezentos funcionários sob a direção de um engenheiro
inglês, alcançaria em seu apogeu um total de mil trabalhadores. Em 1853, a comissão
98 MAUÁ, Autobiografia, p. 102-103, 106, 108, 112, 116; MARCHANT, 1965, p. 53-57; SOUZA FERREIRA,
1900, p. 82; LIMA, 1976, p. 20; BESOUCHET, 1978, p. 41, 53.
99 SOUZA FERREIRA, 1900, p. 82.
100 A princípio, a Ponta da Areia funcionava apenas como fundição; mais tarde, sobretudo após os conflitos no
Rio da Prata, foi que o fornecimento de embarcações passou a fazer parte do funcionamento normal da indústria.
101 MAUÁ, Autobiografia, p. 102.
102 MAUÁ, Autobiografia, p. 102, grifos do autor. Note-se que Mauá tinha o hábito de grafar com maiúsculas
ou sublinhar as palavras mais importantes e fortes de seus escritos.
56
encarregada de revisar as tarifas aduaneiras em vigor mencionava em seu relatório que a
fábrica em questão possuía dez oficinas: fundição de ferro, mecânica, ferraria, serralheria,
caldeiraria de ferro, construção naval, modeladores, aparelhos, velames e galvanismo (este
último ainda em fase de preparação).103
Para fazer face a todos esses cometimentos, Irineu Evangelista requereu ao
Governo imperial um empréstimo no valor de trezentos contos, em 1848. Nove anos depois,
uma vez mais os cofres públicos concederiam crédito ao estabelecimento 104. Na ocasião, um
“pavoroso incêndio” 105 , ocorrido em junho de 1857, consumira praticamente todas as
oficinas da empresa. Desse momento em diante, muito embora todos os esforços de Mauá em
um trabalho hercúleo de reorganização da fábrica, a Ponta da Areia começou a vegetar. O
faturamento da fábrica que, no ano do desastre, atingira quase mil contos, caiu para pouco
mais de um quarto desse total, em 1861. No ano seguinte, a companhia contava apenas com
384 funcionários. Por tudo isso, diferentemente do primeiro, o segundo empréstimo, assim
como seus juros, tiveram que ser pagos integralmente pelo próprio barão.106
Segundo Mauá, o período de vacas magras vivido por sua fábrica era o resultado
de uma conjunção de fatores, dentre os quais dois se destacavam: as alterações na pauta
alfandegária e a queda na demanda por serviços. Em 1850, uma comissão foi organizada pelo
Ministro da Fazenda, Joaquim José Rodrigues Torres, para reformular as tarifas aduaneiras do
país. A grita contra a pauta estabelecida no ministério de Alves Branco era grande, vindo
especialmente dos setores agrícolas e extrativistas. Reclamava-se das facilidades concedidas
às fábricas nacionais, que obtinham matérias-primas estrangeiras livres de direito, e da
103 MAUÁ, Autobiografia, p. 102; MARCHANT, 1965, p. 53; SOUZA FERREIRA, 1900, p. 82.
104 Note-se que, além de se valer das isenções fiscais garantidas por ser considerada uma fábrica nacional, a
Ponta da Areia também contou com larga subvenção estatal. Como bem mostra Luiz Carlos Soares, com base
nos relatórios dos ministros da Fazenda e outros documentos de natureza político-administrativa, o setor de
Fundição e Máquinas era o que mais se beneficiava das isenções fiscais concedidas pelo Império, na década de
1850. Além disso, no que se refere à prática da subvenção estatal, a empresa de fundição de Mauá foi a que mais
se beneficiou dos empréstimos do Tesouro. (SOARES, 1996, p. 296-297).
105 MAUÁ, Autobiografia, p. 104.
106 MAUÁ, Autobiografia, p. 102-105; SOUZA FERREIRA, 1900, p. 83; MARCHANT, 1965, p. 53-54.
57
elevação das taxas de importação cobradas sobre artigos de primeira necessidade,
particularmente gêneros alimentícios107. Em suas instruções à comissão revisora, o Governo
ainda acrescentava uma política de redução dos insumos necessários à modernização dos
setores produtivos brasileiros, ou seja, de incentivo à importação de peças, equipamentos e
máquinas de ferro.108
Encerrados os trabalhos da comissão em 1853, quando foi apresentado à
Assembléia Geral seu relatório, a alteração das tarifas foi protelada por mais quatro anos. É
que no biênio 1853-1854, a renda nacional que vinha em ritmo ascendente sofreu uma leve
queda em relação ao biênio anterior. Nessas circunstâncias, uma reforma de caráter liberal na
pauta não seria aconselhável. Só após a recuperação dos cofres públicos, já no ano de 1855, é
que a ocasião para a mudança se apresentou. A partir de 1857, uma série de reformulações foi
realizada, dando às tarifas um aspecto menos protecionista. Houve, então, uma redução
progressiva dos impostos cobrados sobre gêneros de primeira necessidade, em alta no país em
razão da escalada mundial dos preços na década de 1850 e aos problemas de mão-de-obra
vividos pela lavoura no Brasil. Naquele mesmo período, as taxas de importação sobre artigos
de ferro e máquinas agrícolas e fabris foram também reduzidas. O Governo cedia às pressões
da monocultura, ao mesmo tempo em que procurava superar a crise aprimorando as forças
produtivas da nação.109
A conseqüência dessas medidas para o futuro da Ponta da Areia não foi das
melhores. Em 1861, Irineu Evangelista possuía 9/20 das ações da companhia e esta já lhe
107 No relatório de conclusão dos seus trabalhos, a comissão encarregada da modificação das tarifas aduaneiras
fazia suas as reclamações da lavoura, impugnando nesses termos a pauta vigente: “Uma tarifa que encareceu
com o peso de fortes direitos os instrumentos agrários, e dificultou a sua aquisição, uma tarifa que encareceu os
gêneros necessários à subsistência da classe dos trabalhadores, a conservação de impostos que dificultam a
saída de seus produtos, e a sua concorrência com os seus similares nos mercados exteriores, e que colocam os
nossos lavradores na triste condição, ou de abandonarem a lavra da terra, ou de suportarem rudes golpes por
amor da indústria fabril”. (LUZ, 1975, p. 28).
108 MAUÁ, Autobiografia, p. 102, 105; LUZ, 1975, p. 28-29.
109 LUZ, 1975, p. 29-32.
58
devia cerca de 400 contos 110. “A legislação aduaneira não lhe permite viver mantendo-se
apenas pequenas fábricas de consertos que têm empregado capital insignificante” –
reclamava Mauá. Além da modificação da pauta no que se refere à entrada de “artefatos de
ferro” no país, a liberdade de navegação decretada em 1862 foi um golpe duro – acusado,
inclusive, por toda a construção naval e marinha mercante do Brasil.111
Navios a vapor e alguns de vela, dos que a Ponta Areia conseguira fornecer 72 nos
primeiros onze anos de existência, tiveram ingresso do estrangeiro livres de direito!
Da mesma forma entraram maquinismos a vapor e ainda outros, de sorte que a
concorrência com os produtos similares do exterior tornou-se impossível e o
estabelecimento decaiu.112
Após tentar, em fins de 1862 e sem sucesso, transferir a empresa para mãos
inglesas, cinco anos mais tarde, a fábrica se encontrava completamente liquidada,
ocasionando assim amargos prejuízos 113. “Em vez de lucro esta idéia favorita de épocas
felizes, que afaguei com tamanha perseverança,[o estabelecimento] desfalcou minha fortuna
em mais de mil contos, além do prejuízo que outros interessados suportaram” 114.
Muitos eram os dirigentes imperiais que percebiam e defendiam a importância da
industrialização para a estabilidade e a grandeza econômica do país 115. Caso interessante é o
de Joaquim José Rodrigues Torres, Ministro da Fazenda várias vezes durante o Segundo
Reinado116. Político que se sobressaía entre os saquaremas, Rodrigues Torres reconhecia a
fragilidade de uma economia nacional ancorada na produção de gêneros primários. Dizia ele,
em seu primeiro pronunciamento ao Parlamento, ocupando pela segunda vez a pasta da
Fazenda: “entendo que nenhuma Nação pode ser verdadeiramente independente, e fazer
grandes progressos, quando se limita, como nós, quase que exclusivamente a produzir
110 Note-se que, no ano 1854, o estabelecimento da Ponta da Areia foi transformado em uma sociedade anônima.
Com um capital estimado em 1.250 contos, a companhia teve como presidente o barão de Mauá, o qual detinha,
então, 2/5 das ações. (MAUÀ, Autobiografia, p. 104 e 106).
111 MAUÁ, Autobiografia, p. 103, 105; LUZ, 1975, p. 61.
112 MAUÁ, Autobiografia, p. 103, grifos do autor.
113 CALDEIRA, 1995, p. 439; MAUÁ, Autobiografia, 105.
114 MAUÁ, Autobiografia, p. 105, grifos do autor.
115 CARVALHO, 1996, p. 253.
116 LUZ, 1975, p. 25-27.
59
matérias brutas ou gêneros, que não acham consumo senão nos mercados estrangeiros” 117.
Qualquer abalo no comércio externo colocaria as finanças da nação em perigo; havia ainda a
ameaça da concorrência estrangeira, acenando com a possibilidade constante de uma redução
brusca dos preços dos gêneros agrícolas ou, mesmo, da perda de mercados para os produtos
brasileiros. Finalmente, também pesava desfavoravelmente na balança o fato de a agricultura
e o extrativismo serem atividades de mais difícil capitalização quando comparadas à indústria,
propriamente dita, e ao comércio. Por isso, assim complementava seu raciocínio aos “nobres
senhores deputados”:
Cumpre, pois, excitar novas forças produtivas, procurando conseguir que parte da
nossa população se aplique em fabricar alguns dos artigos de consumo, que
recebemos dos estrangeiros. [...] Nenhuma das Nações conhecidas têm chegado a
grande desenvolvimento industrial senão à sombra de leis protetoras; e aquelas que
as têm revogado ou modificado, só o fizeram quando já se achavam em
circunstâncias de não recear a concorrência...118
Mesmo fazendo todas essas considerações e sendo contrário à “liberdade
ilimitada de comércio e indústria” no caso brasileiro, Rodrigues Torres considerava temerário
ofender os interesses agrícolas, mais bem estabelecidos no país, com uma política
protecionista agressiva, a qual, além de tudo, acabava permitindo a existência de indústrias
prematuras, as chamadas “indústrias fictícias”, com prejuízo manifesto para a economia e a
população nacional. Argumentava que “em matéria tão grave, importa obrar com muita
cautela e circunspeção, e consultar atentamente os interesses, que podem ser ofendidos por
medidas de semelhante natureza” 119. Por isso, defendia uma proteção limitada e provisória,
circunscrita àquelas indústrias com condições de prosperidade a curto ou médio prazo e cujas
matérias-primas pudessem ser supridas imediata ou brevemente pelos produtores do setor
primário brasileiro - exceção feita aos ramos fabris diretamente ligados à “segurança e defesa
117 RODRIGUES TORRES, Proposta e relatório apresentados à Assembléia Geral Legislativa..., p. 32. (A
apresentação da Proposta e relatório do Ministro da Fazenda se deu em 1849).
118 RODRIGUES TORRES, Proposta e relatório apresentados à Assembléia Geral Legislativa..., p. 32. (A última linha
do parágrafo encontra-se apagada).
119 RODRIGUES TORRES, Proposta e relatório apresentados à Assembléia Geral Legislativa..., p. 32 e 33.
60
do Estado”. Para estas fábricas, o estadista ponderava que “leis proibitivas, ou protetoras, de
duração ilimitada, só neste caso podem ser justificadas, não pelos princípios econômicos,
mas por motivos políticos, que devem prevalecer sobre interesses de menos elevada
categoria” 120. Era essa sua explicação, reveladora de uma concepção própria de fazer e
entender a política que, como veremos, sofreria forte oposição no início do século XX.
Segundo ele, os privilégios concedidos pelo alvará de 28 de abril de 1809
constituíam-se em “um ônus perpétuo sobre os consumidores”, além de um embaraço à
própria industrialização do país. Ao, por exemplo, dispensar as fábricas nacionais do
pagamento de direitos sobre a importação de matérias-primas, a lei instituía um mecanismo
político perverso, preterindo as empresas menores em favor dos grandes estabelecimentos.
Em 1852, havia no Brasil um total de 64 indústrias tidas como nacionais: eram fábricas de
chapéus, rapé, sabão, cerveja, couros especiais, tecidos variados, produtos químicos e
fundições. Para ser digna de um tal título a empresa precisava ter algum destaque no cenário
industrial do país 121 . Como dizia o decreto de 28 de julho de 1847, revigorando e
ampliando 122 as disposições da política de D. João, os certificados de estabelecimento
nacional eram concedidos em “atenção somente à grandeza delas [das empresas], e aos
meios que apresentarem de desenvolvimento, e prosperidade” 123 . Logo, uns poucos
empreendedores acabavam favorecidos, em detrimento da própria indústria, como um todo.124
Tal Fábrica haverá, que empregando matérias-primas que lhe custam muito mais
barato do que aos donos das pequenas oficinas, que fabricarem produtos idênticos, e
impossibilitando-os de sustentar a concorrência no mercado, as fará desaparecer com
prejuízo do Público, e de todos aqueles que tiveram daí meios de subsistência.125
120 RODRIGUES TORRES, Proposta e relatório apresentados à Assembléia Geral Legislativa..., p. 32 e 33, grifos
nossos.
121 LUZ, 1975, p. 35 (nota 50).
122 Anteriormente ao decreto, eram consideradas fábricas nacionais apenas as indústrias de porte pertencentes a
brasileiros.
123 LUZ, 1975, p. 27 (nota 27).
124 RODRIGUES TORRES, Proposta e relatório apresentados à Assembléia Geral Legislativa..., p. 33-34.
125 RODRIGUES TORRES, Proposta e relatório apresentados à Assembléia Geral Legislativa..., p. 34.
61
As reformas aduaneiras ocorridas a partir de 1857, com base nos trabalhos da
comissão nomeada por Rodrigues Torres e encarregada da revisão da tarifa Alves Branco,
foram regidas por um cunho mais liberal. Já o vimos antes. Desde então todas as matériasprimas, inclusive as destinadas às fábricas nacionais, passaram a ser taxadas em 5%126. Em
seu relatório de conclusão de atividades, o grupo de comissionados, liderados por Silva
Ferraz, depois Ministro da Fazenda, em 1860, justificava nesses termos esta alteração da
pauta:
Nada mais ao progresso da indústria fabril, como colocá-la na necessidade de
impetrar tais favores, e na contingência de obtê-los ou não, ou de recebê-los depois
de demoras, de grandes trabalhos, exames, informações, e as vezes de um modo
pouco satisfatório.
Aos males dessa posição tão humilde acrescem outros que a tornam mortificadora.
Estes males emanam da injustiça, e desigualdade com que se procede na concessão
desses e outros favores, e socorros. Umas fábricas gozam franquia de direitos para
as suas matérias-primas, outras não. Socorros pecuniários se concedem a certas;
nada alcançam outras em iguais circunstâncias. As de pequeno vulto languescem
desprotegidas, definham e morrem, porque essa desigualdade de condição de
tratamento lhe absorve sua pequena força.127
A maré liberal no que toca à definição da pauta alfandegária só entraria,
novamente, em baixa durante a Guerra do Paraguai. O aumento crescente dos gastos estatais,
devido ao prolongado esforço de guerra, exigiu do Governo a elevação dos direitos
aduaneiros. Além desse, outros fatores concorreram para o segundo movimento de expansão
da indústria brasileira, verificado a partir de 1870. As enormes emissões necessárias ao
custeio do conflito externo encorajaram muitos empreendedores a iniciar ou, mesmo, ampliar
seus negócios. A queda do preço de alguns dos principais produtos agrícolas brasileiros128 no
mercado internacional teria permitido a migração de capitais do setor primário para o
secundário da economia imperial. Ao final da década, já existia no país uma série de fábricas
produzindo artigos antes importados. Houve progresso em vários setores, dentre os quais, a
indústria de produtos químicos, de instrumentos óticos e náuticos, de couros, vidros, chapéus,
126 Cf. Decreto nº 1914 de 28 de março de 1857.
127 LUZ, 1975, p. 27.
128 Na década de 1870, encontravam-se em dificuldades as culturas do algodão e a lavoura do açúcar.
62
papel, tabaco e derivados, além das fundições. A Guerra Civil nos Estados Unidos, ao
incentivar a cultura do algodão no Brasil, contribuiu de maneira positiva para o
desenvolvimento de outro ramo da indústria no país: o têxtil.129
Terminado o conflito, a grita dos fazendeiros e comerciantes contra elevação dos
direitos logo se fez sentir. A partir de 1870, observou-se uma progressiva queda das taxas, no
rumo do estabelecimento de um regime aduaneiro mais liberal. A reforma de 1874, tarifa Rio
Branco, foi o ponto máximo dessa tendência. As alterações feitas visavam à simplificação da
pauta, definindo uma taxa única de 40% para vários produtos. Máquinas e equipamentos
agrícolas ficaram livres de impostos. Além disso, operou-se uma redução das cobranças sobre
os gêneros de amplo consumo e sobre os artigos de luxo, além das bebidas, cristais e
porcelanas, mesmo quando essas mercadorias possuíam similares no país.130 Nas palavras de
Nícia Vilela Luz, em quem tanto temos nos apoiado:
Para se lançar essa semente [a semente industrial] eram suficientes, na opinião dos
estadistas imperiais, taxas alfandegárias moderadas, sobre os produtos similares aos
nacionais, e isenções de direitos para o aparelhamento nacional. Era uma posição
bem adequada à “moderação” imperial, procurando sempre manter-se no centro das
questões, harmonizando as tendências contrárias, mas não agradando, afinal, a
nenhuma.131
Desse modo, mantendo o mesmo acalanto, as tarifas aduaneiras só tiveram nova
elevação quando as exigências do fisco, diante da depressão capitalista que atingiu em cheio o
país em 1875 e a persistente crise das principais lavouras brasileiras, se impuseram sobre os
interesses dos comerciantes e agricultores. Houve aumento da pauta em 1878 e 1879. Dois
anos depois, as pressões para a baixa das tarifas foram ouvidas pelo Governo e repetiu-se o
movimento, já ocorrido na década anterior, de queda dos direitos sobre gêneros
manufaturados estrangeiros, inclusive, com similares no país.132
129 LUZ, 1975, p. 40-41.
130 LUZ, 1975, p. 41-43.
131 LUZ, 1975, p. 43.
132 LUZ, 1975, p. 43-44, 55-56, 58.
63
Naquele momento, entretanto, algo de novo se deu. Diante da constituição de uma
comissão para rever os direitos de importação e exportação, um grupo de industriais se reuniu
para defender os seus interesses, organizando para tanto uma corporação própria 133. Em
1880, sob liderança e iniciativa do Comendador Malvino da Silva Reis 134, foi elaborada uma
carta assinada por 21 industriais e dirigida a “todos aqueles que se interessassem pelo
desenvolvimento do trabalho nacional”. Durante o encontro, diversos temas do interesse dos
congregados foram colocados em debate: a instabilidade da pauta aduaneira, a necessidade de
inquéritos industriais regulares e a urgência de políticas de fomento às manufaturas. No ano
seguinte, constituía-se a diretoria definitiva da sociedade, tendo a sua frente a figura de
Antônio Felício dos Santos, ardoroso defensor da indústria brasileira no Congresso e redator
do mais importante documento da classe, em formação, o Manifesto da Associação Industrial,
de 1881.135
Aproveitando-se do período de crise vivido pela lavoura brasileira, que na década
de 1880 estendeu-se à cultura do café136, o movimento fabril ganhou expressão ao longo do
último quartel do século XIX. Em face das dificuldades orçamentárias de um Império,
basicamente, sustentado por atividades agro-pastoris, a indústria nacional apresentava-se
como uma opção possível ou, melhor, como a solução necessária. Não era outro o discurso do
líder Felício dos Santos. Sua defesa do setor secundário pode ser resumida em um único
ponto, amplamente aceito pelo nacionalismo brasileiro nos anos de transição da Monarquia
para a República: a industrialização traria a independência econômica do país, resolvendo
133 Até então, os industriais contavam apenas com a seção industrial da Sociedade Auxiliadora da Indústria
Nacional - corporação mista que, congregando fabricantes e comerciantes, acabava por dificultar uma
representação uníssona dos setores, sobretudo, em se tratando do regime aduaneiro mais conveniente ao país.
134 Muito embora nunca tenha se dedicado ao ramo das indústrias, Mariano da Silva Reis destacou-se na defesa
dos interesses dos fabricantes brasileiros de chapéus. Produtores alemães haviam inventado um novo modo de
produzir chapéus a partir da lã, o que colocou em iminente perigo a indústria nacional, que ainda utilizava o pêlo
da lebre. Por volta de meados da década de 1870, os produtores desse artigo organizaram uma agressiva
campanha nos jornais, nas associações de classe e na Assembléia Geral dos Deputados. Após muitos embates, o
esforço saiu vitorioso contra a indústria estrangeira concorrente, obtendo do Governo direitos aduaneiros
francamente favoráveis ao setor nacional. (LUZ, 1975, p. 51-56).
135 LUZ, 1975, p. 51-58.
136 A cotação mais baixa do produto ocorreu no biênio 1882-1883.
64
assim o problema crítico da vulnerabilidade de uma balança comercial assentada na
monocultura. Além desse benefício, o deputado classista destacava a importância social da
indústria, ao retirar da marginalidade aqueles elementos que não encontravam ocupação nas
cidades e viviam perambulando perigosamente pelas ruas. A promoção da indústria,
finalmente, segundo ele, encorajaria os capitais e os braços estrangeiros a virem para o país,
onde certamente encontrariam emprego concorrendo, dessa maneira, para a utilidade
pública.137
Sob a influência desse período favorável, mas principalmente sob o impacto da
expressiva campanha industrialista desenvolvida no decênio final da monarquia, foi que os
dois últimos gabinetes do Império, apesar das preocupações fiscais que permaneceriam
durante a República, adotaram uma política alfandegária visando a proteção e o
desenvolvimento da indústria nacional, sobretudo daqueles ramos que poderiam se beneficiar
das matérias-primas produzidas no próprio país. Uma das marcas dessa nova postura
econômica era, justamente, o esforço dirigido à nacionalização da indústria brasileira. Ou
seja, a tentativa de fazer com que os fabricantes instalados no território nacional utilizassem
preferencialmente insumos provenientes daqui. A postura de apoio ao setor secundário, se já
era uma tendência definida ao final do Império, sobretudo, após Abolição ter despejado
inúmeros braços sem ocupação nas cidades, tornou-se ao longo da primeira década do novo
regime uma questão não só econômica, porém, política. Benefícios pecuniários,
proporcionados pelas constantes emissões feitas naquele momento; incentivos vários, como
isenção de direitos sobre a importação de equipamentos e matérias-primas endereçados às
fábricas; além da proteção aduaneira concedida pelo agravamento dos direitos de importação
de artigos com produção similar no país: tudo isso favoreceu a indústria naquela fase. As
classes industriais eram vistas por muitos dirigentes republicanos como o sustentáculo das
137 LUZ, 1975, p. 66-70.
65
instituições recém-estabelecidas. Era a idéia da democracia do trabalho industrial defendida
por Rui Barbosa, em seu relatório como Ministro da Fazenda em 1891.138
O desenvolvimento da indústria não é somente, para o Estado, questão econômica:
é, ao mesmo tempo uma questão política. No regime decaído, todo de exclusivismo
e privilégio, a nação, com toda a sua atividade social, pertencia a classes ou famílias
dirigentes. Tal sistema não permitia a criação de uma democracia laboriosa e
robusta, que pudesse inquietar a bem-aventurança dos posseiros do poder,
verdadeira exploração a benefício de privilegiados. Não se pode ser assim sob o
sistema republicano. A República só se consolidará, entre nós, sobre alicerces
seguros, quando as suas funções se firmarem na democracia do trabalho industrial,
peça necessária no mecanismo do regime, que lhe trará o equilíbrio conveniente.139
O quadro experimentado pela geração que viveu a segunda expansão industrial no
país, a partir da década de 1870, era, porém, bem diferente da situação vivida pela geração do
primeiro surto fabril. Nos anos 1850, a industrialização propriamente dita da economia dava
seus primeiros e vacilantes passos no Brasil. Até a década seguinte, a Bahia era o principal
núcleo fabril do país, sendo então ultrapassada pelo Rio de Janeiro, capital do Império. Apesar
da concentração nessas duas províncias, a atividade industrial no país era ainda muito
precária. Pode-se observar sua limitação, analisando as condições do setor têxtil nacional.
“Quando foi realizada a 2ª Exposição Nacional [da indústria], em 1866, havia apenas 9
fábricas de tecidos no Brasil todo. Nos 16 anos seguintes foram criados 36 novos
estabelecimentos” 140. Apesar da expansão, cumpre pontuar o descompasso existente entre a
dimensão desse ramo no Brasil e nos Estados Unidos: enquanto o primeiro tinha 45
estabelecimentos têxteis em 1882, o somatório dessas mesmas empresas no segundo já atingia
mais de mil fábricas em 1866. 141 Não era sem razão que Borja Castro, combatente da
industrialização do país, lamentava-se ao escrever sua avaliação da Segunda Exposição da
indústria do país.
Se neste exame preferimos o que é real e verificado ao que é apenas provável e
contingente, então forçoso será confessar a triste verdade de uma indústria sem vida
138 LUZ, 1975, p. 165-179.
139 LUZ, 1975, p. 173-174.
140 HARDMAN & LEONARDI, 1982, p. 34.
141 HARDMAN & LEONARDI, 1982, p. 32-40.
66
e sem vigor e, sobretudo, reconhecer que, neste momento, falecem ao Brasil os
principais requisitos para ser uma nação verdadeiramente industrial.142
Não obstante todo o esforço do Governo imperial no sentido de promover, muito
especialmente, as fábricas nacionais por meio de privilégios e concessões, uma série de
dificuldades atuava contra o desenvolvimento das manufaturas e indústrias modernas num
Brasil, onde, naquele momento, o espírito de associação dava apenas seus primeiros passos
entre nós e as dificuldades de interligação entre as regiões ainda eram bastante acentuadas,
sendo o transporte de mercadorias geralmente feito no lombo de animais de carga e o
comércio entre as províncias, bem menor que suas permutas com os estrangeiros. Já no ano de
1858, o marquês de Olinda constatava que a crise do setor secundário atingia mesmo os
estabelecimentos amparados pelo Estado na cidade do Rio de Janeiro.143 Em suas palavras:
Ausência de capitais, dificuldades de mão-de-obra qualificada, concorrência de
empreendimentos mais lucrativos, ambiente de desconfiança, proteção inadequada,
enfim todo um conjunto de fatores levou ao esmorecimento o impulso industrial, de
tão curta duração, dos meados do século XIX. 144
Sem contar todo esse tipo de embaraços atuando contra o arrojo dos
empreendedores daquela fase inicial da industrialização brasileira, importa também salientar
que o conjunto dos empresários da época longe estava de constituir um grupo coeso com uma
identidade ideológica clara e uma agenda de reivindicações e propostas políticas definida. O
que havia, então, eram manifestações individuais de alguns entusiastas da modernização fabril
ou expressões isoladas em prol de segmentos específicos do setor secundário. “De iniciativa,
porém, das indústrias, não houve, antes do último quartel do século XIX, nenhum movimento
sério” 145. E foi nessas condições que, fazendo uso da pena no transe o mais doloroso e
desesperador de sua vida, um ilustre empresário, o maior empreendedor deste primeiro surto
manufatureiro vivido pelo país, redigiu uma obra que fez e até hoje faz história.
142 LUZ, 1975, p. 39.
143 LUZ, 1975, p. 35-40.
144 LUZ, 1975, p. 39.
145 LUZ, 1975, p. 51.
67
3 – MAUÁ AOS OLHOS DO PRÓPRIO MAUÁ:
UM “ESCRITO DE SI” PARA A “ESCRITA DA NAÇÃO”
Quem passou pela vida em branca nuvem,
E em plácido repouso adormeceu;
Quem não sentiu o frio da desgraça,
Quem passou pela vida e não sofreu;
Foi espectro de homem – não foi homem,
Só passou pela vida: não viveu.
Ilusões da Vida, poema de Francisco Otaviano,
advogado e amigo de Mauá.
Passados mais de trinta anos de uma carreira empresarial vertiginosa, durante a
qual inaugurara a mais importante fábrica de fundição e estaleiro naval do seu tempo e ligara
seu nome a inúmeros melhoramentos materiais de norte a sul do Império, Mauá caiu. O
complexo bancário por ele organizado, coração financeiro de seus empreendimentos, não
suportara mais uma crise pela qual a economia brasileira passava, em meados da década de
1870, e a filial uruguaia de seu banco enfrentava, devido a contrariedades políticas naquele
país. Em 1875, o Banco Mauá & Cia. - com ramificações na Argentina, no Uruguai, na
França, nos Estados Unidos e na Inglaterra, além de inúmeras filiais no território nacional 146 pediu moratória e, três anos mais tarde, foi à falência.
146 A fama desta casa bancária era tamanha que o romancista francês Júlio Verne, por duas vezes, menciona-a no
conjunto de sua vasta obra. Em Da terra à Lua, a instituição aparece com destaque na lista dos subscritores que
cooperaram financeiramente para o envio de um projétil tripulado ao satélite natural da Terra. Em Buenos Aires,
no Rio de Janeiros e em Montevidéu, é do Banco Mauá que partem depósitos para o patrocínio da inaudita
missão. Já n’A volta ao mundo em oitenta dias, o herói do livro, Mr. Fogg, tem uma conta no complexo bancário
de Irineu Evangelista.
68
Naquela ocasião, os versos de Francisco Otaviano acima citados, bem poderiam
ter sido oferecidos ao amigo, infelicíssimo quando da liquidação de seus negócios. A dor
daquele transe foi tamanha que Mauá refugiou-se em sua fazenda Atalaia, em Sapopemba,
interior da província do Rio de Janeiro. Lá, distante do burburinho da cidade que ainda
respirava a notícia de sua bancarrota e secundado pela esposa Maria Joaquina ou,
simplesmente, May, como carinhosamente a chamava, Irineu Evangelista de Souza reuniu
forças para empreender aquela que seria sua mais duradoura obra. Concebida três anos
antes147, a Exposição aos credores ganhou forma em 1878, após um trabalho diuturno de
redação que se estendeu por pouco mais de quinze dias. Mais do que todos os seus feitos
industriais e financeiros, foi a composição desta obra que lhe garantiu a imortalidade, visto
ser, sobretudo, nela e por meio dela que Irineu, respectivamente, inseriu e forjou o significado
de toda a sua carreira empresarial e de toda a sua vida. Ao percorrer as páginas desta obra,
deparamo-nos com a exegese que o visconde fez de si mesmo. Não espanta, pois, que este
texto tenha ganhado a dimensão que adquiriu. A Exposição tornou-se leitura obrigatória para
seus estudiosos, além de um clássico do pensamento industrialista brasileiro. Nos dizeres de
Cláudio Ganns, bisneto e, em meados do século XX, prefaciador de uma reedição do livro
autobiográfico do ascendente 148.
Todos quantos, biógrafos ou críticos de Mauá, sobre ele escreveram – fosse para o
louvar, fosse para o denegrir, vieram sempre buscar nesta admirável “Exposição aos
credores”, que é a verdadeira “autobiografia” da sua vida pública, as palavras
adequadas e precisas, que apoiassem ou ilustrassem os seus comentários.149
Considerando a importância deste texto na vasta história de apropriações e reapropriações experimentadas pela figura visconde no decorrer dos anos, um capítulo especial
será dedicado à análise desta obra. Nas páginas que se seguem, pretendemos compreender a
narrativa autobiográfica em questão em sua inserção política nos debates reformistas que
147 Cf. nota 28.
148 Na Conclusão desta Dissertação, veremos a importância da reedição desta obra no âmbito do segundo grande
momento de interesse das elites brasileiras pelo visconde de Mauá. Isso se deu entre 1939 e 1942.
149 MAUÁ, Autobiografia, p. 94.
69
marcaram as duas décadas finais do regime monárquico. Ao mesmo tempo, desejamos
mostrar de que modo a escrita autobiográfica foi útil ao visconde, não apenas em seu esforço
de crítica político-social, mas também em seu empenho de construção de uma auto-imagem
mítica, que lhe garantiu a imortalidade. Em suma, como em toda esta primeira seção, nosso
objetivo aqui é duplo, qual seja: trabalhar Mauá na sincronia, tendo em vista os impactos
causados por este personagem na diacrônica. Tendo tais objetivos, este capítulo divide-se em
duas grandes partes. Num primeiro momento, procuramos mostrar como a Exposição aos
credores insere-se no gênero autobiográfico. Reflexões teóricas a respeito da “natureza” e das
características históricas da prática deste tipo de escrita perpassarão esta parte, no intuito de
dar-lhe melhor fundamento analítico. Depois, num segundo momento, valendo-nos das
considerações teóricas feitas na parte anterior, discutiremos o caráter político da narrativa em
questão, assim como as “estratégias” textuais usadas pelo autor – em boa medida,
responsáveis por sua apropriação futura.
Ao escrever sua Exposição aos credores, Irineu Evangelista ia delineando, ao
longo das páginas daquele texto, os contornos de sua individualidade, para o público a que
destinava seu testemunho. A tese central aqui defendida é a de que, neste esforço de
autodefinição, preocupação típica do gênero autobiográfico, Mauá não somente estava
refletindo sobre sua vida, como, ao mesmo tempo, colocava em questão a própria trajetória
nacional. Em outros termos, se por um lado, ele oferecia sua contribuição pessoal aos debates
políticos da época, por outro, ao assim fazê-lo, também se auto-instituía como símbolo da luta
pela modernização industrial do Brasil. Um símbolo que, décadas depois, tendo sido reapropriado como um ícone do progresso, contribuiu para a renovação do pensamento social
no país e da própria vida política brasileira – assunto do qual nos ocuparemos na Segunda
Parte desta Dissertação.
70
3.1 - Exposição aos credores: natureza autobiográfica e vocação política
A importância de um “bom nome na praça” para a captação de recursos no
mercado é uma das regras fundamentais do espírito do capitalismo. Como dizia Benjamin
Franklin, “o bom pagador é dono da bolsa alheia” 150. Sabedor dessa máxima no mundo
capitalista, a qual, desde cedo, o jovem Irineu aprendera durante sua fase de caixeiro, por
diversas vezes, o velho Irineu pôde colocá-la em prática ao longo de sua carreira. Quando, por
exemplo, sob influência do engenheiro Thomas Butler Dodgson, diretor da Ponta da Areia,
Mauá abriu uma companhia para a construção de um novo tipo de dique, mostrando-se falha a
idéia, Irineu Evangelista recolheu as ações e restituiu o capital subscrito. Cerca de duzentos
contos de réis já haviam sido despendidos no negócio 151. Assim justificava-se, anos depois:
Se se tratasse de executar um pensamento conhecido e aprovado a respeito de diques
flutuantes – tudo estaria acabado – cada um que sofresse a parte do prejuízo que lhe
tocara, sendo a minha a maior. Sendo, porém, a invenção nova, de um empregado do
estabelecimento, que trabalhava sob minha responsabilidade, não permitiu minha
consciência que outros ficassem prejudicados. 152
Atuando em um período no qual o mercado de capitais dava seus primeiros passos
no país, todo cuidado era pouco. Era preciso conquistar a confiança dos investidores nacionais
e, sobretudo, estrangeiros. Urgia demonstrar aos investidores que o mercado brasileiro era um
ambiente seguro e lucrativo - livre da ação nefasta de especuladores aventureiros. E Mauá,
como poucos, tinha plena consciência dessa responsabilidade. Ele participou da organização
da primeira companhia inglesa para construção de uma ferrovia no Brasil, qual seja: a Recife
and São Francisco Railway Company 153. Também foi ele o responsável pelo primeiro aporte
150 WEBER, 1967, p. 30.
151 MAUÁ, Autobiografia, p, 152-154.
152 MAUÁ, Autobiografia, p, 153-154, grifo do autor.
153 Na época do lançamento dessa companhia na praça de Londres, o sócio de Mauá, responsável pelo braço
inglês do Banco Mauá em Manchester, foi procurado para fazer parte da diretoria da nova empresa. Escrevendo
ao amigo, Irineu Evangelista demonstrava todo o seu entusiasmo: “Trata-se de levar avante a primeira
71
de capitais norte-americanos no país, ao fazer cessão de seus privilégios para a construção de
uma estrada de ferro para passageiros na cidade do Rio de Janeiro. Essa foi a origem da
Botanical Garden Rail Road Company 154.
A credibilidade do seu nome e do nome de suas empresas sempre foi um prérequisito indispensável para a continuação de seus negócios e o sucesso de sua carreira
empresarial. Como vimos no capítulo anterior, por inúmeras vezes, amigos e investidores
brasileiros procuraram associar Mauá à lista dos subscritores de suas empresas. Sua assinatura
era uma espécie de marca a inspirar respeito e confiança nos investidores. Por isso, ao se
defrontar com a realidade da ruína, Irineu Evangelista lutou com todas as suas forças para
evitar o colapso iminente. As cartas endereçadas aos parceiros de negócios, funcionários e
amigos durante o período em que batalhou para saldar suas dívidas, nos anos lúgubres da
moratória, são um testemunho tocante do espírito de um homem que, naquele momento,
encarnou, talvez da maneira mais grandiosa, o capitalismo incipiente no Brasil. Suas palavras
exprimem com toda a vivacidade o misto de valentia e resignação que agitava o seu interior,
em uma disputa atroz e sem uma resultante definida.
Na proposta de moratória não se fala em juros; porém, apesar de não ficar obrigado
a isso, eles só deixarão de ser pagos até o último minuto da última hora do último
pagamento que se dever, se, empenhando a camisa do corpo, o chapéu velho e as
botas de montar, isso não se puder conseguir.
[...]
Não hei de ficar com um vintém para mandar ao mercado, seja qual for a conduta
dos credores para comigo... Creia o meu amigo que só me acabrunha a idéia de
qualquer déficit para pagar integralmente capital e juros do que em meu nome se
prometeu pagar em qualquer parte onde exista a firma Mauá & Cia. A família tem
em todas as hipóteses o arrimo de meu filho Henrique, que é bom; para mim bastamme nove palmos de terra quando Deus quiser.
(Carta a Ricardo Ribeiro, de 2-9-1877) 155
Julgam-me ferido de morte. Enganam-se. Há com que pagar a todos. Peço agora
ainda maior dedicação, se for possível de meus companheiros de trabalho até aqui.
Trata-se de restaurar o nome, que para mim vale cem mil vezes mais do que os
chamados bens de fortuna.
companhia inglesa para vir construir estrada de ferro no Brasil, - não deixei pedra sobre pedra para que o
resultado nada deixe a desejar, pois disso dependerá que muitas outras naveguem nas mesmas águas, e você
conhece minhas idéias a respeito”. (MAUÁ, Autobiografia, p. 146, grifos do autor).
154 MAUÁ, Autobiografia, p, 145-151, 182-184.
155 FARIA, Mauá, p. 497-498.
72
(Carta circular aos chefes de todas as agências do Banco Mauá no Brasil e no
exterior) 156
Incapaz de arcar com seus compromissos financeiros dentro do prazo de três anos
que a legislação comercial da época previa para os casos de moratória 157, Irineu Evangelista
decidiu se explicar. É o ethos burguês de um homem de negócios acostumado a levar a cabo
empreendimentos, com o suporte de capitais alheios, que aflora naquelas linhas sofridas. Em
suma, uma prestação de contas ao público, em geral, e aos credores, especialmente, eis o que
esteve na base daquele escrito (e o próprio título patenteia158). A Exposição aos credores,
contudo, não se resume a isso: não foi ela uma simples prestação de contas, estimulada pelas
pressões próprias de uma economia que se ia monetarizando e habituando ao crédito.
Produzida por um homem já em idade avançada – lembremo-nos que, em 1878, o visconde de
Mauá possuía 65 anos incompletos e apenas mais 11 pela frente –, a obra teve também uma
motivação existencial ou uma necessidade interior 159.
Na idade avançada em que me acho, em presença do acontecimento que motiva esta
exposição [refere-se à sua falência], realizado pelo modo por que foi resolvido
[Mauá queixa-se por não ter-lhe sido concedido um prazo maior para saldar suas
dívidas], não posso ter outro objeto em vista senão salvar do naufrágio aquilo que
para mim vale mais do que quanto ouro tem sido extraído das minas da Califórnia –
um nome puro, pois persisto em acreditar que o infortúnio não é um crime.160
Abatido e transtornado pelo evento mais trágico de sua vida pública, foi que o
visconde viu a necessidade de empreender uma reflexão global sobre sua existência. Em
geral, acontecimentos, positiva ou negativamente, marcantes na vida de uma pessoa
constituem o principal pretexto para a escrita autobiográfica. A Exposição aos credores
também se insere nesse tipo de literatura pessoal: “não é um desabafo [confessa ele], é um
gemido que esta exposição encerra, e o gemer é privilégio de quem sofre [...]” 161. Ao narrar
156 FARIA, Mauá, p. 499.
157 Tempos depois essa lei foi alterada, por atuação de Nabuco de Araújo e Gaspar Silveira.
158 Note-se que o termo “autobiografia” só passou a designar a obra quando de sua primeira reedição, em 1942,
pela Livraria Editora Zelio Valverde.
159 LYONS, 2001, p. 941.
160 MAUÁ, Autobiografia, pp. 97 e 98, grifos do autor.
161 MAUÁ, Autobiografia, p. 292, grifos do autor.
73
sua própria história, ao colocar no papel “o resumo histórico de [sua] amargurada vida
financeira” 162, Mauá acertava as contas com os credores e com o público, mas, sobretudo, e
primeiramente, consigo mesmo.
Começando pelo estabelecimento fabril da Ponta da Areia, passando por diversos
outros empreendimentos urbanos e até rurais, e indo até sua participação na construção de
inúmeras ferrovias e na implantação de casas bancárias no Brasil e no exterior, Mauá fez um
balanço dos 32 anos de sua carreira industrial e financeira. O que ele desejava era esclarecer
as causas de sua bancarrota. Sua ambição era “ser julgado pela verdade verdadeira, e não
pelas interpretações da maledicência” 163 . Pesava-lhe sobre os ombros o estigma de
privilegiado: havia políticos que o acusavam de sempre ter sido favorecido pelo governo.
Diziam que seus negócios e seu colosso bancário só teriam ido para frente, graças ao prestígio
e à influência do visconde junto aos representantes políticos do povo. Corria à boca miúda na
corte, entre outras acusações graves, que o visconde do Rio Branco, político de proa no
Segundo Reinado, ficara hospedado numa residência de Mauá, durante sua missão
diplomática no Rio da Prata, por ocasião da Guerra do Paraguai. Sua amizade com o
empresário, aliás, não era desconhecida – muito antes, pelo contrário 164. Com o intuito
explícito da autodefesa, intento corriqueiro nas autobiografias de homens públicos, a
fidedignidade de seu relato era condição básica para sua validade. Por isso, percebe-se o
reforço constante dessa nota ao longo das páginas da Exposição aos credores, tal como na
passagem que se segue.
Não é nesta hora solene, em que a vítima de um grande e não merecido infortúnio
vem dar explicações àqueles que têm o direito de exigi-las, que eu me lembraria de
fazer uma narrativa infiel dos fatos com que julgo do meu dever ocupar vossa
atenção, quando a verdade, aliás, tem sido o escudo que me tem amparado em todas
162 MAUÁ, Autobiografia, p. 225.
163 MAUÁ, Autobiografia, p. 93.
164 Várias concessões de obras públicas foram conseguidas pelo visconde, com a atuação de Rio Branco, que
agia nos bastidores fazendo lobby em favor do amigo. Quando os negócios de Mauá no Prata estiveram em
grande dificuldade, Rio Branco também socorreu política e financeiramente o colega. Quando Mauá estava
próximo da falência, Paranhos abriu os cofres do tesouro nacional para auxiliar o banqueiro em aperto.
74
as vicissitudes de uma longa vida. [...] Não é por certo a fatuidade, que seria na
verdade ridícula em tais circunstâncias em que me vejo colocado, que me induz a
recordar serviços prestados ao país e obriga-me a entrar na apreciação de alguns atos
de que fui instrumento, deixando ainda em silêncio muitos que podiam aparecer com
vantagem, desde que indiretamente atuavam na vida financeira e econômica do
Brasil; limito-me aos que têm bastante notoriedade pública, provocando
abertamente sobre eles qualquer contestação, a fim de que responder cabalmente aos
impugnadores, enquanto a fria lousa não cobre os restos fatigados que servem de
invólucro à alma de um ente, que teve durante toda a sua vida como ponto fixo de
sua maior aspiração – fazer algum bem – e que arrojado agora da posição em que
desempenhava essa missão, se vê atirado ao banco dos acusados! 165
Lançando mão da imagem da morte como fim de todas as ilusões, o autor
objetivava conferir imparcialidade a seu depoimento 166. “Demasiadamente o sabeis a voz do
sepulcro não tem aspirações” 167. A neutralidade invocada pelo narrador é, entretanto, algo
que passava bem longe daquele relato, sem retirar-lhe (é claro) a validade histórica e, muito
menos, a autenticidade intrínseca. No comentário agudo, não obstante laudatório, do deputado
Wanderley Pinho, percebe-se com que disposição Irineu fez uso da pena na redação de seu
relato autobiográfico. Assim dizia o filho do barão de Cotegipe: Mauá “precisava, falando
aos credores, eximir-se de responsabilidades que seriam vistas por estes como culpas, mas
podemos hoje apreciar como méritos” 168. Ou seja, mais que uma simples defesa de sua
imagem pública, a Exposição aos credores foi um ataque político ousado, cujas dimensões na
sincronia intentaremos descortinar neste capítulo, como já destacado. Não sendo uma obra de
reflexão política stricto sensu, pretendemos evidenciar sua inserção no clima reformista de
seu tempo. E faremos isso, sobretudo, focalizando a individualidade representada naquele
texto, pois acreditamos que a chave principal para o entendimento do sucesso de tal
empreendimento autobiográfico é a maneira arguta pela qual seu autor construiu sua autoimagem.
165 MAUÁ, Autobiografia, p. 93, grifos do autor.
166 O recurso à morte com o objetivo de conferir fidedignidade ao relato de um narrador também foi usado por
Machado de Assis em seu romance Memórias póstumas de Brás Cubas. Neste livro, deparamo-nos com um
defunto autor, que, por suposto, narra sua experiência de um modo, senão imparcial, pelo menos, desinteressado,
visto não ter mais o que esperar deste mundo.
167 MAUÁ, Autobiografia, p. 225.
168 PINHO, Wanderley. Resenha crítica da Autobiografia de Mauá, publicada por Cláudio Ganns. Esta fonte
manuscrita faz parte da Coleção Wanderley Pinho (notação: DL 1618-5) do Instituto Histórico Geográfico
Brasileiro, no Rio de Janeiro.
75
Segundo Philippe Lejeune, uma autobiografia é uma “narrativa retrospectiva em
prosa que uma pessoa real faz de sua própria existência, quando ela põe em destaque sua
vida individual, em particular, a história de sua personalidade” 169. Apesar das críticas,
especialmente apontando os limites de uma delimitação conceitual que pretende engessar em
uma fórmula rígida uma prática histórica que já entra, levando em conta apenas a História
Moderna, em seu quinto século 170, utilizaremos esta definição como nosso ponto de partida
teórico por um motivo bem simples e pragmático, qual seja: ela é perfeita para caracterizar a
escrita autobiográfica praticada pelo visconde. Se quiséssemos, poderíamos resumir a
estrutura da Exposição aos credores da seguinte forma: delimitação precisa da essência
individual que impulsionou Mauá durante toda sua vida pública e descrição das peripécias
vividas por esta individualidade no decorrer de sua existência, em conformidade com sua
natureza interior. Após uma breve introdução, que ocupa apenas um capítulo da narrativa, na
169 LEJEUNE, 1975, p. 14, tradução nossa.
170 Fruto de um longo processo de transformação cultural, a escrita de si só adquiriu pleno significado quando da
emergência do individualismo moderno. Nas sociedades ditas “tradicionais”, uma lógica coletiva sobrepunha-se
aos indivíduos, reforçando os vínculos sociais e fazendo prevalecer a idéia da interdependência. Aqueles eram
agrupamentos regidos pelo ritmo de suas tradições. Nessas condições, os indivíduos se reconheciam, não por sua
marca pessoal ou sua singularidade, mas antes por sua função, seu lugar no grupo. A vida comunitária não
passava de um grande drama histórico, cujos papéis eram estabelecidos de forma definitiva pelos deuses, sendo
apenas eternamente re-encenados pelos “atores” históricos. Não havia novidade no mundo; inexistia a percepção
de uma ruptura entre o passado, o presente e o futuro. Os papéis sociais eram tidos como limitados e sempre os
mesmos; mudavam-se apenas os intérpretes. Assim, a despeito dessa renovação na superfície dos
“acontecimentos”, a história era sempre a mesma. A idéia do eterno retorno, característica da percepção temporal
nas chamadas sociedades “primitivas” e com permanências nas culturas antigas e medievais, contrasta com a
noção moderna de tempo histórico, colocando sérios obstáculos à produção de si naqueles tempos. (GUSDORF,
1980, p. 29-30. Ver também sobre este assunto: HOBSBAWM, 1998).
O rompimento dessa estrutura mítica do tempo correspondeu a uma revolução secular no universo da cultura,
cujas origens cronológicas são de difícil definição, podendo, por aproximação, ser situadas no período
renascentista. Já no final da Idade Media, o desenvolvimento de uma nova técnica de produção de espelhos,
desenvolvida por artistas italianos e alemães, contribuiu para o despertar da consciência da personalidade. O
Renascimento, todavia, foi mesmo o grande marco neste processo. Muito embora, como mostram os estudos
mais recentes, tenha se tratado de um desabrochar inicial e apenas parcial do individualismo moderno, a noção
de indivíduo como um ser singular e dotado de personalidade única começava a disputar espaço com a idéia de
indivíduo-exemplar, modelo universal das virtudes. A Reforma Protestante também deu impulso à tendência da
introspecção e à literatura da auto-análise. Porém, foi apenas na passagem do século XVIII para o XIX que a
escrita auto-referencial revestiu-se de uma significação mais próxima da que, hoje, conhecemos – sob os
impactos do Iluminismo, da Revolução Industrial e do Romantismo. Esta é a época do surgimento do romance
moderno, marcado pela idéia da descontinuidade e incoerência do real, da ascensão do cidadão moderno, base de
um contrato político fundado na igualdade de todos perante a lei, e da consagração do “eu romântico”, expressão
usada pelos historiadores literários para se referir à concepção do indivíduo como um ser dotado de identidade
própria e personalidade em desenvolvimento. Trata-se de um período decisivo, conquanto não derradeiro, no
curso desse longo e ainda perceptível processo de “involution (evolução para dentro) da consciência”, para usar
a expressão inteligente de Georges Gusdorf. (EAKIN, 1988, p. 198-207. Sobre os limites da noção de indivíduo
na época renascentista, ver: BURKE, 1997, p. 83-98).
76
qual o autor-narrador situa o leitor acerca do início de sua carreira empresarial, procurando
fixar uma imagem de sua alma, Irineu Evangelista passa a relatar os principais
empreendimentos com os quais se envolveu. Trinta e dois capítulos, o corpo principal da
narrativa autobiográfico em apreço, são consagrados a esta tarefa, responsável pela
caracterização dinâmica da alma do personagem 171. Neles, Mauá oferece aos credores e ao
público um balanço de sua vida empresarial. Como se percebe, ao longo de toda a narrativa, o
“eu” recôndito do visconde constitui-se na grande figura deste testemunho, revelando-se: seja
na tentativa inicial de caracterização estática do personagem em foco, seja na exposição
decorrente das diversas iniciativas das quais Mauá participou, em seus mais de trinta anos de
carreira: sua caracterização dinâmica.
Algo que salta aos olhos, no decorrer da narrativa autobiográfica em questão, é a
certeza, a convicção com que Irineu Evangelista pinta seu auto-retrato. Em momento algum
do texto, o narrador-autor demonstra dúvidas a respeito do sentido de sua existência, do
significado dos eventos em se envolveu, enfim, sobre si mesmo. Neste testemunho
autobiográfico, inexistem hesitações de qualquer espécie: a possibilidade do pleno
autoconhecimento é um postulado implícito na Exposição aos credores. Para Mauá, sua
personalidade lhe era totalmente transparente, sendo sua narrativa o reflexo perfeito da
imagem da sua alma. A despeito dos equívocos ou, mesmo, da ingenuidade de uma tal
“declaração de fé”, tanto do ponto de vista do biógrafo de si, quanto do ponto de vista do
171 Na ordem em que o visconde de Mauá os narra, estes são os trinta e dois empreendimentos em que o
protagonista desta narrativa autobiográfica se envolveu, ao longo de sua carreira empresarial: Estabelecimento
da Ponta da Areia, Companhia de Rebocadores a vapor para o Rio Grande, Companhia de Iluminação a Gás do
Rio de Janeiro, Serviços prestados à política do Brasil no Rio da Prata, Companhia Fluminense de Transportes,
Banco do Brasil, Estrado de Ferro Petrópolis, vulgo Mauá, Navegação a vapor do Rio Amazonas, Estrada de
Ferro de Recife a São Francisco, Estrada de Ferro da Bahia, Companhia Diques Flutuantes, Companhia de
Curtumes, Companhia Luz Esteárica, Montes Áureos Brazilian Gold Mining Company, Estrada de Ferro de
Santos a Jundiaí, Estrada de Ferro D. Pedro II, Caminho de Ferro da Tijuca, Botanical Gardens Railroad
Company, Estrada de Ferro de Antonina a Curitiba, Estrada de Ferro Paraná a Mato Grosso, Cabo submarino,
Abastecimento de água à capital do Império, Estrada de Ferro do Rio Verde, Serviços prestados à agricultura, e
Banco Mauá e Companhia. Este último capítulo, único da Exposição aos credores que é subdividido, compõe-se
de dez tópicos, sendo o mais longo de todos os capítulos do texto.
77
pesquisador de uma autobiografia, importa reter os impactos dessas convicções para a escrita
de si praticada pelo visconde.
Décadas atrás, os estudiosos do gênero autobiográfico depositavam todas as suas
energias no bios. Sua preocupação era mensurar até que ponto o testemunho de si era mais ou
menos confiável. A vida retratada correspondia à experiência realmente vivida? – era isso que
estava em pauta. A questão da fidedignidade do testemunho autobiográfico começou a perder
sentido, quando os críticos passaram a atentar para a dimensão do autos. Percebeu-se, então,
que o que realmente importava era o indivíduo que comandava seu auto-retrato, a partir de um
certo presente. O bios nunca esteve plenamente pronto para ser diretamente refletido no papel,
por meio de um autos meramente passivo. Ambos são produtos de um processo de grafia de
si, no qual o “eu” do autobiógrafo participa de forma efetiva, invariavelmente deixando no
texto a sua marca. O ato autobiográfico é, a um só tempo, um ato de descoberta e de criação172
– no qual o contexto da produção autobiográfica reveste-se do mais amplo significado, haja
vista que a imagem de si definida em um relato é sempre o fruto da escrita de um “eu” em um
dado presente. Reconstruir as motivações deste autos no momento da composição (grafia) de
sua vida (bios) será, portanto, fundamental para o entendimento de qualquer narrativa
autobiográfica. Como bem salienta Gusdorf: “toda autobiografia não passa do relato
(testemunho) de um momento da vida; ela luta para esboçar o significado daquela vida, mas
ela mesma é um significado na vida” 173 . Na seqüência deste capítulo, pretendemos
reconstruir o significado da Exposição aos credores, utilizando, não apenas seu conteúdo,
como também sua forma. Quais as intenções, implícitas no tipo de escrita autobiográfica
praticado por Mauá, permeiam as páginas deste relato. Esperamos demonstrar de que formas
o estilo textual adotado pelo visconde para transmitir seu recado integrava o significado de
sua mensagem.
172 OLNEY, 1980, p. 19-22.
173 GUSFORF, 1980, p. 43, tradução nossa.
78
Em um esquema bastante sofisticado de definição de um gênero literário, William
Howarth relaciona três tipos paradigmáticos de autobiografias. Partindo do princípio de que
seria um equívoco pensar este gênero restrito a um único padrão de texto e levando em conta
a importância do estilo na caracterização de um gênero, Howarth apresenta-nos três
paradigmas, três modelos de escrita autobiográfica. Ele nos fala da autobiografia como
oratória, da autobiografia como drama e, finalmente, da autobiografia como poesia. Vamos
nos ater ao primeiro destes tipos 174 , visto ser nesta tradição literária que o relato
autobiográfico do visconde se filia, como procuraremos mostrar e a própria transparência
pretendida em seu testemunho de si já indica.
Neste padrão de escrita de si, cujo protótipo inicial encontra-se nas já
mencionadas Confissões de Santo Agostinho, o escritor tem como meta principal transmitir
uma mensagem. Sua narrativa faz as vezes de uma pregação. Assim como um pastor ou
orador religioso, o que se deseja aqui é constituir e conduzir um rebanho. Dado o propósito
explicitamente didático do texto, a história pessoal narrada se transforma numa verdadeira
alegoria, exibindo-se como um modelo, um padrão sumário e de cunho universal da
experiência humana. É como se o protagonista dessa simples história encarnasse em sua
existência individual uma verdade mais alta do que ele próprio. Daí o elevado grau de
estilização presente nessas narrativas: há uma lição, encerrada nessas trajetórias exemplares
de vida, a ser compartilhada; esse tipo de texto contém um ensino, uma exortação a ser levada
em conta por todos.
Visceralmente comprometido com o dever de dar seu recado, o escritor-orador faz
de sua vida pregressa um artefato em suas mãos. Tal como um hábil artesão, ele esculpe
“monumentos públicos de sua vida privada” 175 . Há aqui um claro esforço de
“monumentalização” a guiar toda a narrativa. Grandes períodos da vida podem ser
174 Para mais informações sobre os outros dois paradigmas autobiográficos, cf. HOWARTH, 1980, p. 84-114.
175 HOWARTH, 1980, p. 92, tradução nossa, com pequenas adaptações.
79
completamente ignorados ou simplesmente resumidos em umas poucas linhas;
acontecimentos que não se coadunam com a tese central do texto são, via de regra,
marginalizados ou omitidos; simples detalhes numa trajetória de vida ganham, por vezes, um
grande relevo; enfim, os eventos narrados nesse tipo de autobiografia são sempre escolhidos a
dedo, no intuito de prender e dirigir o olhar dos leitores, aos quais não se permite nem mesmo
um simples piscar de olhos. Juntamente com o conteúdo doutrinal do texto, nota-se, pois, que
o estilo também compõe a estratégia missionária que comanda esses relatos de vida.
Relatos didáticos altamente estilizados, estas histórias de vida são ainda
caracterizadas por uma significativa racionalização do passado. Uma lógica dura preside todo
o texto. Da mesma forma que um sermão possui início, meio e fim bem delimitados e
conectados, essas autobiografias são marcadas pela idéia da continuidade, da unidade perfeita
da experiência humana. São histórias, por assim dizer, de um único fio narrativo. Certamente,
as que melhor satisfazem à noção de ilusão biográfica, difundida por Pierre Bourdieu. O
postulado do sentido da existência manifesta-se aqui em sua tonalidade mais vibrante, qual
seja: o da univocidade do vivido. Toda a experiência pessoal relatada segue uma trajetória
retilínea, possuindo uma finalidade precisa, que reveste a narrativa de perfeita coerência e
concede aos eventos descritos um nexo absoluto. Não é sem razão que o apelo a forças
superiores – como Deus, a Providência, a História ou a Natureza - é tão recorrente nesses
testemunhos, sendo um elemento decisivo na costura de sua trama. O texto desenrola-se em
estágios cronológicos e ao mesmo tempo lógicos, em que cada etapa vencida é um passo a
mais rumo ao pleno conhecimento e à plena afirmação de si. Há assim sempre um clímax
narrativo: momento áureo da autodescoberta e do início de uma vida nova. A trajetória desses
personagens é descrita como o cumprimento de uma missão ou de um projeto de vida. E tudo
isso começa com a compreensão e a aceitação de uma chamada. É ela que dá sentido à vida
desses homens e unifica integralmente seu vivido.
80
Na Exposição aos credores, a temática da vocação aparece, não por acaso, logo
em suas primeiras páginas. Esta tópica cumpre uma função axial na narrativa; é ela que
estrutura todo o relato. Por isso, antes mesmo de começar a descrever e analisar a sorte dos
principais empreendimentos dos quais esteve à frente, Irineu Evangelista enceta seu
testemunho com sua autocaracterização. Explorando o recurso da sinceridade, atributo que
marca a escrita autobiográfica desde o século XVIII, Mauá objetiva fixar os contornos de sua
imagem. Ele queria conceder aos leitores um pequeno vislumbre das origens profundas de sua
carreira empresarial. Seu anseio capital era expor as motivações, exprimir as razões mais
íntimas que o teriam guindado à posição de destaque outrora vivida e que agora o conduziam
ao banco dos réus, na intenção de conquistar a empatia e a compreensão dos outros. Daí, seu
testemunho autobiográfico começar com uma breve, porém, valiosa narrativa de conversão.
Dividindo espaço com aquilo que Philippe Lejeune chama de pacto referencial 176, relação de
semelhança pretendida por um autor entre o enunciado e a enunciação ou entre o texto e o real
extra-textual ao qual o relato se refere, é este o grande tema contido na introdução do texto em
foco.
A autobiografia espiritual foi um modelo de narrativa bastante corrente entre as
autobiografias inglesas da primeira metade do século XIX. Tal padrão, remontando às
paradigmáticas Confissões de Santo Agostinho, teve como modelo moderno O Peregrino de
John Bunyan - livro, hoje, clássico, mas, naquele período, um dos maiores sucessos de
vendagem. Trata-se de um tipo de autobiografia centrado na jornada da alma perdida rumo à
sua salvação. É uma espécie de odisséia espiritual, na qual o indigno pecador – após um
período de acentuada prostração e abatimento, fruto do pecado – acaba, de repente, ao
encontrar com Deus, caindo em si e convertendo-se do seu mau caminho: entenda-se,
regenerando-se, tornando-se uma nova criatura, para usar a linguagem bíblica. Foi,
176 Veja, páginas atrás, a parte em que discutimos a preocupação de Mauá em auto-referendar sua narrativa,
legitimando-a com sua sinceridade.
81
sobretudo, sob a inspiração desse tipo de texto que os ingleses – inclusive, os operários
escritores - do início do século XIX encontraram a forma ideal para exprimir o relato de suas
vidas. Escrevendo em 1878 e acompanhando as mudanças de seu tempo, o visconde centrouse no desenvolvimento secular de sua personalidade. Será essa nova tendência, mais afim com
os ares científicos e positivos do momento, que dominará as autobiografias européias da
segunda metade do século XIX.177 Inclinação também perceptível em autores do lado de cá do
Atlântico, muito particularmente, no tipo de conversão relatada pelo visconde - referimo-nos à
decisão tomada por ele de “engolfar-[se] em outra esfera de atividade” 178. No ano de 1846, o
comerciante venturoso deixava o ramo, no qual fizera prodigiosa fortuna, para adentrar o
terreno pantanoso e movediço da grande indústria e do mundo financeiro da época. É ele
mesmo quem nos conta essa passagem:
Na primavera da vida havia eu já adquirido, por meio de infatigável e honesto labor,
uma fortuna que me assegurava a mais completa independência.
[...]
Bastaram vinte anos de atividade sem repouso, além do preciso para recuperar a
perda de forças, que o lidar contínuo, acompanhado da necessária meditação, opera
no organismo que suporta a pressão dessas lides, para assegurar-me uma renda
superior a 50 contos anualmente, se fora o capital empregado nos títulos mais bem
garantidos que o nosso país possui, ao liquidarem-se as transações de um forte
comércio de importação e exportação de cujo movimento me constituí o centro,
além do quinhão proporcional que a outros sócios tocara em partilhas.
Era esta a minha posição na ocasião a que me refiro, e vão contados 32 anos179.
[...]
Travou-se em meu espírito, nesse momento, uma luta vivaz entre o EGOÍSMO, que
em maior ou menor dose habita o coração humano, e as idéias generosas que em
grau elevado me arrastavam a outros destinos, sendo a idéia de vir a possuir uma
GRANDE fortuna, questão secundária em meu espírito, posso dizê-lo afoitamente,
com a mão na consciência e os olhos em Deus. 180
Tais “idéias generosas” a o arrastarem a outros destinos referiam-se, como fica
explícito no texto, às suas propostas para a modernização industrial do país, via o
“instrumento” dinâmico do crédito. Como se sabe, Mauá via no aproveitamento dos capitais
disponíveis no mercado financeiro brasileiro após o fim do tráfico negreiro, o grande
177 LYONS, 2001, p. 937-939.
178 MAUÁ, Autobiografia, p. 96.
179 O ano a que se faz referência neste trecho é o de 1846. Então, o jovem Irineu tinha 33 anos incompletos.
180 MAUÁ, Autobiografia, p. 95 e 96, grifos do autor.
82
instrumento propulsor dos empreendimentos que pretendia levar a cabo em solo pátrio. A
conversão acima narrada tem, pois, a intenção de mostrar a disposição do ainda Irineu
Evangelista de Souza em deixar a vida ditosa e segura de comerciante bem-sucedido para
iniciar uma carreira “sem exemplo em nossa terra, e mui rara em outros países” 181. É uma
espécie de confissão: revelação que tencionava marcar temporalmente o início de uma nova
vida, verdadeiramente, ou, antes, ativamente, patriótica. Perceba-se que o jovem Irineu tinha à
sua frente o caminho fácil e sedutor do mercado acionário, então em formação na cidade da
Corte. Como ressalta o próprio narrador do relato: que incômodo teria ele com a aquisição de
alguns títulos da dívida pública, após a liquidação de seu lucrativo negócio de comércio em
grosso? Nenhum. Antes, pelo contrário, seu futuro pessoal e familiar estaria plenamente
assegurado. Mas esta não foi a sua escolha. Sua decisão foi pela porta estreita: ele quis trilhar
o caminho árduo. Tal como nas autobiografias espirituais, percebe-se também na Exposição
aos credores uma certa peregrinatio. A alma aflita, após um período de intensos conflitos,
acaba alçando-se a níveis mais elevados.
O expressivo relato da conversão patriótica, descrito por Mauá logo no início de
sua obra, está repleto de significado, como anteriormente destacamos. Logo nas primeiras
páginas de seu relato, Irineu Evangelista fixa sua auto-imagem, retratando-se como um
patriota que se tornou empresário para cumprir em toda a plenitude sua vocação, dedicando-se
de corpo e alma ao melhoramento material do Brasil. É esta a representação que perpassará
toda a obra, sendo apenas efetivada a cada novo projeto idealizado, a cada proposta ventilada,
a cada empreendimento iniciado, a cada ato e pensamento do protagonista do texto. Narrativa
de um único fio, a Exposição aos credores poderia, pelo menos por ora, ser assim resumida: é
a história de uma personalidade nacionalista e modernizante. Mais a frente, veremos que
outros elementos se somarão a este para compor o enredo central daquela narrativa. Antes
181 MAUÁ, Autobiografia, p. 96.
83
disso, adensemos um pouco mais nossa análise, destacando o processo de emergência dessa
auto-representação.
Escrevendo, no princípio da década de 1860, ao velho amigo Richard Carruthers,
a quem dedicava afeição filial, Mauá (então, ainda barão) fez um pequeno balanço de sua
carreira, ainda em fase inicial. A carta a que nos referimos é de janeiro de 1861. O ano
anterior fora-lhe francamente favorável, sobretudo, no que concerne aos negócios de sua rede
bancária. Algo que nos chama a atenção nesta e outras missivas é o fato de que a imagem de
si imortalizada e oferecida ao público em sua narrativa autobiográfica de 1878, desde muito
tempo antes, já vinha sendo trabalhada em suas correspondências 182, como fica claro no
trecho que se segue:
É certamente singular que, com mentes igualmente dispostas a desfrutar a paz e a
felicidade doméstica, e provindo tudo o que é bom em mim de ensinamentos
inspirados em minha mente, trinta anos atrás, por você, nós tenhamos adotado meios
de vida tão largamente diferentes para chegar a um mesmo fim. Os fatos, contudo,
podem ser explicados com maior facilidade do que apareceriam à primeira vista,
pois, entre os ensinamentos inculcados em minha mente pelo conselho amigável ou,
antes, paternal dado a mim por você no período juvenil de minha vida, o amor a um
país era um tema muito freqüentemente abordado em nossas conversações, e
existindo a semente, ela dificilmente poderia deixar de crescer e absorver minhas
idéias com a esperança de ser útil ao meu país, em todos os eventos na esfera de vida
a qual o destino me reservou. Acredite-me, a idéia de fazer o bem, tanto ao meu
país, quanto tão amplamente quanto meus meios permitissem, privadamente, àqueles
que disso necessitam, tem sido a base de minha aparente ambição, e eu não tenho
culpa de pensar que esta honestidade de propósito tem merecido a aprovação da
Providência, ao refletir que mais de uma vez eu fui salvo por interferência quase
miraculosa. 183
A idéia do pleno devotamento à causa do progresso da nação perpassa toda a
passagem. Até a Providência é chamada para abonar a vocação patriótica. Em um escrito no
qual facilmente já se nota a presença de traços da autobiografia como oratória, o esforço de
“auto-monumentalização” não poderia ser mais bem exemplificado. Como foi dito
anteriormente, não é este um tipo de escrita de si que deva ser avaliado pela sua coincidência
182 A recorrência desta auto-imagem no epistolário do visconde de Mauá constitui-se em um interessante tema de
pesquisa, mas que não pudemos explorar mais profundamente neste trabalho. Como acentua John Paul Eakin: o
ato autobiográfico é “um modo de auto-invenção que é sempre praticado primeiro em vida e apenas
eventualmente, algumas vezes, formalizado pela escrita” (EAKIN, 1988, p. 272, tradução nossa).
183 MARCHANT, 1965, p. 83, tradução nossa.
84
com os acontecimentos externos aos quais se reporta – se é que tal perspectiva de análise
tenha sido algum dia recomendável para abordar um texto autobiográfico! O personagem que
surge dessas narrativas é menos real do que mítico. Toda a narrativa é organizada tendo como
alvo supremo o convencimento dos leitores. Sem rebuços, o “eu” presente (narrador-autor) se
serve do “eu” passado (protagonista da história) para, a partir dele, construir uma alegoria que
encerre sua tese. Este tipo de relato sempre contém uma mensagem e é ela que perseguiremos
a partir de agora. Que lição Irineu pretendeu transmitir ao narrar sua vida? Buscaremos a
resposta dessa pergunta, concentrando-nos na estratégia textual responsável por ancorar sua
auto-representação. Se, por um lado, a emergência de um Mauá, com as características que
vimos acima, aparece de repente (o relato da conversão patriótica), por outro, a montagem
textual capaz de manter de pé essa imagem dar-se-á com mais vagar e, apenas, no transcurso
do folheto.
Três tópicas estão na base da imagem de si, apresentada por Mauá no início de sua
narrativa autobiográfica: a tópica da solidão, topos fundamental, e as do martírio e do
heroísmo, topos decorrentes 184. Começaremos pela tópica da solidão, pois é ela a responsável
pela emergência das outras duas. O Mauá que aparece na Exposição aos credores é um
personagem singular, quase que absolutamente distinto de todos os homens da sua época. Seu
espírito empreendedor; seu desejo de aprimorar a livre iniciativa e dinamizar a economia
nacional por meio dela; seus pensamentos a respeito da urgência, bem como, da função
estratégica da implantação de ferrovias e outros meios de transporte no país; seu arrojo
empresarial e financeiro; enfim, tudo aquilo que caracteriza sua individualidade encontra-se,
na imensa maioria das vezes, em contraste fatal com a geração que lhe foi contemporânea.
184 A análise que se segue, a respeito das tópicas usadas por Mauá em sua escrita de si, tem como referência o
procedimento analítico efetuado por Maria Alice Resende de Carvalho, em seu O quinto século: André Rebouças
e a construção do Brasil (1998). Neste livro, partindo do topos da solidão e dando ênfase às temáticas
complementares do martírio e do heroísmo, a autora examina o conteúdo político da escrita autobiográfica de
André Rebouças. Por topos, entenda-se um elemento retórico usado, recorrentemente, em um texto, no intuito,
consciente ou não, de conquistar o leitor, fazendo-lhe “comprar” uma certa visão ou interpretação do real. O
topos pode ser considerado como uma espécie de conceito “quente”. Trata-se de uma imagem viva que apela
para a emoção do leitor e contém uma idéia-chave para a compreensão de um texto.
85
Não é raro, pois, vê-lo sozinho iniciar e levar a cabo os inúmeros grandes empreendimentos
relatados naquela narrativa. Um exemplo apenas bastará.
No estado de descrença em que se encontravam os ânimos, a respeito da introdução
das vias férreas ainda em 1850, foi ousadia empreender a construção da sua
primeira, embora pequena estrada; procurar obter uma garantia de juros geral ou
provincial era simplesmente inútil nessa época; vencer, porém, as resistências, era a
meu ver indispensável, e um ponto de amostra [refere-se a E. F. de Petrópolis] do
melhoramento me pareceu o meio mais adequado. 185
Na falta de associados – “Não encontrei um só!” 186, lamenta-se em reiterados
momentos do texto -, Mauá quase que aparece como o único responsável pelo progresso
material do país, o único a “arrostar os preconceitos” 187. Dessa auto-representação nasce,
então, uma persona só, que muito nos diz da forma como o visconde se via e desejava que os
outros o vissem. Como diz Maria Alice de Carvalho, em sua feliz biografia sobre o
engenheiro André Rebouças 188, o topos da solidão constituía-se em sua obra ao mesmo
tempo em “expressão exaltada do individualismo” e “avaliação negativa do establishment
brasileiro” 189. Ao demarcar textualmente a singularidade de sua pessoa, bem como, a de suas
propostas e projetos para o país, o que o visconde fazia era, na verdade, chamar a atenção dos
leitores para os conflitos por ele tidos com os homens – e, em especial, com os políticos - de
sua época. A estratégia textual da acentuação do conflito era fundamental na composição da
trama abordando a história da sua personalidade. O problema é que alguém tão diferente
assim não poderia ser bem-aceito. E é esta conclusão óbvia que no transporta para a primeira
tópica complementar, a do martírio.
Nesse topos resultante, o Mauá que encontramos é um homem sofrido que se
sacrifica integralmente por uma causa: a modernização material de seu país. Incompreendido
por todos e perseguido de todos os lados, seu fim não poderia ser outro. Como diz o poeta,
185 MAUÁ, Autobiografia, p. 123, grifos do autor.
186 MAUÁ, Autobiografia, p.108.
187 MAUÁ, Autobiografia, p. 124.
188 Esta biografia foi feita, sobretudo, com base na análise crítica dos escritos de si do engenheiro: um diário,
uma narrativa autobiográfica e suas correspondências.
189 CARVALHO, 1998, p. 123.
86
uma andorinha só não faz verão. Ainda que esforçando-se de todas as formas e empregando o
conjunto de suas energias, Mauá foi incapaz de “vencer as resistências” 190. Estava cercado
por uma multidão de adversários: pessoas que lhe invejavam o sucesso e, por isso, moviamlhe uma guerra constante; homens medíocres, inábeis para apreender o sentido
“transcendente” (como gostava de dizer) de sua obra; políticos, enfim, acomodados e
burocráticos, tão somente desejosos de desfrutar sua posição e ver o país permanecer na
mesma marcha incerta e vagarosa.
O tema da solidão, conjugado ao da perseguição, que o eleva a estatura de mártir,
está presente em diversos momentos do texto, o que nos faz concluir da importância
desempenhada, no relato “autobiográfico”, por essas tópicas. Formulando de uma outra
maneira, o que estamos a dizer é que foi, justamente, concebendo sua identidade pessoal (de
mártir e solitário) em oposição à representação dos “outros” (carrascos e que o não
acompanharam), que o visconde teria dado o chamado “pulo do gato”, definindo não só o seu
lugar, como também o espaço simbólico da imensa maioria (e, quiçá, da totalidade) de sua
geração. Outrossim, os obstáculos encontrados ao longo do caminho e ressaltados na narrativa
atuam como espécies de bordas que contêm e põem em relevo a figura de um homem que por,
sozinho, arrostar todas as adversidades de seu tempo, só poderia ser, além de mártir, um
verdadeiro herói nacional 191.
São passados vinte e um anos depois que a primeira locomotiva correndo
velozmente de Mauá à raiz da serra de Petrópolis, rompeu com o passado em
matéria de viação e apontou-nos o caminho do progresso. [...] Já então começava
190 MAUÁ, Autobiografia, p. 123.
191 Ao fazer a análise crítica dos escritos de si de André Rebouças, Maria Alice de Carvalho assim se expressa:
“Pode-se dizer, então, que, do ponto de vista da elaboração da sua narrativa autobiográfica, as perseguições de
que se dizia vítima seriam a porta de entrada para a demarcação da sua singularidade e para a experiência de
um tipo de autonobilitação sugerida pelo heroísmo de se ver lutando, sozinho, contra todos os moinhos do
conservadorismo nacional”. (CARVALHO, 1998, p. 174). Nas reflexões que estamos a fazer da Exposição aos
credores, constatamos a pertinência dessas colocações para o caso da escrita de si de Irineu Evangelista. Aliás, a
própria Maria Alice de Carvalho observa, em alguns pontos de seu texto, alguma proximidade entre o visconde
de Mauá e o engenheiro André Rebouças.
87
uma guerra surda contra todos os modestos esforços que eu empregava para auxiliar
a marcha de progresso real do meu país nos seus primeiros passos vacilantes. 192
Tópica da solidão e tópicas resultantes do martírio e do heroísmo, serão elas que
permitirão ao visconde (como antes apontamos e, agora, estamos em melhores condições de
constatar) ancorar sua identidade em bases sólidas, entenda-se: produzir uma imagem de si,
diametralmente, contraposta à representação dos “outros”. Como se sabe, o processo de
definição da identidade tem como fundamento a experiência da alteridade. Dependemos do
“outro” ou, antes, de “outros” para fundamentar, por exclusão (ou seja, definindo o que não
somos), nossa própria esfera de existência. A questão se coloca – e, aqui, nos serviremos das
reflexões de Fabiana de Souza Fredrigo – quando, para constituir sua identidade, uma pessoa,
um grupo ou uma sociedade, por exemplo, passam a definir-se contradizendo a imagem do
“outro”. Neste caso, trata-se, não apenas de recusar o “outro”, mas de desmenti-lo, retirando
da representação alheia parte de sua própria vitalidade193.
Ao se apresentar como uma excepcionalidade extra-temporal, a efeito o que o
visconde de Mauá fazia – mesmo que inconscientemente – era chamar a atenção do público
leitor para si, em detrimento dos “outros”, denegados. Concebendo-se como herói e mártir
nacional a combater solitário pelo progresso da pátria, Mauá desprezou e não compreendeu os
demais atores, com ele atuantes no cenário político de sua época. Como demonstra Maria
Alice de Carvalho, a tópica da solidão em André Rebouças – também um adepto do progresso
material do país, via ação da iniciativa privada, ainda que bem mais democrático do que Mauá
– estava ligada à incapacidade do engenheiro para compreender e (claro) aceitar as propostas
de modernização da maioria dos homens de sua geração, calcadas na ação civilizadora do
192 MAUÁ, Autobiografia, p. 199.
193 Fabiana Fredrigo esclarece o quanto, no decorrer de suas trajetórias, sobretudo, no pós-independência, as
Américas portuguesa e espanhola constituíram-se identitariamente, a partir do que ela chama de “denegação”. O
conceito é de Leandro Karnal, em seu O Brasil e a América Latina denegada, e aponta para a prática de
incompreensão e, mesmo, de silenciamento do “outro”. “Denegar não é apenas recusar, negar ou não aceitar.
Denegar pode significar também desmentir, contradizer. Tal como num jogo de espelhos, as Américas não só se
recusavam, mas se contradiziam, se desmentiam, usando a imagem do outro para construir a sua própria
imagem e definir identitariamente o que não queriam ser. Nesse processo, assumiam a importância do outro,
mesmo quando o silêncio a seu respeito fazia-se presente”. (FREDRIGO, 2003, p. 90).
88
Estado194. Atitudes de impaciência diante da postura de um Estado acusado de burocrático e
sufocante são comuns nos escritos autobiográficos de ambos estes personagens. Eivadas de
sarcasmo, mas também de rancor (caso mais freqüente em Mauá, o que é compreensível),
essas frases colocam de imediato, para os leitores, o confronto entre os heróis do progresso e
os agentes do conservadorismo. Dado a importância assumida por essa oposição de
identidades na leitura de Mauá nas décadas que enfocaremos na segunda parte desta
Dissertação, dedicar-nos-emos a analisar de que maneira essa confrontação se traduziu no
bojo da Exposição aos credores.
Desde as primeiras páginas de seu relato autobiográfico, Mauá já prepara o
cenário no qual se desenrolaria o combate entre ele – o herói do progresso nacional – e o
Estado brasileiro – bastião do conservadorismo político. Em se tratando de uma exposição a
credores, a estratégia usada é certeira e direta. Seu intuito era explicar a razão do fracasso de
seus empreendimentos, ancorando-se (sobretudo) nas ações contrárias de um Estado: ora
ausente, ora limitador. Ausente por não prestar os auxílios requeridos pelos particulares na
obra de modernização do país; limitador por cercear e tolher a livre iniciativa, embaraçando-a
com leis e mais leis – especialmente, em matéria financeira, diga-se de passagem.
Não preciso dizer-vos que errei, e errei grosseiramente, a vós, credores do Banco
Mauá & C., que suportais comigo as conseqüências do erro que cometi optando por
uma nova vida de atividades sem exemplo em nossa terra, e mui rara em outros
países, aonde outros elementos auxiliam os esforços da iniciativa individual
vigorosa para alcançar altos propósitos, em bem dos interesses gerais, que eu
afianço ter sido o pensamento dominante que atuou em meu ânimo, rodando todas
as outras considerações muito abaixo desse nível. 195
194 Segundo Maria Alice de Carvalho, Rebouças procurava levar a frente seus projetos profissionais atuando
como engenheiro e empresário, ao que era acusado (como Mauá) de querer se enriquecer às custas dos interesses
públicos. Muito mais que uma oligarquia conservadora e opositora, o que havia era uma luta entre duas formas
de se alcançar o progresso. “Ou seja, a polarização [...] se prendia, antes, à identificação do lugar de realização
do universal: se no Estado centralizado e distributivo, se no Estado interiorizado pelos indivíduos morais. Nesse
sentido, enquanto Rebouças criticava a letargia, a ausência de civismo e a insensibilidade para com a noção de
público que caracterizariam os engenheiros do Setor de Obras Públicas do Ministério da Agricultura, ele
próprio era constantemente acusado de pretender enriquecer à custa da privatização de largos espaços de
atuação do Estado”. (CARVALHO, 1998, p. 120).
195 MAUÁ, Autobiografia, p. 96, grifos do autor.
89
Os “outros elementos” acima citados, bem podem pôr em suspensão aqueles que
desconhecem o testemunho autobiográfico em questão. Aqueles que, entretanto, já tiveram
contato com a Exposição aos credores, não terão dúvida. A expressão, à primeira vista
enigmática, deslinda-se em um instante: faz referência ao Estado brasileiro e a seus
representantes. Mesmo antes desse excerto, e veja que se trata apenas do sexto parágrafo da
obra, já se percebe a amargura de Mauá contra o governo imperial. Assim diz ele, em uma
passagem em que se referia a sua vida antes de iniciar a carreira industrial e financeira: “Não
me fora preciso até então nodoar meus dedos com tinta, escrevendo petição alguma a
nenhum representante de autoridade administrativa do meu país” 196 . Rancor, azedume,
insatisfação contra o Estado de seu tempo, tal atitude, desde o início presente no texto, só
tenderá a aumentar no decorrer da narrativa. Várias de suas empresas, segundo Mauá, não
teriam ido à frente por falta de apoio estatal. Este, ora deixava de assumir a posição que lhe
cabia incentivando o empresariado nacional com pedidos de obras públicas e aprovação de
medidas que permitissem a valorização de nossas indústrias 197, ora atrapalhava negócios que
tinham tudo para dar certo – tão somente pelo fato do crescimento do papel desempenhado
pela sociedade (iniciativa privada) ser-lhe tido como perigoso 198.
Dentre as sete causas (uma apenas sugerida) que o visconde de Mauá levantou
como justificativas para o seu malogro final, é significativo o fato de que seis constituem-se
em críticas diretas ao Estado brasileiro de seu tempo. Mauá levantou-se contra: o decreto-lei
n.º 1487 com efeito-retroativo, de 13 de dezembro de 1854, e já anteriormente referido (nota
198); as leis financeiras do país, cerceadoras do crédito e, mesmo, do capital; as decisões
196 MAUÁ, Autobiografia, p. 96.
197 O estabelecimento da Ponta da Areia, por exemplo, enquadra-se neste caso. A falta de pedidos por parte do
governo imperial e a alteração das tarifas aduaneiras, nos rumos do antiprotecionismo, foram vistas por Mauá
como duas das maiores razões para o fracasso deste seu empreendimento.
198 Este é o caso do Banco Mauá. Na tentativa de “[afastar-se] da tutela do governo” (MAUÁ, Autobiografia,
p.231, grifo do autor), Mauá tentou organizar a instituição bancária que leva o seu nome, estabelecendo-a sob a
forma de uma sociedade comanditária. Sofrendo a oposição do governo, o qual, pouco tempo depois de
organizada a instituição, expediu um decreto-lei com efeito-retroativo, o Banco teve que ser re-fundado, com
base em outros princípios – o que, de acordo com Mauá, além de limitar bastante o raio de ação da instituição,
veio a colocá-la menos a salvo das intempéries, que vieram e com força.
90
judiciais insensatas, das quais foi vítima (pelo menos, duas vezes); a concorrência que lhe
moveu o governo da província de São Paulo, decidindo construir uma estrada de rodagem
paralela à ferrovia que ele empreendia; as posições avessas a sua pessoa e a seus interesses
tomadas pelo poder imperial em sua política externa com o Uruguai; a avaliação negativa
(dirá ele, leviana) feita sobre a situação do Banco Mauá, em uma assembléia geral dos
acionistas do Banco do Brasil (na ocasião, 1869, um de seus credores); e, finalmente, o
“excesso de juros pagos” 199. A crítica ao Estado não poderia ser mais contundente: as
alfinetadas são dirigidas, uma após a outra, contra a organização-mor da nação. Por
conseguinte, o grande contraponto, em face do qual Mauá estabeleceu sua imagem foi o
Estado imperial. A Exposição aos credores pode ser lida como um verdadeiro libelo contra o
Estado vigente: um Estado que, segundo Mauá, cerceava a livre-iniciativa e deixava no
desamparo as classes produtivas da nação.
3.2 - A Exposição aos credores e o fim do Império
Se o ano 1889 marca o evento da passagem para a República, desde 1870 se inicia
um período de grande agitação política, cujos corolários resultaram na ruptura em questão.
Inúmeros fatores se somaram, naquele momento, para alimentar o clima de contestação aos
pilares basilares do regime vigente. Dentre eles, destacaremos dois. De um lado, a engenharia
político-administrativa organizada pelos saquaremas nas décadas de constituição do poder
imperial200 apresentava visíveis insuficiências, ficando clara a contradição entre a ordem
patriarcal fortemente centralizadora e o avanço crescente da urbanização a exigir um novo
199 MAUÁ, Autobiografia, p. 289, grifos do autor.
200 Ver o segundo capítulo desta Dissertação.
91
marco político-institucional. Por outro, novas idéias e correntes de pensamento chegavam da
Europa, avivando o cosmopolitismo da sociedade imperial e fornecendo um repertório
intelectual propício para a renovação político-social do Brasil. Além do contato direto que as
elites brasileiras tinham com a cultura européia em suas viagens ao Velho Mundo, o consumo
de revistas literárias e científicas do exterior era considerável. Em dia com as novidades da
civilização, as elites brasileiras desejavam atualizar o país, rompendo o “atraso” que o
separava dos povos que ocupavam o “primeiro escalão” no Concerto das Nações. Era este o
grande ideal da Ilustração brasileira, conhecida como a geração 1870. Movimento
fundamentalmente político, o que seus atores buscavam nas escolas européias eram
ferramentas teóricas para operacionalizar as transformações estruturais que viam como
necessárias ao avanço do país.201
Nesta época de intensa mobilização política, Mauá não ficou à parte das
acaloradas discussões que se davam em torno das reformas necessárias ao Império. Não
obstante as turbulências financeiras por que passava, suportando revezes uns após os outros e
tendo que se ausentar várias vezes e por longos períodos do Brasil para defender seus
interesses, Irineu Evangelista ainda teve tempo e forças para meditar e opinar nas grandes
questões nacionais. Em 1878, além da Exposição aos credores, cujo conteúdo político está
sendo analisando neste capítulo, Irineu também escreveu uma série de artigos, publicados no
Jornal do Comércio e intitulados Questões econômicas: a situação monetária no Brasil.
Posteriormente, estes artigos foram reunidos em um folheto, conhecido como: O meio
circulante no Brasil. O pretexto para a produção deste pequeno apanhado histórico sobre a
vida financeira do país foi o debate em torno o decreto n. 6.882, de 15 de abril daquele ano,
autorizando a emissão de sessenta mil contos, em caráter emergencial, para atender os
flagelados pela seca no Norte do país. A medida, que ia de encontro à política econômica
201 Sobre o contexto do final do Império, com ênfase especial a partir da década de 1970, ver: ALONSO, 2002;
BARROS, 1986.
92
tradicionalmente austera do Segundo Reinado, foi tomada quando a pasta da Fazenda era
ocupada por Gaspar da Silveira Martins, seu antigo desafeto.
No início da década de 1870, quando o gabinete Rio Branco, o mais longo
gabinete do Império, esvaziava a plataforma liberal, realizando uma série de reformas há
muito reclamadas pela oposição, Mauá teve uma atitude que lhe custou o mandato, ao apoiar
o Ministério do velho amigo, naquele momento, seu adversário político. O Partido Liberal
iniciara a 15ª legislatura em grande dificuldade. Contando com apenas oito membros no
Parlamento, seis do Rio Grande e dois de Minas, seu poderio político estava
consideravelmente enfraquecido. Não fosse a ruptura do Partido Conservador, devido à
questão do elemento servil, e a oposição estaria reduzida ao nada. Mais do que nunca era
preciso que a bancada liberal atuasse em conjunto, por isso, a postura dissonante de Mauá
desagradou profundamente o mais jovem e arrebatador deputado pela província do Rio
Grande do Sul. Silveira Martins era uma dessas figuras de personalidade forte e ânimo
resoluto. Uma caricatura da época descrevia-lhe a têmpera nos seguintes termos: “eu posso,
eu quero, eu mando, eu chovo” 202. Assim, ao ouvir as explicações de Irineu Evangelista que,
em sessão da Assembléia, expressava publicamente suas simpatias às reformas promovidas
por Rio Branco, o jovem gaúcho logo se levantou.
O Sr. Silveira Martins: - Devia ter dito isto aos eleitores antes de mandá-lo para cá.
O Sr. Barão de Mauá: - Os eleitores conhecem a minha opinião e o meu modo de
pensar desde muitos anos, pois só posso repetir que não mudei, e por isso não
podem acusar-me de falta de lealdade política. (Numerosos apoiados).
[...]
O Sr. Silveira Martins: - Pois bem; a questão está entre mim e V. Ex.; apelemos para
os eleitores. Se eles julgarem que eu não cumpro os meus deveres, resigno o lugar; faça V. Ex. o mesmo. (Cruzam-se apartes).
O Sr. Barão de Mauá: - Aceito o repto que V. Ex. me lança. Se a maioria dos
eleitores entender que não sirvo aos interesses do meu país desempenhando o
mandato de um modo digno e honroso, que estou fora do mandato seguindo os
ditames da minha consciência, que é o único juízo dos meus atos nesta casa,
renuncio a cadeira, por mais elevada que eu considere a honra de representar a
minha província natal. 203
202 FARIA, Mauá, p. 433.
203 SOUZA FERREIRA, 1900, p. 126.
93
A atitude de Mauá foi corajosa, mas, na mesma medida, suicida. Dispondo de
amplo apoio em sua província natal, onde exercia grande influência e liderança política,
Silveira Martins não teve dificuldades em obter a maioria dos votos dos eleitores do 2º
distrito204. Derrotado no repto, o visconde renunciou ao mandato e nunca mais voltou à
Câmara. Episódio de valor biográfico explícito, mais que o simples brilho de um evento tão
singular, nosso objetivo ao narrá-lo aqui é começar a delimitar o sentido e o escopo das
mudanças defendidas pelo visconde para a renovação da realidade sócio-política do país,
introduzindo, assim, o conjunto de medidas e princípios propostos por Mauá para a reforma
do Estado imperial – infelizmente, apresentado sem grande rigor na Exposição aos credores,
seja pela natureza deste tipo texto, seja pela índole, mais prática, do visconde.
O gabinete Rio Branco foi marcado por um amplo espectro de reformas de caráter
sócio-econômico. Estadista experiente, Paranhos reconhecia a necessidade de alterações no
arcabouço jurídico do Império de modo a liberalizar o funcionamento da economia e
racionalizar a organização da sociedade, sufocadas nos limites estreitos estabelecidos durante
o processo de consolidação do Estado nacional, altamente centralizado, no Brasil. Enquanto
liberais moderados, como Zacarias de Góes e Nabuco de Araújo, pleiteavam maior abertura
política, o grupo dos conservadores moderados, liderado por Rio Branco, reclamava uma
modernização econômica do alto, ou seja, um conjunto de reformas em conformidade com a
“ordem social competitiva” que se formava no seio de um Império patriarcal. O intuito destes
últimos era mudar, conservando: desejavam uma abertura social que não comprometesse os
fundamentos do poder estamental, baseado no prestígio dos senhores de terras.205 E foi a este
tipo de reforma que Mauá aderiu, ao oferecer seu apoio às medidas propostas e levadas a cabo
pelos conservadores. “Devo, para derrubar este ministério, combater essas reformas que
204 Na decisão dos eleitores do 2º distrito, as acusações de corrupção enfrentadas por Mauá, certamente, tiveram
algum peso. Além do apoio aos conservadores, postura que Mauá não tomou sozinho, nessa época, a imagem do
visconde já estava bastante desgastada com as suspeitas de corrupção e de favorecimento político que lhe
pesavam sobre os ombros, especialmente, no que concerne aos seus negócios no Rio da Prata.
205 ALONSO, 2002, p. 245-246.
94
ardentemente desejo? As pessoas, os nomes próprios valem então mais que as idéias?” 206.
Atuando em um momento em que seus negócios já passavam por uma grande crise, seu
intuito era obter mudanças que fossem favoráveis a seus investimentos e iniciativas, em
particular, e à dinamização da economia brasileira, no geral 207. Ao contrário das palavras,
eivadas de idealismo, ditas em discurso no Parlamento, o apoio oferecido por Mauá às
reformas do amigo Paranhos tinha, pois, como fundamento sólidos interesses econômicos.
Lançada uma primeira e parcial luz sobre o sentido e o escopo das mudanças
defendidas por Mauá, dando prosseguimento ao raciocínio, cumpre avançar na análise do
projeto reformista do visconde. Muito embora, Irineu Evangelista fosse muito mais um
homem de ação do que um teórico, o que sua própria trajetória de vida torna compreensível,
há um capítulo da Exposição aos credores em que o visconde explicita minimamente suas
posições, definindo três princípios que deveriam nortear o espectro de reformas por ele
defendidas. A seguir, daremos ênfase ao capítulo Serviços prestados à agricultura, abordando
cada um dos três aspectos basilares do projeto modernizador defendido por Mauá.
Em 1878, o governo imperial promoveu na Corte um encontro com os principais
agricultores do Sul do país, para discutir, em conjunto, as necessidades mais imediatas da
Lavoura no Brasil. Esta grande reunião, denominada na época de Congresso Agrícola do Rio
de Janeiro 208, teve como pontos-chave: o problema da mão-de-obra, do crédito agrícola e do
206 FARIA, Mauá, p. 472.
207 Em biografia que será o principal objeto de análise no quarto capítulo desta Dissertação, Faria cita uma carta
que Mauá enviou ao General Osório, quando do início de seus desentendimentos com Silveira Martins. Nesta
correspondência, Irineu menciona que, logo que seu nome fora cogitado pelo visconde de Porto Alegre para
disputar as eleições de 1872, escreveu a Paranhos da Inglaterra, informando ao amigo da novidade e prevenindoo quanto a sua postura no Parlamento, se eleito. Na missiva, Mauá ainda se refere a conversas particulares que
teve com Rio Branco: “Concordou o Sr. Paranhos comigo quanto à minha posição e, na minha chegada,
tivemos longas conversas sobre as reformas indispensáveis, quer financeiras quer políticas, e arranquei-lhe a
promessa de trazer à Câmara propostas importantíssimas em satisfação da idéia liberal, quanto a garantir a
livre manifestação do voto; e quanto à idéia financeira, incumbi-me eu de coligir todos os elementos para
propormos uma boa lei quanto à responsabilidade limitada, revogação da lei de 22 de Agosto de 1860, que é o
maior desatino financeiro que se tem praticado em nosso país...” (FARIA, 1933, p. 439, grifos de Mauá). A lei
citada é a ultraconservadora lei das sociedades anônimas, aprovada em 1860.
208 Convocados pelo Ministro da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, João Lins Vieira Cansansão de
Sinimbú, visconde de Sinimbú, cerca de quatrocentos agricultores e representantes destes - provenientes,
sobretudo, das províncias do Rio, São Paulo e Minas Gerais - se reuniram em congresso, para discutir as grandes
95
uso da tecnologia nas lavouras. Mauá não participou do evento no Corte, mas ofereceu seu
ponto de vista sobre o assunto no capítulo acima mencionado. Suas sugestões seguem o
mesmo ramerrão das sugestões apresentadas no Congresso, entretanto, é curioso que Mauá
tenha deixado para enfeixar suas propostas de reforma do Estado imperial justamente quando
tratou da agricultura. Como o próprio visconde confessa: “não [foi] esse o ramo de atividade
a que [me dediquei]” 209. Aquilo, porém, que a princípio poderia soar estranho é bastante
compreensível. Ao expor suas propostas para o país referindo-as à agricultura, o visconde
desejava conquistar a anuência das elites políticas e econômicas do país em um tempo de
hegemonia agrícola, além de cercar sua plataforma com a moldura da imparcialidade. Se tais
reivindicações fossem aceitas como pertinentes no âmbito específico do agronegócio, “a
fonte de toda a riqueza pública do Brasil” 210 , que diria de sua adequação à realidade
econômica global do país. A partir desse pressuposto, começa ele então:
Nada mais justo, razoável e conveniente à marcha governativa do país, do que a
intervenção intercalada na governação do Estado das opiniões políticas que tenham
elementos de reconhecida força na organização social adotada. O que, porém, o
país tem direito a esperar é que as sumidades intelectuais, que simbolizam o
pensamento político que aspira ao poder, tenham idéias assentadas sobre os pontos
cardeais em referência às necessidades públicas que legitimem essa aspiração, pois
a presença do estadista se reconhece nas medidas em que ele empenha seus
esforços para alcançar o bem-estar social, que é a missão de todo o bom governo
conseguir.211
No excerto acima, encontram-se os dois fundamentos iniciais do espectro de
reformas defendido por Mauá. O primeiro deles, e em conformidade com a luta histórica do
Partido Liberal, é a defesa da democracia representativa liberal. Para um liberal, um governo
justo é aquele que comporta, sem exclusões, em seu interior as opiniões políticas dos
questões nacionais em torno dos interesses da lavoura. Como mostra José Murilo de Carvalho, o momento era
particularmente grave por três motivos: a libertação dos nascituros, aprovada em 1871, colocava o Governo na
necessidade de providenciar a transição para o trabalho livre, para não perder o apoio, já abalado, das elites
latifundiárias; o financiamento interno e externo da Guerra do Paraguai estrangulava os cofres públicos com seus
juros e suas amortizações; e, finalmente, o republicanismo em avanço, principalmente, no Sul, requeria do
Gabinete liberal no poder medidas que esvaziassem o ardor dos “sediciosos”. (Sobre a importância e o
significado do Congresso Agrícola, ver a introdução escrita por José Murilo de Carvalho à edição fac-similar dos
anais deste evento, em: CONGRESSO AGRÍCOLA, 1988, p. V-IV).
209 MAUÁ, Autobiografia, p. 226.
210 MAUÁ, Autobiografia, p. 215, grifo do autor.
211 MAUÁ, Autobiografia, p. 216, grifos do autor.
96
diferentes setores que compõem a tessitura social. Há décadas que os liberais lutavam por
uma reforma política que permitisse o ingresso dos setores urbanos emergentes no sistema
político imperial. Neste ponto, Mauá apenas fazia coro com seus pares. Porém, ao exigir
maior abertura política do sistema, Irineu salientava algo importante. Segundo ele, a dilatação
das bases de sustentação do poder imperial deveria ser feita no intuito de contemplar, em
especial, aquelas opiniões “que tenham elementos de reconhecida força na organização
social adotada”. Apesar do visconde não aprofundar nem esmiuçar a proposta, podemos
inferir de suas breves considerações que o novo Estado imperial por ele sonhado deveria
favorecer não somente os interesses da agricultura e comércio, tradicionalmente
representados, mas também dar voz aos reclames do setor secundário em formação. Um poder
que estivesse no mesmo ritmo e batesse no mesmo compasso das principais classes
produtoras do país, eis o primeiro pilar da nova ordem política almejada por Mauá.
A segunda pedra angular deste novo edifício político que se esboça em suas linhas
principais na Exposição aos credores era, sem dúvida, a grande marca do projeto reformista
do visconde. De acordo com ele, o renovado Estado imperial assentar-se-ia sobre “sobre os
pontos cardeais em referência às necessidades públicas” do país. Sendo tais necessidades
públicas, como veremos, todas elas, de caráter econômico, o que se configura nessa
proposição é a defesa de um Estado integralmente comprometido com o desenvolvimento
material da nação. Aquilo que Mauá relatara aos credores e ao público como tendo sido sua
vocação pessoal, ele transportou para o tipo de Estado que desejava ver surgir. Analisando
cada um destes pontos, perceberemos o sentido eminentemente econômico de seu Estado.
A primeira exigência feita pelo visconde dizia respeito à construção de “estradas
ou vias de comunicação aperfeiçoadas”. Segundo Mauá, elas eram o melhor estímulo ao
aumento da produção nacional, já que “o maior incentivo para quem trabalha, é a certeza de
um ou mais mercados onde o excesso da produção de cada indivíduo encontre saída
97
remunerativa ao esforço que emprega para produzir” 212. Comerciante por muitos anos e
empresário de grande experiência, Irineu reconhecia a necessidade estrutural de vias de
comunicação modernas para a difusão do progresso por todo o território nacional. No discurso
de inauguração do primeiro trecho da E.F. de Petrópolis, o barão de Mauá já anunciava seu
sonho de estender os trilhos de sua pequena ferrovia até a margem esquerda do Rio das
Velhas, a fim de colher as riquezas da província das Minas. A integração dos mercados, a
ligação do interior com o litoral era a seu ver a chave do desenvolvimento. Isso fica claro no
texto que Mauá redigiu para introduzir o relatório do engenheiro William Lloyd sobre o
projeto de construção de uma ferrovia ligando as províncias de Paraná e Mato Grosso. Depois
de ressaltar a importância estratégica do empreendimento para a garantia da segurança e
integridade do território pátrio, no que a Guerra do Paraguai foi um alerta, Irineu continua:
Com efeito, será pouca cousa fazer penetrar um caminho de ferro nos mais afastados
confins do nosso território, conquistar ao deserto dezenas de milhares de léguas
quadradas, levar-lhes à população, os meios de trabalhar, habilitar enfim, os
habitantes de tão remotas paragens a produzir e a consumir, concorrendo dessa
forma com o seu contingente para prosperidade e grandeza da pátria?
Será pouca coisa arrancar, por assim dizer, as ricas produções que encerram as
entranhas dessa região afastada e conduzi-las por um rápido trajeto de 50 horas a um
porto de mar, convertendo em riqueza o que não tem valor algum apreciável? 213
Sem dúvida, a questão das vias de comunicação enchia-lhe os olhos. Não é à toa
que, em sua lista de prioridades, aparecia logo no primeiro lugar. Sem possibilidades de
escoamento, a produção dos rincões mais distantes do país ficaria eternamente confinada à
dinâmica de uma economia de subsistência, permanecendo sua população em níveis bastante
atrasados de vida. A necessidade de vias de transporte adiantadas para a interiorização da
imigração também era destacada por Mauá. Produtor algum ousaria levar trabalhadores
estrangeiros para o país adentro sem a certeza de lucros num futuro próximo. Mesmo
vencidos os altos custos de uma tal empresa, por exemplo, via subsídios, estes braços
212 MAUÁ, Autobiografia, p. 215.
213 MAUÁ, Autobiografia, p. 194.
98
indispensáveis ao progresso não prosperariam em regiões desconectadas do mundo litorâneo;
antes produziriam prejuízo e desalento, afinal:
A potente cooperação do trabalho e do capital para a criação da riqueza só pode ser
obtida sob a condição indeclinável de encontrar remuneração correspondente, e isto
não se consegue sem que o produto do trabalho depare com mercados onde a ação
dos princípios econômicos atue com eficácia, pois se é uma verdade que a oferta e a
demanda determinam o preço, não é menos verdade que a concorrência em
mercados ao alcance das combinações do comércio e mesmo da especulação
inteligente [...] só pode dar-se em localidades acessíveis a essas combinações. 214
O desejo de dar uma feição moderna a toda economia nacional ligava-se a sua
sanha desbravadora. À luz do exemplo americano, Mauá tinha plena convicção da
importância das vias de comunicação para a promoção e o florescimento da civilização. Do
que talvez não se desse conta era que o isolamento de alguns núcleos urbanos no interior do
país vinha sendo uma das condições para o surgimento e a consolidação da incipiente
indústria brasileira. Entretanto, a um homem de sua têmpera, um lapso dessa natureza é
bastante compreensível. Nem seria propriamente um descuido de análise, mas antes a
afirmação plena de sua índole progressista e de seu espírito arrojado.
A segunda tarefa a ser levada em conta pelo Estado como meio de se atingir o
bem-estar social dizia respeito à tão importante questão “[d]o trabalho ou [d]os braços
necessários à produção em maior escala, que cria a riqueza” 215. A década de 1870 foi uma
década marcada pela propaganda abolicionista. Em seu Ministério, Rio Branco procurou
encontrar uma solução de compromisso que atendesse as reivindicações dos movimentos
populares, sem deixar na mão os senhores de terras – base de sustentação do poder imperial.
Foi aprovada a Lei do Ventre Livre, em 1871. Mais que uma reação política às agitações
sociais, o que estava na base desta e outras leis emancipacionistas era a percepção da
incontornável transição para o regime de trabalho livre. Em um país cada vez mais integrado a
uma economia mundial que se ia capitalizando, os elevados e crescentes preços da mão-de 214 MAUÁ, Autobiografia p. 195-196.
215 MAUÁ, Autobiografia, p. 215, grifo do autor.
99
obra escrava, após o fim do tráfico negreiro intercontinental, dificultavam a apresentação de
produtos competitivos nos mercados internacionais e reduziam as margens de lucros dos
produtores brasileiros. A introdução da mão-de-obra livre teria que acontecer mais cedo ou
mais tarde.
Embora favorável ao fim da escravidão, Mauá via na mudança, “em prazo
curtíssimo”, do trabalho escravo para o livre, decretada pela Lei do Ventre Livre, um
atentado à economia agrícola, “já em decadência”, no país 216. Aprovada a medida, como
homem prático que era, cumpria encontrar um meio, “uma ponte” para se fazer a passagem
do trabalho escravo ao assalariado, sem maiores percalços. “À míngua de braços”, logo o
setor primário nacional demandaria um complemento estrangeiro de mão de obra. Criticando
o sistema do colonato, importação de colonos europeus patrocinada pelo Governo, por enviar
ao país imigrantes desejosos de trabalhar por conta própria, desviando-os assim da grande
lavoura, Irineu aconselhava “a importação de braços assalariados por contratos de locação
de serviços” como uma medida temporária, porém, indeclinável. E o Estado é que deveria
assumir essa responsabilidade inicialmente, tratando também de regular a contratação e a
prestação dos serviços; mais tarde, os próprios particulares assumiriam suas prerrogativas. 217
Adiantando-se em relação ao poder público, Mauá fez uma experiência com
trabalhadores asiáticos, os chamados coolies, em uma de suas fazendas no norte do país. Sem
nutrir nenhum idealismo, movido apenas pelo cálculo frio da contabilidade empresarial, o que
Irineu buscava com essa iniciativa era resolver um problema em seus negócios. Não lhe
passava pela cabeça aproveitar a Abolição iminente, promovendo um amplo programa de
imigração e distribuição de terras, tal como ocorria entre os norte-americanos e sonhava o
também progressista André Rebouças. A questão da mão-de-obra era vista por ele tão
216 Mauá interpretava a crise de 1864, que quebrou vários bancos, como fruto de uma crise do sistema agrícola e
não como a conseqüência de uma desestruturação do setor financeiro do país, como foi vista por muitos na
época.
217 MAUÁ, Autobiografia, p. 217-218, grifos do autor.
100
somente como uma variável econômica; um fator a emperrar o desenvolvimento
macroeconômico do país. Em suma, uma questão de braços a serem supridos; nada além
disso, como mostra o trecho a seguir.
Oxalá que para o Brasil viessem uns 100.000 por ano, durante dez anos, desses
coolies, pois a crise do trabalho se acharia dominada, embora tivéssemos de pagar
as passagens de retorno aos que não fossem bons, pois jamais me passou pela mente
colonizar o Brasil com essa raça, porém, sim, desviar com esses braços uma crise
que me preocupa há muitos anos218, e com mais força depois de votada a lei de 28 de
setembro de 1871. 219
A terceira necessidade pública destacada pelo visconde como norte da
administração pública era o fator capital. É este o elemento responsável pela dinamização das
forças produtivas do país, dando maior elasticidade ao seu crescimento. Sua longa experiência
empresarial dava-lhe a medida exata da importância deste componente. Desde cedo, Irineu
tratou de conseguir os recursos indispensáveis à consecução de seus crescentes negócios, indo
buscá-los onde estivessem disponíveis – especialmente, nas praças européias. “Crédito
territorial, juros baratos, é o clamor uníssono do mais legítimo interesse do país, a
produção” 220, dizia ele. A luta por “capital a juro módico” foi um combate constante em sua
vida. Seu grande projeto era possibilitar a expansão e a modernização das forças produtivas
do país, acordando as enormes potencialidades do gigante nacional, mediante a ação
explosiva do crédito.
Em um país com um amplo histórico de problemas financeiros, a variável capital
revestia-se da maior gravidade nas considerações de Mauá sobre a economia brasileira. A
218 O pragmatismo de Mauá, assim como sua visão preconceituosa do imigrante asiático, patentes nessa proposta,
fazem eco aos pronunciamentos feitos no Congresso Agrícola do Rio. Alguns fazendeiros nutriam tamanha
aversão aos coolies e chins que se recusavam terminantemente a os aceitar, mesmo como solução temporária à
crise da mão-de-obra. Era essa a posição dos lavradores da cidade de Silveiras, na província de São Paulo,
representados na reunião por Eduardo A. Pereira de Abreu. Dizia ele: “Nem como máquinas de trabalho e
esgotados que sejam todos os recursos que ainda nos restam nos naturais do país e na colonização européia,
podemos admitir a aquisição do homem asiático conhecido com o nome de coolie. Fracos e indolentes por
natureza, alquebrados pela depravação dos costumes e hábitos que desde o berço adquirem, narcotizados física
e moralmente pelo ópio, não poderão nunca no Brasil suportar o árduo e penoso trabalho da cultura do café”
(CONGRESSO AGRÍCOLA, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa, 1988, p. 39,
grifo do autor).
219 MAUÁ, Autobiografia, p. 226, grifos do autor.
220 MAUÁ, Autobiografia, p. 220, grifos do autor.
101
temática da carência de capitais e a forma de contornar o grave gargalo financeiro que
ameaçava a nação foram abordadas na série de artigos que o visconde escreveu em 1878. O
meio circulante no Brasil é uma dura crítica aos adeptos da escola metalista e uma apologia
ao meio circulante brasileiro, apresentado como meio ótimo para alavancar a economia
nacional. Recorrendo à história financeira, Irineu mostra que, desde seus primórdios, a nação
sofria com a falta dos meios metálicos para arcar com seus compromissos, sendo o recurso ao
papel-moeda inconvertível um imperativo na trajetória financeira do país. Aquilo, porém, que
poderia parecer a decretação da ruína da economia brasileira vinha sendo reiteradamente
negado pela experiência histórica e, por isso, ia se impondo como um fenômeno digno de nota
no cenário internacional. Com efeito:
O papel inconvertível de que se o nosso país há mais de meio século, realizando
exclusivamente com ele as transações que suas necessidades, o desenvolvimento de
seus recursos naturais, e o seu progresso industrial e comercial têm reclamado, desde
a compra das verduras nos mercados, até as mais altas operações financeiras, não
pode deixar de ser reconhecido e apreciado como um instrumento de permutas
benéfico, pois sem ele, só fazendo sacrifícios talvez desproporcionados às nossas
forças, teríamos dominado as dificuldades que a natureza das coisas impõe à
inexperiência, tratando-se de fundar e organizar uma sociedade nova e ainda tendose presentes as contrariedades de caráter especial que interpuseram sua influência.221
Constatada a natureza especial do meio circulante do país, mas ao mesmo tempo
reivindicada a sua vitalidade, o segundo objetivo de Mauá foi chamar a atenção dos leitores
para a eficiência desse papel-moeda inconvertível como motor da vida econômica nacional.
Enfrentando a posição hegemônica durante o Império, Irineu era favorável a uma expansão
controlada do meio circulante, por meio do pluralismo bancário e das emissões de papel
inconvertível, tal como foi feito no Ministério de seu amigo Sousa Franco em meados da
década de 1850. Em sua avaliação, havia espaço para a dilatação do meio circulante no país,
tendo, a experiência demonstrado, em outras oportunidades, que emissões de emergência
221 MAUÁ, O meio circulante do Brasil, p. 294-295, grifos do autor. As citações relativas a este texto foram
feitas com base em sua última edição, em 1998. Tal como a edição de 1942, nesta edição mais recente, a
Exposição aos credores foi publicada junto com a série de artigos que compõem O meio circulante do Brasil.
102
haviam sido bem recebidas pelo mercado, inclusive, gerando resultados positivos no que toca
ao aquecimento da economia nacional.
No início da década de 1860, como reação à crise de 1857 que ocasionou
perturbações financeiras na praça do Rio de Janeiro, o governo imperial conduziu uma
reforma monetária, visando a restrição do crédito e a adoção da conversibilidade-ouro. Essa
reforma foi acompanhada de outras medidas, como a maior ingerência do Estado nas
companhias nacionais, a conhecida “lei dos entraves” às incorporações empresariais, o que
afetou sensivelmente o movimento de auto-capitalização e diversificação da economia
brasileira, em prol do saneamento das finanças. Naquela década, verificou-se ainda o começo
da entrada mais maciça dos capitais ingleses no país, inclusive com a criação dos primeiros
bancos estrangeiros no país. A dependência externa do Brasil frente ao crédito estrangeiro e o
modelo agro-exportador preocupavam Mauá, que via na expansão do crédito uma forma de
contornar esses males, alimentando tanto quanto possível internamente o financiamento da
modernização do país e colocando o capital comercial e financeiro a serviço da produção.222
Finalmente, o quarto pré-requisito necessário ao desenvolvimento do solo pátrio e
para o qual o novo Estado não poderia deixar de atentar é a “instrução agrícola”. Para Mauá,
“é da exclusiva competência do mesmo poder atender às exigências do ensino agrícola, que
pode influir grandemente na quantidade e qualidade dos produtos do solo, e o dispêndio
razoável que esse ensino reclama seria em qualquer tempo despesa produtiva” 223. Aliado à
questão da provisão de braços, a instrução profissional vinha a ser também um assunto
estratégico e da maior importância. Tratava-se de qualificar a mão de obra, de colocá-la a par
das inovações técnicas de um mundo onde a máquina ganhava espaço crescente. Era este um
tema grandioso e de urgência, sobretudo, quando pensamos que, no princípio da década de
1870, fora aprovada a lei favorecendo os escravos nascituros, decretando o fim da mão-de 222 GRANZIERA, 1979, p. 74-77.
223 MAUÁ, Autobiografia, p. 217, grifos do autor.
103
obra escrava, dentro de prazo breve e certo. Como proceder a transição do trabalho escravo
para o livre? Como qualificar o trabalhador nacional, preparando-o para o mundo mecanizado
das fábricas; tornando-o hábil (enfim) para dar a sua parcela de contribuição na construção de
um país forte e economicamente competitivo? Além das três condições anteriormente
referidas – vias de comunicação, trabalho e capital –, a instrução profissional era vista, pelo
visconde, como um dos quatro pontos cardeais a orientar o novo Estado brasileiro que ele
queria ver nascer e, eminentemente, necessários à consecução do seu grande sonho: elevar a
nacionalidade brasileira, “em um futuro não mui distante, à posição que lhe compete no
congresso das nações, isto é, o primeiro lugar” 224.
Muito embora todo o peso dado ao poder público em seu espectro de reformas
estatais, Mauá não se embaraçava na defesa inconteste da iniciativa privada. Para Irineu,
cabia a ela prioritariamente a tarefa de promover a grandeza nacional, ao contrário da posição
de boa parte dos homens públicos da época, para os quais o empreendimento modernizador
deveria estar nas mãos do Estado. Este, segundo o visconde, deveria funcionar apenas como
indutor do progresso: contemplando com vistas mais largas o horizonte econômico nacional,
cabia ao Estado incentivar a livre iniciativa, captando os rumos mais prósperos e fecundos do
mercado internacional, assegurando a atividade dos produtores industriais e agro-pastoris e
dando os passos que estivessem além das possibilidades da iniciativa privada (mesmo quando
associada). Eis o grito do morto (assassinado):
Clama-se que no Brasil tudo se espera do governo e que a iniciativa individual não
existe! E como não há de ser assim se tudo quanto se refere à ação do capital, desde
que este se aglomera para qualquer fim de utilidade pública ou particular, em que a
liberdade das convenções, devia ser o princípio regulador, esbarra-se logo de frente
com péssimas leis preventivas, e quando estas não bastam, a intervenção indébita do
governo aparece na qualidade de tutor? E o que diremos do crédito, essa alavanca
magna da civilização, que tem a missão de desempenhar 95% das transações em que
assenta a vida econômica das sociedades modernas? O crédito ou está entregue ao
regime do privilégio, ou não existe fora dos limites da força individual em que sua
ação é necessariamente fraca, em um país novo, que não tem tido tempo de
converter em capital realizado senão uma parte mínima de seus recursos naturais:
224 MAUÁ, Autobiografia, p. 193.
104
não pode ele dar um passo entre nós sem encontrar-se com essas leis preventivas,
que sufocam a liberdade de ação.
O fato, pois, que tanta reprovação encontra, de tudo esperar-se do governo, é
conseqüência necessária do regime legal a que entregaram o país os que têm
governado. 225
Já vimos seu clamor por um Estado, essencialmente, voltado para o progresso do
país; agora, deparamo-nos com sua defesa de um Estado que não tomasse para si todas as
responsabilidades nacionais. Pelo contrário, que regulamentasse apenas e tão só o básico,
deixando à livre-iniciativa o aumento da produção do país. Crítico feroz da “lei dos entraves”,
Mauá defendia a maior liberalização das incorporações empresariais. O motor do progresso
econômico nacional deveria encontrar-se na própria sociedade; cabia ao poder público ser
parceiro da iniciativa privada, secundando-a sempre que necessário, mas deixando-a livre de
embaraços. O terceiro fundamento de seu espectro de reformas relacionava-se à exigência de
um Estado menos sufocante e cerceador, um Estado liberal, enfim.
Bem coerente com seus objetivos ou, antes diríamos, com sua proposta
ontológica, a Exposição aos credores – esta narrativa autobiográfica com cara de prestação de
contas; este libelo contra o Estado imperial sob a capa de análise de uma trajetória de vida -,
assim termina:
Só me resta fazer votos para que no meio século, que se segue, encontre o meu país
quem se ocupe dos melhoramentos materiais da nossa terra com a mesma fervorosa
dedicação e desinteresse (digam o que quiserem os maldizentes) que acompanhou os
meus atos durante um período não menos longo [...].
E oxalá que nas reformas que se apregoam como necessárias ao bem-estar social de
nossa pátria, não esqueçam os que se acharem à frente da governação do Estado, que
o trabalho e interesses econômicos do país são mais que muito dignos da proteção e
amparo a que têm direito.
Pela parte que me toca, fui vencido, mas não convencido. 226
Sentindo-se mais honrado diante dos que devia e, sobretudo, diante de si mesmo,
Mauá, ao escrever sua “autobiografia”, foi ganhando coragem. Bravura, por certo, abalada
após a ocorrência fatídica dos últimos sucessos ligados a sua bancarrota, mas que bem pode
225 MAUÁ, Autobiografia, p. 219 e 220, grifos do autor.
226 MAUÁ, Autobiografia, p. 292 e 293, grifos do autor.
105
ser aquilatada nas linhas finais da Exposição aos credores, acima reproduzidas. Interligando
sua trajetória pessoal com uma mais transcendente, Mauá desfechou sua “autobiografia” com
uma palavra de esperança e outra de desafio. É o voto de um morto, como ele gostava de
falar, em prol do progresso material da nação. A obra que, em vida, ele não pôde cumprir,
desejava, patrioticamente, que as futuras gerações fossem capazes de concretizar. Para ser
atingido, contudo, tal sonho exigiria – do seu ponto de vista – uma reformulação do Estado
imperial sob o qual ele viveu. Urgia que os pósteros removessem os obstáculos que o teriam
impedido de levar a cabo sua vocação. A constituição de um Estado nacional comprometido
com os princípios liberais e voltado para a obra do progresso material do país era, em uma
palavra apenas, primordial.
Esperança no desenvolvimento econômico nacional e anseio por reformas na
estrutura estatal, eis os dois grandes desafios colocados por Mauá para as gerações futuras.
Mais tarde será, justamente, pela retomada desses ideais, apropriados à luz de um novo
contexto histórico por que passava o país, que a memória do visconde – memória esta,
sobretudo, encerrada nas páginas dessa Exposição aos credores aqui analisada – emergirá
com força. O “resgate” da figura de Irineu Evangelista, cerca de quarenta anos depois de sua
morte, será o tema principal da segunda parte desta Dissertação.
106
SEGUNDA PARTE
A CRIAÇÃO DE UM MITO:
UM NOVO HERÓI PARA UMA NOVA
TRADIÇÃO DO PENSAMENTO SOCIAL BRASILEIRO
107
4 – O MAUÁ DE ALBERTO DE FARIA:
SIGNIFICADOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS DE UMA BIOGRAFIA
A geração de hoje, ouvindo contar a vida tão útil e
nobre de Irineu Evangelista de Souza, visconde
de Mauá, procura em vão, nas praças do Rio
de Janeiro, o monumento a esse herói do
trabalho.
Esboço biográfico do visconde de Mauá, escrito pelo
conselheiro Souza Ferreira, em 1898.
No processo de constituição de uma memória nacional em torno de Irineu
Evangelista, a biografia publicada, em 1926, por Alberto de Faria 227 desempenhou um papel
central. Entre os anos de 1925 e 1929, em decorrência do grande impacto provocado por esta
obra, o interesse pelo visconde conheceu seu primeiro pico no país. Uma década depois, entre
227 Alberto de Faria nasceu na cidade de Campos, em 1865. Formado na Faculdade de Direito de São Paulo,
começou a carreira em sua natal e, mais tarde, exerceu a profissão na capital do país. No Rio de Janeiro,
destacou-se também como industrial, estando à frente de fábricas na área da produção propriamente dita e
assumindo a diretoria de importantes empresas como a Companhia Ferro-Carril Jardim Botânico e a
Companhia Carris Urbanos. Em sua juventude, engajou-se na campanha pela Abolição e na luta pela República.
Como intelectual, abordou temas jurídicos em alguns trabalhos, como Em defesa do Supremo Tribunal (1922), e
atuou como jornalista, escrevendo sobre assuntos políticos e econômico-financeiros em vários jornais do Rio.
Destes escritos, Faria se valeu para a produção de outros trabalhos tais como A política fluminense (1900), A
administração financeira Martinho-Campos (1902), Banco Hipotecário do Brasil (1920). Durante a década de
1920, sua produção jornalística acusa a maior aproximação do empresário com a política. Empresário de sucesso
e homem influente no meio político, Alberto de Faria também teve notável inserção nos círculos literários
brasileiros da época, tendo conhecido de perto inúmeras personalidades do mundo das letras e mantido contato
com outras tantas. Em sua casa na Praia do Flamengo, Faria recebia intelectuais e escritores estrangeiros, de
passagem no Brasil. Casou-se com Maria Teresa de Almeida Faria, cujo pai, Tomás Coelho de Almeida, fora
ministro do Império por duas vezes e era fundador do Colégio Militar. Era genro de Alceu Amoroso Lima, o
Tristão de Athayde, e de Afrânio Peixoto. Seu filho Otávio de Faria foi romancista de renome e, assim como o
pai, também ingressou na Academia Brasileira Letras. (Site da Academia Brasileira de Letras, disponível em:
; LOBO, Hélio. Discurso proferido pelo Sr. Helio Lobo ao receber o Sr. Alberto
de Faria. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, p. 5-6, 16 dez. 1928; GARCIA, Rodolfo. Recepção do sr. Rodolfo
Garcia (em 13 de abril de 1935): I – Discurso do sr. Rodolfo Garcia. Revista da Academia Brasileira de Letras,
Rio de Janeiro, ano XXVI, n.º 161, maio 1935, p. 11-13).
108
os anos de 1939 e 1942, as comemorações dos cinqüenta anos do falecimento de Irineu
Evangelista reacenderiam o interesse pelo personagem 228. Haja vista a centralidade do livro
de Faria no esforço cívico responsável pela inclusão de Mauá entre os grandes heróis
brasileiros 229, o objetivo principal deste capítulo é analisar os significados assumidos pela
figura mítica em construção, sob os influxos da primeira grande biografia sobre o visconde.
Nosso propósito não é fazer a história da recepção daquele texto em seus pormenores, ainda
assim, vamos nos valer de sua repercussão junto ao público no intuito de melhor captar o que
Faria “estava fazendo” ao lançar aquela que foi, sem sombra de dúvida, a sua maior obra. Em
outros termos, nossa meta central é compreender os significados da biografia escrita por
Alberto de Faria em seus múltiplos contextos de inserção, valendo-se, sempre que necessário,
da recepção desta obra, para melhor delinear suas intervenções no contexto intelectual
daquele período.
O desafio de compreensão de um texto, como mostra a renovada história das
idéias, requer necessariamente atenção ao campo de “efetuação” de uma obra. Como defende
228 O interesse despertado pela figura do visconde de Mauá pode ser percebido acompanhando-se o grande
número de artigos e resenhas, a seu respeito, veiculados em jornais e revistas naqueles dois períodos.
229 Antes da biografia escrita por Faria, excetuando-se episódicas aparições em dicionários e compêndios
biográficos brasileiros, poucas foram as referências feitas a Mauá. Há, primeiramente, uma menção ao visconde
no elogio fúnebre prestado aos sócios do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro falecidos no intervalo entre
15 de dezembro de 1888 e 15 de dezembro de 1890 e pronunciado, nesta última data, pelo comendador José Luiz
Alves. Digno de nota é também o Esboço Biográfico sobre a figura de Irineu Evangelista de Souza produzido
pelo conselheiro Souza Ferreira, em 1898. Na ocasião, comemorava-se o qüinquagésimo aniversário da
Companhia Luz Stearica – empresa privada que, em 1854, foi incorporada por Mauá sendo, então, transformada
em uma sociedade anônima. Finalmente, em 1904, ano do cinqüentenário da viação férrea no país, o nome de
Mauá foi mais uma vez lembrado. Em homenagem ao introdutor daquele melhoramento, o Clube de Engenharia
mandou construir um monumento à memória do visconde. A obra, confiada ao reconhecido talento do escultor
Rodolfo Bernadelli, compunha-se de uma coluna de granito de pouco mais de oito metros, em cujo topo
assomava uma estátua de bronze representando o ilustre rio-grandense-do-sul. A cerimônia de lançamento da
pedra fundamental ocorreu no antigo Largo da Prainha - desde 1910, Praça Mauá - exatamente na data da
efeméride, 30 de abril. A inauguração do monumento estava prevista para o próximo 7 de setembro. Finalmente
o Rio de Janeiro, palco principal da atuação empreendedora do visconde, erigia “um monumento a esse herói do
trabalho” – tal como reivindicava Souza Ferreira ao final de seu Esboço Biográfico, em passagem que serve de
epígrafe a este capítulo. O pesar do conselheiro começava a se dissipar, no entanto, ainda faltava muito para que
sua lamentação se transmutasse em regozijo. Embora animada, a homenagem prestada a Mauá em 1904, foi
bastante pontual e episódica, ficando basicamente circunscrita ao seleto grupo dos engenheiros, sobretudo, os
cariocas, da Primeira República, e não produzindo maiores irradiações fora deste círculo. Por isso, foi apenas
cerca de duas décadas mais tarde, sob os influxos de uma outra efeméride, a do centenário da Independência, que
se pode dizer que a memória de Mauá passou a ser recorrentemente “exumada” do passado, tornando-se motivo
de disputas e discussões e ganhando um rico e crescente interesse. (AZEVEDO, Arthur. Visconde de Mauá. O
País, Rio de Janeiro, 30 abr. 1904, p. 1; ALVES, 1890; SOUZA FERREIRA, 1900).
109
Skinner, todo escrito político é um “ato de fala” direcionado ao público leitor. Certamente
que há uma intenção autoral permeando este ato, contudo, os efeitos produzidos por um texto
não se resumem a esta disposição inicial. Uma obra é sempre um livro aberto e capaz de
despertar as mais diferentes leituras 230. É preciso, pois, compreender os significados de um
livro em seus múltiplos contextos de ressonância. Em se tratando de uma obra que teve
contribuição ímpar no processo de heroificação de um personagem histórico, isso implica
captar o papel político desse mito naquela conjuntura específica. A emergência do herói
nacional representa a ascensão de um sistema de valores, o qual é personificado ou encarnado
em sua figura. No mito do herói concentram-se os desejos e as esperanças, bem como, as
crenças, as idéias e os projetos de uma parcela, mais ou menos ampla, da nação. Assim,
importa reconstruir historicamente as etapas e os propósitos deste processo de fabricação de
um herói. Nas palavras de Girardet:
Quase não há, hoje, grupo político que não ache sempre necessário, quando se trata
de afirmar sua legitimidade ou de garantir sua continuidade, apelar para o exemplo e
para as lições de certo número de “grandes ancestrais” sacralizados pela lenda. É em
nome da fidelidade às mensagens que eles ditaram, da conformidade aos princípios
que estabeleceram ou às instituições que fundaram que se pretende corresponder às
interpelações e aos desafios do presente. Uniformizadas em um mesmo tipo de
representação, [...] suas imagens entulham todas as encruzilhadas de nossa história.
[...]
Marcado, condicionado pelo contexto factual em que se desenvolve, o mito pode
assim aparecer, e de maneira mais sugestiva ainda, como uma espécie de revelador
ideológico, o reflexo de um sistema de valores ou de um tipo de mentalidade. 231
Como intentaremos mostrar, o esforço de constituição de uma memória nacional
em torno de Irineu Evangelista, responsável por sua introdução no panteão cívico nacional,
ligava-se ao amadurecimento de um projeto de Brasil que se voltava para duas áreas
estratégicas e cada vez mais interligadas da vida nacional, a política e a educação, e se
preocupava prioritariamente com a modernização industrial da nação. Ao apresentarmos a
obra biográfica de Faria e acompanharmos suas repercussões entre a intelectualidade da época
é do amadurecimento desse ideal-normativo que iremos tratar. Tendo tais objetivos em nosso
230 Cf. nota 17.
231 GIRARDET, 1987, p. 78 e 83.
110
horizonte, estruturamos este capítulo em duas partes. A princípio, há um tópico dedicado ao
período áureo da atividade jornalística desenvolvida por Alberto de Faria. Nesta seção inicial,
nosso intuito é dizer algo sobre as convicções políticas do autor da biografia em foco neste
capítulo, além de nos aproximarmos do contexto intelectual em que este autor atuava. Na
seqüência do capítulo, vamos nos ocupar da obra principal de Alberto de Faria, seu Mauá,
procurando explorar sua inserção nos debates político-pedagógicos, então vigentes.
4.1 - De uma simples polêmica a uma significativa controvérsia
O caminho de Faria rumo a ABL começou a ser pavimentado com sua fama de
polemista. Nas linhas que se seguem, vamos nos ocupar dos acontecimentos que
consolidaram sua notoriedade nesse âmbito, visto que os acontecimentos relativos a mais essa
sua faceta nos ajudarão a compreender, posteriormente, o que Faria estava fazendo ao
publicar sua biografia. De mais a mais, as discussões que fizeram parte da contenta abaixo
analisada servem de base para o estudo do objeto principal deste capítulo, o Mauá de Faria, na
medida em que, em grande medida, conformam o contexto lingüístico em que o primeiro
grande biógrafo do visconde atuava ao escrever sua mais importante obra e, igualmente,
informam-nos a respeito das idéias políticas deste intelectual – tão pouco estudado, por ser
considerado um autor menor entre os pesquisadores brasileiros. Visto que compreender uma
obra envolve situá-la em um contexto lingüístico maior, do qual o autor faz parte e com o qual
dialoga, importa, antes de tudo, acercar-nos deste contexto, assim como deste autor. Com isso,
será possível, não apenas reconstruir a agenda que compunha a discussão intelectual de uma
111
época, como também mensurar, com maior rigor, a importância de uma determinada
intervenção discursiva neste debate.
A nova história das idéias, tal como a define Pocock, é um fazer histórico que
estabeleceu na média duração, representada pelo contexto intelectual, seu canteiro de obras. O
historiador do pensamento ocupa-se de “performances”, intervenções políticas conscientes de
atores históricos direta ou indiretamente engajados com os desafios de seu tempo. Sua ênfase
está na relação entre “langue” e “parole” ou entre paradigmas lingüísticos e intervenções
discursivo-textuais nestes contextos. “A linguagem determina o que nela pode ser dito, mas
ela pode ser modificada pelo que nela é dito” 232. Nesse sentido, cada obra passa a ser
considerada como uma elocução a partir do e sobre o pensamento político de uma época.
Trata-se, como demonstra Tuck, de um ato de fala que deve ser analisado pelo historiador
como qualquer outro tipo de ato humano. E o que determina a maior ou menor originalidade
de uma obra é sua capacidade de inovar, nos termos de Skinner, de operar um lance,
transformando as convenções lingüísticas de uma determinada ambiência intelectual. 233
Nesta Dissertação, temos em como horizonte de expectativas perscrutar o
surgimento de uma nova tradição no pensamento social do brasileiro, por intermédio da
criação de um novo herói nacional, quando, pela publicação de uma biografia em meados da
década de 1920, Alberto de Faria re-apropriou-se da narrativa autobiográfica de Mauá,
atualizando-lhe para a época seu significado. Partimos, portanto, de um discurso específico, o
Mauá de Faria, no intuito de avaliar-lhe os impactos em uma linguagem maior, o pensamento
social do país. É claro que uma única obra não seria capaz de provocar uma mudança tão
grande. As representações políticas em torno da figura de Mauá participam de uma
transformação mais ampla, que envolve a própria cultura política brasileira. Ao analisar a
232 POCOCK, 2003, p. 64.
233 POCOCK, 2003; SKINNER, 2000; TUCK, 1992.
112
polêmica que se segue, estaremos perscrutando, por conseguinte, a base intelectual, então em
processo de transição, em que o próprio Alberto de Faria estava envolvido.
Na virada de 1911 o nacionalismo brasileiro viveu dias de grande exaltação. No
centro da intensa campanha que se estendeu por cerca de seis meses, mais precisamente do
último trimestre de 1911 até o primeiro do ano seguinte, estava o consórcio canadense
liderado pelo engenheiro e empresário norte-americano Percival Farquhar. Diariamente, os
jornais do país da capital federal veiculavam notícias, artigos na seção A Pedidos e
reportagens informando os leitores sobre os “capítulos” da crise e fomentando mais e mais o
impasse relativo às concessões Farquhar. Tudo começou quando Alberto Torres deu o grito
de alarma, com um artigo de titulo provocante: A conquista.
A situação atual do país é uma injustiça e uma calúnia a seu espírito e caráter; o
povo brasileiro está sendo vítima de resultados de causas artificiais, políticas e
administrativas; não tem o Governo que merece; não conhece a realidade de sua vida
pública; não sabe a história exata dos atos e responsabilidades de seus homens; vive
embalado em um delírio de retórica, de literatice, agitado entre os manejos e
chicanas da política de corrilhos, tonto, em meio de festas, de banquetes, das
ovações com que, todos os dias, se celebra a apoteose dos semi-deuses da
nomeada.234
Com seu grito, Torres procurava chamar a atenção do público ledor para a
passividade dos políticos brasileiros, indiferentes ao Brasil real e descomprometidos com a
nacionalidade, diante da expansão do capital estrangeiro, especificamente, o capital do grupo
Farquhar, em solo pátrio 235 . Segundo ele, logo a nação estaria dominada pelo capital
alienígena, perdendo o poder público o controle da administração nacional e entregando o
presente e o futuro do país nas mãos dos estrangeiros 236. Para que se tenha uma noção da
234 TORRES, Alberto. A conquista. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, quarta, 23 de out. de 1912, p. 2.
235 A instauração do regime republicano no Brasil marcou o início da aproximação do país com os Estados
Unidos. Se, durante o período monárquico, a Inglaterra havia sido de longe a principal parceira do Império, a
República intentou desviar o país da órbita de influência britânica, atrelando-a mais aos Estados Unidos, seja
como reação à predominância inglesa nas relações internacionais brasileiras, seja como uma tentativa de
assegurar à nação a hegemonia na América do Sul. Nesse sentido foi que a política externa da jovem República
brasileira mostrou-se bastante aberta à ampliação do comércio com os norte-americanos, bem como à entrada de
capitais ianques, especialmente por meio de concessões, em solo brasileiro. (SINGER, 1977, p. 374-377).
236 “Estávamos, nas suas expressões, sendo invadidos “por uma formidável organização financeira
admiravelmente combinada, com raízes profundas e poderosas ramificações e por outras não menos
113
amplitude dos negócios desta associação, observe-se que ela já havia assumido o controle dos
portos do Pará, do Rio de Janeiro, do Paranaguá e do Rio Grande do Sul, detendo igualmente
os direitos de exploração das estradas de ferro Madeira-Mamoré, Paulista, Mogiana e São
Paulo-Rio Grande, além da viação do estado gaúcho. Vastos domínios de terra ao longo das
ferrovias e extensos campos de criação também faziam parte do patrimônio do consórcio, ao
qual os Estado do Pará e do Mato Grosso de uma assentada fizeram grandes concessões de
terras, assustando a opinião pública, que de pronto reagiu. Não bastasse todo esse poderio,
Farquhar ainda era acusado de querer açambarcar a produção da energia e da força nas duas
principais capitais do país, Rio de Janeiro e São Paulo. À frente deste colosso que se estendia
por todo o território nacional, envolvendo o controle de parte significativa da infra-estrutura
ferroviária e portuária do país, o poderio do consórcio canadense começou a assustar setores
da elite política 237 e intelectual brasileira, levantando suspeitas quanto à idoneidade e aos
interesses do grupo 238. E foi exatamente na esteira desse rebuliço que Alberto de Faria fez
fama como notável polemista.
Nos fins do ano de 1912, a São Paulo Tramway, Light and Power moveu uma
ação judicial contra a Companhia Docas de Santos para restituição de capatazias 239 pagas há
perigosas”, entregue o Brasil, desde os municípios até o Governo Federal, “aos caprichos e leviandades de
administradores ignorantes de nossos interesses reais, de nossos problemas práticos e dos riscos da nossa
posição na política mundial””. Retirado de: apud LOBO,
Hélio. Docas de Santos: suas origens, lutas e realizações. Rio de Janeiro, Tipografia do Jornal do Comércio/
Rodrigues & Cia., 1936. Infelizmente, não foi possível encontrar o original dessa obra, tendo-a consultado
apenas por via eletrônica.
237 Quando os governos do Pará e do Mato Grosso cederam enormes extensões de terras, tidas como de fronteira,
ao consórcio canadense, Calógeras fez ouvir sua voz na Câmara, denunciando a “doação incauta” do solo
nacional “aos primeiros solicitantes, sem reflexão nem exame de todos os perigos que semelhante procedimento
acarreta”. Retirado de: apud LOBO, Hélio. Docas de
Santos: suas origens, lutas e realizações. Rio de Janeiro, Tipografia do Jornal do Comércio/ Rodrigues & Cia.,
1936.
238 Em clima de descontração ao retornar de uma viagem ao exterior, o senador Alfredo Ellis assim se referia a
Farquhar: “Eu estava a dizer que o Sr. Farquhar é o Napoleão das conquistas comerciais, é um novo Cecil
Rhodes e que o Brasil está se transformando numa Rhodesia”. E ainda acrescentava, quando inquirido a respeito
das intenções do empresário norte-americano: “Em um banquete ou em uma roda de amigos. Disseram-me
haver ele declarado que já tinha em uma das mãos o coração do Brasil e com a outra tateava a garganta”.
(ELLIS, Alfredo. O Brasil está-se transformando em uma nova Rhodesia: as impressões de viagem do Sr.
Senador Alfredo Ellis. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 16 jan. 1913, p. 10).
239 As capatazias são os impostos devidos pelas mercadorias que passam pela Alfândega, para remunerar os
serviços de recebimento, guarda e conservação de volumes. Na época, o poder público havia destinado a
114
doze anos àquele porto. Se, de um lado, a sociedade responsável pela construção e
administração do porto santista era brasileira 240, a companhia prestadora de energia elétrica
era estrangeira 241. Tomando parte na demanda e assumindo a defesa da CDS, empresa da
qual era acionista, Faria agitou a opinião pública por cerca de quatro meses, publicando quase
que diariamente artigos de ataque ao consórcio canadense, a princípio, sob pseudônimo e,
mais tarde, em seu próprio nome. Segundo ele, o conglomerado procurava desestabilizar os
negócios da empresa, desvalorizando seus papéis a fim de açambarcar suas ações, quando em
baixa no mercado. Denunciando o suposto intento de absorção do estratégico setor infraestrutural do país pelo grupo estrangeiro, já se nota, desde o primeiro artigo, o tom inflamado
e a postura agressiva em que a polêmica transcorreria.
Aqui, um sindicato, ou antes, um homem detém em suas mãos todos os meios de
transporte, de mais da metade da população brasileira, atravessa-se na entrada dos
nossos melhores portos, monopoliza os tramways, a luz, a força na Capital e em
várias cidades, obtém de uma assentada e grátis 60.000 quilômetros quadrados no
Pará, na fronteira, enfim (para antecipar o futuro de três a cinco anos, apenas) fica
dono, senhor, possuidor ou usufruturário de todo o Brasil! E todos se calam!
Não cansados de dar do mundo os mais tristes espetáculos, vamos oferecer este, com
seus perigos e humilhações, - uma nação de 25 milhões de homens enfeudados ao
Sr. Farquhar.
É tempo ainda de nos insurgirmos. 242
Associando desde o princípio a campanha em prol da empresa brasileira com a
defesa do interesse nacional, ameaçado pela invasão do capital alienígena, Faria conquistou a
cobrança e recebimento deste imposto à CDS, como fizera com outros portos, para ressarcimento dos elevados
custos do empreendimento. Assim, além das taxas de carga e descarga de mercadorias, havia a cobrança dessas
taxas, mesmo para volumes que não passavam pela Alfândega. A Light alegava tanto a ilegalidade da cobrança,
quanto a ilegitimidade de se requerer capatazias sobre mercadorias que não passavam pela Alfândega, os
despachos sobre água.
240 Eduardo Guinle e Cândido Gaffrée iniciaram seus negócios como importadores de tecidos no Rio de Janeiro,
em 1871. No ano seguinte, estabeleceram a Gaffrée & Guinle e começaram a investir em outros ramos ligados à
prestação de serviços (transporte público) e infra-estrutura. Em 1888, conseguiram a concessão para construir o
novo porto de Santos – obra realizada, mais tarde, com a organização da CDS.
241 Em 1899, foi criada em Toronto, no Canadá, a São Paulo Tramway, Light and Power para oferecer energia à
cidade de São Paulo. Logo a atenção dos investidores estrangeiros foi atraída para a capital federal. O Rio de
Janeiro vivia o clima das grandes reformas urbanas de Pereira Passos, o que criava grandes necessidades de
abastecimento energético. Por meio da ação conjunta de Frederick Pearson, Alexander Mackenzie e Farquhar foi
constituída a Rio Light, em maio de 1904. Com a expansão dos negócios no Rio e em São Paulo, as diretorias
das empresas decidiram se fundir, criando uma holding para ampliar seu raio de ação e facilitar o levantamento
de capitais no mercado. Em 1912, surgiu a Brazilian Traction Light and Power, conglomerado que iria
monopolizar o fornecimento de energia nas duas principais capitais do país. (LAMARÃO, 2002, p. 8-9).
242 FARIA, Alberto. A Light e as Docas de Santos: pondo as mangas de fora. Jornal do Comércio, Rio de
Janeiro, 19 out. 1912. A pedidos, p. 27.
115
atenção do público, contribuindo para que intensos debates acerca da capitalização externa do
desenvolvimento do país fossem feitos naqueles meses de polêmica, em um contexto
favorável a esse tipo de discussão. A virada do século XIX para o XX foi marcada pela
intensificação e por uma maior diversificação dos investimentos estrangeiros no Brasil – sob
hegemonia britânica até a Primeira Guerra. Se até a década de 1880, os capitais dos países
capitalistas centrais se dirigiam primordialmente para suas colônias e áreas de influência no
continente asiático e africano, a partir de então, os grandes investidores começaram a se
dirigir para a América Latina 243 . Diante dessa nova tendência, o mercado financeiro
brasileiro, junto com o argentino, foi um dos principais beneficiários. Grande parte da
modernização da infra-estrutura e do setor de serviços públicos nacional foi realizada com
aportes de recursos externos. No programa de reurbanização da capital realizado por Pereira
Passos, a presença do capital estrangeiro (representado pela casa bancária Rothschilds, de
Londres) foi decisiva nas obras de saneamento e construção do cais do porto do Rio244. É
nesse contexto, pois, de consolidação do capitalismo financeiro no país e, certamente, também
de avanço do imperialismo que queremos acompanhar mais de perto três controvérsias que
vieram à tona em meio à querela das capatazias. No desenrolar das discussões em torno
dessas temáticas, assim nos parece, iam-se delineando alguns princípios-chave para a
configuração da tradição da modernização industrial no Brasil.
A primeira questão que vamos abordar é a contenda acerca dos limites a serem
impostos aos capitais estrangeiros investidos no país. Tomando de empréstimo uma frase de
Alberto Torres, Faria dizia que sua luta visava evitar que, num futuro próximo, o Brasil viesse
a se tornar “UMA COLÔNIA TROPICAL DE SINDICATOS E COMPANHIAS
243 Na década de 1860, a Inglaterra aplicou cerca de 10,5% do total de seus investimentos no Brasil, passando
para 20% na década de 1880. Esse volume de recursos era aplicado basicamente de duas formas: empréstimos ao
poder estatal e inversões privadas, sobretudo, em concessões públicas. Entre 1890 e 1913, as inversões britânicas
atingiram aproximadamente 224 milhões, sendo que mais da metade desses recursos foi destinada ao governo, na
forma de empréstimos que serviram para as referidas obras de modernização logística do país e para os
programas de valorização dos preços do café nos mercados externos. De 1880 a 1890, o número de companhias
ferroviárias inglesas teve um salto de 11 para 25. (SINGER, 1977, p. 362-365).
244 LAMARÃO, 2002, p. 1-3, 5-7; SINGER, 1977, p. 362-67.
116
ESTRANGEIRAS” 245. Para tanto, cumpria fixar limites e estabelecer regras para entrada e a
permanência do capital externo no território pátrio, regendo o mercado financeiro nacional
com mais austeridade. Em momento algum, porém, Faria se mostrou contrário à participação
do investidor alienígena na obra do desenvolvimento do país, apesar de tiradas como esta que
se segue, próprias de um debate intelectual que se fazia na esteira de uma disputa envolvendo
interesses imediatos e bem tangíveis.
Perguntaremos apenas: nos Estados Unidos, na Inglaterra, em qualquer país que
saiba prezar sua dignidade, um estrangeiro, indivíduo ou companhia, seria capaz de
insurgir-se contra o Governo em assunto de taxas fiscais, de serviços de portos, de
contribuições aduaneiras?!!
Dir-lhe-iam: “mude-se; quando aqui chegou, já encontrou essas leis”. No Brasil,
não; sobram até advogados e sócios. 246
Decantando o linguajar inerente ao clima agressivo de uma polêmica, e que ainda
poderia ser ilustrado com muitos outros exemplos, vamos nos ater ao significado das
reclamações levantadas por Alberto de Faria e pelos outros atores sociais que se interessaram
pela controvérsia. A partir dos senões apresentados, reconstruiremos aos poucos uma imagem
do tipo de regulamentação pretendido por este grupo para o mercado financeiro do país. Nesse
sentido, uma insatisfação constante nos debates dizia respeito às supostas facilidades que os
capitais estrangeiros encontravam por aqui. Vejamos esta passagem, tão própria a uma
polêmica quanto a anterior, contudo ferindo não pela agressividade, e sim pela ironia.
Um financeiro europeu, o Sr. Legru, lembrou-se um dia de mandar ao Brasil seus
restantes capitais, que não eram muitos. Bem dirigidos, eles lhes voltam seis anos
depois, tão prodigamente centuplicados que o Figaro, o aristocrático jornal,
consagrava-lhe uma página assinada pelo caricaturista Sem. O Sr. Legru amarrava
joyeusement no porto de Trouville uma esquadrilha de yachts de recreio. Eram
quatro [...] e constituem a esquadrilha do Norte; a outra, a esquadrilha do
Mediterâneo, estava ancorada em Nice. O Figaro pôs-lhe este título: “Mr. Legru et
sa flotte du plaisir”.247
245 FARIA, Alberto. A Light e as Docas de Santos: pondo as mangas de fora. Jornal do Comércio. Rio de
Janeiro, 23 out. 1912. A pedidos, p. 9. A opção por maiúsculas foi do próprio autor.
246 FARIA, Alberto. A Light e as Docas de Santos: pondo as mangas de fora. Jornal do Comércio. Rio de
Janeiro, 21 out. 1912. A pedidos, p. 9.
247 FARIA, Alberto. A Light e as Docas de Santos: pondo as mangas de fora. Jornal do Comércio. Rio de
Janeiro, 28 out. 1912. A pedidos, p. 9, grifos do autor.
117
É impressionante como essa reclamação ressoa durante toda a contenda. Por
repetidas vezes, Faria se queixa das regalias ofertadas às companhias estrangeiras 248 ,
contrapondo seu destino venturoso ao duro e triste fado suportado pelas empresas nacionais.
Somada a esse protesto, a formação de trustes sustentados com capitais alienígenas é outra
ameaça que aparece com insistência no debate. A esse respeito, tal era sua posição: “A
campanha em que me alistei não é contra o estrangeiro, é contra os trusts, é contra o grande
sindicato, é contra a absorção. Operada por um estrangeiro, é uma humilhação e será o
aniquilamento da nação brasileira” 249. Como ressaltamos, aquele foi um período de avanço
do capitalismo financeiro por todo o mundo, especialmente na América Latina. Temeroso
com as conseqüências econômicas e políticas do controle do mercado nacional pelos de fora,
sobretudo, por uns poucos empresários arrojados, como vinha se acontecendo, o Acionista das
Docas deu seu grito de alerta, destacando o perigo de uma tal situação para a soberania do
país.
Eu desejaria para o Brasil que dez, vinte, cem capitalistas estrangeiros viessem
estabelecer-se como industriais, como negociantes, como lavradores, como
comissionários de portos e estradas de ferro, e que ganhassem muito dinheiro.
Que esta seja, porém, a obra de um homem só, ninguém quer, País nenhum do
mundo entregou-se assim de pés e mãos a um homem, ou a um grupo. Isso não é
desenvolver-se, não é crescer, é entregar-se, é vender-se.250
Faria argumentava que outros países, não só os mais adiantados em civilização,
como os que se encontravam no mesmo patamar de civilização que o Brasil, já vinham se
prevenindo contra a escalada do capitalismo financeiro. Como prova, citava os exemplos dos
Estados Unidos e da Argentina, respectivamente. Naquela nação, onde havia o atenuante dos
conglomerados serem nacionais e múltiplos, sendo que o peso de uns contrabalançava a
248 “Os capitais estrangeiros têm sempre encontrado no Brasil não um regime de justiça, mas de favor. A
Companhia de Gás e City Improvements do Rio, a Leopoldina Railway, salvas de falência por generosidade, a
S. Paulo Railway, enriquecida sempre por novos contratos e favores, são disso prova”. (FARIA, Alberto. O
grande trust. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 25 e 26 dez. 1912. A pedidos, p. 10).
249 FARIA, Alberto. A Light e as Docas de Santos: pondo as mangas de fora. Jornal do Comércio. Rio de
Janeiro, 24 nov. 1912. A pedidos, p. 10, grifos do autor.
250 FARIA, Alberto. O grande trust: alegações contraproducentes. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 12 jan.
1913. A pedidos, p. 10, grifos do autor.
118
influência dos outros, o governo já havia tomado medidas para conter a expansão e a ação
nociva dos trustes. Na Argentina, que igualmente se via na ameaça do avanço dos capitais
alienígenas, o Estado também se adiantara. Lá, com efeito, Farquhar não conseguira
incorporar, como no Brasil, as principais linhas férreas, contentando-se em ser um mero
acionista daquelas companhias. Aqui, entretanto, onde crescia a ameaça de um único grande
truste estrangeiro dominar todo o mercado, o mesmo não se dava: “O Brasil está
completamente desprevenido” 251 – lamentava-se.252
Nessa sua lamentação o futuro embaixador era seguido por muitos outros
contendedores, que expressavam no mesmo tom os seus receios. Não nos estenderemos
demasiadamente com citações nesse sentido, pois o ponto central a se salientar aqui é a
relação tensa que se ia estabelecendo entre a invasão financeira estrangeira e a soberania
nacional. Para muitos, a continuação da primeira variante colocava em risco a manutenção da
segunda – e esta não estava à venda. Como dizia o senador Alfredo Ellis em entrevista já
mencionada: “eu prefiro viver num colmo sob o abrigo da bandeira de minha pátria a viver
repoltrado num palácio em cuja fachada tremule o pendão estrangeiro” 253. É o que se vê, do
mesmo modo, nas reflexões do Desembargador Virgílio de Sá Pereira: “Não tendo capital,
forçoso é pedi-lo emprestado. Qual o problema que se nos antolha? Obter dinheiro sem o
sacrifício da nossa soberania, porque a semelhante prêmio todo dinheiro é caro” 254.
A importância dessa temática, contudo, somente pode ser devidamente aferida
pelo ardor com que foi rebatida, pelos favoráveis à maior abertura do país aos capitais de fora.
Sob o labéu de jacobinistas, nativistas, antipatrióticos e xenófobos, aqueles que faziam a
251 FARIA, Alberto. O gran trust: temos medo, sim. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 28 dez. 1912. A
pedidos, p. 8.
252 FARIA, Alberto. O grande trust. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 25 e 26 dez. 1912. A pedidos, p. 10. E
ainda: ______. O grande trust: alegações contraproducentes. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 12 jan. 1913.
A pedidos, p. 10.
253 ELLIS, Alfredo. O Brasil está-se transformando em uma nova Rhodesia: as impressões de viagem do Sr.
Senador Alfredo Ellis. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 16 jan. 1913, p. 10.
254 PEREIRA, Virgílio de Sá. O grande trust: assim falou Zaratrusta. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 4 jan.
1913. A pedidos, p. 10. Originalmente, saiu pelo O Imparcial, do dia anterior.
119
campanha nacionalista pela regulamentação da entrada do capital externo eram acusados de
estarem prestando um desserviço à nação, afastando dos mercados brasileiros os investidores
estrangeiros de que o país tanto precisava. Em suma, a argumentação desta ala girava em
torno das condições geográficas, demográficas e financeiras do Brasil: um país com um
território gigantesco, pouco povoado e ainda carente de capitais somente poderia se
desenvolver com o ingresso dos braços e dos recursos dos adventícios. É este o parecer do
senador Antônio Azeredo, o qual bem resume o entendimento geral deste grupo.
Eu entendo que eles [os estrangeiros] vêm trazer um sangue novo de que tanto
carecemos para o nosso desenvolvimento e nosso progresso. Se tivéssemos capitais,
é claro que não precisaríamos de auxílio do estrangeiro para vir fortalecer as nossas
indústrias, o nosso comercio e concorrer para o nosso engrandecimento; mas um
país como o nosso, possuindo um território enormíssimo e inexplorado ainda, sem
capitais, sem braços, sem recursos, procurar repelir o estrangeiro que nos traz os
seus capitais e os seus esforços, a sua inteligência e a sua atividade, é um verdadeiro
absurdo. 255
Igualmente ainda havia a questão do caráter, da índole do povo. Dizia-se que o
homem brasileiro não era tão trabalhador quanto os homens de outros povos, especialmente
os europeus. Enquanto estes se esmeravam no labor, mesmo quando já tendo a vida garantida
por algum cabedal, os brasileiros, mal conseguiam amealhar alguma fortuna, davam de
ombros ao trabalho e se entregavam ao ócio improdutivo. Dessa acusação sobrou até para o
nosso polemista. Como vimos, Alberto de Faria era dono das companhias Ferro Carris e
Jardim Botânico. Em 1905, quando começou a alienar seu patrimônio, vendeu a primeira
dessas empresas e ajuntou uma soma considerável de recursos, decidindo-se por não mais
trabalhar, indo, inclusive, morar uns tempos na Europa, mais especificamente, em Paris. Mais
tarde e de volta ao país, vendeu a Jardim Botânico, em 1910. Detalhe: ambas acabaram nas
mãos do consórcio canadense. Era a gota d’água: o caso não poderia passar desapercebido
pelos contendedores adversários.
255 AZEREDO, Antônio. A questão do nacionalismo: trechos do discurso pronunciado pelo senador Antonio
Azeredo na sessão de 21 de dezembro de 1912. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 3 jan. 1913, p. 7.
Originalmente, publicado no Diário Oficial do Congresso de 1º jan. 1913.
120
A regra geral é que, quando o Brasileiro apanha uma fortuna de mil ou dois mil
contos pensa logo em duas coisas: a primeira é aplicá-la em prédios ou títulos
seguros que produzem boa renda, a segunda é ir gozar essa renda nos parques e
cassinos europeus.
O próprio Dr. Alberto confessa que, depois que ficou rico nas negociações que fez
com a Light, resolveu nunca mais trabalhar. 256
E o mesmo autor arrematava em outro artigo:
Se assim é, se o Dr. Alberto enriqueceu precisamente à custa de uma empresa
estrangeira, como quer agora que lhe reconheçam autoridade para mover guerra viva
contra o elemento estrangeiro?
[...]
Procurador, não me enganas.
Tu procuras para ti. 257
Em suma, quanto à temática dos limites a serem impostos aos capitais
estrangeiros eram essas as posições dominantes. Nosso objetivo aqui foi pontuar a emergência
da crescente reivindicação em prol de uma regulamentação mais rígida do mercado financeiro
nacional, tendo como argumento-base a defesa da soberania. A postura nacionalista dessa ala
vinha ganhando força e seu grande mote pode ser assim resumido: “Que venham os capitais
estrangeiros, mas que estes nos deixem a pátria”.
Em paralelo com a primeira temática, vai surgindo também uma segunda questão.
É a idéia de que a defesa da nacionalidade estaria ligada à defesa de determinados setores,
considerados estratégicos. No princípio da década de 1910, especialmente, naqueles dois anos
que antecederam ao conflito mundial, os jornais brasileiros traziam diariamente notícias do
cenário europeu. Percebe-se facilmente um clima de expectação. Claro que não se imaginava
as dimensões do embate que já então se prefigurava. Entretanto, a imprensa acompanhava de
perto os acontecimentos do Velho Mundo, sobretudo, a tensão nos Bálcãs: a chamada questão
balcânica. Não era apenas a mídia jornalística que se preocupava com uma possível guerra, o
Governo brasileiro também já tomava medidas para garantir a segurança e integridade
nacional, no caso de um possível confronto. Investimentos eram, então, feitos para re 256 MONTE CARLO, Barão. A campanha do denominado nacionalismo. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 3
jan. 1913. A pedidos, p. 8.
257 MONTE CARLO, Barão. A campanha do denominado nacionalismo. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 28
dez. 1912. A pedidos, p. 8.
121
aparelhar as Armas brasileiras, assegurando-lhes as condições necessárias para a defesa dos
interesses do país. Não obstante todo esse esforço, em dois artigos, Faria ressaltava as
contradições do Estado brasileiro que, ao mesmo tempo, que fazia consideráveis
investimentos bélicos, descuidava da logística do país, muito particularmente nos setores da
energia e dos transportes.
Estamos fazendo os maiores sacrifícios pecuniários para organizar a defesa do solo;
armarmos os soldados e artilhamos fortalezas, compramos dreadnoughts 258 e
municiamos a marujada, e depois inutilizamos tudo isto, concentrando nas mãos de
um homem, um estrangeiro, todas as forças da resistência. 259
[...]
Esses meios de defesa que pagamos caro são para Argentino ver. Ao mesmo tempo,
voluntariamente, nos entregamos ao estrangeiro na mais premente de todas as
necessidades bélicas – a dos transportes. 260
A idéia que vai se afirmando ao longo dessas discussões é a de que a soberania de
um país está intimamente ligada à independência econômica, entendida aqui menos como
auto-suficiência produtiva e mais como a possibilidade da nação se auto-determinar, tendo
plena liberdade para gerir as riquezas, a população e os interesses dentro de seu território. O
artigo que melhor ilustra esse pensamento é de autoria de Virgílio de Sá Pereira. Sá Pereira
começava argumentando que, de todos os requisitos que caracterizam uma nacionalidade, a
soberania é o mais importante. E ser soberano é poder pensar os grandes problemas nacionais,
aqueles que dizem respeito ao seu futuro. Um território com fronteiras definidas é importante,
porém, “há no mundo uma nação judia, e nenhuma carta geográfica lhe assinala um palmo
de terra sobre o planeta”. Igualmente, uma língua única é também importante, “mas há
nações de uma homogeneidade granítica, nas quais reina a maior a maior heterogeneidade
lingüística – a Suíça, por exemplo”. Com seus marcos divisórios estabelecidos e com um
povo que de norte a sul partilhava o mesmo idioma, o Brasil reunia todos os elementos para
ser uma nação soberana. E, no entanto, era justamente isso que não tínhamos. E não se tinha,
258 A compra de um encouraçado fabricado no exterior movimentou a imprensa naqueles dias.
259 FARIA, Alberto. A Light e as Docas de Santos: pondo as mangas de fora. Jornal do Comércio. Rio de
Janeiro, 25 out. 1912. A pedidos, p. 10. Este artigo foi republicado no mesmo jornal dois dias depois.
260 FARIA, Alberto. O grande trust: a lição. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 29 dez. 1912. A pedidos, p. 10.
122
arrematava, não porque faltasse ao país condições para organizar sua defesa e assegurar sua
integridade, mas porque havia algo de primordial que faltava à nação brasileira: ela carecia de
“independência econômica” para andar sobranceira entre as demais participantes do Concerto
das Nações e administrar com desembaraço seus próprios negócios. Sendo o país
progressivamente absorvido pelo capital externo, o brasileiro não percebia que se comportava
como “crianças que brincam com fogo”. Ia-se vendendo aos estrangeiros, entregando-lhes
seus principais ramos econômicos, alienando-lhes suas riquezas virgens, enfim, matando em
flor o seu futuro grandioso. Urgia retomar as rédeas da administração pública, dotando-a de
significado e sentido renovados. Era necessário assumir uma nova atitude. 261
O grande Ibsen escrevia em 1882 estas palavras tristes:
“Um desânimo profundo se apodera de mim ao ver como, entre nós, os espíritos são
lentos, pesados e apáticos, quando observo a que baixo nível desce o pensamento
público. A Noruega é um livre país povoado de gente sem liberdade”.
Estas palavras foram escritas também para nós.
[...]
Somos um país livre e, talvez em nenhum outro, à hora atual, o espírito se sinta mais
coacto que aqui, para pensar, para apostolar, para discutir. A consciência do
Brasileiro é uma casa mal-assombrada, onde, de vez em quando, se ouvem o estalar
de um chicote e gemidos abafados. 262
Se a primeira controvérsia a surgir no debate acresceu à agenda pública a
necessidade de uma maior regulamentação do mercado financeiro nacional diante da investida
dos capitais estrangeiros, o segundo ponto de contenda trouxe à tona a convicção de que
haveria setores fundamentais na economia e que da defesa destas áreas residiria a soberania
do país. Longe de uma simples abstração, a soberania vai se afirmando como algo palpável:
uma economia forte e protegida pelos poderes públicos, sendo capaz de assegurar ao povo
deste território o direito de se auto-gerir com base exclusivamente em seus interesses.
O desalento com os rumos tomados pela República, temperado com o receio do
avanço do imperialismo, fecundavam o ambiente nacionalista do período, perceptível nas
contendas acima historiadas. E, ao mesmo tempo, que crescia a acusação contra os empenhos
261 As informações e citações contidas neste parágrafo foram retiradas do artigo: PEREIRA, Virgílio de Sá. À
propósito dos trust: soberania tutelada. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 22 jan. 1912, p. 9.
262 PEREIRA, Ibidem, p. 9.
123
colonialistas do capital alienígena em solo brasileiro, generalizavam-se também os
posicionamentos receptivos a uma atuação mais incisiva do Estado nas questões concernentes
à vida econômica do país. É o que se pode perceber na carta que o deputado Nicanor do
Nascimento enviou a Alberto de Faria, em resposta ao telegrama que o futuro embaixador lhe
enviara, saudando-o por um artigo em favor da campanha patriótica.
Não é [...] que eu, imbuído de estúpido nacionalismo, ande a querer muralhar o
Brasil, impedindo a entrada do capital, de que carecemos; e do homem estranho,
cujo sangue virá enriquecer o nosso, cuja educação e disciplina profissional vêm
apressar o nosso progresso industrial, comercial e social, mas só entendo que é
inerente à soberania de uma raça libertada o Governo consciente das condições do
seu desenvolvimento econômico, das relações de suas classes sociais, das garantias
dos seus capitais e do que evolui dentro do território, a fim de que não seja a
aplicação do capital estrangeiro, com aparência de elemento de desenvolvimento
pátrio, a drenagem sistemática da energia nacional para o enriquecimento dos
estranhos, sem capitalização “para nós possível” e sem adaptação a uma vida mais
alta para o Brasileiro com capacidade de progresso. 263
Não foi sem razão que o deputado, ao expor seu ponto de vista sobre o assunto em
discussão, grafou o termo “Governo” com letra maiúscula. A Primeira República,
especialmente em suas duas últimas décadas, assistiu à emergência de um pensamento
político autoritário, que logo se tornaria dominante e cuja questão central era o reforço do
poder estatal, entendido aqui como uma instância pública que deveria orientar, presidir e
tutelar toda a dinâmica social Atuando como o cérebro da nacionalidade caberia ao Estado,
nesse tipo de concepção corporativa da sociedade, a tarefa de imiscuir-se em todo o
organismo nacional, coordenando-lhe os movimentos, despertando-o da indolência, enfim,
imprimindo-lhe forma e caráter orgânicos. O Estado autoritário, a salvo das estéreis e
mesquinhas lutas partidárias e respaldado pela racionalidade e pelo objetivismo de sua
tecnocracia, é o grande ator e motor dessa sociedade. 264
Desempenhando papel de destaque nessa fase de viragem do pensamento político
nacional, não é outro o discurso de Alberto Torres – um dos bastiões do nacionalismo
263 NASCIMENTO, Nicanor do. O grande “trust”: uma carta do deputado Nicanor do Nascimento sobre o grave
perigo que ameaça a nação. Jornal do Comércio. Rio de Janeiro, 6 jan. 1913, p. 6, grifos meus. Publicado, a
princípio, n’A Gazeta de Notícias, no dia anterior.
264 LAMOUNIER, 1978, p. 356-374.
124
autoritário do período265. Seu antiliberalismo nasceu de sua desilusão com o funcionamento
da República brasileira. Tendo sido ministro do Supremo Tribunal Federal, ministro do
Interior e, de 1896 a 1900, presidente do Rio de Janeiro, Torres passou da prática para a
teoria, defendendo a criação de um Estado forte, sob a gerência de uma elite técnica e, de fato,
comprometido com a coisa pública – entenda-se, um poder empenhado na defesa, no aumento
e na administração social das riquezas nacionais, forjando assim a identidade das elites com a
nacionalidade e alimentando os vínculos do povo do país com a pátria. Sua saída para crise
política do país não passava senão pela via política: “o Estado autoritário é o único meio de
substituir o “círculo vicioso” da representação dos interesses oligárquicos pelo “círculo
virtuoso” da representação dos interesses nacionais” 266. 267
As duas últimas décadas da Primeira República foram um momento de
politização da economia, nos termos de Sônia Regina Mendonça. Tempo em que se constata
uma ingerência crescente do Estado nos assuntos desta esfera, por meio da criação de
agências reguladoras, mas pari passu também se percebe uma politização progressiva dos
conflitos de interesse econômico-corporativo no âmbito da sociedade civil. Em outros termos,
se de um lado o poder público avançava sobre a sociedade civil, os diversos setores que
compunham esta esfera, por sua vez, pretendiam se consolidar politicamente, conquistando
espaços de influência no aparelho estatal, onde pudessem fazer valer seus interesses
corporativos. 268 Na última parte deste capítulo, veremos como, nessa mesma ocasião, a luta
em prol dos interesses de um setor econômico específico ganharia novo fôlego no cenário
político nacional, por meio de uma obra, uma biografia sobre Mauá.
265 Reveja a citação de Alberto Torres, referente à nota 234, mencionada na página 112.
266 COSTA, Valeriano Mendes Ferreira. Vertentes democráticas em Gilberto Freyre e Sérgio Buarque. Lua
Nova, São Paulo, n. 26, CEDEC, 1992, p. 221 apud SOUZA, 2005, p. 303.
267 SOUZA, 2005, p. 302-323.
268 MENDONÇA, 1997, p. 43.
125
4.2 - “Mauá Redivivo” 269: a apoteose de um novo herói
Fruto de um enorme esforço de pesquisa iniciado em 1923, quando o autor
começou a reunir fontes sobre a vida do visconde 270, Mauá repercutiu enormemente entre a
intelectualidade do país, merecendo um sem número de resenhas e comentários em jornais e
revistas da época e contribuindo para a definição de topos que logo seriam aproveitados por
autores contemporâneos a Faria na constituição de uma nova tradição no pensamento social
brasileiro: a modernização industrial. De mais a mais, a obra foi importantíssima para a
carreira literária de Faria. Graças ao sucesso do livro, decorridos dois anos de seu lançamento,
seu autor, antes conhecido como um aguerrido, mas simples polemista, foi “imortalizado”
pela Academia Brasileira de Letras, em cerimônia ocorrida em dezembro de 1928 271.
No capítulo, Razão d’este livro, que abre sua biografia, Alberto de Faria informa
aos leitores a motivação que deu origem a seu livro. Segundo o biógrafo, o levantamento
documental que resultaria na narrativa biográfica em questão iniciou-se com uma resolução uma decisão pessoal, porém de natureza cívica. Retirar do olvido o nome de Mauá, corrigindo
uma injustiça nacional cometida contra um herói do passado brasileiro e, ao mesmo tempo,
269 “Mauá redivivo” é o título dado por Cláudio Ganns a um artigo de recomendação da biografia escrita por
Alberto de Faria, objeto de estudo deste capítulo. Cláudio Ganns foi bisneto de Irineu Evangelista de Souza.
(GANNS, Cláudio. Mauá redivivo: a propósito do livro do sr. Alberto de Faria. O País, Rio de Janeiro, 13 dez.
1927).
270 Valendo-se de sua boa circulação nos meios político-literários da época, Faria conseguia material de pesquisa
e novas fontes com amigos e conhecidos. Foi este o caso de uma documentação que ele obteve com o deputado
Wanderley Pinho, ascendente do barão de Cotegipe. Tendo recebido, de empréstimo, o material, Faria enviou
um telegrama a Pinho, agradecendo-lhe a gentileza. Este telegrama foi enviado em 30 de março de 1925. Era
este seu conteúdo: “Termino leitura sua encantadora carta assim como correspondência Cotegipe Mauá q
recolherei banco até restituição ponto Contribuição opulenta ponto Aumentando perspectivas brilhantes em que
apresento Mauá posso acrescentar intimidade Cotegipe q não imaginava tanta e q é de alto preço ponto Rogo
agradecer senhoras sua mãe e tia apresentando a elas a sua senhora e casal Calmon meus respeitos Alberto de
Faria muito obrigado”. (FARIA, Alberto de. Telegrama agradecendo ao dep. Wanderley Pinho (BA)
correspondências de Mauá com Cotegipe. Esta fonte faz parte da Coleção Wanderley Pinho (notação: DL 1481124) e se encontra nos arquivos do IHGB, no Rio de Janeiro).
271 Ver: LOBO, Hélio. Discurso proferido pelo Sr. Helio Lobo ao receber o Sr. Alberto de Faria. Jornal do
Comércio, Rio de Janeiro, p. 5-6, 16 dez. 1928. Ver também: FARIA, Alberto de. Discurso de posse na
Academia Brasileira de Letras. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, p. 5, 16 dez. 1928.
126
atraindo para o personagem em questão o reconhecimento público que lhe era devido, foi a
motivação que guiou o escritor em sua empreitada cívica. Como podia andar esquecido dos
brasileiros um homem tão extraordinário e que tanto fizera por sua pátria? – indagava-se o
autor, repetindo o mesmo lamento pronunciado cerca de trinta anos atrás pelo conselheiro
Souza Ferreira. “O esquecimento de Mauá era de causar maior espanto, quando, em todos os
ângulos deste país, havia em obras de gozo público, o atestado, palpitante de sua passagem,
em cada patrimônio municipal ou estadual a conta do débito de uma estátua merecida” 272 –
acrescentava o biógrafo, parafraseando Arthur Azevedo. Aproveitando-se da intimidade
conquistada com elementos do Governo federal na década de 1920 273, Alberto de Faria usou
de influência política para encetar sua luta cívica. Sabedor do projeto de construção de uma
nova estação, a ser erigida na Praia Formosa, como ponto de partida das linhas da E. F.
Leopoldina, o empresário solicitou ao Presidente da República, Arthur Bernardes, por
intermédio do ministro da Viação e Obras Públicas, Francisco Sá, que “se ligasse o nome de
Mauá” 274 a esse empreendimento. Em outubro de 1925, Faria recebia a resposta favorável,
em uma carta afetuosa do referido ministro.
Tenho o prazer de comunicar-lhe, que, de acordo com a sugestão de sua carta 1 (sic)
deste mês, que já fora aceita pelo Sr. Presidente da República, expedi as necessárias
ordens e autorizações para que à nova estação inicial da E. F. Leopoldina seja dado o
nome de Barão de Mauá.
Sinto-me feliz de poder assim colaborar, modestamente, na obra de restauração
histórica a que V. Ex. vai consagrar um livro digno da elevada cultura do autor, do
grande nome que imortalizará e do sentimento de justiça e de patriotismo que o
inspira. 275
Pouco mais de um ano depois do recebimento dessa carta, a Estação Barão de
Mauá era inaugurada, com grande pompa e festa. Naquele mesmo mês de outubro de 1925,
272 FARIA, Mauá, p. 13.
273 Durante a década de 1920, tal como indicado na nota que abre este capítulo, a produção jornalística de
Alberto de Faria acusa uma maior aproximação do empresário com a política. Nas movimentadas eleições de
1921, Faria defendeu o candidato da situação, Arthur Bernardes, nas folhas diárias da capital. Suas boas relações
com o poder valeram-lhe prestígio social e alguma influência política, como logo veremos. Na presidência de
Washington Luís, Faria foi designado para ocupar o cargo de embaixador brasileiro em Tóquio, função que não
chegou a exercer.
274 FARIA, Mauá, p. 17.
275 FARIA, Mauá, p. 18-19.
127
entretanto, Faria aproveitou para divulgar a obra iminente e começar, diante da opinião
pública, sua obra cívica de resgate da figura do visconde e de construção de um novo mito no
imaginário político brasileiro. Conferenciando na Liga de Defesa Nacional 276, o embaixador
apresentou ao seleto auditório um resumo da vida de Irineu Evangelista. Sua palestra, bemrecebida pela crítica da época, foi o pontapé inicial para uma fase de grande interesse pela
figura do visconde, que se estenderia até 1929 e que teve como marco inicial a publicação da
biografia em foco neste capítulo da Dissertação.
Tendo como alvo principal o objetivo cívico explicitado no início de sua obra,
pode-se considerar que Faria desdobra seu Mauá em seis grandes partes. No segundo e
terceiro capítulos, o biógrafo delineia a importância histórica do visconde, salientando a
contribuição marcante deste personagem para a concretização da unidade brasileira, por meio
da interligação das diversas regiões do país pela construção e pelo incentivo ao
estabelecimento de vias de comunicação em todo o território nacional. Faria chega a dizer, no
terceiro capítulo do livro, que “o Brasil poderia ser maior, se um surdo afastamento, um
inexplicável antagonismo de caráter, uma prevenção pessoal talvez, não tivesse sempre
276 A Liga da Defesa foi fundada em 7 de setembro de 1916, com a participação decisiva de três nomes: Olavo
Bilac, Pedro Lessa e Miguel Calmon. Naquele momento, sob os impactos da Primeira Guerra Mundial, o
“nacionalismo militante” (como o denomina Oliveira) começava a conquistar espaços no universo político
brasileiro, em detrimento do nacionalismo de tipo ufanista, baseado no sentimento de amor à pátria. Para esta
transição foi decisiva a organização de movimentos nacionalistas com um conteúdo programático mais ou menos
delimitado e com uma postura de luta mais agressiva. Não era outra a intenção da Liga, como atesta a ata de sua
criação, reproduzindo o discurso proferido na ocasião por Olavo Bilac: “O intuito principal dos que nos animam
é este: a fundação de um centro de iniciativa e de encorajamento, de resistência e de conselho, de perseverança
e de continuidade para ação dos dirigentes e para o labor tranqüilo e assegurado dos dirigidos. O patriotismo
individual, a crença pessoal, a consciência própria nunca estiveram ausentes do maior número das almas
brasileiras. Mas, esses sentimentos oscilam e vacilam numa vaga dispersão; e, nessa mesma dispersão
deplorável, perdem-se e dissipam-se os esforços isolados”. A Liga tinha como linhas mestras de atuação o
serviço militar obrigatório e a educação cívico-patriótica, objetivando a defesa nacional interna e externa, em seu
sentido mais amplo. Citando uma vez mais as palavras de Bilac: “A defesa nacional é tudo para a Nação. É o
lar e a Pátria; a organização e a ordem da família e da sociedade; todo o trabalho, a lavoura, a indústria, o
comércio; a moral doméstica e a moral política; todo o mecanismo das Leis e da administração; a economia, a
justiça; a instrução; a escola, a oficina, o quartel; a paz e a guerra; a historia e a política, a poesia e a filosofia;
a ciência e a arte; o passado, o presente e o futuro da nacionalidade. Todo este programa vasto e complexo não
pode ser estudado e esclarecido pela minha palavra incompetente. Fundada a Liga, devemos hoje confiar-vos
esta missão altamente nobre”. (Cf. OLIVEIRA, 1990, p. 145-148 e o site da Liga de Defesa Nacional,
disponível em: . A citações feita acima foram retiradas do site da
LDN).
128
colocado D. Pedro II receoso diante dos impulsos progressistas de Mauá” 277. Na seqüência
do texto, há uma parte em que o escritor se dedica a analisar alguns aspectos da formação
intelectual do jovem Irineu Evangelista de Souza. Esta seção compõe-se de três capítulos e
representa um claro esforço para definir as linhas diretoras (culturais, morais e ideológicas)
que conduziriam o personagem biografado em todas as suas realizações, em apreço na parte
que se segue. A terceira parte dessa sistematização possível da obra é a maior do livro. Do
sétimo até o vigésimo primeiro capítulo, Faria enfoca as iniciativas do visconde, dividindo-as
em cinco áreas: cometimentos industriais, melhoramentos urbanos, vias de comunicação,
sistema financeiro-bancário e, finalmente, atuação político-econômica no Rio da Prata. A
quarta parte, por sua vez, aborda as relações de Mauá com outras personalidades - sobretudo,
políticas - do Império. Esta é uma seção intermediária: formada de seis capítulos, ela prepara
a transição para o desfecho do livro. Na quinta parte, o biógrafo discute a falência das
empresas do visconde, dando ênfase às dificuldades enfrentadas por seus bancos. Em dois
capítulos, o autor apresenta os acontecimentos e analisa as causas principais da bancarrota de
Mauá. Finalmente, na sexta e última seção, também constituída de dois capítulos, Faria
empreende um balanço da vida do biografado, ressaltando-lhe a largueza de visão e o tino
político.278 Na perspectiva do biógrafo e de parte significativa da intelectualidade da época,
aquilo que Mauá fez ou apenas visualizou, não conseguindo consumar, continuaria sendo
inspiração para a geração de 1920. Dessa forma, como já ressaltado, a entrada do visconde no
panteão cívico nacional acabou contribuindo, a seu modo, para a emergência de um novo
277 FARIA, Mauá, p. 46.
278 Observe-se que a estrutura textual da biografia de Alberto de Faria sobre o visconde não difere,
profundamente, da estrutura narrativa da autobiografia produzida pelo próprio Mauá. À exceção do capítulo
inicial e da primeira e última partes, o Mauá de Alberto de Faria mantém a mesma composição temática da
Exposição aos credores. Em suma, ambos os textos partem de uma definição do que seria a essência do
personagem em foco para, em seguida, analisar-lhe os feitos e historiar-lhe a queda. A quarta parte da obra de
Faria, consagrada à análise das relações de Mauá com algumas personalidades do Império, embora não esteja
ausente do temário da Exposição aos credores, acaba constituindo-se em uma certa novidade. De resto, a
narrativa biográfica segue o mesmo eixo da narrativa autobiográfica anterior: caracterização estática da alma e,
posteriormente, caracterização dinâmica da alma do visconde.
129
sistema de valores, em uma década de redefinição da cultura política brasileira, como foram
aqueles anos.
Atentando para os interesses e discussões que a obra de Faria promoveu,
percebemos que a figura de Mauá vinculava-se, estreitamente, a um certo escopo de
aspirações político-educacionais. Como mostram Scwartzman, Bomeny e Costa, os anos 1920
e, sobretudo, os 1930 foram anos em que a educação e a política brasileira se tornaram objeto
de intensos e calorosos debates. Cada vez mais, acreditava-se que estes dois âmbitos da vida
nacional caminhariam juntos, devendo ser pensados como um todo. A construção de uma
nação forte dependeria do estabelecimento de uma liderança (cabeça) consciente dos
problemas nacionais e das soluções para o país, assim como do desenvolvimento de um povo
(corpo) disciplinado e capaz 279 . Como procuraremos mostrar, a receptividade ao herói
apresentado por Faria relacionava-se a um projeto de Brasil voltado para a modernização do
país e fundamentado em uma relação hierárquica entre esses dois setores da sociedade.
Conquanto nosso propósito, nesta parte final do capítulo, seja compreender o Mauá de Faria,
sempre que necessário, iremos nos valer de sua repercussão, atentando para a história da
recepção daquela obra, a fim de compreender os múltiplos significados assumidos por aquela
biografia.
4.2.1 - Um herói do trabalho: um pedagogo pragmático da nação
279 SCHWARTZMAN et alli, 1984. Ver especialmente o capítulo 2: “Políticas e ideologias da educação”.
Adensando a análise a respeito da imbricação existente entre a política e a educação no primeiro período Vargas
(1930-1945), há um trecho que define bem a relação, entre o líder e o povo, pretendida pelas elites políticas da
época: “O novo Estado se caracterizaria por um clima de ordem garantido pela existência de um chefe que se
sente em comunhão de espírito com o povo de que se faz guia e condutor. [...] É essa potencialidade
intransferível que assegura o caráter popular do Estado, uma simbiose perfeita entre as duas identidades do
regime: o povo e o chefe”. (SCHWARTZMAN et alli, 1984, p. 66).
130
O debate educacional no Brasil do início do século XX mobilizou intelectuais dos
mais variados matizes, tendo se estendido por décadas, já que o ensino era considerado uma
questão estratégica para o futuro da nação. Conquistar as consciências, preparar o povo
brasileiro para os novos tempos que se avistavam no horizonte, forjar a coesão nacional, eis os
grandes temas discutidos de forma acalorada naqueles anos, durante os quais a História especialmente, a que dizia respeito à pátria - foi ganhando destaque especial, posto ser uma
das disciplinas-chave, junto com a Geografia, para a formação de uma cultura cívicopatriótica. Pode-se perceber a importância dada à questão educacional, acompanhado as
sucessivas reformas ocorridas no período: Reforma Rivadávia Corrêa (1911), Reforma Rocha
Vaz (1925), Reforma Francisco Campos (1931), Reforma Capanema (1942).
Um período singular e decisivo nesta longa etapa de discussões em torno do
ensino foi a década de 1920. Se o interesse por essa temática remonta ao decênio anterior,
sendo perceptível em movimentos político-sociais 280 que hasteavam a bandeira da educação
no meio de outras reivindicações presentes em seus programas, foi nos anos vinte que a
escolarização ganhou ares de grande questão nacional. Como bem mostra Nagle,
anteriormente, a luta pela instrução se fazia de um modo mais difuso e pontual, dividindo
espaço com outras aspirações e servindo, muitas vezes, a propósitos extra-escolares. Naquele
momento, o assunto se especializou, assumindo os educadores profissionais a preeminência
nas discussões. A educação passa a ser vista por muitos como o nó górdio do Brasil;
solucionado este embaraço, todos os outros problemas se resolveriam mais facilmente,
pensava-se. Nessa perspectiva, a idéia de educação sofreu uma significativa ampliação.
Herdeira da luta contra o analfabetismo, marca da campanha educacional dos anos dez, a luta
280 Exemplos desse tipo de movimento são: a Liga da Defesa Nacional (1916), mencionada em nota
anteriormente, e a Liga Nacionalista de São Paulo, criada em 1917 e tendo a escolarização como parte
importante de seu ideário, haja vista defender a democratização do ensino, sobretudo, o primário, como forma de
resolver o problema político da falta de representatividade do regime republicano brasileiro, então restrito à uma
minoria alfabetizada. A Liga Nacionalista com sua luta pela verdade eleitoral foi precursora do Partido
Democrático, organizado em 1926. (NAGLE, 1974, p. 48-49, 102-4; OLIVEIRA, 1990, p. 147-8).
131
pela educação “integral” torna-se uma obsessão nos anos vinte. Pugna-se, em tal caso, por um
ensino tanto “instrutivo”, quanto “formativo”. Quer-se não somente instruir o aluno,
democratizando os conhecimentos das disciplinas elementares, mas também formar o homem
e o cidadão, erigindo os alicerces morais e cívicos da nação. Considerada o motor principal da
História, a instrução seria o meio para se reformar os indivíduos e, por corolário, reorganizar a
sociedade, colocando-a ao nível dos povos mais adiantados no Concerto das Nações. Naquele
momento, enfim, configurou-se aquilo que Nagle denominou de “entusiasmo pela educação e
otimismo pedagógico”.281
Nas oportunidades em que teve para divulgar seu trabalho, Alberto de Faria
sempre demonstrou interesse pela situação do ensino, muito particularmente, o ensino técnico,
no país, além de explorar o caráter educativo moralizante de sua obra. A conferência que
pronunciou na Liga da Defesa Nacional, em 1925, foi realizada a convite da Associação de
Funcionários do Ensino Profissional. Na ocasião, diante dos sócios da Associação, dos alunos
das escolas profissionais e de membros da Liga de Defesa Nacional, o embaixador sumariou a
vida de Mauá, ressaltando a preocupação do visconde com o ensino técnico, no apoio
conferido, por exemplo, ao Liceu de Artes e Ofícios 282 – “celula mater do que hoje se começa
a fazer oficialmente” por este ramo da formação e educacional. Ainda quando esta instituição
nem tinha dependências próprias, abrigando-se no consistório de uma igreja, ela já era “a
protegida” de Irineu. O interesse do visconde no ensino agrícola também foi mencionado
pelo conferencista. “Não lhe poderia [...] ter escapado o ensino profissional. É admirável
mesmo, como esse problema o ocupou, como lhe sobraram patriotismo, inteligência e tempo,
para pensar nesse aspecto da instrução mais necessária à vida de um povo que nasce”.283
281 NAGLE, 1974, p. 99-101, 109-110.
282 Em reconhecimento aos serviços prestados por Mauá a esta instituição, havia um retrato do visconde de Mauá
no Liceu de Artes e Ofícios. Digno de nota é também o número significativo de centros de formação profissional,
criados a partir desse período, e cujos nomes faziam referência à figura de Irineu Evangelista. Ainda hoje, não
raro encontramos muitos estabelecimentos de preparação técnica com nome Mauá.
283 FARIA, Alberto de. O visconde de Mauá. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, p. 2-3, 23 out. 1925.
132
Entendida como instrumento de aceleração da história em um tempo de avanço do
capitalismo no Brasil, não estranha que os debates sobre a instrução ganhassem contornos
mais pragmáticos, tendo em vista a prosperidade do país. Nesse sentido, o ensino técnicoprofissional apresentava-se como uma demanda estratégica. Fazia-se necessário um modelo
de instrução pública que se prestasse a atualizar a juventude, capacitando tecnicamente as
novas gerações para os desafios da economia industrial que se agigantava no país, e capaz de
mobilizar a nação rumo à conquista da soberania econômica. O raciocínio que se ia
espraiando entre a intelectualidade daquele período era o da associação entre capacidade
produtiva e cultura técnica. Visto serem as nações “práticas” as mais adiantadas na
civilização, acreditava-se que a alavanca magna para dinamizar a economia de um país estaria
na constituição de uma moderna educação profissionalizante. Além de promover a expansão
da riqueza nacional, objetivo bem conforme ao clima nacionalista do momento, este ramo do
ensino defenderia também a mão-de-obra autóctone contra os braços estrangeiros,
estabelecendo assim uma competição mais justa no mercado de trabalho brasileiro.284
Partindo de uma interpretação histórica ancorada na determinação dos fatores
econômicos, Vicente Licínio Cardoso 285 identificava o despreparo da mão-de-obra nacional
como o grande nó a ser desatado no país. “Sendo a história de um povo o registro de sua
ação continuada, segue-se que a verdadeira história do Brasil só pode ser traçada, referindoa, o mais possível, à história de sua organização do trabalho” 286. E, no caso brasileiro, esta
narrativa estaria muito mais próxima da tragédia do que da epopéia. Segundo este autor,
acostumados com mão-de-obra negra farta e segura, os senhores do período escravista não se
284 NAGLE, 1974, p. 115-116.
285 Bacharel em engenharia, Licínio Cardoso atuou muito pouco em seu campo de formação. A princípio,
dedicou-se à arquitetura, sendo que um de seus primeiros trabalhos versava sobre filosofia da arte. Esta obra
garantiu-lhe ingresso na Escola Nacional de Belas Artes. Tendo dificuldades para consolidar-se
profissionalmente, ficou marcado por sua participação no movimento de educadores, a partir da década de 1920.
Teve importante passagem pela Associação Brasileira de Educação, da qual era membro. Em 1927, foi admitido
por concurso na Escola Politécnica. Quatro anos depois, cometeu suicídio, tendo sido sua obra reavaliada por
alguns intelectuais que lhe foram contemporâneos. (LIMA, 1999, p. 47).
286 CARDOSO, À margem da história da República, p. 299. (1ª ed. Rio de Janeiro, Anuário do Brasil, 1924).
133
preocuparam com o problema da instrução pública. Acreditavam que os negreiros
continuariam interminavelmente desembarcando braços africanos nas costas brasileiras. No
Império, apesar da abertura de cursos superiores, o ensino profissionalizante ficara relegado a
segundo plano. Pedro II só garantira a instrução profissional para os cegos e os surdos.
Resultado, com a Abolição feita às pressas, o país viu-se desprovido de trabalho qualificado,
base necessária para a independência e a afirmação da nação 287 , tendo este quadro
permanecido praticamente inalterado durante a República. Eis “o problema magno da
organização nacional do trabalho” 288 – questão que, de há muito, já estava a exigir uma
atitude por parte dos governantes. Comparando a figura de Pedro II com a de Mauá, em um
artigo por ocasião do centenário do nascimento daquele, Licínio Cardoso assim se expressava:
O caso é que, se a mentalidade de Pedro II tivesse o vigor construtivo da cerebração
de Mauá, teríamos constituído na história dos povos um caso de evolução
interessantíssima. Se ao invés de professores de sânscrito e de árabe, se ao invés de
lições sobre línguas indígenas, o imperador mantivesse um contato utilitário com
ingleses, franceses e alemães, que nos pudessem ensinar as novidades técnicas de
seu tempo, então teríamos tido um surto vigoroso de aparelhamento material, base
lógica fundamental para outros surtos de progresso mais elevado (e estáveis) que
haveriam de surgir. 289
A proposta educacional da qual Cardoso foi um dos mais aguerridos defensores,
era partilhada por intelectuais entusiastas da modernização 290. Este grupo tinha como meta o
desenvolvimento do país pela valorização do ensino técnico e pela criação de uma
mentalidade “prática” na rede regular, cujas portas deveriam ser abertas a todas as classes
287 “A independência é o fruto do trabalho sistematizado [...]. Tudo que a humanidade conseguiu estabelecer
politicamente de mais elevado, encontra segurança e fundamento nesse princípio – a independência de vida
assenta sobre a independência econômica, isto é, sobre o próprio trabalho”. (CARDOSO, À margem da história
da República, p. 298).
288 CARDOSO, À margem da história da República, p. 295.
289 CARDOSO, Vicente Licínio. À margem do Segundo Reinado. In: ______. À margem da história do Brasil.
São Paulo, Nacional, 1933. Brasiliana, série 5, v. XIII, p. 157 e 158. (Originalmente, este artigo fora publicado
em: O Estado de São Paulo, São Paulo, 2 e 3 dez. 1925. Note-se que naquela ocasião, comemorava-se o
centenário de nascimento de D. Pedro II. Nada mais distante do encomiástico, tão comum neste tipo de data, do
que o artigo de Cardoso, o qual ao mesmo tempo que desancava o imperador, tecia elogios sem fim a Mauá).
290 Em resposta ao inquérito sobre a educação, promovido por Fernando de Azevedo, o advogado e professor
Francisco Azzi dizia: “Quanto ao ensino primário, o grande problema, o mais urgente, o problema capital é o
da debelação da hidra do analfabetismo. Não há duas opiniões a respeito, hoje em dia. Nada de analfabetos –
clamam todos. Nem analfabetos de letras; nem analfabetos de ofício, como, ainda melhor, não se cansa de
repetir um dos mais legítimos representantes da mentalidade nova do Brasil, Vicente L. Cardoso” (NAGLE,
1974, nota 17, p. 331).
134
indistintamente. Durante a década denominada por Nagle de a época do “otimismo
pedagógico”, houve muita crítica ao bacharelismo reinante na educação brasileira, sendo
conquistados alguns avanços no ramo da formação profissional, com a remodelação das
Escolas de Aprendizes Artífices. Estes centros de qualificação profissional primária foram
criados em 1909, devendo se instalar em cada uma das capitais da Federação, sob
subordinação do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio. Dessas escolas sairiam
operários e contramestres, após um curso de três anos. Seu público-alvo, contudo, limitava-se
“[a]os desfavorecidos da fortuna”, no que se mantinha a tradição imperial do
“profissionalismo técnico feito aleijão” 291. O ensino técnico só perderia parte do caráter
assistencialista com o Regulamento de 1918. Mas foi com a Portaria de 13 de novembro de
1926, que o ensino profissional passou por mudanças significativas, visando-se maior
uniformidade dos currículos, melhor formação profissional e mais respeito à vocação
profissional dos alunos, para o que haveria um curso de adaptação com duração de três anos e
outro, técnico, por um mesmo período, para especialização. Entretanto, como as alterações no
sistema de ensino regular foram muito pouco expressivas no nível primário e secundário,
formou-se um abismo entre a formação profissional nos seus níveis elementares e os demais
ramos do ensino – especialmente o secundário, tradicionalmente, humanístico e aristocrático.
No domínio do ensino superior é que, com o prestígio crescente das faculdades de medicina e
engenharia, a profissionalização e os saberes aplicados foram ganhando espaço. Ainda assim,
estes ramos eram de elite: poucos lá chegavam.292
O empresariado, por sua vez, tinha uma posição ambígua em relação à formação
profissionalizante: ligado estruturalmente aos novos valores urbanos e demandando mão-deobra qualificada, assumia uma postura conservadora em relação ao ensino técnico, preferindo
manter as crianças e os adolescentes nas fábricas, onde, conforme se dizia, encontrariam
291 A expressão “profissionalismo técnico feito aleijão” foi cunhada por Martins de Almeida em seu Brasil
errado. Tivemos contato com esta expressão, em: NAGLE, 1974, p. 164.
292 NAGLE, 1974, p. 163-175.
135
ambiente propício ao desenvolvimento de sua personalidade e teriam meios para melhorar
seus padrões de vida e os de sua família. Enfim, a constituição de uma sociedade de
oportunidades, onde houvesse melhor distribuição da riqueza, não estavam nos planos da
classe. Uma sociedade onde cada um – especialmente, o proletariado - tivesse e soubesse o
seu lugar era o ideal desse segmento, caracterizado pelos princípios da autoridade e da
hierarquia.293
Dois anos depois da conferência, Faria discursou na Associação Brasileira de
Educação, em 1927. A indicação do dia para a solenidade partiu de Levi Carneiro e Fernando
Magalhães, membros-diretores daquele grêmio, e de Fernando de Azevedo, diretor geral da
Instrução Pública do Distrito Federal. Era aniversário da falência de Mauá. Nesta data, o
biógrafo estava incumbido de “falar do grande morto” aos mestres da juventude, tendo como
meta expressa: “fazer da ascensão de Mauá uma lição de trabalho e de patriotismo, [e] de
sua queda uma lição de honra”.294 Aproveitando o ensejo, o escritor ofereceu gratuitamente
alguns exemplares do livro recém-lançado aos educadores do ensino primário da capital.
Comentando o evento, Levi Carneiro escreveu no Jornal do Comércio:
Nunca terá nossa Associação realizado melhor que na singela solenidade de agora, a
obra educativa sobre que porfia. Porque a beleza mesma desse livro; a grandeza da
vida e da época que ele narra; a magnificência do doador; o apelo ao professorado
para a divulgação dessa obra e dessa vida – tudo o que motiva a presente reunião lhe
dá significado peculiar e a torna promissora de benefícios dilatados, pelas forças
morais que desperta e põe em ação. 295
Se foi apenas a partir de 1930, especialmente com o Estado Novo, que uma
política cultural voltada para a educação dos jovens, por meio da valorização da história pátria
e dos grandes vultos (sobretudo, políticos) do passado brasileiro, foi colocada em prática, já
havia exemplos de biografias moralizantes durante a Primeira República. Aliás, os anos 1920
foram fecundos em balanços da trajetória histórica do país, tendo a efeméride do Centenário
293 DEAN, 1991, p. 182-192; NAGLE, 1974, p. 173.
294 FARIA, Alberto de. Mauá. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 3 jul. 1927.
295 CARNEIRO, Levi. Mauá e seu tempo. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 26 jun. 1927, p. 2.
136
da Independência funcionado como estímulo a esse tipo de análise. Naquele momento, década
de releitura da história pátria, o panteão nacional foi renovado; enquanto novos heróis
surgiam, outros caíam no esquecimento ou eram re-significados. Foi então que personalidades
do período imperial se tornaram mais presentes. E entre aquelas que foram imortalizadas,
estava o próprio visconde, cuja vida Alberto de Faria ofereceu como exemplo à juventude. 296
Mauá tem como epígrafe uma dedicatória à juventude brasileira: a obra foi
oferecida “aos moços do país, para que se eduquem na admiração de um grande homem,
virtuoso na fortuna, heróico na adversidade” 297. A dimensão pedagógica dessa biografia
perpassa toda a história de sua recepção. Já em seu discurso de 1927, Faria manifestava seu
interesse em que aquela solenidade fosse “o marco inicial do culto cívico de Mauá nas
escolas do país” 298. Comungando da mesma idéia, outros intelectuais faziam votos de que
uma edição simplificada da biografia recém-publicada fosse logo produzida 299 , sendo
entregue à leitura dos jovens nas escolas como uma espécie de “catecismo de educação
cívica”.300 Nos termos de uma das filhas do conde Afonso Celso, Maria Eugênia Celso:
Cumpre ensinar aos moços essa belíssima lição de moral: é preciso difundir
exemplos que aclarem a jornada, o caminho a seguir para, sem curvaturas da
296 GOMES, 1996, p. 180-186; OLIVEIRA, 1990, p. 175; RICCI, 2000, p. 152-154.
297 Segundo o historiador e romancista Affonso d’Escragnolle Taunay, o dístico utilizado por Faria para
sintetizar a vida de Mauá e encabeçar sua obra seria uma modalidade do verso latino procellosa in vita mens
serena: um ânimo calmo em meio a uma vida tempestuosa. (TAUNAY, Affonso de E. Mauá. Correio
Paulistano, São Paulo, 11 jul. 1927, p. 3).
298 FARIA, Alberto de. Mauá. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 3 jul. 1927.
299 Conforme Alberto de Faria, a idéia de uma versão na linguagem e formato dos jovens leitores foi proposta por
Azevedo Amaral e Plínio Barreto. Afrânio Peixoto ofereceu-se para executar o trabalho. (FARIA, Alberto de.
Mauá. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 3 jul. 1927). Ao que parece, a iniciativa não vingou de imediato.
Apenas em meados da década de 1950, foi que surgiu o “livrinho” esperado. Alfredo Gomes, com seu Visconde
de Mauá: de caixeiro a visconde, verteu a vida de Irineu Evangelista para a linguagem de “[s]eus jovens
compatriotas”, no intuito de oferecer-lhes um exemplo de virtude civil e moralidade pessoal. Em suas palavras:
“Mauá é homem de tal valor que pode servir realmente de modelo para as gerações futuras dos nossos dias,
mais preocupadas com o êxito do que com o mérito”. (GOMES, Visconde de Mauá, p. 9; 11-13. As citações
feitas acima encontram-se, respectivamente, nas p. 9 e 13). Cumpre ainda destacar duas coisas: 1) a partir da
obra de Faria, a figura de Mauá ganhou destaque nos livros didáticos nacionais, não raro havendo referências e
citações daquele livro e de outros textos referentes ao visconde; 2) no Programa de História do Brasil de 1943
para a quarta série do curso ginasial, há toda uma nova unidade sobre “O progresso nacional no Império” e, no
Programa de História do Brasil de 1945 para a terceira série do curso colegial, há referência explícita ao nome de
Mauá na unidade “Evolução econômica do Império”. (Os programas de História pra o ensino secundário
brasileiro, entre 1931 e 1956, podem ser consultados em: HOLLANDA, 1957, p. 273-292, Apêndice II).
300 FARIA, Alberto de. Mauá. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 3 jul. 1927.
137
espinha dorsal e sem fraquezas, chegarem como Mauá chegou à fortuna, à
benemerência, à imortalidade. 301
No que concerne a esses modelos a serem transmitidos à juventude, a vida de
Irineu Evangelista tal como apresentada por Alberto de Faria oferecia à intelectualidade, ciosa
da formação das novas gerações, um “rosário de virtudes”: nobreza e dignidade, honestidade
e desprendimento, energia e bravura, civismo e diligência. Todas essas qualidades foram
ressaltadas pelo embaixador nas ocasiões que teve para divulgar sua obra, mas é no livro que
elas se insinuam de modo mais incisivo. Percorrendo as páginas desta biografia, o leitor
recorrentemente se deparará com máximas, frases e outros testemunhos de Mauá, indicando
cada um desses predicados 302. A voz de contemporâneos do visconde também é convidada a
render seu preito e conceder sua autoridade a esse herói - aliás, é com uma carta de Francisco
Otaviano endereçada ao amigo no dia de sua reabilitação financeira, em 1884, que se abre a
biografia. Otaviano, presente naquela audiência, assim se exprimia:
Quantas idéias tristes e alegres me assaltaram ali!
Aquele formoso passado de energia viril, de dedicação patriótica, de probidade, de
ilustração, de desenvolvimento dos recursos naturais do Brasil, aquele passado de
preponderância nobre no Rio da Prata e de fundação da grandeza da Amazônia,
aquele passado de luta contra os preconceitos até dos maiores Estadistas, luta que
nos deu as estradas de ferro, hoje salvação do Brasil; e... o presente, isto é, a
inteligência e o coração que presidiram aqueles feitos, mártires da inveja, do
egoísmo e das ingratidões!
[...]
Deus lhe dê agora a resignação para só se lembrar do bem que fez, sem se importar
com os males que sofreu! 303
Assim, desde as primeiras páginas de Mauá, o mito do herói ia-se construindo.
Uma de suas facetas mais importantes e reiteradamente perceptíveis na memória que se vai
forjando em torno do personagem era a associação do visconde com o ideal do self-made-man
norte-americano, bem como, com outros valores do ambiente urbano-industrial. Já em 1921,
Tobias Monteiro, em artigo de divulgação de seu livro Funcionários e doutores, apresentava
301 FARIA, Alberto de. Mauá. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 3 jul. 1927.
302 Vale a pena conferir o capítulo “Sua formação moral”, em: FARIA, Mauá, p. 84-99. Nele, o leitor encontrará
uma série de ditos de Mauá, arrolados no intuito de explicitar-lhe a disposição interior do biografado, seja como
um credor compassivo, seja como um devedor responsável, seja como um empreendedor patriótico, seja como
um falido honrado.
303 FARIA, Mauá, p. 9.
138
Irineu como um exemplo de brasileiro ativo e independente a ser seguido, recomendando aos
jovens que olhassem para a estátua do visconde levantada pelo Clube de Engenharia e se
lembrassem de “que do balcão de caixeiro se pode subir àquela altura”. A obra de Monteiro,
dirigida às “classes independentes do Tesouro”, era uma crítica ao condenado hábito dos
brasileiros de se apoiarem no Estado, negligenciando o trabalho operoso e produtivo, enfim, a
ausência de espírito empreendedor. Havia ali também uma crítica aberta ao bacharelismo e ao
controle da administração pública por diletantes cegos ao interesse coletivo e que viveriam a
dilapidar o erário público em “despesas inúteis”. Bem objetivo, o escritor oferecia aos
leitores a receita para a cura que afligia a nacionalidade, acompanhando de perto o modelo
diagnóstico e prescrição do pensamento político da época.
Não haverá transformação possível do caráter nacional se a nação continuar a ser
uma nação de doutores e empregados públicos. Dentre uns e outros sairão sempre os
seus diretores, que a conduzirão pelo mesmo caminho de imprevidência, de
fatalismo, de resignação, que a tornou uma nação de dependentes ao lado das
colônias estrangeiras, prósperas e dominadoras. Ela é a pobre e a necessitada dentro
de sua própria casa, onde deixa que outros trabalhem e produzam, mas em grande
parte não quer trabalhar nem produzir. Ela não crê nos que dentre si mesma ousam
tomar iniciativas úteis ao país, se eles não têm um apelido estrangeiro, ou não vêm
associados a um nome estrangeiro. 304
A imagem, então em constituição, do visconde de Mauá também se acomodava a
outros valores do ambiente urbano-industrial 305. Dentre os três artigos que Affonso Taunay
publicou, recomendando a obra de Faria, ressaltaremos o segundo. Nele, o exímio escritor,
com seu estilo envolvente, evoca memórias de sua infância e lembranças de sua vida familiar
para rematar uma avaliação da heráldica imperial. A princípio, o artigo se detém na análise do
brasão do visconde de Mauá, destacando-o de todas as armas do nobiliário de seu tempo.
“Aquilo é que era um escudo!”. Nada de leões, águias ou outros animais imponentes, apenas
“aquela velha locomotiva, aquele barco a vapor, emoldurados por quatro ou seis
304 MONTEIRO, Tobias. Um exemplo à mocidade: o visconde de Mauá. Fon-Fon, Rio de Janeiro, 12 fev. 1921.
305 Eliana Dutra mostra como a valorização do trabalho foi um discurso importante no cenário político-social
brasileiro da década de 1930, para a consolidação da ordem burguesa no país. Em torno deste discurso, havia um
projeto de “ordenação do mundo do trabalho” de natureza totalitária. Ver o capítulo “A virtude do esforço”, em:
DUTRA, 1997, p. 295-335.
139
combustores de gás de iluminação”. E a divisa? “Como divisa ajuntava-lhes o latim modesto
do Labor improbus, bem estafado, valha a verdade, e cujo defeito é andar em quanta
crestomatia há por aí”. Podia ser coisa mais original, reclamava o autor, mas não deixava de
ser um lema perfeito para enquadrar a vida do grande homem, remarcava. E, neste ponto, o
discurso se encaminha para a parte reservada às recordações. Taunay se relembra dos tios
Augusto Carlos e Antônio Carlos da Silva Telles, homens que teriam deixado impressões
vivas do visconde em sua memória. O último fora funcionário do Banco Mauá. Ao narrarem o
triste final de sua carreira, diziam eles, indignados: “Quem não devia São Paulo a Mauá?”.
Quando foi erguida a estátua em homenagem ao visconde no antigo Largo da Prainha, um
deles teria prometido: “A primeira vez que eu for ao Rio hei de propositalmente passar em
frente à estátua para lhe tirar o chapéu com todo o respeito”. 306
Foi, pois, com manifestações como essas e muitas outras neste mesmo tom que a
biografia em foco veio a lume. O entusiasmo era geral e é o próprio Alberto de Faria, sempre
cioso da recepção de sua obra, quem nos ajuda a refazer “o rastilho desse entusiasmo pelo
homem de talento, de trabalho e de virtude”. De norte a sul, irromperam demonstrações
públicas de apreço à “causa” cívica liderada por Faria. Em Pernambuco, o governador
Estácio Coimbra acabava de dar a uma estação ferroviária recém-inaugurada o nome de
Mauá; seguindo o exemplo, a Câmara Municipal do Recife aprovara projeto para re-nomear,
em homenagem ao visconde, a avenida marginal ao porto. No Estado do Rio, o presidente
Feliciano Sodré acabava de soltar um decreto batizando de “Mauá” um grupo escolar. Em
Petrópolis, durante cerimonial ao qual o próprio presidente da República compareceu, uma
placa comemorativa foi aposta na antiga residência de verão do visconde. Poucos anos antes,
uma ponte, fronteira ao solar, fora inaugurada pelo diretor de Obras da cidade, em tributo ao
306 TAUNAY, Affonso de E. Mauá. Correio Paulistano, São Paulo, 11 jul. 1927, p. 3.
140
industrial 307 . No Rio Grande do Sul, sob influência do Instituto Histórico estadual, foi
levantada com as ruínas da casa de nascimento de Irineu uma coluna votiva. Igualmente, de
outras unidades da federação, lideranças políticas e a camada intelectual se posicionavam próMauá. Representante de Minas na Câmara dos Deputados, Fidelis Reis subiu à tribuna para
sugerir moção de apoio, aprovada, à novel biografia, recomendando-a como “uma obra de
verdade e de justiça”. Em São Paulo, a Estação de Pilar ganhou nova alcunha em 1926,
passando a se chamar Estação Mauá. Não contentes com a cortesia, um grupo de engenheiros
paulistas, reunidos no Instituto da classe do Estado, se dispunha a pugnar para que a Estação
da Luz, “cuja denominação em si nada exprime”, viesse a se chamar Estação Mauá 308.
Finalmente, e encerrando este longo trecho descritivo, a ligação por terra entre o Brasil e o
Uruguai ganhou significativo reforço com a construção, sobre o rio Jaguarão, da Ponte
Internacional Barão de Mauá, edificação de grande porte, responsável pela integração férrea
desses dois países e pelo incremento de seus intercâmbios comerciais. Iniciadas as obras em
1927, estas só foram concluídas três anos depois, quando uma visita de cinco dias do
Presidente uruguaio, Gabriel Terra, ao Brasil marcou os festejos e selou todo um esforço da
diplomacia brasileira em favor da aproximação com os vizinhos orientais 309. Conquanto,
dessa corrente, não participassem as “várias camadas sociais”, como se gabava o biógrafo, é
preciso mencionar que era grande a aceitação da figura do visconde, especialmente entre as
elites políticas e intelectuais. 310
O significado cívico do empreendimento biográfico levado a cabo pelo
embaixador foi discutido e apoiado por Azevedo Amaral, a cuja obra dar-se-á destaque no
307 SODRÉ, Alcindo. A homenagem de Petrópolis aos grandes feitos do visconde de Mauá. O País, Rio de
Janeiro, 23 mar. 1928, p. 2.
308 PEREIRA, Armando de Arruda. O visconde de Mauá. O Estado de São Paulo, São Paulo, 14 fev. 1929, p. 4.
309 JORNAL DO COMÉRCIO. Uruguai-Brasil - mais um ato de cordialidade internacional americana. Jornal do
Comércio, Rio de Janeiro, 18 ago. 1934, p. 5 e 6; BRASIL. Ver também o site do Ministério dos Transportes,
disponível em: .
310 As citações e demais informações foram extraídas de: FARIA, Alberto de. Mauá. Jornal do Comércio, Rio de
Janeiro, 3 jul. 1927.
141
capítulo seguinte. Grande entusiasta da modernização do país, dizia ele¸ a propósito da
conferência de Faria em 1925:
A profunda ignorância e o descaso da geração atual pelo passado do Brasil decorrem
principalmente do caráter impessoal da obra até hoje realizada pelos nossos escassos
historiadores. Descrevem-se os acontecimentos, comentam-se os atos dos seus
protagonistas, por vezes mesmo tentam-se interpretações sociológicas do
determinismo dos episódios narrados. Mas não aparece nunca uma figura real, uma
personalidade concreta que se possa tornar o centro de atração das hostilidades ou da
veneração cultural das gerações vindouras ou cujo dinamismo seja capaz de servir
de estímulo cívico.
[...]
Insistindo na sua conferência para que os moços se preocupassem em prestar a Mauá
o culto a que ele tem direito, o biógrafo de Irineu Evangelista de Souza inaugurou a
forma eficiente de uma cultura cívica racional que virá satisfazer a necessidade que
todos hoje sentem de estabelecer uma disciplina moral e de apresentar às novas
gerações um ideal capaz de transformar no ouro de lei de um verdadeiro patriotismo,
os espúrios valores cívicos que por aí vão circulando. 311
Direta ou indiretamente influenciado pelas seis famosas conferências proferidas
por Thomas Carlyle, em maio de 1840, Amaral ressalta a importância dos heróis para história,
particularmente para a pedagogia da nacionalidade. Carlyle foi um idealista: leitor da filosofia
alemã, ele acreditava na existência de uma Idéia Divina a comandar o universo visível. Em
suas palestras, o que o historiador inglês esforçou-se por defender é o papel dos Grandes
Homens, não tanto como super-homens que tudo podem e tudo realizam, mas antes como
personagens históricos que se distinguem por terem seus nomes ligados a uma causa
transcendente. Sua grandeza é fruto de sua capacidade de apresentar-se como “ideal
realizado” e não tanto de sua capacidade para efetivar seus ideais. O herói pode até fracassar,
desde que lhe reste energia suficiente para manter vivo o espírito de suas obras entre as
gerações futuras; desde que os seus pósteros vejam nele a encarnação de um ideal meritório e
digno de dar prosseguimento. É, portanto, como fundador de uma idéia, como representante
de um novo valor ou, enfim, como profeta de um novo tempo, que Carlyle reconhece o valor
dos heróis no devir. A História Universal nada mais é do que a Biografia dos Grandes
Homens, porque é neles que os homens comuns reconheceriam o seu destino: o Grande
311 AMARAL, Azevedo. Em torno de uma conferência. O Jornal, Rio de Janeiro, p. 1-2, 27 out. 1925.
142
Homem carrega consigo um discurso nacional; ele é uma voz articulada que fala pela nação.
E é da aderência inconsciente e instintiva das massas ao ideal do herói que um povo
encontraria forças para avançar e concretizar historicamente suas aspirações – nada mais do
que os sonhos sonhados, a princípio, por seus Grandes Homens. 312
Tão interessante quanto a crítica que Azevedo Amaral faz do modo descarnado
como se estava escrevendo a história é a relação por ele estabelecida entre o biógrafo e o
biografado. Ao atribuir a ambos uma “mentalidade aristocrática”, compreende-se o que o
autor entendia por herói e o que ele esperava de um escritor interessado em retraçar a vida de
um personagem histórico dessa natureza. Para ele, o que define um grande homem, não
importa em que esfera de atuação, é a sua capacidade de desenvolver uma “concepção altiva
da vida”, procurando crescer por seus próprios méritos e, sobretudo, usar suas qualidades
superiores para benefício público. Amaral considera que tanto o embaixador, quanto o
visconde possuíam essa “semelhança moral”. Como grande homem de negócios, Mauá soube
traduzir suas riquezas em proveito para o país; como grande literato, Faria encontrou o modo
apropriado para apreender, da vida de seu biografado, aquilo que, realmente, ela teria de útil
para a nação.
Dessa identidade moral, dessa conformidade de ponto de vista na apreciação dos
deveres da riqueza, das obrigações do homem público resultou a felicidade com que
o sr. Alberto de Faria conseguiu reproduzir, não em uma fria reedição fotográfica
mas com o colorido quente e com a sutil interpretação psicológica dos traços
fisionômicos do retrato de um mestre a figura verdadeiramente gigantesca do grande
transformador do Brasil de hoje, em que temos o dever de prosperar e nos
engrandecer. 313
Comentando a biografia do embaixador sobre Mauá, outros autores partilhavam
dessa mesma opinião, a respeito de suas virtudes educativas. Era isso que Levi Carneiro
pontuava ao dizer que “o sr. Alberto de Faria soube aplicar, antes que o emitisse um crítico
americano, o conceito de que os historiadores não devem escrever mais história para
312 O texto das seis famosas conferências de Thomas Carlyle pode ser encontrado em: CARLYLE, s./d.
313 AMARAL, Azevedo. Em torno de uma conferência. O Jornal, Rio de Janeiro, p. 1-2, 27 out. 1925.
143
historiadores; devem escrevê-la para toda a gente” 314. E, no mesmo artigo, justificava-se
argumentando que a obra fora escrita com a razão e o sentimento. Enfim, tencionando
inicialmente apenas produzir um guia documental para divulgar a obra do visconde e servir de
apoio aos interessados na vida de Irineu Evangelista, seu biógrafo acabou indo muito além.
Produziu uma obra que abriu polêmica e agitou a opinião pública da época.
4.2.2 - Um herói da Indústria com um discurso da conciliação social
Junto a seu valor pedagógico, perceptível da divulgação à recepção desta
biografia, também é importante atentar para seu significado político, o qual será abordado sob
dois aspectos: 1) como uma reivindicação generalizada por uma nova política econômica, de
cunho industrializante; 2) como um posicionamento político no âmbito da movimentada
questão trabalhista. Como demonstram trabalhos, como os de Sônia Regina de Mendonça e
Marisa Leme, o aparato estatal não esteve exclusivamente nas mãos da oligarquia cafeeira
naquele período. Havia outros interesses agrários e urbano-industriais não-hegemônicos, em
constante disputa por maior representatividade política 315. Como decorrência dessas disputas,
não por acaso, a máquina administrativa passou, então, por significativa ampliação e
especialização. Como se vê, portanto, a tendência para o fortalecimento do poder estatal lança
suas raízes em plena República Velha 316. Progressivamente, o Estado ia se afirmando como
314 CARNEIRO, Levi. Mauá e seu tempo. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 26 jun. 1927, 2.
315 Sobre a luta por expressão política dos setores agrários não-vinculados à monocultura agroexportadora
durante a Primeira República, ver: MENDONÇA, 1997. Para uma abordagem da atuação da burguesia industrial
em um cenário de expansão do setor secundário no país, porém, em um momento em que a hegemonia
econômica ainda estava nas mãos dos grandes agroexportadores, cf. LEME, 1978.
316 A designação República Velha foi forjada no bojo da Revolução de 30, tendo em vista estabelecer um marco
simbólico entre dois tipos, por suposto, completamente diferentes de organização e administração estatal. Como
se vê, apesar das rupturas e da acentuação no ritmo de algumas transformações político-institucionais, o corte
não foi total.
144
um ator privilegiado naquela sociedade, na medida em que absorvia um número crescente de
reivindicações e interesses corporativos e na proporção em que era visto e se impunha como o
principal regulador do funcionamento social, em suas mais diversas esferas. É como se apenas
o poder público fosse capaz de executar “soluções globais”; em decorrência disso, os vários
setores sociais para ele se voltavam.317
Malgrado a preeminência assumida pelo Estado no cenário sócio-econômico das
décadas de vinte e, sobretudo, de trinta do século passado, importa não perder de vista as
pressões exercidas por grupos sociais mais ou menos organizados, bem como a lenta
constituição de uma nova racionalidade política, tendo na industrialização seu grande eixo, a
partir da discussão coletiva de temáticas centrais àquele contexto histórico. Por isso, o
objetivo da parte final deste capítulo será analisar, focalizando o Mauá de Alberto de Faria, de
que modo começava a se consolidar, ainda na década de 1920, um novo paradigma político.
Paradigma este que alteraria os contornos do pensamento social brasileiro e que logo viria a
ser decisivo na concepção de políticas públicas, conquanto não plenamente industrialistas,
pelo menos, sempre atentas aos interesses do jovem setor secundário – cujo peso na economia
aumentara, sensivelmente, desde o primeiro conflito mundial.
Durante a Primeira Grande Guerra, a indústria brasileira viu-se na necessidade de
suprir o mercado interno, na falta de gêneros antes importados. A prática da substituição de
importações não se iniciou em 1914, contudo, aquela data marca um ponto de inflexão no
sistema capitalista, a partir do qual, o que até então se fazia de um modo precário e meio
espontâneo se afirmou como um novo modelo de desenvolvimento para o setor industrial do
país. Até a década de 1870, a economia internacional tinha sido dominada quase que
exclusivamente pela Inglaterra, ocupando a França apenas uma posição secundária. Daí em
diante, novas potências emergiram, com destaque especial para os Estados Unidos, a
317 GOMES, 1996, p. 91-93.
145
Alemanha e o Japão. Antes da eclosão do conflito mundial, a rivalidade entre as nações
industrializadas por mercados coloniais e áreas de influência era a tendência econômica
predominante. Neste ínterim, aliás, por todo o século XIX, a economia brasileira esteve sob
domínio britânico. Com o início da guerra, no entanto, houve um refluxo da expansão
capitalista e as economias mais industrializadas precisaram de tempo para se recompor.
Resultado: os investimentos de capitais em países periféricos, como o Brasil, recuaram e o
comércio internacional ficou seriamente abalado, ocasionando uma forte retração nas
importações e uma acentuada queda nas cotações dos produtos brasileiros, sobretudo, o
principal deles, base da economia do país na época, o café.318
Os impactos da crise e do novo momento logo foram sentidos pela indústria
brasileira, em dificuldades para prosseguir na expansão da produção, já de algum vulto na
economia do país, e reinvestir no parque industrial, em grande parte, instalado nos primeiros
quinze anos do século XX. A expansão do setor secundário brasileiro durante o primeiro
conflito mundial parece ter decorrido muito mais da intensificação do uso do maquinário, do
que da ampliação e modernização do mesmo. Se houve crescimento da demanda interna por
produtos industrializados e semi-industrializados, e é certo que houve juntamente com a
abertura de novos mercados para a produção fabril na América do Sul, coexistiu o desafio de
atender a essa disposição crescente de consumo em um período de redução acentuada nas
importações de bens de capital e insumos industriais. Sendo assim, pode-se dizer que o êxito
então obtido pela indústria se deu graças ao aparelhamento do setor, realizado no início do
século, particularmente nos cinco anos que antecederam o embate.319
O fim do conflito mundial trouxe consigo uma euforia nos mercados, com o
ressurgimento passageiro do comércio mundial. Não obstante, os anos vinte verificaram um
318 GRAHAM, 1973, p 309-311, 329-331; HOBSBAWM, 1977, p. 97-99; SINGER, 1977, p. 347-349.
319 DEAN, 1991, p. 93-114.
146
ritmo de crescimento industrial mais lento, se comparado ao do período da guerra 320. Ia, pois,
ganhando força em elementos da burocracia civil e militar, entre as elites políticas, dentro da
intelectualidade e no próprio meio empresarial, um anseio por uma nova política econômica
capaz, não somente de alavancar a indústria, como de retirar a economia brasileira do eixo
gravitacional, periodicamente periclitante, do sistema agro-exportador, então, representado
pela monocultura do café. Na virada da década, a industrialização começava a se definir como
solução para o Brasil. E o mais significativo, é que a via industrializante não se ia
amadurecendo circunscrita ao interior da classe industrial; era toda uma ideologia favorável à
indústria que, aos poucos, ia se disseminando entre os principais setores sociais da época, em
termos de poder de decisão político 321.
Acompanhando e participando dessa transformação nos marcos políticoinstitucionais brasileiros, o empresariado industrial passa a atinar para as vantagens de melhor
se organizar para delimitar, defender e difundir seus interesses. Foi por essa época que o
Centro Industrial Brasileiro, criado a partir da reorganização da antiga Sociedade Auxiliadora
Indústria Nacional322, tornou-se um referencial nacional para os manufatores. Existente desde
1904, apenas com as administrações de Jorge Street (1919-1926) e Oliveira Passos (19261931), a instituição conquistou maior destaque na vida nacional e consolidou sua atuação e
representatividade de classe, muito especialmente depois que ficaram definidas as reuniões
quinzenais da diretoria; nestes encontros, os assuntos de interesse da indústria começaram a
320 DEAN, 1991, p. 115-117.
321 Em brilhante síntese sobre o pensamento econômico brasileiro, Ricardo Bielschowsky aborda o “ciclo
ideológico do desenvolvimentismo”, entre 1930 e 1964. No livro, o período compreendido entre 1930 e 1945
aparece como o das “origens do desenvolvimentismo”. É, então, que se começava a vislumbrar a necessidade e a
possibilidade de implantar no país um setor industrial integrado, capaz de preencher todos os ramos da cadeia
produtiva, através da coordenação, do planejamento e da cooperação econômica estatal, tendo em vista o uso
nacional dos recursos naturais do país, assim como a defesa contra o imperialismo estrangeiro, através da
maximização da exploração das riquezas do Brasil. Acrescente-se ainda que foi naqueles anos que se configurou
uma aliança entre os setores militares e os quadros técnicos que se mostrou fundamental para o desenvolvimento
de uma política econômica nacionalista e estatizante, amplamente favorável aos interesses do setor secundário do
país. (BIELSCHOWSKY, 2000, p. 249-252).
322 O Centro Industrial do Brasil nasceu da fusão da Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional com o Centro
Industrial de Fiação e Tecelagem do Rio de Janeiro. Em 1919, em meio a uma série de desentendimentos
político-administrativos, os empresários ligados à fiação e tecelagem romperam com o Centro e constituíram
uma associação independente. (LEME, 1978, p. 11-12; LUZ, 1975, p. 142).
147
receber tratamento mais freqüente, amadurecendo-se aos poucos a percepção do “lugar” do
setor na economia brasileira.323
O CIB encabeçou a defesa da indústria, diante da opinião pública e do governo,
contra os ataques sofridos pelo setor, na segunda e terceira décadas do século XX.
Responsabilizada pela carestia de vida nas cidades, cujo auge se deu em 1924, atingindo, em
cheio, o poder de compra das populações urbanas, a indústria quase se tornou o bode
expiatório durante a crise. As acusações circulavam de mão em mão nas folhas dos principais
jornais do país e nas ruas, através dos protestos e das manifestações dos operários. Censuravase o setor secundário pela proteção alfandegária que lhe era dispensada e pelos altos lucros
obtidos pelo empresariado, em geral. Em resposta, os representantes da indústria se
esforçavam para provar a falsidade das denúncias, seja demonstrando o pequeno impacto dos
produtos manufaturados no custo de vida do cidadão urbano e criticando os comerciantes pela
manipulação dos preços dos produtos importados, seja acusando o governo de favorecimento
do capital estrangeiro e alardeando a importância da iniciativa empreendedora para a saúde
financeira do país, conjugada aos riscos para a fortuna particular do industrial.324
Nessa mesma década de 1920, o empresariado fabril começou a definir sua
identidade de classe e a especificar suas propostas políticas, em embates com os outros setores
da economia. Consciente da dependência do país em relação à lavoura, a burguesia industrial
adotava um tom mais conciliador ao enfrentar este grupo. Em uma economia cujo esteio
principal encontrava-se nas relações de troca mantidas com o exterior por meio da exportação
de gêneros agrícolas e matérias-primas, a ruína do ramo primário significaria inevitavelmente
o colapso da indústria. Nessas circunstâncias, os produtores fabris tendiam a ver a agricultura
como um ramo complementar. As reclamações mais incisivas dos manufatores visavam,
principalmente, os importadores. De acordo com os primeiros, a produção da indústria
323 LEME, 1978, p. 13-14.
324 LUZ, 1975, p. 141-161.
148
nacional demandava taxas cambiais estimulantes e tarifas alfandegárias protetoras – posição
diametralmente contrária aos interesses dos segundos. Abrigados em uma mesma sociedade, a
Associação Comercial de São Paulo, fundada em 1894, os interesses do empresariado fabril e
mercantil foram se tornando irreconciliáveis, na medida em que a indústria se fortalecia no
Estado. Divergências quanto à questão tributária foram o pomo de discórdia. Em 1928,
durante a disputa para eleição da nova diretoria da entidade, industriais e importadores não se
entenderam; como resultado do cisma, surgiu o Centro dos Industriais do Estado de São
Paulo.325
O CIB, no Rio de Janeiro, e a FIESP, em São Paulo, eram então as principais
associações industriais. Nas outras unidades da Federação, as entidades de classe estavam
geralmente restritas a um único ramo fabril e, quando muito, sua jurisdição abarcava toda uma
única seção da cadeia industrial do Estado. Não obstante essas limitações, a defesa dos
interesses do setor deixava de ser empreendida por grandes nomes, sendo assumida por
associações que representavam a classe diante da sociedade e do governo. Em síntese, pode-se
dizer que, naquele momento, o setor fabril se empenhava em demonstrar sua importância e
viabilidade na economia do país, buscando em contrapartida a devida proteção
governamental, ao mesmo tempo em que resguardava seus interesses contra as investidas dos
dois outros ramos da economia, intentando se fortalecer, muito embora ainda ocupando uma
posição secundária no cenário político-econômico nacional. Era uma postura basicamente
defensiva, na maioria das vezes circunscrita a questões locais ou setoriais. A união da classe
só ocorria em momentos decisivos, sob forte pressão dos acontecimentos e em um ambiente
marcado por acentuada polarização dos interesses sociais. Não havia ainda um programa para
a economia nacional, tendo na indústria o seu esteio.326
325 DEAN, 1991, p. 140-152.
326 LEME, 1978, p. 9-11, 161-168.
149
Ao vir à luz, é, portanto, este o cenário encontrado por Mauá de Alberto de Faria.
De um lado, a economia capitalista mundial passava por um período de significativas
transformações, em cujo bojo países, como o Brasil, tiveram a oportunidade de adensar a
industrialização de suas economias, consolidando seu setor de bens de consumo não-duráveis;
do outro, a dinâmica das forças políticas internas iniciava uma fase de redefinições, com a
emergência de novos setores sociais, como a burguesia industrial e o operariado urbano (do
qual ainda trataremos). Emergindo neste contexto, acreditamos que a biografia sobre Mauá de
autoria de Alberto de Faria teria dado sua parcela de contribuição aos debates políticoeconômicos que ocorriam naquele momento, ainda que de uma maneira indireta e transversal,
dado que estamos tratando de uma obra biográfica e não de uma obra de teoria política strictu
senso.
Dentre as muitas iniciativas nas quais Mauá se envolveu, o empreendimento fabril
da Ponta de Areia é, sem dúvida, dos mais lembrados. Segundo o próprio visconde, este
estabelecimento foi o resultado de um sonho que ele nutriu durante sua viagem à Inglaterra,
em 1940. Na ocasião, Irineu Evangelista de Souza visitara uma fundição em Bristol, tendo se
convencido da importância da indústria do ferro, “mãe de todas as outras” 327, para o país.
Ao se referir ao acontecido, Alberto de Faria considera-o (não sem algum exagero) como o
marco inicial do progresso material do Brasil. Ora, tendo falido esta fábrica anos mais tarde
por falta de pedidos do governo e pela alteração das tarifas alfandegárias em 1860, foram
estes os motivos principais alegados por Mauá e repetidos por seu biógrafo 328, o episódio é
narrado pelo embaixador e será visto por muitos como uma lição a ser incorporada pelo
Estado brasileiro. É a imagem “evidente” da falta de sentido econômico do Estado imperial.
Exatamente o oposto do espírito progressista que conduziria o visconde em todos os seus
327 FARIA, Mauá, p. 104. Note-se que a citação de Faria é uma paráfrase da expressão usada por Mauá em sua
autobiografia ao se referir à indústria do ferro.
328 MAUÁ, Autobiografia, p. 100-105; FARIA, Mauá, p. 122-135. A transmissão, muitas vezes, acrítica das
auto-representações deixadas pelo visconde será uma das marcas da memória nacional produzida em torno de
Mauá, fenômeno que é bastante comum na criação de qualquer herói pátrio.
150
cometimentos, um a um, analisados por seu primeiro grande biógrafo, com o propósito de
retirar do esquecimento o nome de Mauá, seja destacando facetas já bastante conhecidas da
vida do visconde, seja descortinando aspectos pouco notórios da trajetória de Mauá.
Note-se que o capítulo que precede a terceira parte da biografia de Alberto de
Faria, dedicada ao relato das inúmeras e variadas iniciativas em que o visconde de Mauá se
envolveu 329, tem como título: “Sua formação mental”. Um grande silêncio perpassa este
ponto de sua biografia, aponta Faria. Acrescentava ainda o biógrafo, o fato de que a vida do
jovem Irineu Evangelista estava envolta por um grande mistério.
Como compreender que um rapaz, saído do nada, e tendo conquistado posição
comercial e fortuna particular como de outra não há memória, abandone, em pleno
vigor, aos trinta e três anos de idade, a sua casa de comércio, filão de ouro que lhe
deu a fortuna, meios fartos e seguros de garantir a família e que poderia assegurarlhe vários monopólios, se a comum preocupação do lucro o dominasse?
[...]
Como compreendê-lo, tão diferente dos outros homens?
Nessa vida de super-homem só cabem interpretações extraordinárias.
[...]
Mauá se supôs um iluminado, predestinado a grandes coisas.
A ambição, mesmo a da glória, não seria explicação bastante.
[...]
Produto de uma inspiração de fundo religioso, ou de um idealismo filosófico, Mauá
se supôs apóstolo do progresso. 330
Com efeito, Faria foi fundo nesta inquirição, recuando até Saint-Simon para
“descobrir” as origens da inspiração mental do jovem Irineu Evangelista. Deixando em
segundo plano a discussão a respeito da validade da explicação dada pelo biógrafo para os
diversos empreendimentos de Mauá, cumpre reter o cerne de toda essa imaginosa
interpretação. Referimo-nos à aspiração saint-simoniana de se construir uma civilização
industrial, no intuito de se alcançar a paz em todo o globo, por meio de uma nova síntese entre
Capital e Trabalho. Nos termos de Faria, o objetivo de Saint-Simon “é a paz universal
organizada pelo trabalho. É em função da vida econômica que ele concebe o problema
internacional. Ele almeja criar um novo estado, o Estado industrial, e uma nova política, a
329 Discutimos a estrutura da biografia de Alberto de Faria sobre o visconde de Mauá nas páginas introdutórias
do tópico 4.2.
330 FARIA, Mauá, p. 102.
151
política industrial” 331. Reorganizar a vida social e política com base nas necessidades da
produção fabril era a sua fórmula para que a concórdia mundial fosse, definitivamente,
estabelecida. Ao passo que os interesses meramente políticos das nações encaminhariam os
povos para uma situação de perene instabilidade, a indústria entrelaçaria os povos, ao tornálos interdependentes, e criaria a riqueza, capaz de abafar as agitações sociais intestinas 332. Eis
o sonho de Saint-Simon, eis a inspiração de Mauá, conforme nos propõe Alberto de Faria.
Diversos autores contemporâneos ao embaixador farão menção a essa oposição
entre o visconde e seu tempo, sustentados no caráter eminentemente progressista, e
supostamente extravagante, de Irineu Evangelista. Até aqui, nada demais. Como foi visto no
capítulo anterior, este é um topos recorrente na auto-imagem do visconde. Aliás, ainda hoje,
Mauá continua sendo visto como uma exceção em sua época. Não obstante o caráter, em
geral, abstrato dessas colocações, quase sempre desprovidas de conteúdo normativo, importa
atentar para o sentido convergente dessas considerações naquele momento específico, qual
seja: a defesa de um Estado mais comprometido com as elites produtoras, muito
especialmente, as fabris. Lembremo-nos de que é, no decorrer dos anos 1920, que a indústria
começa a sustentar, embora ainda timidamente, mas com maior efetividade e repercussão, sua
importância e, mesmo, centralidade na economia brasileira. No início da década, Tobias
Monteiro exclamava na introdução de seu Funcionários e Doutores:
Esse homem de negócios, esse negocista, como hoje o chamariam com desdém e
como mais ou menos o chamaram, porque a alma do Brasil era a mesma de agora,
viu e resolveu os problemas mais urgentes do nosso progresso material, como
nenhum outro estadista teria visto e resolvido melhor. [...] Ninguém, trinta anos
depois da Independência, tinha conseguido até então traçar com tal segurança as
grandes linhas do progresso do Brasil. Mauá teria sido o criador de um império. 333
331 FARIA, Mauá, p. 110. O trecho em destaque é uma citação de um dos biógrafos de Saint-Simon, aos quais
Faria se reportou para abordar o saint-simonismo. Como freqüentemente se verifica entre os escritores da época,
a referência está incompleta. Sabe-se apenas que o autor é A. Pereire.
332 As guerras ao longo de todo o século XX, com destaque especial para as décadas da Guerra Fria, apontam
para a ingenuidade desta interpretação. De fato, a indústria bélica e os setores a ela ligados têm interesses na
manutenção de um clima de hostilidade entre os povos.
333 MONTEIRO, Tobias. Um exemplo à mocidade: o Visconde de Mauá. Fon-Fon, Rio de Janeiro, 12 fev. 1921.
152
A promoção do progresso industrial e a defesa dos interesses fabris como
responsabilidades a serem, definitivamente, assumidas pelo Estado também aparece em outros
autores. Bem ao gosto de uma historia magistra vitae, a indiferença lançada sobre os ideais
industrialistas do visconde representaria mais uma razão do nosso “atraso”. Caindo Mauá,
seria o Brasil o principal prejudicado. Esta relação, confrontando Mauá a seu tempo,
encontrará no par de contrários visconde versus imperador o seu grande leitmotiv. Já vimos
esta passagem antes: “o caso é que, se a mentalidade de Pedro II tivesse o vigor construtivo
da cerebração de Mauá, teríamos constituído na história dos povos um caso de evolução
interessantíssima” 334. É impressionante a força dessa oposição. Os exemplos poderiam ser
multiplicados a perder de vista. Assim a expressava Pedro Calmon, acrescentando ao par um
terceiro elemento, também presente na obra de Faria, como veremos a frente: “o imperador
foi o sentimento da ordem e da unidade. Caxias, sustentáculo do trono, garantiu essa unidade
e essa ordem. Mas Mauá foi a evolução” 335.
Para concluir, menciono apenas mais um exemplo. Este um pouco posterior,
contudo, intimamente relacionado com a temática em foco e, por um acaso, com o último
autor citado. Em 1938, Calmon lançou uma biografia sobre Pedro II, O rei filósofo.
Resenhando a obra, Virgílio Correa Filho insiste na mesma tecla, ao contrapor o espírito de
Mauá ao do Imperador:
Eram mentalidades díspares, que se orientavam para rumos opostos, e não poderiam
entender-se longamente.
Ao soberano, sobranceiro aos problemas corriqueiros da existência, que tentava
debalde afogar a sua curiosidade em leituras enciclopédicas, sem método, e por isso
mais inclinado aos problemas culturais do que as imposições da vida prática,
afigurar-se-ia rasteira, senão desatinada, o espírito empreendedor do gaúcho, que,
por si próprio, encetou a solução das maiores questões industriais do país e dos
melhoramentos de serviços que aproveitassem à coletividade. Consoante o modo
imperial de agir, não poderia ser outra a decisão, pois que, era a coerência, com a
madura reflexão, uma das virtudes de Pedro II. Uma vez adotado um sistema, ou
aceito um plano, não mudava facilmente. 336
334 CARDOSO, À margem da história do Brasil, p. 157 e 158.
335 CALMON, Pedro. Mauá. O Jornal, Rio de Janeiro, 2 fev. 1927.
336 FILHO, Virgílio Correa. D. Pedro II. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 31 jul. 1938, p. 5.
153
A representação do visconde de Mauá como um homem além de seu tempo não
era novidade. Desde a Exposição aos credores e diria até, desde suas correspondências, nas
quais sua auto-imagem ia sendo gradativamente construída, Irineu Evangelista já se via como
um solitário, um mártir em seu tempo. A novidade da apropriação de uma imagem já
conhecida se encontrava em seu uso numa conjuntura político-econômica, particularmente,
favorável. O que fez da biografia do embaixador Alberto de Faria um sucesso, afora seus
muitos méritos, foi ela ter calado fundo na intelectualidade brasileira, participando da
definição de topos que, como este, seriam aproveitados por outros autores contemporâneos na
constituição de uma nova tradição no país: a modernização industrial.
Neste momento inicial, durante a época da primeira euforia em torno do visconde,
pode-se dizer que falar em Mauá é levantar a bandeira da indústria. É advogar não apenas a
viabilidade, como a pertinência do setor fabril para o sucesso do devir nacional. A discussão a
propósito de uma atuação mais ou menos ativa do Estado na economia, embora certamente já
se colocasse, ainda ocupava um plano secundário. Um projeto de desenvolvimento
econômico, tendo como carro-chefe o setor secundário e sendo viabilizado pelo Estado, é que,
então, começava a despontar dentro de alguns setores sociais, como parte do empresariado e
parcelas expressivas da burocracia e da intelectualidade.
Uma das formas de se averiguar a existência deste discurso nos debates da época é
dar atenção aos contradiscursos que o atacavam, mas, ao mesmo tempo, não deixavam de
reconhecê-los em sua própria contestação, afinal, ninguém combate moinhos de vento.
Naquele momento, o autor que efetuou a melhor e mais clara diatribe contra a biografia do
embaixador foi Edgard de Castro Rebello. Autor de influência marxista, logo que Mauá
apareceu, Rebello veiculou uma série de artigos na revista Cultura 337 , periódico dos
337 Este periódico foi fundado e dirigido por Francisco Mangabeira, quando ainda era estudante da Faculdade de
Direito do Rio. Em dezembro de 1929, a sede da revista foi empastelada e esta deixou de ser publicada.
154
estudantes da Faculdade de Direito do Rio. Estes artigos, acrescidos de oito capítulos inéditos,
compõem o livro Mauá: restaurando a verdade histórica, obra publicada em 1932.
Para fazer face ao desafio proposto no subtítulo da obra, Rebello informa aos
leitores que não escrevera sua obra sob o ponto de vista dos “historiadores patrióticos” e,
muito menos, dos “denegridores sistemáticos da política imperial”, escritores movidos por
um “estreito sentimentalismo”. Seu objetivo tinha sido informar sua visão apenas e
unicamente com os “o (sentido) dos fatos sobre que assenta o (sentido) [histórico]” 338.
Impulsionado, pois, por tal ideal, o autor inicia o livro investigando as razões do aparecimento
de uma obra como Mauá. Esta é uma seção, particularmente, interessante. Vejamos como ele
retrata o pano de fundo da biografia escrita pelo embaixador. Sua análise é bastante perspicaz.
Com a passagem do primeiro centenário da Independência e dos acontecimentos que
a prepararam houve, entre nós, intensa curiosidade em volta do passado. Sobreveio,
então, o gosto de tudo o que era seu. Ruas, instituições, serviços, receberam, de
novo, antigos nomes, ou tomaram nomes novos, pedidos à história.
Lembraram-se, então, de que todo um patrimônio de antiqualhas andava disperso,
abandonado, quase perdido: móveis, alfaias, prataria, porcelanas, moedas, estampas,
gravuras, utensílios, bugigangas. Era preciso salvá-lo, reuni-lo, fosse como fosse,
custasse o que custasse, às tontas, sem critério, sem discernimento. Formaram-se
coleções e museus. O próprio Estado organizou o seu.339
Neste clima de euforia com o mundo de outrora, a história ganhou enorme
prestígio. Logo uma farta “literatura ocasional” se avolumava nas prateleiras das melhores
livrarias. O centenário do nascimento de D. Pedro II, em 1925, só fez aumentar o entusiasmo.
“Havia para quase tudo um precedente nacional”. Voltava-se ao passado em busca de uma
origem brasileira que dignificasse nossas letras e ciências, nossa política e administração,
enfim, toda a nossa cultura. 340
Uma coisa, entretanto, havia, a que faltava uma tradição: os negócios; não
simplesmente, uma tradição, mas, uma tradição que os enaltecesses, os nobilitasse,
estimulando o presente com a lição do passado. 341
338 REBELLO, Mauá, p. 6 e 12.
339 REBELLO, Mauá, p. 8.
340 REBELLO, Mauá, p. 9-10.
341 REBELLO, Mauá, p. 10.
155
E foi este o papel cumprido por Mauá, segundo a arguta interpretação de Rebello.
Ao historia a trajetória do visconde, Alberto de Faria enaltecia os valores ligados ao mundo
dos negócios, quais sejam, o individualismo e o espírito de iniciativa, assim como, ao mesmo
tempo, disseminava aos quatro cantos as maravilhas e potencialidades do capital, revestindo
tudo isso de uma capa dourada. Irineu Evangelista é o self-made-man, que se alça aos
píncaros da glória, vindo do nada. E tudo isso por um talento e qualidade individuais sem par.
Tendo feito fortuna, idealista, dedica-se inteiramente à sua pátria, sem esquecer dos povos
vizinhos. Na hora do infortúnio, quando desassistido pela própria pátria, a que se entregara
por toda a vida, sofre resignado e em silêncio. Eis aí “um dos piores gêneros de história – a
história encomiástica” 342. Mas, afinal de contas, quem foi Mauá?
É disso que Rebello trata em seu livro, obra de desconstrução do laudatório e
reconstrução do “real”. Para nossos fins, é dispensável acompanhar, passo a passo, os
capítulos dessa reconstituição histórica. Em linhas gerais, o que importa reter é que, onde a
narrativa de Faria enxerga o idealismo patriótico de um empresário consagrado às causas da
nação, Rebello verá um homem de negócios obcecado por seus próprios interesses. O que este
autor traz de novidade, em seu discurso, é a relação inteligente que estabelece entre as
atividades de Mauá e a lógica de funcionamento do capitalismo, entre a personalidade de
Mauá e a ética da burguesia.
Escravizado ao propósito infantil de contar “aos moços” de seu país a vida de “um
grande homem, virtuoso na fortuna, heróico na adversidade”, para que “se
eduquem” em sua “admiração”, [Alberto de Faria] mostra-se incapaz de lhe reduzir
a individualidade ao que ela realmente foi: expressão natural dos sentimentos e das
grandes aspirações de uma classe, em uma época.
Criado nos moldes em que a burguesia ainda formava os exemplares mais
representativos de sua força e de suas tendências, feito da argila que ela costuma
animar de qualidades e defeitos do tempo, mas, sobretudo, seus, foi Mauá, de algum
modo, precursor de um tipo social, que se tornaria, mais tarde, comum; foi, talvez,
“heróico na adversidade”. 343
342 REBELLO, Mauá, p. 12.
343 REBELLO, Mauá, p. 201-202.
156
Tão logo, este contradiscurso ganhou maior notoriedade, ao ser lançado em livro,
Octávio de Faria, filho de Alberto de Faria e renomado escritor, tratou de rebater o golpe. Isso
mostra que o discurso do inimigo foi sentido. Fazendo a defesa do pai, que não quis comentar
o assunto, o filho reagiu com violência, como é comum acontecer nestes casos em que a honra
da família está em jogo. Não faltaram os “golpes baixos”, com as tradicionais acusações de
cunho pessoal. O destempero do autor é justificado por Faria como “o produto de um fígado
por demais bilioso”. Na Faculdade de Direito, é conhecido de todos por seus arroubos. “É
ouvido como se ouvem aos homens sem medida, quase sem discutir, numa aceitação
sorridente de quem quer evitar a intempestividade de certos acessos... Ouve-se e dois minutos
depois ninguém mais se lembra do que disse”. Enfim, é um homem que ninguém levaria a
sério. 344
Afora as críticas para atrair a atenção do público leitor e desmoralizar o inimigo,
Faria procura desvendar as razões profundas que animaram Rebello a produzir um discurso
tão na contramão da opinião geral, amplamente receptiva à obra do pai. “O autor é um
comunista!” – é esta a sua resposta. Certamente, ocultara sua filiação intelectual por receio de
perseguição, já que, quando publicou seus artigos, “a repressão exercida contra as idéias
comunistas era um dos itens dos programas governamentais”. No entanto, “hoje que as
coisas mudaram”, este aspecto de sua formação não precisava mais permanecer obscuro 345. E
é disso que cuida Faria, denunciando a fidelidade ideológica de Rebelo ao marxismo e
acusando-o de ferir a memória do biografado, simplesmente, por este ser um burguês: “um
344 FARIA, Octávio de. Mauá e a verdade histórica. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 11 dez. 1932, p. 17.
345 Alguns anos depois, Rebello freqüentaria os porões da ditadura Vargas, ainda no alvorecer do Estado Novo,
quando o clima político no país permitiu ao governo realizar uma verdadeira caça às bruxas. Obtivemos esta
informação da pena elegante de Graciliano Ramos. Segue-se o trecho: “Entre os civis, notei, além de Hermes
Lima, dois professores universitários. Castro Rebelo, meia-idade, nariz semítico, falava martelando o pormenor
e detestava as conclusões apressadas. Precedera-o forte publicidade. Encontrei-o na fila do almoço, metido num
largo pijama de listras, e, em meia dúzia de palavras, conheci-lhe a independência violenta”. (RAMOS,
Memórias do Cárcere (vol. I), p. 254).
157
explorador dos que trabalham, um opressor, um provocador de guerras com fins
interesseiros, um homem que não metia prego sem estopa”. 346
Nem Alberto de Faria, nem ninguém de senso, pretendeu jamais fazer de Mauá um
São Francisco vivendo de colóquios com os animais, ou mesmo uma dessas figuras
de filantropos socialistas do século XVIII fundadores de colônias comunistas nos
Estados Unidos.
[...]
Em Mauá o que há de verdadeiramente extraordinário [...] é que esse homem de
negócios não cuidou de fazer uma fortuna para si, para gozá-la pessoalmente ou para
deixá-la aos seus herdeiros, mas para promover o progresso de sua terra, das
indústrias de seu país. Quis aumentar em poder para cada dia se tornar mais útil.
Com a visão espantosa dos problemas materiais que o Brasil tinha que resolver para
poder caminhar no sentido de outros progressos maiores, esse capitalista lançou-se
em todas as grandes empresas que lhe passaram ao alcance e em todas deixou bem
claro que mais que o interesse da empresa a fazer vingar falava nele o alto interesse
do país a erguer e a engrandecer. 347
Enfim, até nas polêmicas mais pessoais é possível perceber traços de um discurso
que, aos poucos, ia reunindo forças e se consolidando em uma linguagem, uma nova
racionalidade política, assentada nas questões econômicas e, particularmente, empenhada no
progresso material do país, sobretudo, pela via da industrialização, como meio prioritário de
solução dos problemas nacionais. Na primeira parte deste tópico 4.2.2, percebemos o quanto
este tipo de discurso preocupava-se com o desenvolvimento da Nação e interessava,
particularmente, às elites industriais brasileiras; na parte seguinte deste tópico, investigaremos
o quanto este mesmo discurso estava atento para os interesses dos indivíduos mais
desfavorecidos que integravam e ainda integram esta grande comunidade nacional.
Sabe-se o quanto o pensamento industrialista vicejou no interior de uma certa
tradição do pensamento autoritário brasileiro. Não havia identidade plena entre as duas
correntes, porém, elas se aproximavam em alguns de seus propósitos. E, por isso, apesar das
divergências, sobretudo, no que toca ao conteúdo político de suas visões de mundo, a
indústria acabava se sentindo contemplada pelos ideólogos do autoritarismo. Estes, no geral,
346 FARIA, op. cit., p. 17,Octávio de. Mauá e a verdade histórica. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 11 dez.
1932, p. 17, grifos do autor.
347 FARIA, op. cit., p. 17, grifos do autor.
158
estavam comprometidos com a idéia da superioridade da civilização industrial, defendendo a
modernização das estruturas sociais e burocráticas, no intuito de racionalizar o funcionamento
do aparelho estatal e gerar ganhos produtivos para a economia. Nesse sentido, a analogia entre
industrialização e engrandecimento nacional ia se forjando, especialmente quando
consideramos a posição das burocracias civil e militar, setores que tiveram um papel de proa
naquele período. 348
Mas, voltando aos teóricos autoritários, percebe-se que, mesmo no âmbito de sua
posição política, eles não assustavam tanto os pensadores industrialistas. Muito embora a
preeminência concedida ao Estado soasse um tanto quanto hipertrofiada aos olhos dos
industriais, a promessa de manutenção da ordem social era bastante compensadora 349. Aliás,
a julgar pelas análises da burguesia industrial do período, parece não restar grandes dúvidas
quanto às suas tendências autoritárias, mais especificamente, suas simpatias pelos fascismos
europeus 350. Uma sociedade rigidamente ordenada e organizada de modo a evitar quaisquer
prejuízos à produção era-lhes uma proposta, sem dúvida, tentadora – afinal, o movimento
operário já havia dado mostras de sua força nas famosas greves que se estenderam de 1917 a
1920, tendo como palco as principais capitais do país, e a categoria vinha se organizando.
Não surpreende, pois, a dura, mas definitiva aceitação do regime da “paz social”,
inaugurado, mais tarde, com o estabelecimento do Estado Novo. Após anos de resistências a
qualquer medida favorável ao operariado e descumprimento geral da pontual legislação
trabalhista existente, finalmente, o patronato fabril percebeu a inviabilidade de permanecer
inflexível em sua posição, assim como passou a atentar para as vantagens do novo marco
348 DINIZ, 1978, p. 273-274.
349 Sobre este aspecto do autoritarismo, ver: LAMOUNIER, 1978, p. 366-368. Sobre a implantação dessa
proposta, no bojo de uma política econômica informada por uma visão de mundo autoritária, cf. IANNI, 1971, p.
34-43.
350 Dean informa-nos a respeito do posicionamento político dos industriais paulistas nas décadas de 1920 e 1930.
Segundo ele, o liberalismo, de um modo geral, não atraía como antes o setor, sendo visto como uma teoria
econômica ultrapassada, além de um tipo de gestão da coisa pública inadequado para a nova dinâmica sócioeconômica, sendo, por isso, responsável pelos distúrbios e as instabilidades freqüentes no mundo europeu.
(DEAN, 1991, p. 182-192).
159
jurídico. A política trabalhista de Vargas, se, por um lado, foi uma resposta às crescentes
reivindicações do proletariado urbano, por outro, foi uma resposta nos moldes de uma
concepção política autoritária e paternalista, ou seja, no intuito de suprimir os conflitos, por
meio da tutela (leia-se: da manutenção) estatal das desigualdades sociais. Comentando a
questão, assim se expressava o principal representante da classe, naquela época, referimo-nos
ao industrial Roberto Simonsen:
A política nacionalista de Getúlio Vargas permitiu que se evitassem no país
infiltrações perigosas, que poderiam pôr em risco a unidade nacional [...]. A política
social que desenvolveu criou, sem dúvida, uma atmosfera de confiança entre os
elementos da produção nacional. 351
Traços desta simpatia do discurso industrialista com uma solução de compromisso
no que se refere à questão trabalhista podem ser, facilmente, percebidos na obra do
embaixador Alberto de Faria. Reiteramos o que já dissemos: não iremos encontrar nas páginas
desta biografia discussões teóricas profundas e sofisticadas. Cada texto tem sua própria
linguagem, que, por sua vez, define seu modo de entrada em um debate. A estratégia adotada
em Mauá é a sugestão simbólica: cenas idílicas, como as que veremos a seguir, procuravam
insinuar no espírito dos leitores valores, ideais, propostas, enfim, toda uma visão de mundo. É
pela mediação dessas imagens textuais, “que parece[m] [..] vir das regiões das lendas”352,
que o autor procura conquistar seus “leitores-espectadores”.
As duas cenas as quais iremos aludir aparecem no capítulo que trata da formação
moral de Irineu Evangelista. A primeira passa-se na inauguração de um dos gasômetros
responsáveis por abastecer a iluminação a gás da cidade da Corte. Naquela ocasião, duas
pontes seriam franqueadas ao público no Canal do Mangue, isso dentro das obras de aterro
daquele pântano. A descrição é tomada de empréstimo do escritor Moreira de Azevedo,
cronista do Rio de Janeiro imperial. Embora um pouco longa, resolvemos transcrevê-la sem
cortes, por sua beleza e relevância.
351 SIMONSEN, Roberto. Ensaios sociais, políticas e econômicos, p. 205 apud LEME, 1978, p. 157-158.
352 FARIA, Mauá, p. 96.
160
Acompanhado do engenheiro Ginty e de todos os operários do canal em número de
quatrocentos, divididos em turmas, percorreu o Barão de Mauá as duas pontes que
iam ser entregues ao povo; regressando, entrou o préstito na fábrica do gás na
seguinte ordem:
Dois guardas da fábrica em uniforme verde, quatro trinchantes vestidos de branco
com facas e garfos, um carro puxado por vinte e quatro pessoas com roupa branca,
contendo dois bois inteiros assados, quatro carneiros também assados e trinta
arrobas de batatas cozidas, quatro trinchantes com facas e garfos, dois guardas da
fábrica, o presidente, o gerente, o engenheiro com suas mulheres, e o engenheiro
ajudante, os empregados superiores da companhia do gás e da obra do canal, os
inspetores, contra-mestres, superintendentes, apontadores e outros empregados da
companhia do gás e do canal, os aparelhadores do gás e seus ajudantes, os ferreiros,
caldeireiros, pedreiros, carpinteiros, pintores, funileiros e os trabalhadores de todas
as classes, incluindo os calceteiros, os carroceiros, foguistas e outros da companhia
do gás, noventa e quatro trabalhadores do canal e oitenta escravos da companhia do
gás.
Em frente do gasômetro o préstito parou e, circundando-o, abriu a Baronesa de
Mauá as válvulas que deviam deixar escapar o gás para o grande depósito, o que foi
saudado com muitos vivas.
Entrando de novo em marcha, seguiu o préstito para as trinta e duas mesas colocadas
em frente do edifício da fábrica sob uma coberta de arcos de arcos de folhas ornadas
de bandeiras; admitia cada mesa vinte e quatro pessoas, e junto de cada uma havia
uma torneira que quando aberta deixava correr excelente cerveja de Bass ou Tenent.
O prato travessa era um carro com chapas de ferro de vinte palmos de comprimento
e oito de largura sobre rodas de dezoito palmos de diâmetro.
Prepararam-se os assados nos fornos da fábrica; havia em todas as mesas profusão
de frutas, abundância de pão, muito queijo e manteiga.
Tomando assento a imensa comitiva, começaram os trinchantes a cumprir com
destreza sua missão, reinando muito entusiasmo entre os convivas, que mostraram
apetite e sede.
Levantou o barão de Mauá dois brindes, um ao engenheiro, gerente e mais
empregados e operários da empresa do canal, aos quais respondeu um dos operários
propondo um brinde ao barão, o qual foi entusiasticamente aplaudido; seguiram-se
outros, terminando com grande regozijo esta festa industrial, a que assistiram mais
de oitocentas pessoas. 353
Esta cena, verdadeira imagem da harmonia social almejada pelos industriais,
ilustra muito bem o caráter autoritário de sua concepção de mundo. Apesar de toda a festa,
percebe-se que a ordem, em momento algum, é desrespeitada. Os convivas ocupam o mesmo
espaço, entretanto não se misturam. Chega a surpreende a minúcia com que o cronista se
esmera em detalhar o ordenamento da comitiva. A hierarquia é seguida à risca: após o pessoal
responsável por servir a refeição, o préstito inicia-se pelo presidente da fábrica, sucedendo-o o
alto escalão da empresa, depois o pessoal técnico, em seguida os trabalhadores menos
qualificados e, finalmente, na extremidade inferior da longa cadeia, os escravos. É mesmo
assustador! Contudo, isso exemplifica, com muita clareza e graça, a ordenação da sociedade
353 FARIA, Mauá, p. 96-98, grifos meus.
161
pretendida, tanto pelos teóricos alinhados com o pensamento autoritário, quanto por aqueles
afinados com o pensamento industrialista.
A segunda cena a qual faremos menção para reforçar nosso argumento vem da
experiência de um uruguaio, com cujo pai 354 Mauá estreitara relações, durante o longo
período em que se envolvera de perto com a economia uruguaia. Desta vez, o biógrafo se
valeu das memórias do doutor Gabriel Terra proferidas em um discurso, durante um banquete
oferecido pelo Ministro do Exterior, Felix Pacheco, ao ilustre convidado estrangeiro. Na
ocasião, o orador discorria sobre Mauá, quando, a certa altura da palestra, fez uma pausa, para
apresentar ao público uma pequena recordação, “da qual tirou proveito para uma lição de
sociologia” 355.
Em uma das últimas viagens do brasileiro amigo de meu Pai, fui testemunha de uma
cena que me ficou gravada no espírito, tão certo é que se fixam com intensidade as
fortes impressões da infância. Como criado da minha casa ficara um negro, um dos
tantos que Mauá havia libertado antes da abolição da escravatura, que, ao ver chegar
o seu benfeitor, correu para ele, e, ajoelhando-se, quis beijar-lhe a mão; bem me
recordo a rapidez com que se evitou esse gesto humilhante e deprimente, levantando
Mauá em seus robustos braços aquele que continuava sendo servo pelo impulso do
atavismo, para abraçá-lo de igual a igual, até que o negro debruçou a cabeça sobre
seus ombros e chorou copiosamente.
Tive a intuição do que significava aquela cena, cujo verdadeiro alcance compreendi
somente depois, ao continuar o caminho de minha existência. Era aquilo um quadro
vivo da fraternidade humana; representavam-na dois homens de estatura idêntica,
dois formosos exemplares de raças diferentes, uma alma superior e outra aniquilada,
quem sabe por que crueldades de um passado de misérias. Era o poderoso erguendo
o humilde com dignidade e fidalguia, e nós que não nos conformamos com as
injustiças sociais do presente, ao constatarmos que, se na verdade desapareceu a
velha escravidão envolta nas sombras da barbaria das épocas que se foram, outras
escravidões subsistem, muitas misérias e dores que precisam ser combatidas, e
temos o direito de pensar quanto é necessário desenvolver, cada vez mais, com
rapidez, os sentimentos de solidariedade, de bondade e de amor entre os homens. 356
354 Gabriel Terra tinha ascendência brasileira. Seu avô paterno era rio-grandense-do-sul, tendo sido oficial do
Império por algum tempo. Emigrando para o Uruguai por questões políticas, teve no país vizinho o pai de
Gabriel Terra, José Ladislão Terra. Este fez seu curso superior no Brasil, tendo se formado na Faculdade de
Direito de São Paulo. Foi amigo íntimo de Mauá e, inclusive, trabalhava como gerente do Banco Mauá no
Uruguai. Um fato curioso da biografia do presidente Gabriel Terra é que consta ter ele nascido no edifício da
casa bancária em que seu pai trabalhava. Talvez por isso mesmo tenha sido afilhado de Mauá. (Ver: JORNAL
DO COMÉRCIO. Uruguai-Brasil: mais um ato de cordialidade internacional americana. Jornal do Comércio,
Rio de Janeiro, 18 ago. 1934, p. 5-6. Esta longa reportagem trata da visita do presidente uruguaio, Gabriel Terra,
ao Brasil, em agosto de 1934. Conseguimos as informações acima, no tópico “Síntese da vida pública do dr.
Gabriel Terra”, na p. 5 da reportagem).
355 FARIA, Mauá, p. 98.
356 FARIA, Mauá, p. 98-99, grifos meus.
162
Ao se valer desse testemunho, Faria procurava calar todo tipo de contestação ao
caráter magnânimo do seu biografado. Esta era a intenção imediata do trecho supracitado. Por
sua vez, a intenção mediata da passagem era despertar seus leitores - as elites políticas,
econômicas e intelectuais do país – para a necessidade de um novo ordenamento social. E
isso, não através de um pacto político, o qual pressupõe indivíduos em igualdade de
condições, mas por meio de uma ação dos de cima, fundamentada em “sentimentos de
solidariedade, de bondade e de amor entre os homens”. Isso, talvez, não fique tão claro nesta
passagem, mas, ao abordar o repto que Mauá teve com Gaspar Silveira, o modo pelo qual o
biógrafo do visconde entendia que seria possível alcançar esta “fraternidade humana”,
certamente, ficará mais explícito.
Já tratamos deste caso no terceiro capítulo desta Dissertação. Vimos que
desavenças e divergências de interesses entre o jovem deputado gaúcho e o barão, durante os
trabalhos da Assembléia no ano de 1873, acabaram culminando na exaltação dos ânimos e,
por fim, na renúncia de Mauá de sua cadeira no Parlamento, após consulta do eleitorado
gaúcho. Sem dúvida, trata-se de um acontecimento importante, em termos biográficos. A
querela envolvendo estes dois personagens absorveu Faria em não menos que três capítulos.
Em determinado momento da análise (processual) do caso, porém, o biógrafo-juiz apresenta
um parecer muito curioso e significativo sobre a representação político-partidária. Vejamos
como Faria entendia a relação envolvendo representante e representado:
O mandato político é como qualquer outro em que a capacidade do mandatário vem
suprir a insuficiência técnica do mandante. O médico, o advogado, não sondam a
opinião do cliente sobre a direção no tratamento da saúde, sobre a conveniência de
intentar este ou aquele recurso judicial; ficam soberanos na defesa dos interesses que
lhe foram entregues; só um antagonismo evidente os obriga a pedir a aprovação ou
ratificação de poderes.
Em política, esta opinião se resolve num entendimento – o mandatário deve ter
consciência de sua superioridade mental e fazê-la valer até perante as impaciências
do mandante; mas, como é do mandante que lhe vem a força e a razão de ser de sua
ação, não pode exagerar o seu papel de tutor; o eleito não é escravo, mas também
não será ditador. 357
357 FARIA, Mauá, p. 453-454, grifo meu.
163
Enfim, com um entendimento desta natureza a respeito da teoria da representação
político-partidária, não surpreende que a solução sugerida por Alberto de Faria e tantos outros
que compartilhavam com ele a mesma idéia fosse, extremamente, autoritária e paternalista,
muito embora, também tivesse todo um veio modernizante, como já discutimos
anteriormente.
Este capítulo teve como foco central de seus interesses o livro Mauá, publicado
em meados da década de 1920, pelo embaixador Alberto de Faria. Ressaltamos a importância
desta biografia na construção de uma memória nacional em torno do visconde e discutimos
sua inserção, pela via dos debates político-educacionais, naquele contexto. Pode-se dizer que
estas foram as principais implicações diretas da obra. Contudo, Mauá também se destacou de
outra forma - mais indireta, porém, não menos eficaz. Sua contribuição para a nascente
historiografia econômica do país, assim como, sua importância para o pensamento social
brasileiro serão o grande tema do capítulo que se segue.
164
5 – MAUÁ E O PENSAMENTO SOCIAL BRASILEIRO:
AS REPERCUSSÕES DE UM HERÓI NA “ESCRITA DA NAÇÃO”
... esse escritor habilíssimo lançou um livro que afinal de
contas hoje representa o interesse despertado pelo
aspecto econômico da formação do Brasil. Se Lúcio de
Azevedo rasgou os horizontes da história da formação
econômica do país, Alberto de Faria tornou a questão de
tal maneira popular que no dia seguinte ao da
publicação do livro sobre Mauá, já se ouvia discutir:
- quem vale mais, o Visconde de Mauá ou Pedro II? A
pergunta valia o mesmo que se interrogassem: - Que
pesa mais, o fator político ou o elemento econômico?
Leopoldo Feijó Bittencourt, em artigo no Jornal do Comércio,
a propósito da publicação da “Autobiografia do visconde
de Mauá”, em 1942.
Segundo Francisco Iglésias em Introdução à historiografia econômica, em um ensaio
pioneiro e instigante datado de 1959 358 , a historiografia econômica começou a ser praticada
sistematicamente no país motivada pelas mesmas razões que ocasionaram seu surgimento no cenário
mundial em meados do século XIX, ou seja, a dimensão e a complexidade cada vez mais acentuadas
da ordem econômica, a partir da mundialização das relações internacionais, fenômeno vivenciado
após as Grandes Navegações que abriram o Mundo Moderno. À medida que as questões econômicas
iam conquistando espaço e se tornando progressivamente problemáticas, elas acabaram por se impor
358 Além da obra citada, há outros textos que abordam o início da historiografia econômica no Brasil. Ver:
RODRIGUES, 1969, p. 163-169. Ver também: SZMRECSÁNYI, 2004, p. 11-37. Sobre o início do ensino de
economia e da profissão de economista no país, práticas que se desenvolviam paralelamente à historiografia
econômica, cf. SAES; CYTRYNOWICZ, 2000, p. 37-54.
165
aos observadores como uma temática que não poderia continuar sendo deixada de lado ou tratada
secundariamente. 359
Além dessas transformações de natureza sócio-econômica, segundo o mesmo autor, duas
correntes de idéias também foram fundamentais no processo de constituição da historiografia
econômica a nível mundial, quais sejam: à escola histórica de economia política e à interpretação
econômica da história. A primeira, que teve em Friedrich List seu principal representante, contribuiu
de forma inestimável para a renovação e a consolidação da história econômica, ao recusar as
interpretações abstratas e de cunho generalizante da escola liberal, cuja abordagem se caracterizava
por suas pretensões de validade em qualquer tempo e espaço históricos. A segunda corrente
intelectual, cujo representante mais notório foi Karl Marx, talvez tenha promovido o maior impulso já
recebido por esse ramo da historiografia. De mais a mais, ao enfatizar a importância decisiva dos
elementos materiais na história e chamar a atenção para o caráter determinante do econômico, Marx
contribuiu para afastar a história do campo das cogitações políticas no qual se encontrava quase que
exclusivamente, dando à disciplina uma metodologia bem mais preocupada com a análise dos fatores
sócio-econômicos, em seus esforços de apreensão do passado. 360
No Brasil, a historiografia econômica propriamente dita só começou a ser praticada no
século XX. Até meados do século XIX, o econômico pouco aparece; precisa ser pinçado das obras de
nossos cronistas, nas quais se exprime como descrição da atualidade econômica e não como história.
Da segunda metade do século em diante é que o interesse pelo econômico-social torna-se mais
acentuado e reveste-se de alguma autonomia, na medida em que as análises sócio-historicas foram
ganhando uma dimensão mais estrutural 361. Ainda assim, cumpre ressaltar o caráter limitado dessas
abordagens, nas quais o econômico aparece mais em análises pontuais, sendo retratado apenas sob
certos aspectos, como: a exploração mineral, os transportes, o meio circulante ou os bancos, só para
359 IGLÉSIAS, 1959, p. 37.
360 IGLÉSIAS, 1959, p. 48-72. Sobre a contribuição da escola histórica de economia política para a historiografia
econômica, ver: IGLÉSIAS, 1959, p. 48-61. Sobre a importância da interpretação econômica da história, cf.
IGLÉSIAS, 1959, p. 62-73.
361 SANTOS, 1978, p. 43.
166
citar alguns exemplos. Será, portanto, apenas com o despontar do século XX que abordagens mais
amplas, “retratos da economia no seu todo” 362, surgirão.
Os motivos que explicam o aparecimento tardio da especialização em nosso país
são, em linhas gerais, os mesmos que o explicam no plano geral. É que só em nosso
século [no caso, o século XX] os assuntos econômicos despertam atenção de
políticos e estudiosos. É claro que já se tinha em conta, antes, a realidade
econômica, mas esta não constituía objeto de maiores cuidados, entrelaçada que
estava nas teias da política, em suas manifestações administrativas, legais. Não se
concedia ao econômico a importância que ele tem. [...] Nesse acalanto viveu-se até
que a primeira grande guerra fez sentir os seus efeitos. 363
Concomitantemente ao desenvolvimento dessa produção no campo específico da
historiografia econômica, uma série de intelectuais começou a dar mais ênfase às questões
sociais e, conseqüentemente, a colocar o econômico, se não como fundamento, pelo menos,
como um importante marco de suas propostas e projetos políticos. Em suma, duas questões
principais preocupavam a intelectualidade daquela época: a questão da organização do
trabalho livre, temática que ganhou uma nova dimensão após a agressiva expansão dos
movimentos operários na década de 1920, e a questão da autonomia externa da nação, a
independência econômica tão discutida e sonhada, após a Primeira Guerra ter colocado a
descoberto o fenômeno do imperialismo. Por trás dessas preocupações, o que existia era a
tentativa de solucionar o nosso atraso ou, em outros termos, o projeto de construir uma nação
forte e moderna. Como se pensava, por ocasião do centenário da Independência, “o país
precisava completar o que se iniciara há cem anos” 364.
Um dos autores mais importantes nessa época e, talvez, o mais foi citado pela geração
que lhe sucedeu foi Alberto Torres 365. Em duas obras seminais publicadas em meados da década de
1910, referimo-nos a O problema nacional e A organização nacional, Torres apresentou ao público
uma abordagem do país que fez época, sobretudo, após sua morte. Durante um bom tempo, as
362 IGLÉSIAS, 1959, p. 81.
363 IGLÉSIAS, 1959, p. 78-79.
364 IGLÉSIAS, 1959, p. 81.
365 No capítulo anterior, já demos algum destaque à campanha iniciada por Alberto Torres nos jornais cariocas
contra o imperialismo financeiro, particularmente contra o grupo Farquhar. Neste capítulo, em virtude da
importância deste autor para o pensamento social brasileiro dos anos 1930, iremos enfocar suas propostas
políticas e seu projeto nacional.
167
questões levantadas pelo autor mobilizaram intensamente a intelectualidade brasileira, especialmente
nos anos 1930. Nosso objetivo aqui não será analisar, ponto a ponto, cada uma das duas obras de
Torres acima citadas. Voltaremos toda nossa atenção a um aspecto da primeira obra mencionada, O
problema nacional, que nos parece ter desempenhado um papel de suma relevância para a
problemática central perseguida neste trabalho: a emergência de um discurso político, respaldado por
um campo específico do saber (qual seja, o econômico), que se arrogava a capacidade de solucionar o
problema nacional, qual seja: o problema do “atraso” brasileiro. Ou, em outros termos, o desafio da
passagem para a modernidade e da construção de uma nação, suficientemente, desenvolvida.
Embora o discurso de Alberto Torres, nem de longe, possa ser acusado de
economicista, todo o pensamento deste autor estava ancorado em uma análise da situação
econômica do país. O ponto para o qual gostaríamos de chamar a atenção é o problema da
independência econômica da nação. Torres não foi o primeiro pensador a discutir essa
questão. Foi por volta da segunda metade do Novecentos, quando o processo de consolidação
do poder monárquico encontrava-se concluído e o Império havia atingido um relativo grau de
estabilidade, após as graves turbulências do período regencial, que a problemática do
progresso material e da construção de um país economicamente forte e desenvolvido teve seus
primeiros e significativos passos no país – agora, independente e estruturado politicamente366.
Neste contexto, o embate entre industrialistas e aqueles que a historiografia consagrou como
“agraristas” conheceu uma de suas primeiras versões no Brasil pós-independência,
esquentando a cena pública do Império 367.
É até possível encontrar certa similitude nas propostas veiculadas no Império com
aquelas que seriam divulgadas já na República. Penso aqui, por exemplo, em Elementos de história
nacional de economia política. Trata-se do livro do comerciante, industrial e diretor do Banco
do Brasil, João Coelho Gomes. Crítico feroz da transplantação de modelos estrangeiros para a
366 CARVALHO, 1996.
367 Cf. o verbete Indústria, em: VAINFAS, Ronaldo (org.). Dicionário do Brasil imperial. Rio de Janeiro,
Objetiva, 2002, p. 372-376.
168
realidade nacional, Gomes tinha a intenção de postular uma política econômica realmente
condizente com as especificidades do país. Era nacionalista, industrialista, protecionista e
antiimperialista, esbravejando contra as investidas da Inglaterra sobre os mercados
consumidores brasileiros 368. Apesar da aparente similitude dos discursos, é preciso atentar
para os contextos de produção e de recepção dos mesmos. Uma obra não é feita no vazio, pelo
contrário, é fruto de uma gestação intelectual, cujo efeito, mais ou menos seminal, menos ou
mais impactante, é o resultado do diálogo entre o autor, os seus diversos contextos históricos
e os seus leitores. É isso que torna proposições, à primeira vista, iguais ou semelhantes bem
diferentes após um olhar mais cuidadoso. É isso que, retomando o nosso fio narrativo, fez de
Alberto Torres um pensador tão influente – sem desmerecer, é claro, a vitalidade da sua obra.
Diagnosticando a face crua de um imperialismo que até em argumentos
“científicos” de superioridade racial se sustentava para o exercício da dominação,
contemplando o avanço dos capitais estrangeiros, ávidos por lucros fáceis e que pouco ou
nada contribuíam para o engrandecimento do Brasil, Torres deu o grito de alarma. A abertura,
segundo ele, irresponsável do país para a entrada desses capitais famintos trazia consigo a
ameaça incontornável da dependência econômica e do esgotamento das riquezas pátrias,
exploradas tão rude e imprevidentemente. “Uma nação [...] não pode ser livre, sem o domínio
de suas fontes de riqueza, de seus meios de nutrição, das obras vivas de sua indústria e do
seu comércio” 369. É contra essa situação de risco econômico-financeiro imediato para a
nação que Torres se levantava, defendendo a necessidade de uma ação política corretiva capaz
de contornar o perigo iminente e de recolocar o país “de posse da direção dos nossos
destinos” 370.
A independência de um povo funda-se, antes do mais, sobre a sua economia e sobre
as suas finanças. Edificar sobre a nossa autonomia econômica, alimentada pela
368 Sobre João Coelho Gomes, ver: IGLÉSIAS, 2000, p. 110-111.
369 TORRES, O problema nacional brasileiro, p. 112.
370 TORRES, O problema nacional brasileiro, p. 133.
169
iniciativa, pela energia e pela tenacidade, que já provamos possuir; e sobre a mais
severa exação nas nossas finanças – um pensamento nacional a respeito das coisas
da vida humana, e um juízo nosso, sobre os nossos problemas e os nossos destinos:
aqui está o guia do nosso esforço patriótico. E esta obra não é uma obra de
educação: é uma obra de direção política. Nenhum povo tem a educação necessária
para dirigir seus interesses gerais. 371
A ação política proposta por Alberto Torres como solução do problema da
dependência financeira assentava-se em uma concepção orgânica do funcionamento social.
Muito embora seu pensamento político seja extremamente autoritário e elitista, de um outro
ponto de vista, seu projeto nacional era até bem republicano, ao propor a redistribuição mais
igualitária do solo pátrio e sua valorização, em benefício da coletividade nacional, por meio
do aproveitamento racional de seus recursos a ser promovido pelo Estado. Torres acreditava
que só o amor à terra – base da prosperidade nacional e fonte primária da subsistência familiar
– seria capaz de construir o vínculo afetivo necessário para tecer, de um modo inquebrantável,
os laços de reconhecimento entre o povo brasileiro, o seu país e o seu Estado. Caso contrário,
não haveria identificação possível entre uma pátria desnaturada e um povo desamparado. Não
existiria também, é claro, respeito por um Estado que se afastava do povo ao qual cumpria
representar. Não haveria, enfim, e por conseqüência, espaço para a construção de uma nação
forte e altaneira – obra necessariamente coletiva.
Depois que Alberto Torres abriu o filão do risco da dependência financeira às
portas, muitos foram os intelectuais que, se valendo dos aportes trazidos pela historiografia
econômica em emergência no país, formularam projetos políticos e educacionais para o
desenvolvimento da nação, tendo como base o econômico. A saída para o país – é isso que
estamos nos esforçando para demonstrar em toda esta Dissertação – começava a ser pensada,
sobretudo, a partir deste momento, como uma solução econômica; uma solução que para ser
alcançada exigiria, basicamente, uma reformulação das estruturas políticas brasileiras e o
estabelecimento uma nova política educacional no país. Foi isso que vimos no capítulo
anterior; neste, o que procuraremos abordar é o aparecimento desta nova racionalidade
371 TORRES, O problema nacional brasileiro, p. 105.
170
política, acompanhando, de perto, o destaque e o significado crescentes assumidos pelas
questões econômicas no pensamento social brasileiro. No cumprimento deste propósito,
começaremos ressaltando a importância historiográfica de Mauá, muito especialmente, para a
historiografia econômica, em fase de consolidação nas décadas de 1920 e 1930. Em seguida,
passaremos em revista os primeiros retratos panorâmicos da história econômica brasileira,
tendo como base quatro grandes narrativas produzidas naqueles anos de estabelecimento da
historiografia econômica no país 372 . E, finalmente, concluiremos, analisando a obra de
Azevedo Amaral – importante autor do pensamento social brasileiro que se constitui, na linha
de argumentação desta Dissertação, em um pensador-chave, haja vista a centralidade das
questões econômicas e, muito particularmente, da industrialização em seus textos. Com
Azevedo Amaral, assim nos parece, a nova racionalidade política perseguida neste texto, a
modernização industrial, assenta, definitivamente, raízes no solo do pensamento social
brasileiro.
5.1 - Um herói para um ramo historiográfico nascente
A publicação de uma biografia sobre um personagem cuja vida faz referência
imediata à história econômica de seu povo representou uma novidade no pensamento social
brasileiro. Alberto de Faria como que operava um lance 373 em seu contexto intelectual.
Naquele momento, os olhares dos biógrafos visavam, sobretudo, as grandes figuras políticas
372 As obras em destaque são: Histórico da formação econômica do Brasil (1922) de Vitor Vianna; Pontos de
partida para a história econômica do Brasil (1923) de José Gabriel de Lemos Brito; Evolução econômica do
Brasil (1935; a primeira edição brasileira data de 1939) do norte-americano J. F. Normano; e História econômica
do Brasil (1937) de Roberto Cochrane Simonsen.
373 Utilizamos o termo lance tal como este é empregado na nova História das Idéias praticada por Quentin
Skinner e John Pocock, ou seja, apontando para uma inovação discursiva em um dado paradigma lingüístico (cf.
SKINNER, 2000, p. 187-191; POCOCK, 2003, p. 28-30).
171
da história pátria 374 . Não era comum que empresários e homens de negócio fossem
imortalizados pela pena dos escritores. Ao tirar do olvido a trajetória de Mauá, o embaixador
chamava a atenção dos leitores para o lugar das questões econômicas na vida da nação.
Tratava-se, claramente, de uma tomada de posição política, mas também de uma intervenção
no cenário historiográfico da época, sem sombra de dúvida.
Desde as primeiras páginas da obra em questão, o biógrafo de Mauá faz a defesa
da inclusão do visconde no panteão nacional. Se no capítulo inicial do livro, como já foi visto,
o argumento principal é reparar uma grave culpa nacional, retirando do segundo plano um
personagem como Irineu Evangelista, que tanto fizera pela pátria e só recebera a ingratidão
dos seus, no capítulo que se segue o objetivo é definir o papel desempenhado pelo visconde
na história nacional. Qual teria sido a importância de Mauá para a nacionalidade? É esta a
questão que perpassa todo o segundo capítulo da obra.
Muito embora envolto em esquecimento, Alberto de Faria apresenta seu
personagem, não somente entre os grandes do passado, mas entre os maiorais do Segundo
Império. E justifica-se: “quando a Natureza tem uma grande obra a realizar, faz nascerem os
instrumentos” 375. No Brasil, havia algo de maravilhoso a ser cumprido: a criação de uma
grande nação, a preservação da unidade política do vasto domínio português, enfim, a
formação da nacionalidade. Não faltaram os meios. Contudo, três homens, “trindade
benemérita”, teriam sido essenciais durante o Segundo Reinado: Pedro II, Caxias e Mauá.
Cada um a seu modo e no exercício de sua missão, esses três homens urdiram a unidade
374 GOMES, 1996, 186-189. Como mostra Ângela de Casto Gomes, a crítica em relação ao predomínio da
história política e da narrativa factual ocorria paralelamente ao debate em torno da produção e do ensino no
campo da História. Segundo os programas e as instruções metodológicas da Reforma Francisco Campos para o
curso fundamental de História: “Cumpre conciliarem-se no ensino da História os aspectos econômico, político e
ideológico. Colaborando com a geografia, a História ministrará conhecimento das relações existentes entre a
organização econômica, a forma de produção, a estrutura social, o Estado, a ordem jurídica e as diversas
expressões da atividade espiritual, sem sacrificar qualquer desses vários aspectos à consideração exclusiva de
um ou mais destes, porém, tratando de cada qual segundo a importância relativa que tiver na vida do país e na
evolução geral da humanidade”. (Este trecho dos programas e instruções metodológicas da Reforma Francisco
Campos pode ser encontrado em: HOLLANDA, 1957, p. 18-19).
375 FARIA, Mauá, p. 25.
172
nacional, seja educando e regendo democraticamente um povo emerso de três séculos de
colonização, seja zelando, com braço forte, pela segurança da nação, seja concretizando a real
união do país, através da interdependência e íntima solidariedade de suas partes. Esta última
foi a grande realização de Mauá, segundo seu biógrafo. Ninguém antes dele teria se esforçado
tanto para resolver o problema da interligação do sertão com o litoral 376 – questão já
vislumbrada pelo Regente Feijó, em seu decreto de 31 de outubro de 1835, porém, até Mauá,
sem uma medida de combate realmente efetiva. Vejamos como Faria define a ação do
biografado nesta área:
Sob outro aspecto, o do efeito que na integração indispensável dos elementos do
antigo domínio português, interessado em dividir para reinar, com capitanias que só
tinham de comum serem de donatários portugueses, a solução política das vias de
comunicação, a ação de Mauá não se poderá afirmar apenas que foi grande, porque a
fórmula verdadeira é outra – esta é a obra de Mauá.377
Pedro II, Caxias e Mauá. Os três foram grandes, todos eles são fundadores do
Império e artífices de proa da nacionalidade. Cumpre, porém, reconhecer, salienta Faria, que
“o Brasil poderia ser maior, se um surdo afastamento, um inexplicável antagonismo de
caráter, uma prevenção pessoal talvez, não tivesse sempre colocado D. Pedro II receoso
diante dos impulsos progressistas de Mauá” 378. A seguir, todo o terceiro capítulo, é um
estudo das causas dessa divergência tácita entre o imperador e Irineu Evangelista. Razões de
ordem psicológica, cultural e pessoal são trazidas à tona na tentativa de explicar o fenômeno.
Pedro II era mais voltado para as coisas do espírito, enquanto Mauá foi o protótipo do homem
prático; na época, os homens tinham algumas reservas aristocráticas contra os negociantes;
376 É muito interessante a síntese de Alceu Amoroso Lima, o Tristão de Ataíde, sobre o papel de Mauá na
história pátria: “O Visconde de Mauá, desde a Maioridade até à República, acompanhando a realeza imperial
com a sua realeza econômica, na ascensão e na decadência, pressentiu e tentou resolver todos ou quase todos
os problemas econômicos brasileiros, os problemas essenciais do período moderno de nossa história, desde os
interesses do Rio Grande que representou na Câmara, até a navegação do Amazonas. Foi um quadro
assombroso de unificação nacional na cabeça de um só homem, o Caxias de nossa unidade econômica”.
(FARIA, Mauá, p. 25. Esta mesma citação pode ser encontrada em: SILVA, Joaquim. História do Brasil (4º ano
ginasial). 7ª ed. São Paulo, Nacional, 1943, p. 101. Trata-se de um compêndio escolar, no caso, o de maior
circulação em sua época. Sendo um manual didático produzido pela Companhia Editora Nacional, em suas
páginas a casa publicadora aproveitava para fazer a divulgação dos autores de suas consagradas coleções, muito
especialmente, dos da Coleção Brasiliana).
377 FARIA, Mauá, p. 43.
378 FARIA, Mauá, p. 46.
173
finalmente, pairava sobre Mauá a suspeita de que ele teria acobertado revoltosos, durante os
acontecimentos da Revolução Farroupilha. Tudo isso teria contribuído para o afastamento de
duas das colunas mestras do Segundo Reinado, e para prejuízo do Brasil. Ainda assim, as
realizações de Irineu Evangelista dependiam do ambiente moral austero e do contexto político
seguro estabelecido pelo monarca379. Não é outra a interpretação dada por Hélio Lobo, em seu
discurso de recepção de Alberto de Faria na Academia Brasileira de Letras:
A lição do segundo reinado é a do homem, que, pelo equilibro de suas faculdades e
o conhecimento do meio, nos permitiu crescer na integridade territorial e política, já
que o progresso geral, sacrificado, acima de tudo, pela escravidão, só a República
podia trazer em suas fórmulas e sua época, ensinando com a escola,
descentralizando com a federação, povoando com o braço estrangeiro, unindo pelas
vias de penetração. E gêmea da felicidade espiritual, irradiada dos centros em
moldes sempre melhores, é a outra, da prosperidade econômica, que ao Brasil vai
também caber: uma zona igual à da Europa, mas sem barreiras alfandegárias nem
questões de raça, na qual circulem livremente, num mercado de milhões de almas,
todos os produtos da terra e da manufatura nacionais. 380
Fundamentando-se em uma concepção “etapista” do processo histórico, o
anfitrião compreende o Segundo Reinado como um momento do devir nacional, em que as
bases do progresso econômico estavam sendo forjadas. Na República é que o fenômeno do
desenvolvimento teria condições deitar raízes, em profusão. Dessa forma, a figura de Mauá
era como que a de um profeta, um visionário dos problemas a serem enfrentados no futuro e
das conquistas a serem alcançadas pela nação. Ao tirar do olvido este personagem histórico,
sem dúvida, um dos maiores objetivos de seu biógrafo era colocar a nacionalidade diante de
seus destinos, revelando-lhe o passo a ser tomado no presente, em direção a um futuro de
glória.
Brasileiro como os melhores, bem sentistes que nos faltava, para a realização de tais
destinos, a palavra de fé com que os revelar, em conjunto, à nossa terra. Vosso Mauá
é o catecismo dessa era, cujo esplendor se anunciou no sonho de um cérebro
solitário, há mais de meio século. 381
379 FARIA, Mauá, p. 48-49.
380 LOBO, Hélio. Recepção do sr. Alberto de Faria (em 12 de dezembro de 1928): II – Discurso do sr. Hélio
Lobo. Revista da Academia Brasileira de Letras, Rio de Janeiro, ano XX, n.º 85, jan. 1929, p. 106.
381 LOBO, Hélio. Recepção do sr. Alberto de Faria (em 12 de dezembro de 1928): II – Discurso do sr. Hélio
Lobo. Revista da Academia Brasileira de Letras, Rio de Janeiro, ano XX, n.º 85, jan. 1929, p. 106.
174
A importância do Mauá de Alberto de Faria para a historiografia econômica
nascente é percebida em mais uma análise desta narrativa biográfica. Insistimos neste ponto,
por sua centralidade na defesa da tese principal perseguido neste capítulo: a publicação da
biografia escrita por Alberto de Faria foi um marco, um lance em seu contexto intelectual.
Desta vez, vamos acompanhar as palavras de Rodolfo Garcia, proferidas na ocasião de sua
recepção na ABL. Garcia sucedeu o embaixador na cadeira número 39 da Academia. Eis
abaixo como o sucessor de Faria concebia-lhe a principal obra.
O plano desse livro, para ser compreendido, como que requer o engenho do
arquiteto presente ao monumento ainda em construção. Batidos os alicerces,
alteadas as paredes fundamentais, três vigas irão garantir a majestade e a segurança
do edifício: D. Pedro II, Caxias e Mauá – a ciência política, a ciência militar, a
ciência econômica, em um momento histórico da unidade nacional.
[...]
A biografia concebida no gabinete de estudo não guardaria, entretanto, em sua
progressiva realização, as linhas harmoniosas de um primitivo plano arquitetural,
que as primeiras páginas denunciam. Conter o surto de fogoso entusiasmo ante a
dinâmica, múltipla e sugestiva do biografado, à proporção que se alterna o pesquisar
com o redigir, não seria fácil tarefa a um temperamento mais de artista que de
historiador, mais de jornalista que de biógrafo, como o de Alberto de Faria.
[...]
À maneira de Joaquim Nabuco, [...] Alberto de Faria conduzirá o leitor através da
peregrinação comovida ao passado, mas sem esquecer o presente; e qual
predestinado apóstolo que a meio da jornada da fé cria legiões, prosseguirá com
elas, guiando-as, para lançar os alicerces do templo consagrado ao seu padroeiro,
sobre a suave colina de onde se admira o passado glorioso da nacionalidade. 382
Qual teria sido o lance operado pelo embaixador ao publicar a obra em questão?
Percebe-se pela passagem acima que a importância da obra está em indicar aos leitores o valor
das questões econômicas na trajetória da nacionalidade. Ao erigir o monumento à memória de
Mauá, com os olhos no presente, Faria indicava às elites do país um outro caminho, qual seja:
a construção do edifício nacional dirigida pela ciência econômica e tendo como meta o
progresso material do país. A ciência política, assim como, a militar já tiveram o seu
momento. Agora seria a vez da Economia e das questões econômicas presidirem os destinos
da nacionalidade. É essa, talvez, a maior contribuição da biografia estudada. Toda esta
382 GARCIA, Rodolfo. Recepção do sr. Rodolfo Garcia (em 13 de abril de 1935): I – Discurso do sr. Rodolfo
Garcia. Revista da Academia Brasileira de Letras, Rio de Janeiro, ano XXVI, n.º 161, maio 1935, p. 11-13,
grifos meus.
175
“peregrinação comovida ao passado” não era feita sem propósito. Faria buscava, com esse
esforço, “cria[r] legiões” e “lançar os alicerces do templo consagrado ao seu padroeiro”.
Em um excelente artigo publicado, em 1942, Leopoldo Feijó Bittencourt repisava
o mesmo ponto, ao expor, com inteligência, o significado de Mauá para a historiografia
econômica, em formação no país. Parte do trecho abaixo foi escolhida para encabeçar este
capítulo, servindo-lhe de epígrafe.
Das figuras que se preocuparam com Mauá e que vieram a ter expressão pela
maneira que o fizeram, há de citar-se Alberto de Faria em primeiro lugar. [...] Temse a impressão de que ele veio a público lançar o assunto da mesma maneira que o
fazem os romancistas, isto é, procurando despertar a atenção geral pelo que narra
de fabuloso.
[...]
[...] esse escritor habilíssimo lançou um livro que afinal de contas hoje representa o
interesse despertado pelo aspecto econômico da formação do Brasil. Se Lúcio de
Azevedo rasgou os horizontes da história da formação econômica do país, Alberto
de Faria tornou a questão de tal maneira popular que no dia seguinte ao da
publicação do livro sobre Mauá, já se ouvia discutir: - quem vale mais, o Visconde
de Mauá ou Pedro II? A pergunta valia o mesmo que se interrogassem: - Que pesa
mais, o fator político ou o elemento econômico? Sim; era como se indagassem que
serve mais, a agulha ou a linha. 383
Muito embora tenha desqualificado a oposição simplista proposta por alguns, já que de
acordo com Feijó Bittencourt não haveria como isolar a política da economia e vice-versa, o articulista
avaliou, com acerto e precisão, a importância da obra de Faria para o pensamento social brasileiro.
Mauá não foi a primeira obra a chamar a atenção para questões econômicas da história brasileira,
particularmente, para questões atinentes ao desenvolvimento material do país. Desde meados do
século Dezenove, outros autores já vinham tratando desses assuntos, seja estudando aspectos da
trajetória econômica do país, seja, como veremos no tópico 5.2, produzindo relatos com uma visão
panorâmica desse ramo da história pátria 384. Ao fazê-lo, entretanto, por meio de uma narrativa
biográfica que elevava Irineu Evangelista de Souza à categoria de herói nacional, creio que o autor
teve algumas vantagens sobre os seus pares que se debruçavam sobre a mesma temática, porém, com
a preocupação de produzir análises mais técnicas e especializadas da História Econômica do Brasil.
383 BITTENCOURT, Leopoldo Feijó. Autobiografia do visconde de Mauá. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro,
19 jul. 1942, p. 3-4, grifos meus.
384 Para uma bibliografia com as principais obras da história econômica do Brasil, ver: RODRIGUES, 1969, p.
168-169.
176
A biografia é um gênero limite que se encontra no ponto de interseção da Literatura com
a História. Em alguns períodos, a narrativa biográfica pendeu mais para a busca da objetividade
(propósito tradicionalmente perseguido pela História); em outros, favoreceu especialmente a beleza da
narrativa (marca da Literatura) 385. No momento em que escreveu Mauá, Alberto de Faria optou por
uma solução de compromisso, procurando encontrar a harmonia perfeita entre a exatidão do conteúdo
e a elegância estética do texto. No entanto, claramente se percebe que a preocupação predominante do
seu texto estava na forma. Seguindo a tendência das biografias modelares, que tiveram um grande
impulso após a ascensão de Vargas ao poder, a finalidade principal de seu livro era pedagógica: educar
pelo exemplo de um grande homem do passado pátrio. Ao herói de uma biografia, cabia fascinar os
leitores, incutindo-lhes valores e ideais, assim como os mobilizando para a ação 386.
É o próprio Faria quem confessa, ainda que de forma oblíqua, qual era a marca distintiva
de sua obra. A propósito de D. Pedro II, a quem faz, como já vimos, no terceiro capítulo da obra,
algumas objeções pelo fato de sempre ter nutrido prevenções contra Mauá, o biógrafo cita as palavras
do deputado Wanderley Pinho, em discurso na Câmara. Discorrendo a respeito da importância cívica
de Pedro II para o povo brasileiro, Pinho assim se expressava em determinado momento de sua fala:
Os povos hão necessidade de ídolos cívicos. O povo brasileiro erigiu, como um dos seus, e
como o seu maior, a D. Pedro II; e se esse ídolo lhe dá vigor para criar, lhe dá forças para agir,
se esse ídolo o educa em estímulos sãos, que importa que haja alguma argila opaca nas
cintilações que lhe empresta? Se esse ídolo o comanda para a pureza, o bem, a força, a justiça,
o ideal, não há senão como alentar essa idolatria, apurar esse fetichismo, aumenta, limpando-a
de qualquer sombra, a auréola dessa divindade. 387
Entre a busca da beleza e a busca da verdade, é preciso escolher a qual tendência será
dada o direito da primazia. Literatura ou História? Ao priorizar a primeira, o texto perde em exatidão e
peca em objetividade, todavia, ele se reveste de uma verdade mais elevada do que a própria precisão
dos fatos. Opta-se por falar mais de um ideal do que do real. E foi essa a escolha feita por Faria, muito
embora o biógrafo não a confessasse abertamente e tivesse a convicção de que a própria vida de seu
385 NEVES, 2002, p. 3-4; LORIGA, 1996, p. 212-213.
386 RICCI, 2000, p. 154.
387 FARIA, Mauá, p. 63.
177
personagem mesclava perfeitamente o Bom e o Belo, a verdade moral e a excelência estética. Muito
mais que historiar uma trajetória, Faria tinha como meta apresentar a vida do visconde como símbolo
de um ideal nacional ainda não plenamente realizado.
O protagonista de Mauá é um homem extemporâneo, um indivíduo isolado, lutando
contra tudo e contra todos. Trata-se de um (meta)discurso no qual as “forças do Bem”, voltadas para a
iniciativa de promover o engrandecimento material do país e personificadas em Mauá, aparecem
lutando contra as “forças do Mal”, ancoradas na tradição e presas à estagnação. Certamente, um
projeto de nação definido cartesianamente não faz parte do escopo da obra, entretanto, o propósito
perseguido pelo autor é claro: angariar adeptos para a continuação da grande batalha iniciada por
Mauá. A grande moral implícita no livro do embaixador pode ser resumida naquela lição bem
conhecida no mundo ocidental. É a idéia de que se a sementinha cair no chão e não morrer fica só;
morrendo, porém, dá muito fruto. Sozinho e incompreendido, o visconde acabou abatido por forças
maiores; sua obra, contudo, uma vez exumada do passado, deveria ser levada a cabo pelas gerações
vindouras.
É curioso pensar que uma biografia tenha participado da inauguração de uma nova
tradição no pensamento social brasileiro. E, no entanto, foi essa a maior contribuição de Mauá em seu
cenário intelectual. Ora recorrendo ao lado histórico, ora apelando para a face literária do gênero,
Alberto de Faria obteve sucesso na construção de um herói industrial, o primeiro do panteão nacional
cuja imagem salientava a importância dos fatores econômicos na trajetória de um povo e apontava
para a necessidade indeclinável da modernização do país. O sucesso de Mauá, entretanto, não se
explica apenas pela natureza anfíbia de seu estilo literário. Pari passu à obra, havia toda uma
produção no campo da História Econômica do Brasil que se ia desenvolvendo e chamando a
atenção, muito especialmente, das elites para o lado econômico da trajetória nacional. É isso
que veremos no próximo tópico.
178
5.2 - Formação econômica brasileira: os primeiros panoramas
Como foi visto na parte introdutória deste capítulo, a partir da Primeira Grande
Guerra começaram a aparecer os primeiros retratos globais da economia brasileira. Desde
meados do século XIX, já havia manifesto interesse, entre as elites do Brasil, pelos aspectos
sócio-econômicos da trajetória nacional. Contudo, apenas no início do século seguinte, foi que
este interesse se consolidou, conhecendo sua primeira consagração, por intermédio dos
grandes panoramas da história econômica do Brasil, levados a cabo por importantes autores
da intelectualidade pátria, no ambiente nacionalista que marcou as comemorações da
efeméride do centenário da Independência.
Um bom modo de aferir o interesse pela história econômica entre as elites
brasileiras é o Primeiro Congresso de História Nacional. O evento realizou-se nas
dependências do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro do Rio, entre 7 e 16 de setembro de
1914. Sob a direção do Instituto Histórico, o encontro reuniu membros das elites intelectuais e
políticas do país, em um esforço inaugural de sistematização do saber histórico existente
sobre o Brasil. Tendo como balizas temporais os anos de 1500 e 1871388, o Congresso abriase à discussão de todos os temas, então, em voga na historiografia do início do século XX.
Durante o evento, 93 teses oficiais constituíam o núcleo da programação. Estas comunicações
seriam apresentadas por especialistas renomados, convocados pessoalmente pelo Instituto.
Também havia espaço para as teses avulsas. Neste caso, os próprios autores se inscreveriam,
devendo apresentar trabalhos dentro do escopo temático e temporal do evento. Apenas textos
inéditos seriam aceitos. No balanço das atividades do Congresso, percebe-se o predomínio
inconteste da história política e áreas correlatas: história militar, história diplomática, história
388 O evento que marcava esta data era a lei do Ventre Livre ou lei dos nascituros, aprovada durante o gabinete
Rio Branco, no início da década de 1870.
179
constitucional e história parlamentar. Só este grande campo foi responsável por cerca 71% das
comunicações apresentadas. Os outros 29% distribuíam-se entre as quatro categorias
restantes, que apresentaram os seguintes indicadores: 11,5% cabiam à história das
explorações geográficas (espécie de geografia histórica); 7,5%, à história literária e das
artes; 5,2%, à história econômica; e 5,2%, à história das explorações arqueológicas e
etnográficas. Apesar pequeno espaço ocupado pelas duas últimas especialidades,
consideradas “emergentes”, é importante ressaltar que elas foram muito bem representadas.
A seção de história econômica teve como relator João Pandiá Calógeras, cujo
ensaio O Brasil e seu desenvolvimento econômico, publicado em 1913 nos Anais da
Biblioteca Nacional, parece ter presidido a organização dos temas. Cinco comunicações foram
apresentadas nesta categoria: três diziam respeito a questões financeiras, uma a direito
orçamentário e outra versava sobre a evolução econômica do Brasil. Em dois destes trabalhos,
já se nota o uso de métodos, consagrados, tempos depois, pela história serial. 389 Como se vê,
a história econômica começava a despertar interesse entre os autores da historiografia
brasileira. E essa tendência, que já vinha se desenvolvendo há algumas décadas, teve seu
primeiro momento de esplendor, em 1922. Nessa ocasião, aproveitando as comemorações do
Centenário da Independência, foram produzidos e veiculados grandes panoramas da história
econômica brasileira. Todos eles enfocavam o período colonial da história do Brasil.
389 As informações sobre o Primeiro Congresso de História Nacional contidas nos três últimos parágrafos foram
retiradas de: GUIMARAES, Lucia Maria Paschoal. Primeiro Congresso de História Nacional: breve balanço da
atividade historiográfica no alvorecer do século XX. Tempo, Niterói, v. 9, n.18, 2005.
180
A primeira dessas grandes narrativas foi empreendida por Vitor Viana 390, sendo
publicada justamente no ano da efeméride, com o apoio do Ministério da Fazenda. Ultrapassa
o escopo desta Dissertação, analisar pormenorizadamente esta e as outras obras das quais
ainda trataremos. Ao trazer à baila esses ensaios, nosso intuito é tão somente dar uma idéia,
muito geral, do estado da arte em história econômica do Brasil, nos anos 1920 e 1930.
Escritos em um momento em que ainda predomina a indistinção entre elites intelectuais e
políticas, em geral, essas obras apresentam um conteúdo normativo bastante acentuado391.
Viana não foi exceção a essa regra. Sua concepção do trabalho do historiador testifica de seu
engajamento político.
O historiador não é simples catalogador de fatos. Não basta a erudição. [...] O
historiador vai, pela erudição, que é a ciência da documentação histórica, pela
erudição direta ou indireta, formar o quadro que precisa reviver. Aí o historiador
serve-se de sua documentação, de seu raciocínio e reflexão científica, para uma obra
de arte e de política; ele julga, discerne, coordena como sociólogo, mas depois evoca
e faz reviver, e para tal conseguir necessita que um ideal o anime e que possua
capacidade artística. Não basta ser um erudito para ser historiador. O sr. Rio Branco,
por exemplo, foi erudito em diversas anotações, traduções e efemérides, mas se não
390 Vitor Viana (1881-1937) foi jornalista, professor, crítico literário e ensaísta. Era filho de Ernesto da Cunha
Araújo, professor da Escola Nacional de Belas Artes, e Teresa de Figueiredo Araújo Viana. Com formação em
Direito e Humanidades, ingressou no jornalismo, trabalhando como escritor de diversos jornais da capital, dentre
os quais os principais foram: O País e O Jornal do Comércio. Neste último, chegou a ser redator principal e
diretor. Em sua longa carreira jornalística, Viana dedicou-se, sobretudo, aos assuntos econômico-financeiros.
Além da atividade jornalística, foi professor na Escola de Altos Estudos e na Escola Nacional de Artes e Ofícios
Wenceslau Brás. Nesta escola, lecionou Geografia Industrial e História das Indústrias. Também teve atuação em
diversos setores governamentais, prestando “assessoria técnica”. Participou, por exemplo, da comissão
responsável pela elaboração do Código Aduaneiro, representou a União no Congresso da Instrução Primário,
ocorrido no Rio de Janeiro em 1921, fez parte do Conselho Superior de Comércio e Indústria, assessorou o
gabinete do ministro da Fazenda, entre 1919 e 1922, e prestou os mesmos serviços ao gabinete do ministro da
Agricultura, entre 1922 e 1925. Foi ainda superintendente dos estabelecimentos de Ensino Comercial no país e
redator do Almanaque do Ministério das Relações Exteriores de 1926 a 1929. Chegou a ser membro do
Conselho Federal de Comércio Exterior, criado em 1934. Também era membro da Sociedade de Geografia do
Rio de Janeiro, da Sociedade Brasileira de Direito Internacional e da Academia Brasileira de Letras. De 1922 a
1933, publicou inúmeras obras, que versavam sobre questões econômico-financeiras e constitucionais. (Essas
informações foram retiradas do site da Academia Brasileira de Letras, disponível em:
).
391 Um grupo crescente de autores defende a tese da indistinção das elites (políticas, intelectuais e econômicas)
brasileiras e da indiferenciação das esferas de saber no Brasil até, aproximadamente, a década de 1930. Ângela
Alonso sustenta esta tese em sua análise da intelectualidade da geração de 1870. Oliveira mostra como viver
exclusivamente da literatura ainda era algo muito raro nas décadas de 1920 e 1930, mesmo já tendo se iniciado o
processo de profissionalização do trabalho intelectual. O mais comum era a combinação da literatura com a
prática de outras atividades, como o magistério, os empregos públicos e o jornalismo. Dessa inserção “aberta” no
mercado de trabalho, em boa parte, explica-se o grande engajamento dos intelectuais daquela época e a falta de
uma delimitação mais rígida entre as esferas de saber. (Ver: ALONSO, 2002, p. 29-35; OLIVEIRA, 1990, p.114115. Ver ainda a tese de Doutorado de Dominichi Miranda de Sá com o título Idéias sem fronteiras: da
generalidade à especialização no pensamento intelectual do Brasil Republicano (1895-1935). Esta tese foi
apresentada em 2003).
181
foi um historiador, se não deixou trabalhos de história, se só deixou justamente
trabalhos de erudição, em discursos de ministro e artigos de jornal, mostrou sempre
que tinha a alma, o dom, o sentimento do verdadeiro historiador; ele via o Brasil em
seu conjunto, desdobrando-se através das idades; tinha a emoção cientifica dessa
evolução, a vibração estética de sua transformação e a compreensão política que a
sua experiência educava. Poucos trabalhos temos com esse triplo aspecto. Mas já
temos alguns de valor. Agora, por ocasião do Centenário, devem aparecer ensaios e
obras novas. 392
Em seu Histórico da formação econômica do Brasil, Vitor Viana traz uma série
de interpretações ousadas e interessantes. Distingue, por exemplo, a colonização inglesa da
colonização ibérica, acentuando o caráter mercantilista desta em oposição à natureza
povoadora daquela. Demonstra de que modo o regime colonial foi benéfico para o Brasil, na
medida em que favoreceu a diferenciação da produção colonial e garantiu mercados
abundantes para os gêneros provenientes da América do Sul na Europa, permitindo, assim, o
rápido desenvolvimento desta porção meridional do Novo Mundo. Critica a noção de pureza
das raças, embora se mantenha no interior do discurso racialista 393 . Para ele, no caso
brasileiro, a língua portuguesa era a principal garantia da assimilação das raças auxiliares,
índios e negros, à civilização ocidental, posto que seria por meio dela que um povo
conservaria o seu espírito e predominaria ao final do caldeamento étnico. Como se percebe,
portanto, seu racialismo não tinha nada de ortodoxo. Embora entendesse que o substrato da
raça fosse biológico, Viana considerava que os caracteres raciais podiam sofrer a influência
benéfica de um meio sócio-cultural salutar.
A herança não é apenas biológica, é também social [...] Assim, os aperfeiçoamentos
adquiridos na ordem social se herdam como os da ordem biológica. As nações
também assimilam e herdam as civilizações. É o que podemos chamar a acumulação
das culturas. 394
392 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 158-159.
393 Por racialismo, entenda-se um conjunto de idéias veiculadas na Europa Ocidental, entre meados do XVIII e
meados de XX, tendo, por base, o cientificismo da época e, por meta, a caracterização rígida das etnias que
compõem o espectro humano, em termos de raças estanques e biologicamente determinadas em seu
comportamento sócio-cultural. A partir dessa visão de mundo, muitas vezes, desenvolveu-se uma práxis política
racista, de conteúdo eugênico, cujo objetivo era a submissão e, até mesmo, a eliminação das chamadas raças
inferiores. (TODOROV, 1993, p. 107-112).
394 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 82.
182
Nesse sentido, Viana considera o Brasil um país privilegiado, haja vista as
oportunidades benfazejas oriundas da crescente imigração, que fecunda a nação com “o
influxo de todas as civilizações da terra” 395 , acenando para a tendência da “maior
acumulação de cultura da história” 396. Conquanto a história recente acene para o Brasil com
um futuro promissor, o país, no entanto, só alcançaria a glória quando uma vontade política
retirasse da experiência adquirida uma diretriz independente ou nacional, que guiasse as elites
dirigentes e norteasse toda a população, em um esforço contínuo e consistente de afirmação
da nacionalidade. “Não há contradição entre a assimilação da cultura universal e a
consciência altiva das variantes nacionais. A acumulação só é frutífera quando fecundada
pela assimilação” 397.
Assim como a circulação cultural, Viana valoriza a integração do país nos
mercados mundiais, como um fator de progresso. “Os países progridem ou decaem em
relação ao grau de sua instrução, da força de sua produção e das correntes comerciais que
comandam” 398. O aproveitamento dos recursos naturais depende do grau de aparelhamento
técnico da economia de um país e do nível de instrução do seu povo. Por outro lado,
mercadorias sem destino certo acabam gerando estagnação e crise econômica. Produção e
escoamento são, portanto, as duas faces de uma mesma moeda. E escoamento para Viana é,
acima de tudo, sinônimo de exportação, sobretudo, no caso de “países novos”, como o Brasil.
“O progresso está na razão direta da intensidade do intercâmbio, e nos países novos, onde a
395 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 83.
396 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 83.
397 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 86. Reforçando e esclarecendo sua opinião a respeito
da necessidade de uma assimilação nacional da herança cultural universal, assunto na “pauta do dia” durante os
anos 1920 e, também, 1930, Viana acrescentava: “Vamos assim constituindo a maior cultura da terra. Vamos
cristalizando toda a experiência humana. Por que, então ainda somos tão fracos? Porque estamos ainda
cristalizando e ainda não cristalizamos. [...] Não temos ainda cultura nacional. Acumulamos a dos outros, mas
não soubemos ainda dar concatenação geral, tirar os princípios salutares da nossa própria independência
intelectual. [...] Os povos, como os homens precisam das lições dos antepassados e só podem agir com
segurança cristalizando as culturas anteriores. Mas os povos como os homens, só podem ser fortes, e prosperar
pensando com independência”. (VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 84-86).
398 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 94.
183
riqueza depende ainda de formidáveis instalações por fazer, é indispensável criar para fixar e
exportar para comprar” 399.
Com tendências claramente liberais, o ensaísta julgava que o papel do Estado
devia se limitar à garantia de um ambiente econômico adequado aos investidores e aos
produtores: “o Estado raramente cria e quando é chamado a criar é péssimo criador. Em
geral, as suas criações são meros deslocamentos das riquezas de uns para outros” 400. Ainda
assim, Viana abria uma concessão para o alargamento das funções estatais, especialmente
“nos países de riqueza em formação” 401, onde a iniciativa privada, mesmo quando associada,
não se encontra em condições de promover, sozinha, a riqueza 402. Nesses casos, “cabe [...] ao
Estado uma função de estímulo, e de coordenação e auxílio” 403. No mais, o que os bastiões
do pensamento político-econômico (liberal 404, é claro) prescrevem ao poder público, como
dever primordial, é apenas a organização de um “meio favorável, livre, a fim de que as
atividades individuais se desenvolvam em toda a plenitude” 405, o que, em suma, para o autor,
era o mesmo que saneamento do meio circulante e facilitação do comércio nacional e
internacional.
Viana apoiava, tal como vinha sendo feito no governo Epitácio Pessoa, sob a
direção do Ministro da Fazenda, Homero Batista, a criação de zonas de livre comércio, ao
longo de toda a costa brasileira 406 . Segundo Viana, tal medida estimularia o comércio
399 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 98, grifos do autor.
400 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 103.
401 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 104.
402 “Mas reconhecemos que assim como nas sociedades antigas o Estado precisava ampliar a sua ação para
garantir o bem-estar, nos países novos, sem capital organizado, necessita estimular, dirigir, encaminhar a
criação da riqueza, assumindo encargos que os particulares por falta de recursos não podem assumir”.
(VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 103-104).
403 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 104.
404 Ao delimitar as atribuições do Estado dessa maneira, Viana fundamenta-se em quatro pensadores, cujos
nomes são mencionados no texto: os conhecidos, Adam Smith e Spencer, além de Yve Guiot e de Molinari.
405 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 103.
406 A primeira zona franca, situada no Estado do Rio, teve sua concorrência aberta em 1921. No ano seguinte, as
obras de construção tiveram início.
184
internacional e o desenvolvimento da produção interna 407. Além disso, em sua avaliação, as
condições geográficas do país colocavam-no em condições de se tornar um grande entreposto
de produtos europeus para vários países da América do Sul. Somando-se à criação de zonas
francas, Viana considerava a conversibilidade em ouro do meio circulante nacional a única
forma de se evitar o fantasma inflacionário e assegurar o crescimento real da economia do
país. 408
Moedas subsidiárias, papel de curso forçado, notas de banco são simples títulos de
empréstimos, de adiantamentos do Estado que ainda não tem o metal para fazer
pagamento, ou simples meio de facilitar o transporte como no caso da
conversibilidade garantida. O meio favorável para o desenvolvimento de uma
sociedade depende de seu sistema monetário. [...] A moeda ou a sua representação é,
portanto, causa e efeito de toda a vida econômica, a qual evolui sempre ligada às
flutuações do numerário. Se não há país que possa sustentar equilíbrio monetário
com a derrocada de toda a sua economia, as maiores prosperidades têm ruído pela
acumulação de erros financeiros. 409
A segunda obra a ser enfocada veio a lume pouco tempo depois da primeira. No
ano de 1923, José Gabriel de Lemos Brito lançou seus Pontos de partida para a história
econômica do Brasil. O livro contou com o apoio da Sociedade Nacional de Agricultura e, ao
que tudo indica, do Ministério da Agricultura. Em sua carreira de escritor, Lemos Brito foi
autor de outros livros, versando sobre história do Brasil e direito 410. Esta obra, de história
econômica, foi produzida com o intuito de ser um “estudo, que deveria figurar como
introdução a um trabalho sobre a economia rural do Brasil” 411. Seu caráter introdutório e
407 “O fim das zonas francas é restabelecer um ponto pelo qual, livre das peias e prejuízos alfandegários,
possam os negociantes e mesmo fabricantes reexportar as suas mercadorias sem grandes ônus. As mercadorias
ficam depositadas sem pagar direitos e assim quando tomam destino definitivo só há uma formalidade a
preencher”. (VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 218).
408 Para a defesa da política das zonas apoiadas por Viana, ver: VIANA, Histórico da formação econômica do
Brasil, p. 216-221. Sobre a política financeira de natureza metalista defendida por Viana, ver: VIANA, Histórico
da formação econômica do Brasil, p. 221-232.
409 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 182-183.
410 Não há na bibliografia especializada, mesmo nos dicionários biobibliográficos, verbetes sobre Lemos Brito.
As informações que conseguimos foram colhidas no interior do próprio Pontos de partida. Nas referências
existentes no livro ficamos sabendo que integram a obra do autor em foco os seguintes livros: Através de quatro
séculos (1922), Noções gerais de direito e legislação consular (1935) e A gloriosa sotaina: frei Caneca (1937).
Este último também era parte da Coleção Brasiliana.
411 LEMOS BRITO, Pontos de partida para a história econômica do Brasil. Ver: Prefácio da segunda edição.
185
documental manifesta-se no título e, ao longo do livro, no recurso a longas citações de fontes
históricas encontradas pelo historiador, durante a pesquisa.
Vale recordar que ele [o livro em questão] foi a primeira tentativa sistemática de
uma história econômica do Brasil [...]. Antes dele, todo o material estava disperso, e
para o reunir tive que ir aos arquivos, às bibliotecas, onde se guardavam, com as
monografias e relatórios elucidativos, as crônicas dos viajantes, as cartas régias, os
regimentos e as provisões dos tempos colônias. (Prefácio da segunda edição).
Se a história do Brasil ainda está por escrever na sua parte mais atraente e mais fácil,
a dos acontecimentos políticos [...], a economia estava pedindo e, continua a pedir, o
seu historiador paciente, arguto e que tenha por si as garantias imprescindíveis da
tranqüilidade de espírito, sem a qual todo o seu esforço acabará disperso e
fragmentário. (Duas palavras, da primeira edição). 412
Ao enveredar pela história econômica, os escritores da época tinham a impressão
de estar desbravando uma senda nunca dantes trilhada. Com efeito, panoramas, tais como os
escritos naquele período, inexistiam na historiografia brasileira. Comparada com o livro de
Vitor Viana, a obra de Lemos Brito é mais factual e menos sociológica. Talvez por isso,
considerando que este autor não desconhecesse a produção bibliográfica de seu par, Lemos
Brito tenha dito de forma tão enfática, e isso na segunda edição de seu livro em questão, que
seus Pontos de partida foram “a primeira tentativa sistemática de uma história econômica do
Brasil” 413. Mas, enfim, deixando de lado as intermináveis discussões a respeito das origens e
dos precursores, importa salientar qual foi a contribuição de cada uma das histórias
econômicas que vamos tratar.
No caso em foco, uma das grandes contribuições dada pelos Pontos de Partida foi
mostrar e defender a importância que a ocupação e o aproveitamento produtivos do solo
tiveram, primeiramente, na conquista da unidade territorial do país e, posteriormente, no
surgimento e amadurecimento do sentimento de independência no Brasil - entendido, como de
costume na época, como uma entidade já existente, apenas à espera do reconhecimento dos
nacionais. De um lado, o uso produtivo do solo ia agregando definitivamente novas terras ao
território da pátria; do outro, a produção crescente de riquezas no Brasil ia alimentando o
412 LEMOS BRITO, Histórico da formação econômica do Brasil. Ver: Duas palavras, da primeira edição.
413 LEMOS BRITO, Pontos de partida para a história econômica do Brasil. Ver: Prefácio da segunda edição.
186
desejo irresistível da autonomia em relação a uma metrópole que, juntamente com “medidas
úteis e proveitosas” 414 , também “golpeav[a] as forças vivas da colônia, por motivos
diversos, mas ilógicos” 415 com algumas de suas ordens 416. Atuando em conjunto, essas duas
tendências acabaram criando as condições para a ruptura com Portugal, descrita pelo autor
como um evento natural. Eis sua síntese sobre o processo econômico que resultou na
independência.
Todos os elementos materiais encaminhavam para um próximo desequilíbrio a
colônia e a sua metrópole: a vastidão territorial, a população e a riqueza.
A verdade de que o maior não pode caber no que lhe é menor, aplica-se também à
ordem política. Uma nação virtualmente mais fraca do que suas colônias tende a
perdê-las, salvo se robustece por meio de alianças a sua fragilidade. Neste caso,
torna-se mais forte, e é o princípio da força que triunfa.
Ora, contra aquela faixa, estreita e consumida por um labor de séculos, do velho
Portugal, oferecia o Brasil ao progresso humano 8 milhões e 500 mil quilômetros de
terras ubertosas e ricas em minérios.
A população, decisiva nesses ajustes, começava a ser maior aqui e menos volumosa
na metrópole. A riqueza dava brio e audácia ao povo novo que se levantava,
enquanto os portugueses se sentiam esmagados pela penúria mais atroz.
Assim, o simples fato da transmigração da Corte para o Brasil importava na rotura
desse equilíbrio que só a força da tradição e os vínculos da raça mantinham ainda.417
As duas teses principais contidas na obra de Lemos Brito – a do “lugar” dos
fatores econômicos, primeiramente, na obra da unidade e, posteriormente, na luta pela
autonomia política – tornaram-se uma constante na historiografia econômica brasileira dos
anos 1920 e 1930, como se verá na análise das obras seguintes. Portanto, a despeito de seu
caráter introdutório, com efeito, os Pontos de partida acabaram obtendo sucesso, ao conseguir
414 LEMOS BRITO, Pontos de partida para a história econômica do Brasil, p. 392.
415 LEMOS BRITO, Pontos de partida para a história econômica do Brasil, p. 392.
416 Essa constatação, súmula do livro, pode ser encontrada em diversos capítulos. Ao analisar as medidas
portuguesas contra a difusão de manufaturas no território colonial brasileiro, Lemos Brito assim se expressa:
“Portugal não via com bons olhos o surto rápido da colônia [...]. Não se tratava apenas, com pretendem fazer
crer alguns escritores, de um ciúme exaltado da metrópole, que já se reconhecia economicamente inferior à sua
colônia americana. Se esse ciúme existia, era natural; mas nunca deveria levar o governo a medidas do porte
da que mandou extinguir as fábricas e manufaturas de algodão, linho, sedas, prata e ouro no Brasil. O que
determinou todos estes atos foi a situação econômica precária de Portugal. Ele vivia, já, do Brasil, exportando
para cá os seus produtos manufaturados, recebendo os nossos produtos naturais. [...] O alvará de 5 de Janeiro
de 1785 tinha, portanto, esta explicativa natural. Foi, porém, quanto a Portugal um grave erro político, porque
irritou ainda mais o ânimo dos brasileiros contra a metrópole, e para o Brasil um erro econômico de
incalculáveis conseqüências, porque veio ferir uma indústria que se estreava robusta, alimentada pela matériaprima do país, e, sem qualquer argumento razoável, deixava sem trabalho uma infinidade de indivíduos”
(LEMOS BRITO, Pontos de partida para a história econômica do Brasil, p. 192).
417 LEMOS BRITO, Pontos de partida para a história econômica do Brasil, p. 490-491.
187
estabelecer alguns marcos duradouros em sua especialidade 418 - conquanto também não se
possa esquecer que a questão do povoamento, associada a seu papel na constituição do
território nacional, já vinha sendo enfatizada desde Capistrano de Abreu, com suas histórias
sobre o povoamento do Brasil.
O terceiro panorama sobre a história econômica pátria de que nos ocuparemos foi
empreendido por um reconhecido especialista estrangeiro. J. F. Normano foi professor de
Economia da Harvard University e ocupou a direção de entidades, como o Conselho do
Bureau de Harvard para Pesquisas Econômicas da América Latina e a Sociedade Real
Econômica de Londres. Em 1935, este pesquisador norte-americano, que, ao longo de sua
carreira, dedicou-se a um extenso espectro temático, com destaque para a América Latina 419,
lançou um instigante ensaio sobre o Brasil, cujo título era Brazil: a study of economic types. O
livro logo teve excelente receptividade entre o público de língua inglesa. Em razão da fama
conquistada internacionalmente, a obra de Normano não demorou muito a ser traduzida para o
português, sendo publicada, no Brasil, em 1939, graças ao apoio do deputado federal
Abelardo Vergueiro César e à cooperação da recém-fundada Sociedade Brasileira de Estudos
Econômicos.420
418 Reconhecendo-se a relevância dos Pontos de partida para a história econômica do Brasil para a nascente
historiografia econômica no país, esta obra foi arrolada, em sua segunda edição, no rol dos títulos que
compunham a seção Economia da consagrada e consagradora Coleção Brasiliana, por sua vez, sub-série da
Biblioteca Pedagógica Nacional da Companhia Editora Nacional. Além da obra de Lemos Brito, as duas outras
obras que ainda analisaremos neste tópico também integravam a lista de títulos sobre Economia da Coleção
Brasiliana, quais sejam: a Evolução econômica do Brasil de J. F. Normano e a História econômica do Brasil de
Roberto Simonsen. O livro de Simonsen nasceu com uma peculiaridade. Este título foi escolhido pelo corpo
editorial da Nacional para ser o volume de número cem da Coleção Brasiliana. Certamente, essa escolha é uma
demonstração irrefutável do prestígio crescente da historiografia econômica no Brasil.
419 Entre suas obras, citem-se: Changing Latin American attitudes; The British offensive in South America; The
struggle for South America (1931); Japanese emigration to Brazil (1934); Japan and Latin America; Joint stock
companies and foreign capital in Rio Grande do Sul; Car Bücher, an isolated economist; Economic literature of
Latin America; The changing world, a study in conservative economics; Economic problem of Latin America;
Saint-Simon and America; Possibilities of Latin America as a field of economics studies; The struggle for South
America; The Japanese in South America; The spirit of American economics; Asia between two worlds wars; The
spirit of Russian economics. Essa relação de obras de J. F. Normano pode ser encontrada no verso da folha de
rosto da edição brasileira da obra em enfoque. Não fica claro se todas as indicações são livros ou se, entre essa
relação, há também estudos de menor porte. De qualquer forma, percebe-se que o interesse temático do autor era
bastante amplo.
420 Encontramos essas poucas informações sobre o autor e sua obra no “Prefácio para a edição brasileira”. Ver:
NORMANO, Evolução econômica do Brasil, p. IX. Utilizamos a segunda edição da obra, publicada em 1945.
188
Naquele período, a preocupação crescente com o florescimento da ciência
econômica no Brasil fica patente, entre outras ações, na abertura de Sociedades de Estudos
Econômicos e na criação de faculdades e cursos de Economia nos principais centros urbanos.
Além de difundir os conhecimentos básicos deste campo do saber entre os “brasileiros de
cultura média” 421 e esclarecer esta camada da população a respeito da situação sócioeconômica do país, o grande objetivo dessa movimentação, que incluía a publicação de
compêndios sobre Economia e História econômica, era, acima de tudo, estabelecer as bases de
uma “economia política nacional” 422, sobre a qual, nela fundamentado, o Estado pudesse
fazer, com acerto e sucesso, sua política econômica.
O inventor de máquinas não ignora a mecânica! Se há uma ciência da riqueza da
troca e do trabalho, como consentir que os que produzem e fazem comércio e os que
pretendem legislar a respeito ignorem os mais comezinhos princípios econômicos,
verificados na observação secular e demorada dos fatos? [...] Agora, o que é
indispensável é ter todos os conhecimentos para poder agir, saber para prever, prever
para prover.
[...]
No Brasil, para a economia política nacional, conseqüência da sociologia brasileira,
[...] devemos antes de tudo firmar as leis gerais da economia política formulada em
grande parte pela escola clássica423 [...]; e depois mostrar, dentro das regras dessas
421 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 98. Assim dizia Vitor Viana, defendendo a
vulgarização do pensamento econômico e da história econômica entre aqueles segmentos sociais que poderiam
se valer, na prática, destes saberes: “Ainda não se fez ciência econômica para uso dos brasileiros de cultura
média que queiram assimilar os princípios e as noções a que se alude, mas pouco se define e esclarece. Os
especialistas podem meditar sobre as complexidades e as abstrações das grandes leis econômicas e financeiras,
mas para vulgarização convém fixar os verdadeiros princípios, para que todos possam depois usar desses
instrumentos de clareza, elucidação e de verdade. [...] No Brasil, como em toda parte, fala-se de questões
econômicas sem conhecimento de seus princípios clássicos e de material posto à disposição do homem para
desenvolvimento das artes de produção e distribuição da riqueza. Assim precisamos definir as principais leis
econômicas, de ciência econômica; resumir os fatos e as conquistas primordiais da produção e da repartição
das utilidades e depois mostrar o que existe no país e no mundo para ser convenientemente aproveitado”.
(VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 97-98).
422 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 101.
423 Não é fortuita a referência à Escola Clássica. Com efeito, a tendência da política econômica brasileira,
seguindo ou não a ortodoxia econômica, foi priorizar a “riqueza da nação”, em detrimento de políticas públicas
que pudessem atacar de forma decisiva as desigualdades sociais. O pressuposto dessa tendência histórica e da
escola econômica supracitada é que o desenvolvimento do país traria, naturalmente, a prosperidade de sua
população. Nesse ponto, com efeito, a realidade brasileira parece desmentir o pressuposto teórico sobre o qual se
assenta a teoria econômica clássica. Note-se ainda que, dentre os objetivos para a criação das Sociedades de
Estudos Econômicos, estava o ataque ao comunismo. “Para o debate superior desses problemas sociais,
econômicos e políticos, tão entrelaçados e tão intimamente ligados, surgem, bem a propósito, as Sociedades de
Estudos Econômicos e as Faculdades de Economia, porquanto, para combater o comunismo, não basta
aconselhar e exortar, pela moral e pelo patriotismo; não são suficientes a ameaça penal da lei ou a coação
punitiva do poder público, mas é essencial o exame das causas, que acarretam o desequilíbrio social, a
perturbação econômica e a inquietude política” (Ver: Discurso do doutor Abelardo Vergueiro César, na
instalação da Sociedade Brasileira de Estudos Econômicos, a 16 de outubro de 1937, na Escola de Comércio
189
leis e dos elementos materiais e da população que temos, o que podemos fazer para
aumentar a nossa riqueza e engrandecer econômica e socialmente o Brasil.424
Não por acaso, tanto a Sociedade Brasileira de Estudos Econômicos, em São
Paulo, quanto a Sociedade Brasileira de Economia Política, no Rio de Janeiro, tinham suas
portas abertas, não só para os especialistas do ramo econômico-financeiro, mas também para
atores do mundo empresarial e do universo político, no intuito de efetuar uma parceria
vitoriosa entre a teoria e a prática, “reunindo o espírito de pesquisa que descobre ao senso
dinâmico da técnica que executa” 425. O pragmatismo norteava a atuação dessas sociedades,
podendo ser, visivelmente, diagnosticado na própria escolha do presidente da SBEE, Cardoso
de Melo Neto, professor de economia política e homem de Estado. Este fato não passou
despercebido por Vergueiro César, orador na inauguração da nova sociedade. Em suas
palavras, Melo Neto era um homem que: “se de um lado quer apreender - a relação
constante que liga os fenômenos - do outro, quer aplicar essa - constância na variedade com o sentimento do oportuno, do justo e do máximo do efeito útil para a sociedade, numa
aliança criadora da ciência com a política” 426.
Recém-criada e disposta a influir nos rumos da nacionalidade, a Sociedade
Brasileira de Estudos Econômicos procurou revestir-se da chancela do saber estrangeiro,
cooperando com a tradução do livro de Normano. Tal como no exterior, Evolução econômica
do Brasil foi muito bem recebido pelo público leitor nacional, tornando-se uma obra de
referência para a intelectualidade brasileira, especialmente, até o final da década de 1950.
Adaptando para o Brasil a idéia de fronteira, tradicional na historiografia norte-americana
Álvares Penteado. In: NORMANO, Evolução econômica do Brasil, p. XXI-XXV. A citação feita encontra-se na
página XXIII).
424 VIANA, Histórico da formação econômica do Brasil, p. 99-102.
425 Discurso do doutor Abelardo Vergueiro César, na instalação da Sociedade Brasileira de Estudos Econômicos,
a 16 de outubro de 1937, na Escola de Comércio Álvares Penteado. In: NORMANO, Evolução econômica do
Brasil, p. XXII.
426 Discurso do doutor Abelardo Vergueiro César, na instalação da Sociedade Brasileira de Estudos Econômicos,
a 16 de outubro de 1937, na Escola de Comércio Álvares Penteado. In: NORMANO, Evolução econômica do
Brasil, p. XXII.
190
desde os textos clássicos de Frederic Jackson Turner427, Normano deu ao termo um novo
sentido e uma nova aplicação, ambos mais econômicos. Aliás, foi essa a perspectiva
predominante dos estudiosos ianques preocupados com a questão espacial brasileira, naquela
época: ocupar os vazios do território, integrá-los à economia do país e, assim, fortalecer a
nação 428.
De acordo com Normano, diferentemente dos Estados Unidos, a “expansão
externa” 429, isto é, a expansão dos limites políticos do território pátrio, não foi tão marcante
na história do Brasil. No caso brasileiro, os deslocamentos da fronteira têm um sentido
inverso. “Não é a expansão do território político, mas a incorporação do território existente
à vida econômica da nação, a colonização interna nacional” 430 . No Brasil, o
desenvolvimento não ocorreu em todas as regiões, garantindo uma certa homogeneidade dos
espaços. Inexiste uniformidade físico-econômica e temporal entre as regiões brasileiras.
“Séculos de evolução separam Mato Grosso de São Paulo” 431 – comenta o autor. Associar a
parte dinâmica e moderna do território nacional à porção dependente e colonial do país seria o
objetivo principal das políticas públicas a serem implementadas pelos poderes públicos
brasileiros.
Não há necessidade de uma política de expansão territorial, mas sim de uma política
que procure aumentar a escassa população. Não é necessário procura novos
mercados, novos territórios, nem matérias-primas.
Existe de tudo, à espera de novos bandeirantes dotados do espírito de iniciativa,
aparelhados de capital e métodos modernos. [...]
Esse “imperialismo” econômico-nacional-interno, consistindo na integração de todo
o país num sistema econômico único, baseado em meios modernos de transporte,
suavizará as forças desintegradoras da história do Brasil – seus bairrismo e
427 Os principais textos em que Turner defende a importância das áreas de fronteira para a formação da
nacionalidade norte-americana são: “The significance of the frontier in american history” e “Contribution of the
West to american democracy”.
428 Sobre o olhar dos autores norte-americanos sobre a ocupação do espaço brasileiro no período em questão, ver:
VIDAL E SOUZA, Candice. A pátria geográfica: sertão e litoral no pensamento social brasileiro. Goiana, UFG,
1997, p. 140-147.
429 NORMANO, Evolução econômica do Brasil, p. 3.
430 NORMANO, Evolução econômica do Brasil, p. 2.
431 NORMANO, Evolução econômica do Brasil, p. 21.
191
regionalismos - formando um sólido fundamento econômico para a federação
política.432
Note-se que, em curto prazo, a integração econômica preconizada por Normano
visava a “formação de um enorme mercado nacional e a abertura do sertão” 433. Com isso,
objetivava-se impulsionar a economia do país como um todo e conduzi-la rumo a círculos
virtuosos crescentes. Segundo o pesquisador norte-americano, “disso depende a possibilidade
de satisfazer os credores estrangeiros e o tornar-se, no futuro, mais ou menos independente
dos mercados estrangeiros de dinheiro” 434. Diferentemente das medidas ortodoxas propostas
por Vitor Viana, Normano encarava o problema financeiro do país de um ponto de vista mais
estrutural. Para ele, a causa principal responsável pela instabilidade do meio circulante
brasileiro, desde a Independência, provinha do descompasso entre a economia e o território do
país. “O “Brasil econômico”, relativamente pequeno, tinha que suportar o vasto Brasil
político” 435. Desse desequilíbrio decorria a necessidade periódica que os governos tinham de
apelar, ora para o papel moeda, ora para os empréstimos externos, na tentativa de compensar
os déficits administrativos. A única maneira, por conseguinte, de acabar com o problema
financeiro do país seria pela “ação constante de valorizar a área política, de levar o
desenvolvimento econômico mais perto da fronteira política” 436.
Além dos efeitos mais imediatos, Normano entendia que esta medida teria efeitos
políticos duradouros, no que concerne à consolidação dos laços federativos. Com efeito, uma
das preocupações que perpassaram o pensamento social brasileiro na década de 1930 e o
primeiro período Vargas (1930-1945) foi a questão da nacionalidade. Se a unidade territorial
432 NORMANO, Evolução econômica do Brasil, p. 21-22.
433 NORMANO, Evolução econômica do Brasil, p. 280.
434 NORMANO, Evolução econômica do Brasil, p. 280.
435 NORMANO, Evolução econômica do Brasil, p. 150.
436 NORMANO, Evolução econômica do Brasil, p. 2-3. Escrevendo no Digesto Econômico, mensário da
Associação Comercial e da Federação de Comércio de São Paulo editado a partir de 1944, Normano se
manifestava a respeito do problema da imigração no Brasil nos seguintes termos: “qualquer que seja a região
geográfica a que se prendam ou quaisquer que sejam os princípios de política imigratória pelos quais se
orientem, o que parece evidente é que os brasileiros se deixarão guiar em seus planos pela convicção de que
somente uma rápida industrialização poderá fazer o seu país economicamente autônomo, preservando-lhe ao
mesmo tempo a independência política”. (BIELSCHOWSKY, 2000, p. 278).
192
foi a grande herança imperial, havia um certo consenso entre as elites brasileiras de que ainda
faltava ao país a obra do entrelaçamento íntimo das unidades que compunham a União. Nesse
sentido, a política cultural empreendida no governo de Vargas foi uma arma poderosa na
tarefa de criação da nacionalidade. Porém, como acentuavam Normano e diversos outros
autores, uma política de ocupação e integração do território, baseada em investimentos
pesados tanto no setor dos transportes, quanto no campo da imigração e da colonização do
solo, era de suma importância para o combate efetivo da ameaça regionalista.
Um olhar retrospectivo sobre um século da historia econômica e financeira do Brasil
mostra que, não obstante as constantes mudanças, o indiscutível progresso feito pelo
país, o principal problema permaneceu imutável: aumentar o território do “Brasil
econômico” e injetar uma substância econômica na área política. A nação se formou
por esse processo; e agora ele forma os Estados Unidos do Brasil econômico.437
A discussão em torno do caráter estratégico de uma política de ocupação do país e
de integração nacional não ficou restrita aos meios intelectuais brasileiros. Muito pelo
contrário, foi rapidamente incorporada pelo Estado, especialmente, após a ascensão de
Getúlio Vargas ao poder, e, particularmente, depois da instauração do Estado Novo 438. No
discurso proferido em Cuiabá, a 7 de agosto de 1941, o chefe do regime ditatorial brasileiro
definia nos seguintes termos o significado das ações do Governo em prol do melhor e mais
amplo aproveitamento do solo pátrio. Suas palavras constituem-se em uma excelente tradução
do que estudiosos, como Normano, diziam a respeito da importância política da obra de
ocupação econômica do território nacional.
437 NORMANO, Evolução econômica do Brasil, p. 282.
438 Utilizando, praticamente, as mesmas palavras de que Normano fez uso para discutir a importância da
expansão da “fronteira econômica” no Brasil, Getúlio Vargas assim se expressava em entrevistas dadas à
imprensa entre 19 de fevereiro e 22 de abril de 1938: “As nações novas, formadas pela expansão colonizadora,
apresentam, entre os fenômenos específicos do seu crescimento, a mobilidade de fronteiras. Não coincidem, nos
primórdios da formação, as linhas de demarcação política e a extensão de apropriação econômica. Dessa
diferenciação decorre a existência da “fronteira móvel”, que traduz a expansão do território integrado no
sistema nacional de produção dentro da área política. O Brasil é, na atualidade, um dos países em que se
registra o fato, e, por isso mesmo, a sua expansão tem um caráter puramente interno, como processo de dar
substância econômica ao corpo político e fazer coincidirem as duas fronteiras. [...] O imperialismo brasileiro
consiste, portanto, na expansão demográfica e econômica dentro do próprio território, fazendo a conquista de si
mesmo e a integração do Estado, tornando-o de dimensões tão vastas quanto o país” (VARGAS, As diretrizes
da nova política do Brasil, p. 124-125).
193
O problema da ocupação econômica do nosso território é um postulado da própria
criação do Estado Nacional. Estamos fazendo a estruturação dos núcleos básicos do
nosso crescimento, não apenas ao longo da faixa marítima, mas abrangendo a
totalidade do País. E essa obra, que há de ser o maior título de glória da geração,
porque significa unir e entrelaçar as forças vivas da Nação, retomou o sentido dos
paralelos e renovou o lema bandeirante da marcha para o Oeste. 439
O quarto e último livro retratando de um modo panorâmico a história econômica
do Brasil de que vamos tratar foi escrito por Roberto Simonsen 440. História econômica do
Brasil começou a ser idealizada e esboçada em meados da década de 1930, quando Simonsen
assumiu a recém-criada cadeira de História da Economia Nacional na Escola Livre de
Sociologia e Política 441. Organizada em São Paulo por parte da elite industrial e intelectual do
Estado, a princípio, a ELSP tinha como objetivo formar uma nova elite nacional, imbuída de
439 VARGAS, As diretrizes da nova política do Brasil, p. 138-139. Adensando o sentido político da obra da
integração econômica do território brasileiro, assim dizia Vargas em entrevistas concedidas à imprensa entre
fevereiro e abril de 1938: “O sertão, o isolamento, a falta de contato são os únicos inimigos temíveis para a
integridade do país. Os localismos, as tendências centrífugas, são o resultado da formação estanque de
economias regionais fechadas. Desde que o mercado nacional tenha a sua unidade assegurada, acrescendo-se a
sua capacidade de absorção, estará solidificada a federação política. [...] Se a produção de riquezas com o
incremento das explorações existentes e a utilização dos potenciais constitui um programa imediato,
seguramente, a sua circulação é a parte dinâmica de qualquer renovação nacional. Rodovias, ferrovias,
navegação fluvial, são os escalões imprescindíveis para a perfeita e completa integração do país”. (VARGAS,
As diretrizes da nova política do Brasil, p. 126).
440 Roberto Cochrane Simonsen nasceu na cidade Santos, em 18 de fevereiro de 1889. Formou-se em Engenharia
pela Escola Politécnica de São Paulo, em 1909. Pouco depois, assumiu a Diretoria Geral da Prefeitura de Santos.
Ao deixar este cargo, fundou a Companhia Construtora de Santos, empresa que se tornou destacou quando
Simonsen foi contratado pelo governo federal para construção de quartéis para o exército em diversos Estados.
Além de ter sido um empresário de sucesso, Simonsen foi ardoroso defensor dos interesses do comércio e, muito
especialmente, da indústria brasileira. Em 1919, integrou a Missão Comercial Brasileira enviada à Inglaterra,
também participando, como representante brasileiro, do Congresso Internacional dos Industriais de Algodão em
Paris e da Conferência Internacional do Trabalho em Washington. Em 1928, ocupou a diretoria do recém-criado
Centro das Indústrias do Estado de São Paulo. Posteriormente, quando esta entidade se transformou na
Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Simonsen foi seu presidente. Também foi presidente da
Confederação Industrial do Brasil, mais tarde, Confederação Nacional da Indústria. Em 1932, participou
intensamente do Movimento Constitucionalista de São Paulo, chegando a ficar exilado em Buenos Aires por um
mês. No inicio da década de 1930, inaugurou o Instituto de Organização Racional do Trabalho, presidiu o
Instituto de Engenharia de São Paulo e participou da fundação da Escola Livre de Sociologia e Política, também
no Estado. A atuação política de Simonsen em prol da indústria também foi marcante. Foi deputado classista na
Assembléia Nacional Constituinte, em 1933. Logo depois, foi eleito deputado federal por São Paulo. Durante o
Estado Novo, apoiou o regime ditatorial e integrou diversas comissões, conselhos e órgãos técnicos
governamentais. Em 1945, foi eleito senador pelo Estado de São Paulo. Neste mesmo ano, ingressou para a
Academia Brasileira de Letras. Simonsen morreu em 1948, durante uma solenidade na ABL. (Essas informações
foram retiradas do site da ABL, disponível em: . E também do site do Centro de
Pesquisa e Documentação da Fundação Getúlio Vargas, disponível em: ).
441 Comentando a criação desta cadeira que acabou dando origem à obra em apreço, Afrânio Peixoto assim se
expressa no prefácio do livro: “uma matéria, porém, era inédita, virgem, original: era a História Econômica do
Brasil... Quem a versaria? Como todos se escusassem, e ele [Roberto Simonsen], grande industrial e perito
financeiro, houvesse o mais – conhecimentos econômicos indispensáveis – lançou-se ao menos, que devia ser a
história “econômica” do Brasil. Mas não havia nada. Só havia história política e administrativa do Brasil.
Ainda não tiveram tempo os nossos historiadores”. (SIMONSEN, História econômica do Brasil, p. 11. Fizemos
uso da 7ª desta obra, publicada, em formato grande, em 1977).
194
pressupostos técnico-científicos e preparada para ocupar qualquer cargo na administração
pública e privada. Esta escola foi fundada em um momento em que setores da elite paulista
procuravam reaver, por meio da liderança intelectual, a posição de hegemonia política do
Estado, ameaçada pelos conflitos com a União, cujo ápice foi a Revolução Constitucionalista
de 1932. Expressa de um modo meridiano no famoso Manifesto dos Pioneiros, essa atitude
teve como corolário a abertura de inúmeros centros de ensino superior e técnico no Estado.
Simonsen foi quem pronunciou o discurso inaugural da ELSP. Logo nas primeiras páginas da
obra em foco, o autor identifica seu livro a essa missão cívica, que teve como uma de suas
principais expressões a criação de centros de formação técnica e superior, onde as novas elites
brasileiras pudessem ser formadas à luz da ciência e em contato com “a realidade do nosso
meio” 442.
A um estudioso sincero de nossas questões econômicas uma conclusão (...) desde
logo se impõe: os povos que hoje se contam na vanguarda do progresso e da
civilização libertaram-se, nos tempos modernos, de uma desorganização que os
estiolava; e a primeira manifestação de sua força foi a fixação de uma consciência
nacional de suas próprias aspirações e necessidades, permitindo-lhes rotas políticas
que lhes facilitariam uma mais rápida evolução econômica.
No Brasil, apesar dos esforços dos nossos maiores e do quanto já realizamos em face
dos múltiplos fatores adversos, que se nos deparam, ainda não chegamos, no
entanto, à inteira formação dessa consciência. Daí o programa da Escola Livre de
Sociologia e Política de São Paulo, com esse relevante objetivo. Se as explanações e
as críticas que fizermos concorrerem, de alguma forma, para esse propósito, dar-nosemos por pagos dos nossos esforços e das nossas penas. 443
Antes de aparecer em livro, dez dos quinze capítulos da obra foram ministrados
em aulas, durante os dois semestres do ano letivo de 1936. Com efeito, a obra aborda de
forma parcial os 25 pontos do programa da cadeira de História Econômica do Brasil da ELSP.
Apenas os primeiros sete tópicos do conteúdo programático foram trabalhados no livro. Mais
tarde, alguns desses pontos restantes foram enfocados em outros textos do autor. História
econômica do Brasil não é um livro que nasceu de ampla e profunda pesquisa de fontes.
Como o próprio autor explicita, a narrativa em apreço foi o resultado da leitura de diversas
442 SIMONSEN, História econômica do Brasil, p. 19.
443 SIMONSEN, História econômica do Brasil, p. 34.
195
produções nacionais e internacionais sobre o tema, o que, de forma alguma, retira os méritos
do livro – um sucesso editorial na época e um livro que, pelos dados estatísticos que trazia e
pela abrangência da temática e consistência no tratamento do assunto, estimulou a crítica e se
tornou uma referência obrigatória no ramo historiográfico então nascente.444
Novamente, portanto, o período do Brasil Colônia será revisitado por um autor,
que o interpretará à luz dos pressupostos da história econômica. A escolha da época colonial
tinha uma justificativa. “Constatando [...] ter sido na era colonial que se formou a trama
social, asseguradora da estrutura unitária do país, impusemo-nos a fixação dos fatores
econômicos que contribuíram para essa formação” 445. Acompanhar de perto os processos
econômicos que permitiram a manutenção da tessitura territorial da América portuguesa foi o
grande objetivo desta obra.
O açúcar fixou o português ao solo colonial, cultivado pelo braço viril e rendoso
do escravo negro. A pecuária ia avançando lentamente pelo interior do continente e
integrando o litoral ao sertão com suas trilhas. A caça dos indígenas e, posteriormente, o
aproveitamento dos mesmos na coleta das ricas especiarias possibilitaram o alargamento das
fronteiras no vale do Amazonas, assim como, sua paulatina incorporação às rotas coloniais.
As bandeiras paulistas atuaram como ondas migratórias a desbravar os rincões mais distantes
da América do Sul. E a mineração... a mineração, a despeito de todas as ilusões, foi o grande
motor do povoamento na era colonial: seja incentivando a imigração para o Centro-Sul, seja
garantindo a ocupação definitiva dos sertões, seja criando as condições necessárias ao
surgimento das primeiras cidades interioranas, seja constituindo um grande mercado de gado
no centro da colônia para as tropas provenientes do Sul, seja desenvolvendo a cidade do Rio
444 SZMRECSÁNYI, Tamás. Retomando a questão do início da historiografia econômica no Brasil. Nova
Economia, Belo Horizonte, vol. 14, n.º 1, p. 11-37, jan./abr. 2004. A parte relativa à História econômica do
Brasil de Roberto Simonsen se encontra entre as páginas 16 e 19.
445 SIMONSEN, História econômica do Brasil, 25.
196
de Janeiro, seja, enfim, estabelecendo as bases econômicas da hegemonia do Centro-Sul na
dinâmica social do Brasil, a partir do século XVIII. 446
Além de ter uma grande parcela de contribuição para a formação unitária do país,
todas essas atividades econômicas foram desenvolvendo a América portuguesa, de tal modo
que a colônia, desde cedo, tornou-se atrativa para os imigrantes e os capitais da metrópole.
Após as medidas tomadas e os investimentos feitos da administração dinâmica do marquês de
Pombal, no reinado de D. José I, as exportações das capitanias brasileiras atingiram números
surpreendentes para a época, sustentando mais da metade do comércio internacional
metropolitano, nas últimas décadas do jugo colonial. Todo esse vigor produtivo não demorou
a despertar o desejo da independência 447. Anseio, em parte, satisfeito com a transmigração da
Corte – que, certamente, empreendeu várias realizações do ponto de vista econômico e
administrativo 448 , como destaca o autor – mas, apenas consumado, com a efetiva
independência política do Brasil.
Enfim, em resumo, é este o panorama traçado por Simonsen da história
econômica do Brasil. Em seus termos, “a fixação do papel preponderante que tiveram os
fatores econômicos na formação dessa trama consubstanciada no Brasil-Nação, foi o
446 O parágrafo acima é uma síntese do corpo da obra em análise, História econômica do Brasil de Roberto
Simonsen. Fundamentamo-nos neste grande resumo nos seguintes capítulos: cap. V, “O ciclo do açúcar”, p. 7794; cap. VII, “Outros fatores econômicos da ocupação da terra. A pecuária”, p. 145-164; cap. VIII, “Ainda a
pecuária. Sua contribuição para a formação unitária do Brasil”, p. 165-202; cap. IX, “Os fundamentos
econômicos da expansão paulista”, p. 203-242; cap. X, “Ciclo da mineração (1ª parte), p. 247-268; cap. XI,
“Ciclo da mineração (2ª parte), p. 269-302; cap. XII, “Os fundamentos econômicos da ocupação do Amazonas”,
p. 303-350.
447 Essas questões são tratadas no capítulo VIII, “O comércio do Brasil na era colonial”, em: SIMONSEN,
História econômica do Brasil, p. 351-381, especialmente o tópico “Comércio luso-brasileiro” entre as páginas
361-367.
448 Segundo Simonsen, “o estudo do período entre 1808 e 1821 demonstra o enorme esforço desenvolvido pelo
governo português para erguer a colônia e elevá-la à categoria de um grande império. [...] Não fossem as
circunstâncias de ordem política e a evolução da economia internacional que passou a valorizar os produtos de
outras regiões [como os das regiões temperadas], e muito mais apreciáveis teriam sido os resultados da grande
série de medidas então tomadas. [...] A administração portuguesa organizou a superestrutura de um país
soberano, criou internamente o prestígio do poder central e tornou o Brasil mais conhecido no exterior. [...] Os
grandes problemas que ainda hoje desafiam a argúcia dos estadistas foram abordados pelas suas
administrações” (SIMONSEN, História econômica do Brasil, p. 450-452. Sobre a administração de D. João VI,
ver: SIMONSEN, História econômica do Brasil, p. 389-428).
197
objetivo da primeira parte do curso” 449. Algo, porém, ainda ficava faltando para a realização
plena dessa unidade e para o desenvolvimento contínuo e consistente do organismo nacional
independente, qual seja: a integração das diversas partes do território brasileiro, por meio de
um sistema de comunicações eficiente, que permitisse ao país a absorção e o aproveitamento
produtivo de cada porção de seu solo, assim como, assegurasse-lhe a posse de um
significativo e promissor mercado de consumo.
O grande sonho da administração portuguesa no Brasil, de dotá-lo de um plano de
viação, que permitisse a rápida valorização, intercomunicação e exploração de suas
grandes regiões, esbarrou nos mesmos óbices que ainda hoje deparamos na maior
parte do país: dificuldades geotopográficas, impossibilidade de culturas rendosas,
que remunerem o custeio dessas iniciativas e deficiências de população e de capitais
disponíveis. 450
Afora a necessidade estratégica, em termos geopolíticos, de uma integração
nacional promovida por investimentos na área da infra-estrutura, esse tipo de realização
também teria retornos do ponto de vista econômico. É isso que Simonsen aponta, quando
salienta: “o Brasil-colônia nasceu com a revolução comercial; o Brasil independente deu
seus primeiros passos com a revolução industrial” 451. Diante de um cenário internacional
altamente competitivo, dizia o autor, interessa ao país resguardar-se internamente, seja
estimulando sua indústria, seja protegendo seus mercados consumidores. Foram essas
medidas que o príncipe regente não tomou, antes, pelo contrário, desguarneceu a economia do
país em seus primeiros anos de atividade independente. Tais ações continuariam não sendo
adotadas pelos gestores públicos brasileiros, no que prejudicavam enormemente o setor
produtivo nacional 452.
449 SIMONSEN, História econômica do Brasil, p. 453.
450 SIMONSEN, História econômica do Brasil, p. 441-442.
451 SIMONSEN, História econômica do Brasil, p. 453.
452 “[Com relação aos tratados de 1810], não era essa, infelizmente, a política comercial que conviria a um país
como o nosso, que apenas iniciava a sua economia independente. Tínhamos que abraçar, àquele tempo, política
semelhante à que a nação norte-americana seguiu no período de sua formação econômica. Produtores de
artigos coloniais, diante de um mundo fechado por “políticas coloniais”, tornamo-nos, no entanto, campeões de
um liberalismo econômica na América. E os resultados de tal política estão registrados em nossa História
Econômica. Parece-nos, porém, que até hoje ainda não soubemos aproveitar as lições desse passado”.
(SIMONSEN, História econômica do Brasil, p. 405-406).
198
Histórico da formação econômica do Brasil, Pontos de partida para a história
econômica do Brasil, Evolução econômica do Brasil e História econômica do Brasil. Esses
quatro livros formam um conjunto de textos que estiveram na base da História Econômica,
ramo nascente na historiografia brasileira no início do século XX, pelo menos, no que
concerne às obras de síntese. Seus autores, todos eles, percorreram um caminho comum.
Muito embora as diferenças de ênfase e interpretação histórica, os quatro escritores visitaram
o período colonial da trajetória histórica brasileira, objetivando demonstrar como a formação
econômica ocorrida naqueles pouco mais de três séculos contribuiu, tanto para o
amadurecimento do sentimento de independência, que floresceu concretamente na luta pela
independência política, quanto para o desenvolvimento de vínculos econômico-sociais entre
as diversas capitanias, o que teve efeitos positivos para a garantia da unidade nacional.
Além de esclarecer os contributos da fase colonial do Brasil para a história do
país, esses autores retrocederam ao período em questão no intuito de demonstrar as
deficiências, os gargalos, os impasses, enfim, os grandes problemas nacionais. Conquanto
nem todos eles estejam escrevendo nas proximidades das comemorações do Centenário da
Independência, a efeméride não deixa ser uma referência importante para esses intelectuais.
Os quatro autores, cada um a seu modo e com sua respectiva ênfase, remontaram ao passado
brasileiro, porque queriam apontar as falhas e salientar as lacunas que obstaculizavam a
marcha triunfante do organismo nacional. Entre esses empecilhos históricos, como vimos,
destacavam-se as periódicas crises financeiras que abalavam a economia do país como um
todo, a integração econômica apenas parcial dos Estados que compunham a União, impedindo
a constituição de um grande mercado interno, sem dúvida, auspicioso para os setores
produtivos brasileiros, e a posição equivocada ou desvantajosa do Brasil no cenário do
comércio internacional. Cada autor enfatizava, em sua narrativa, um ou mais desses pontos,
apontando uma solução que, por vezes, era diametralmente contrária à posição dos outros.
199
Entretanto, algo os unia e é justamente isso que nos permite, hoje, reinseri-los em um diálogo,
em cuja pauta principal discutiam-se os caminhos e descaminhos do Brasil. Na bela síntese
de Francisco Iglésias, “o país precisava completar o que se iniciara há cem anos” 453.
Foi neste contexto de emergência da historiografia econômica e de valorização
dos fatores sócio-econômicos na trajetória histórica brasileira que a figura de Mauá ganhou
destaque e passou a dividir as atenções da intelectualidade do país. No capítulo anterior,
apresentamos os principais significados da biografia escrita pelo embaixador Alberto de Faria,
em seu contexto de produção. De que formas, a imagem do visconde foi apropriada por Faria
e seus contemporâneos? – foi essa a questão que norteou nossas reflexões àquela altura da
narrativa. No presente capítulo, temos como objetivo principal situar as representações
políticas em torno do visconde em um contexto intelectual mais abrangente. Já vimos a
importância historiográfica de Mauá em seu diálogo com a nascente historiografia econômica;
abordamos, en passant, os primeiros grandes panoramas sobre a História Econômica do
Brasil, assinalando sua participação nos debates nacionais; na seqüência do texto,
enfocaremos a obra de um importante pensador dos anos 1930, um intelectual cujo discurso
tem contornos autoritários, nacionalistas e modernizantes. Sua obra incorpora as contribuições
trazidas tanto pelas representações políticas em torno do visconde de Mauá, quanto pela
historiografia econômica em formação, inserindo-as, contudo, em uma reflexão mais ampla,
cujo resultado, assim nos parece, significou o estabelecimento de um novo marco no
pensamento social brasileiro. A obra de Azevedo Amaral seria como que o encerramento de
uma primeira etapa na história da tradição da modernização industrial no Brasil. Valendo-se
do novo herói que o Mauá de Alberto de Faria introduziu, definitivamente, no panteão
nacional e valorizando os aspectos econômicos da formação histórica brasileira, em destaque
no ramo historiográfico no país, Azevedo Amaral operou um lance no pensamento social do
453 IGLÉSIAS, 1959, p. 81.
200
país que representou, senão a mudança imediata do foco da intelectualidade dedicada ao
estudo da formação histórica do país, pelo menos, a introdução de um novo e significativo
elemento que, depois disso, já não poderia continuar ignorado. Com Azevedo Amaral, um
passo significativo foi dado para o reconhecimento do valor axial dos fatores econômicos,
particularmente, da temática da industrialização na formação brasileira.
5.3 - Um novo marco na “escrita da nação”
A partir de 1930, Azevedo Amaral 454 deu início a um longo período de intensa
produção, cujo resultado materializou-se em cinco ensaios de interpretação do Brasil e uma
biografia apologética, escrita pouco antes de sua morte, sobre Getulio Vargas 455 . A
preocupação com o desenvolvimento material do país é uma nota alta e constante em seu
pensamento. Ressalte-se ainda sua capacidade para misturar diferentes matrizes
interpretativas e sua habilidade para analisar o cotidiano político de seu tempo 456. Azevedo
Amaral, diga-se de passagem, foi um intelectual bastante afinado com o Estado Novo e um
grande admirador de Vargas.
454 Antônio José Azevedo do Amaral nasceu no Rio de Janeiro em 1881. Formando-se em Medicina em 1903,
não exerceu a carreira clínica, dedicando-se, antes, ao jornalismo, sua grande paixão. Foi nesta função que,
vivendo na Inglaterra entre 1906 e 1916, atuou e ganhou prestígio como correspondente de vários jornais, dentre
os quais: Correio da Manhã, A Notícia, Gazeta de Notícias e Jornal do Comércio. Ascendendo na carreira
jornalística, chegou a ser o redator-chefe de O País. Azevedo Amaral foi um adepto fervoroso do progresso,
certamente tendo contribuído para isso sua longa estadia na terra-natal da Revolução Industrial, além da
circunstância de seu pai, o engenheiro Ângelo Tomás do Amaral, ter sido um construtor de ferrovias nos tempos
do visconde de Mauá – personagem histórico que o filho também admirava em razão do gênio empreendedor.
(CHAVES, Luís Guilherme Bacellar. Azevedo do Amaral. In: ABREU, Dicionário Histórico Biográfico
Brasileiro. 2ª ed. Rio de Janeiro, 2001, p. 194-195).
455 Durante cerca de dez anos, Azevedo Amaral publicou os seguintes livros: Ensaios brasileiros (1930), O
Brasil na crise atual (1934), A aventura política no Brasil (1935), Renovação nacional (1936), O Estado
autoritário e a realidade nacional (1938) e Getúlio Vargas, estadista (1941).
456 OLIVEIRA, 1982, p. 48-50.
201
Em suas obras, há referências, às vezes, explícitas aos pesquisadores que se
dedicavam ao estudo da formação econômica brasileira, em que o autor se baseava para
escrever sua “leitura fundante” 457 da história do Brasil. Amaral felicita essas pesquisas que
enfocavam as transformações econômicas da trajetória nacional, na medida em que elas se
prestavam à compreensão dos “traços”, dos “valores fundamentais” e das “diretrizes do tipo
de civilização” que conformaram a cultura brasileira no passado e que, no presente, são
indispensáveis para o entendimento da nacionalidade 458 . Dito de outra forma, o gênero
historiográfico em questão era importante para o ensaísta, uma vez que lhe permitia chegar,
atravessando a camada externa dos acontecimentos examinados nessas narrativas, ao núcleo
qualitativo que presidiu as ações, os sentimentos e as idéias dos homens que viveram em
determinada época, muito especialmente, no período de gestação da brasilidade.
A constituição de formas sociais orgânicas é uma preocupação que perpassa toda
a obra de Azevedo Amaral459. Uma nação é organicamente sadia quando sua estruturação e
seu funcionamento sociais estão em perfeito acordo com sua realidade intrínseca “imutável”,
obedecendo ao que ele mesmo chamava de os “determinantes sociológicos de [seu]
desenvolvimento histórico” 460. Quanto mais ligada a suas realidade originais, tanto mais uma
sociedade se aproximaria dos ideais de plena maturidade e desenvolvimento. Por conseguinte,
457 Utilizamos a expressão leitura fundante tal como a define Nilo Odália. Trata-se de um tipo de interpretação
histórica em que se percebe a preocupação clara de se encontrar a particularidade de um povo, isto é, a “origem”
ou o “espírito” nacional em que se alicerçaria toda a trajetória de uma nação. Esse tipo de narrativa tem a
intenção de estabelecer os marcos originários da vida nacional, haja vista que uma origem é mais do que um
começo, sendo também um princípio, um elemento fundante que perpassará todo o devir de um povo e ao qual,
necessariamente, a nação terá que se adequar, sob pena de nunca se encontrar consigo mesma e, muito menos, se
realizar. (Para a definição de “leitura fundante”, ver: ODÁLIA, 1996, p. 130-131).
458 AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 147. Em suas palavras, assim dizia Azevedo Amaral a respeito da
importância dos estudos de história econômica para os ensaios que, hoje, incluímos na categoria de pensamento
social brasileiro: “O estudo desse período decisivo da nossa história e sem cujo perfeito conhecimento não é
possível apreender os traços, os valores fundamentais e as diretrizes do tipo de civilização que ora se organiza
no país, só começa a ser feito no momento atual. Dessa reconstituição dos fenômenos iniciais da formação de
uma nova estrutura social, que leva o Brasil a uma outra etapa do seu desenvolvimento histórico, diferenciada
das anteriores e ainda mais acentuadamente caracterizada por traços inconfundíveis, estamos adquirindo hoje
meios de interpretar a atualidade brasileira e as suas tendências de um ponto de vista que não cogitavam sequer
os nossos antigos historiadores”. (AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 147-148).
459 OLIVEIRA, 1972, p. 50-51. Na verdade, em todo o artigo, a autora desenvolve a tese apresentada nas
primeiras páginas do texto.
460 AMARAL, O Estado autoritário e a realidade nacional, p. 6.
202
o recurso à historiografia econômica brasileira, então, emergente não era feito sem propósitos.
Como visto, esse ramo do saber histórico nasceu com os olhos voltados para os tempos do
Brasil colonial. Era, pois, nesse período histórico que Azevedo Amaral ia buscar as fontes, as
origens da nacionalidade, tal como fizeram inúmeros, senão todos os outros pensadores que
lhe foram contemporâneos.
Acompanhar Azevedo Amaral em seus esforços para a apreensão dessa qualidade
inerente à trajetória de um povo não é, contudo, tarefa fácil. A despeito de o autor explicitar
em seu primeiro livro as variáveis históricas que fundamentariam todas as suas análises
posteriores, ele não hierarquiza esses elementos da mesma maneira em seus ensaios. Daí, a
dificuldade de se “bater o martelo” quando se trata de apresentar a teoria das causalidades que
regeu o intérprete em suas narrativas sobre o Brasil. Não obstante tudo isso, ainda assim é
possível delinear, com relativa clareza, a trajetória metodológica trilhada por este intelectual
em suas obras 461.
Em síntese, três fatores são decisivos no desenvolvimento nacional: os elementos
biológicos, entendidos como as características psíquicas dominantes de um povo, sendo estas
qualidades determinadas pela raça; o meio físico, alusivo às potencialidades econômicas de
um território e com influência direta no tipo de organização de uma sociedade; e os fatores
econômicos, referentes ao grau de especialização técnica de uma população e determinantes
do nível de aproveitamento produtivo dos recursos naturais de um território. Confrontando a
articulação desses fatores em Ensaios brasileiros com o arranjo que eles assumem em O
Estado autoritário e a realidade nacional, verificam-se diferenças gritantes.
Na primeira obra, Azevedo Amaral fundamenta suas interpretações em um
modelo hermenêutico mais rígido e determinista, ao afirmar que a organização social é
tributária da maior ou menor adaptação econômica dos grupos humanos ao seu meio físico e
461 ALCÂNTARA, 1967, p. 194-224. Entre as páginas 196 e 201, encontra-se a discussão metodológica a que
fizemos referência e que servirá de base para os dois parágrafos que se seguem no texto.
203
ao derivar esta capacidade de acomodação, em última análise, do fator humano - por sua vez,
na base do nível de maturação técnica alcançado por um povo 462. Ao longo de sua produção
intelectual, o intelectual vai progressivamente abandonando o enfoque determinista, para
assumir uma postura mais voluntarista em relação ao devir histórico. Com isso, os
condicionamentos raciais, embora ainda presentes em sua análise da evolução sociológica,
vão perdendo o “papel primacial de fator dominante” 463 desempenhado no início de suas
reflexões sobre o Brasil. O grande problema nacional passa a ser o desafio do ajustamento da
superestrutura institucional do país à infra-estrutura fixa, que representa a individualidade
coletiva da nação, e à realidade econômica cambiante, fruto das transformações técnicas.
O desenvolvimento histórico não é, em última análise, mais que a correção sucessiva
de erros e o reajustamento de situações desarmoniosas, uma série de mutações
visando sempre maior adaptação das formas estruturais da sociedade e de seu
organismo político às condições traçadas pela inexorável pressão da realidade. 464
Conquanto trabalhe com a idéia da necessidade de uma dupla adequação à
realidade histórica, sujeita tanto aos imperativos constantes da nacionalidade, quanto às
exigências contextuais da organização econômica, Azevedo Amaral não via dificuldades na
462 O autor diz isso no texto com bastante clareza ao afirmar: “Pode-se dizer que as possibilidades de um povo
organizar formas superiores de civilização e para exercer influência mais acentuada na vida mundial, estão na
razão direta do número de árvores genealógicas eugênicas dos indivíduos que atualmente o constituem”.
Corroborando essa interpretação, Azevedo Amaral incumbe o Estado de duas tarefas primordiais, quais sejam:
evitar a propagação “dos elementos indesejáveis”, isto é, as “hereditariedades taradas” e promover encontros
genéticos sadios, adotando-se critérios eugênicos no serviço de imigração. (Sobre as idéias e medidas, de caráter
eugênico, sugeridas por Azevedo Amaral, ver o capítulo “Fator humano” em: AMARAL, Ensaios brasileiros, p.
63-104. A citação feita acima se encontra na página 88).
463 AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 50. Percebe-se o “lugar” central dos fatores raciais na análise de Azevedo
Amaral na passagem que se segue: “Se é certo que a organização da produção decorrente dos inventos técnicos
vem a ser o fator decisivo na plasmagem das formas de vida social, tanto material como espiritual, é também
evidente que aquela organização será tanto mais perfeita quanto mais eficiente forem as expressões do gênio
inventivo. E como este por seu turno reflete não apenas a capacidade criadora da imaginação humana, como o
grau de profundidade e de extensão dos conhecimentos adquiridos sobre as relações fenomenais que se
observam no mundo físico, é claro que a natureza das formas de produção, redunda em última análise da
potência da mentalidade coletiva. Assim, chegamos à conclusão de que o homem representa na evolução
sociológica o papel primacial de fator dominante em todo o determinismo dos fenômenos dessa categoria”.
(AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 49-50). Outro trecho é bastante esclarecedor: “Apesar da grande influência
exercida pelas condições ambientais no determinismo dos traços característicos da fisionomia peculiar de cada
tipo de civilização, cabe ao homem o papel preponderante, como fator do aproveitamento mais ou menos eficaz
das circunstâncias em que se acha colocado, dependendo das expressões da sua atividade a marcha do
progresso coletivo e as formas que refletem o desenvolvimento do processo sociogênico”. (AMARAL, Ensaios
brasileiros, p. 63).
464 AMARAL, O Estado autoritário e a realidade nacional, p. 9.
204
resolução deste impasse, muito particularmente, no caso brasileiro. Pelo contrário, conforme
sua tese, o desatamento de um desses nós significaria necessariamente o desenlace do outro,
haja vista a coincidência de sentido de ambos. Nessas circunstâncias, a constituição de um Estado
econômico, um poder político voltado para as necessidades objetivas do organismo nacional, seria por
si só capaz de recolocar a nacionalidade nos trilhos de sua evolução histórica natural e encaminhar o
país para a senda do progresso, em conformidade com a marcha da civilização universal. É este o
grande tema do seu livro A aventura política no Brasil, publicado em 1935.
O novo Estado brasileiro, que terá forçosamente de ser erguido, precisa enquadrar-se nos
planos novos da civilização que desponta e na qual só há um traço já perceptível como
característica do futuro.
O primado social das forças ativas da produção e a direção do Estado pelos elementos
associados ao trabalho criador são esses os dois únicos postulados, que por enquanto podem
ser definidos como colunas mestras do Estado brasileiro de amanhã.
Mostrar como essa orientação construtora em harmonia com as realidades do mundo
contemporâneo se adapta ao sentido histórico da nacionalidade brasileira, foi o objetivo
visado pelo autor neste livro. 465
Na obra em questão, Azevedo Amaral re-elabora sua leitura fundante da história
do Brasil, apresentando o povo brasileiro como um povo de índole econômica: uma sociedade
prática que, desde o princípio de sua formação histórica, consagrou-se exclusivamente ao
aprimoramento de sua capacidade produtiva, estruturando-se hierarquicamente para atender a
esse propósito. Lastreando essa formação social havia um Estado econômico, cujas raízes
remontavam à formação histórica da península ibérica 466. Até o último quartel do século
XIV, Portugal se apresentava sob a forma de um Estado militar. A luta atroz e constante
contra o inimigo sarraceno organizara a sociedade e o poder público em moldes tipicamente
militares. Com o avanço das conquistas, novas populações ingressaram na sociedade lusitana,
surgindo daí tendências inéditas. Eram gentes em cujas veias corria o sangue semítico. Eram
mercantes por natureza. Dentre essas levas de homens, boa parte migrou para as cidades,
constituindo um foco burguês vigoroso. Resultado: o Estado militar português transformou-se
465 AMARAL, A aventura política do Brasil, p. 7 e 8.
466 Sobre esse assunto, ver o capítulo “Origens apolíticas do Estado brasileiro”, em: AMARAL, A aventura
política do Brasil, p. 73-88.
205
bruscamente em uma organização econômica voltada para a conquista da África e do Oriente,
no intuito de satisfazer as ambições dessa burguesia saliente. E foi sob o signo dessa mudança
estrutural na sociedade e no Estado lusitano que o Brasil surgiu e as populações que habitaram
seu território se desenvolveram.
A natureza essencialmente apolítica da ação da metrópole no Brasil, onde havia uma
administração, mas não existia propriamente um governo, longe de ser maléfica,
constituiu causa eficiente do rápido progresso da colônia. Não sofrendo a pressão de
um poder político que aos seus fins de domínio sacrificava os interesses
econômicos, [...] o Brasil muito mais desafogadamente expandiu as suas atividades
produtoras e ofereceu muito maior amplitude ao surto empreendedor das suas
populações. 467
Impulsionado pela mentalidade econômica de seu povo e pela ação indutora de
uma metrópole regida pelo mesmo viés, o Brasil Colônia viveu um período de acentuado
crescimento, em seus primeiros dois séculos. Ainda que pairasse sobre ele um senhor, a
metrópole, este não era dominador, nem sufocante. Havia espaço bastante para o
florescimento da personalidade coletiva daquele povo nascente. Entretanto, a partir do
movimento da Restauração, realizado em meados do século XVII, a atitude metropolitana
mudou drasticamente de rumos. O reino luso encontrava-se exausto diante dos esforços
extraordinários requeridos pela reconquista da sua independência. “O Estado português que
nos dias áureos da dinastia de Aviz se tornara uma poderosa organização mercantil (...)
tornava-se agora uma simples máquina de cobrar impostos” 468. Por todo o Setecentos,
Portugal não foi mais do que um mero parasita transatlântico469. Felizmente, o organismo
colonial encontrava-se suficientemente robustecido naquela época para enfrentar a
permanente sucção de suas riquezas. O aproveitamento do surto minerador, conjugado às
perspectivas da nascente manufatura na região das Minas, descortinava para a futura nação
467 AMARAL, A aventura política do Brasil, p. 123.
468 AMARAL, A aventura política do Brasil, p. 126.
469 Certo é que a expansão marítima portuguesa foi sempre um empreendimento parasitário. Contudo, Amaral
diferencia o parasitismo ativo e batalhador, próprio dos animais de presa, do parasitismo passivo e covarde,
peculiar aos ácaros repulsivos. Os primeiros lutam e, por vezes, derramam o seu próprio sangue, fazendo jus ao
despojo conquistado; os segundos não passam de criaturas vis, ladrões do suado produto alheio. Estes últimos
são como que degenerescências na cadeia evolutiva das espécies. (AMARAL, A aventura política do Brasil, p.
124-126).
206
um destino alvissareiro. A rigor, a independência econômica foi uma conquista do século
XVIII. 470
O século XVIII preparava-nos para sermos os Estados Unidos da América do Sul, a
grande nação que projetaria a sua força para transformar em energias atuais o
potencial do vasto território, de que apenas explorara uma franja insignificante. Em
vez disso, um destino mau nos encaminhava agora para a criação de um Estado
político, que iria viver de expedientes e de empréstimos para cobrir os déficits,
determinados pela desproporção entre a sua superestrutura suntuária e as bases
frágeis a que ficaria reduzido pela desorganização do trabalho e pela renúncia do
sentido econômico da sua evolução histórica.
Em 1808 começamos a descida aos infernos, onde até hoje nos encontramos. 471
A chegada da Corte portuguesa ao Brasil determinou a interrupção drástica e, não
menos, trágica da epopéia triunfante do jovem povo brasileiro. O movimento de emancipação
política que já vinha em marcha, conseqüência natural da emancipação econômica, foi freado
e corrompido desde suas bases. O parasitismo que, até então, exercia-se de fora, interiorizouse repentinamente. Além da horda de parasitas vinda da metrópole e constituída tanto por
civis quanto por militares, uma classe nativa, que até o momento não tivera grandes
oportunidades, foi bruscamente assimilada pela burocracia estatal em franca expansão.
Azevedo Amaral refere-se a esta categoria social como um grupo heterogêneo formado,
sobretudo, por mestiços embranquecidos: gente, segundo ele, pouco dada ao trabalho duro e
sistemático do campo que vivera sempre nas cidades, em busca de uma profissão bemremunerada e que não exigisse muito esforço. A instalação da Corte no Rio de Janeiro foi a
ocasião ótima para sua ascensão social. Junto com membros da nobreza lusitana, este grupo
fez a Independência do Brasil e, coadjuvado pelos representantes tacanhos do setor agrário 472,
dirigiu o país por todo o século XIX, desviando a nação do “sentido da orientação das suas
470 Este parágrafo é uma síntese de três capítulos: “Formação embrionária da nacionalidade”, “Emancipação
econômica do Brasil” e “O colapso do primado econômico”, em: AMARAL, A aventura política do Brasil, p.
89-152.
471 AMARAL, A aventura política do Brasil, p. 151-152.
472 Azevedo Amaral distingue a atuação política da burguesia da do setor agrário. Ao contrário do primeiro
grupo, a segunda categoria social não conseguiria atravessar os limites estreitos de sua esfera econômica de
atuação para compreender os interesses das demais esferas produtivas. O mesmo não acontecia, entretanto, com
o setor industrial, cuja inserção na esfera econômica era suficientemente abrangente para abarcar em seus
projetos políticos todas as demandas de uma cadeia produtiva cada vez mais complexa, no mundo moderno.
(AMARAL, A aventura política do Brasil, p. 184-186).
207
tendências” 473, por falta de tino econômico. Em suas mãos, o país retrocedeu ao “agrarismo
exclusivo de antes da segunda metade do século XVII” 474. 475
Felizmente as forças vivas da nacionalidade não tardaram a iniciar uma reação em
favor do restabelecimento do sentido econômico que marcou, desde o princípio, a trajetória do
país. A partir de meados do século XIX, uma série de homens, capitaneados pela
personalidade gigantesca de Mauá, “o restaurador do sentido econômico da evolução
brasileira” 476 , agitaram o cenário beletrista e acanhado do Segundo Reinado. Foi um
movimento de injeção de realidade no combalido organismo nacional, cujos efeitos mais
expressivos se fizeram sentir, anos depois, com a proclamação de um novo regime político.
Conquanto nascida sob os influxos desse movimento de reação, a Primeira República padecia
de algumas anomalias graves, dentre as quais se destacavam: a manutenção de um Estado
político, embora menos alienado dos interesses das “forças ativas da economia nacional”, e a
conservação da postura agrarista como posição hegemônica no cenário econômico. Em última
análise, persistia na organização nacional uma incompatibilidade radical477 entre Estado e
Nação a exigir uma solução imediata, cujos primeiros lampejos de superação foram dados
com a ascensão de Getulio Vargas ao poder. 478
Os revolucionários de 1930 foram os destruidores involuntários e dir-se-ia
providencias desse organismo monstruoso, que entrara em dissolução pelo efeito
473 AMARAL, A aventura política do Brasil, p. 75.
474 AMARAL, A aventura política do Brasil, p. 183.
475 Para mais detalhes sobre a temática deste parágrafo consultar os capítulos “Perda do sentido econômico” e
“Desnacionalização da economia”, em: AMARAL, A aventura política do Brasil, p. 153-189.
476 AMARAL, 1935, p. 196. Ainda sobre a figura de Mauá, Azevedo Amaral define o significado histórico deste
personagem nos seguintes termos: “fazer sair o país da órbita acanhada de um agrarismo que nos chumbava à
pobreza e nos condenava a permanecer indefinidamente em um nível social e cultural inferior, como país
dependente do trabalho escravo e reduzido a viver espiritualmente dos resíduos das culturas exóticas, é a idéia
central do grandioso plano econômico que Mauá tenta executar e que até certo ponto conseguiu realizar”
(AMARAL, A aventura política do Brasil, p. 196-197). Entre as realizações econômicas do visconde, o ensaísta
destacava a clarividência do empresário na construção de estradas de ferro, ligando as diversas regiões do país e
permitindo o escoamento rápido e interligado da produção, e a tentativa de solucionar o problema da carência de
capitais no país, pela adoção de um sistema emissor pluralista e pela defesa da abertura do país aos capitais
externos.
477 Entenda-se o termo “radical” em sua acepção mais literal, ou seja, àquilo que é relativo à raiz, à essência, aos
fundamentos de um ser.
478 Ver os capítulos “Reação das forças vivas” e “O epílogo da aventura”, em: AMARAL, A aventura política do
Brasil, p. 191-236.
208
irresistível das suas contradições com os interesses vitais da nacionalidade. [...]
Somente o retorno ao sentido natural do nosso desenvolvimento histórico pode
garantir-nos contra os perigos da anarquia e talvez mesmo de um colapso da
personalidade coletiva da nação.
[...]
Substituir o Estado político pelo Estado econômico, orientado e dirigido
exclusivamente pelos órgãos representativos das forças produtoras da nação, é
preliminar imprescindível ao desenvolvimento de qualquer plano eficaz, para
coordenar as energias do Brasil em uma utilização proveitosa dos seus recursos
naturais. 479
À semelhança de inúmeros outros autores do pensamento social brasileiro que lhe
foram contemporâneos, Azevedo Amaral ancorava seus ensaios sobre o país em uma
perspectiva hermenêutica dualista da realidade nacional, cuja premissa básica é a idéia de que
cada nação seria uma entidade coletiva dotada de personalidade própria. Esse tipo de
interpretação, bastante comum na época, enfatizava a existência de dois Brasis, o Brasil real e
o Brasil ideal, com isso, querendo assinalar um descompasso entre as instituições vigentes no
país e a organização social que lhe seria a mais consentânea, visto que em conformidade com
sua essência histórica 480 . A solução deste impasse que sufocava a nacionalidade, ao
sobrecarregá-la com um fardo institucional postiço, mero arremedo de modelos exóticos, viria
no momento em que a nação se conscientizasse de suas verdadeiras necessidades e, assim
esclarecida, geralmente, por suas elites, tomasse as devidas providências, reorganizando-se de
em novas bases 481.
479 AMARAL, A aventura política do Brasil, p. 229 e 236.
480 BRASILEIRO, 1967, p. 202-203.
481 Esse tipo de sentimento transparece com muita força em À margem da história República - obra coletiva
organizada por Vicente Licínio Cardoso e publicada em 1924, com a intenção de ser um marco no pensamento
social brasileiro. Como informa o prefaciador desta obra, Vicente Licínio Cardoso, a proposta deste livro era
repensar o Brasil “à brasileira”, ou seja, de um ponto de vista eminentemente nacional e, portanto, não mais
mimético. À margem da história do Brasil foi o grito de reação de uma geração de intelectuais, nascidos com a
República e perplexos diante dos rumos tomados pelo novo regime político. Em cada um dos artigos que
compõem este clássico do pensamento social brasileiro, os autores fazem seus diagnósticos da situação do país e
propõe soluções para a crise. Conforme Lucia Lippi Oliveira, o receituário desses intelectuais era pautado pela
idéia de mudança, dentro da ordem. Informados por uma visão social organicista, esses autores entendiam o
devir histórico como um processo evolutivo, em cuja marcha não deveriam existir grandes rupturas. Embora
anti-revolucionário, esse grupo de escritores desejava apressar a evolução natural da sociedade, implementando
reformas que permitissem o país caminhar a passos mais largos em direção ao progresso. Nas palavras de
Vicente Licínio Cardoso, prefaciador da obra, os autores do livro “compreendem [...] a gravidade de nosso
momento histórico presente e procuram reagir. Mas reagir pelo progresso dentro da ordem”, haja vista que
“em Sociologia o caminho seguro para andar mais ligeiro é aquele que evita os desatinos das correrias
revolucionárias perigosas e intempestivas”. (CARDOSO, À margem da história da República, p. 13). Sobre o
objetivo dos autores deste livro clássico, ver: CARDOSO, Vicente Licínio. Prefácio. In: CARDOSO, À margem
209
Não é outra a saída indicada por Azevedo Amaral e, segundo ele, tomada pelo
Estado Novo. Para o ensaísta, o verdadeiro Estado é fruto de um parto da nação. Não, porém,
um parto natural, mas antes uma “cesariana” – espécie de intervenção política salvadora aos
encargos de um grande homem. A tarefa do gênio político é remodelar as instituições do país
com base nas “expressões do dinamismo da coletividade”. Secundando o dirigente, o escol
intelectual do país, “elite espiritual da Nação”, teria a missão cívica de municiá-lo com os
esclarecimentos necessários ao desafio da constituição do verdadeiro Estado-Nação. “Tratase de uma questão que não apresenta apenas interesse teórico, mas envolve conseqüências
práticas de inexcedível relevância” 482. Quando, porém, essa intuição falha, arruína-se, desde
as bases, todo o edifício estatal, a sociedade sofre de uma orfandade aviltante e a nação fica
enferma até a medula.
O entendimento que Azevedo Amaral tinha do Estado era, claramente, lastreado
pelo organicismo483. Nesta concepção política, o Estado é uma instituição cuja finalidade não
é representar indivíduos ou grupos sociais, mas todo o ser coletivo. Em decorrência, o poder
público não é uma construção artificial forjada pelos homens para se fazerem representar,
antes é a própria expressão consciente da alma oculta da nacionalidade – manifesta,
inicialmente, pelos intelectuais e concretizada, institucionalmente, pelo chefe político. Nessa
fase da vida nacional, sociedade e Estado bateriam, por assim dizer, na mesma pulsação, no
mesmo ritmo, o que não se deveria a uma representação eficiente dos interesses de grupos e
indivíduos, mas a uma intuição genial quando da fundação desta entidade pública. E é essa
sabedoria política do líder que lhe garante a legitimidade e lhe fundamenta a autoridade no
exercício discricionário do poder. “Onde o Estado não é a expressão orgânica da
da história da República. Para uma análise do conteúdo organicista das reformas propostas nesta obra, cf.
OLIVEIRA, 1990, p. 176.
482 AMARAL, A aventura política do Brasil, p. 22.
483 Para uma discussão do organicismo na reflexão de Azevedo Amaral sobre o Estado, ver: OLIVEIRA, 1982,
p. 56-62.
210
representação autêntica da Sociedade não há democracia” 484. Ao realizar a idéia nacional, o
dirigente asseguraria o ideal democrático no país, até então, inviabilizado pelas disputas
partidárias em torno de interesses locais e setoriais. Seu grande mérito é integrar na polis todo
o demos, ou seja, arquitetar uma engenharia política tal que absorva e represente, de cima, os
interesses de toda a população, particularmente, de sua porção produtiva. Tendo, por suposto,
realizado essa façanha, o Estado Novo é ovacionado por Azevedo Amaral, em seu último
ensaio sobre o Brasil.
O estilo do Estado Novo define-se por duas características inconfundíveis. É
democrático e é nacionalista. Estes dois traços conjugam-se em uma unidade
harmoniosa que representa o equilíbrio entre os elementos da formação brasileira e o
sentido histórico do nosso futuro. O Estado Novo é democrático porque é
nacionalista. E somente corresponde à idéia nacional por ser democrático.485
Finalmente, após uma longa trajetória de equívocos, resultando em uma história
de anomalias institucionais, o Estado brasileiro encontrara o seu formato organizacional ideal,
qual seja: autoritário, do ponto de vista político, e modernizador, do ponto de vista sócioeconômico. No primeiro caso, o autoritarismo justificava-se, na prática, pelo artificialismo do
jogo político brasileiro, formatado nos moldes do liberalismo anglo-saxão, padrão
impraticável em um país de analfabetos a viverem sob a tutela de um chefe local, cumprindo
fielmente seus mandos e desmandos. Apenas uma autoridade soberana que se impusesse, de
cima, sobre a população poderia garantir a veracidade da representação 486. Outrossim, a
484 AMARAL, O Estado autoritário e a realidade nacional, p. 179.
485 AMARAL, O Estado autoritário e a realidade nacional, p. 176.
486 O binômio crise do modelo liberal e ascensão do autoritarismo está presente em toda a obra de Azevedo
Amaral. Para o autor, o liberalismo, identificado com a prática do sufrágio universal, era uma ilusão criada pelas
classes dominantes para permanecerem no poder, sob uma capa de legitimidade política. A despeito dos
benefícios sociais que o sistema liberal trouxe no caso das democracias mais avançadas, no Brasil, a própria
história do modelo patentearia o seu fracasso, dada a incapacidade da vasta maioria da população para se
representar. Inépcia, quer seja manifesta pelo pragmatismo político dos habitantes do campo, que em troca de
“proteção” e “benefícios essenciais” se vendem aos coronéis do interior, quer seja expressa pelo
“indiferentismo” político da população trabalhadora das grandes cidades. Segundo Azevedo Amaral, o “man in
the street” não se interessa, nem um pouco, pelas questões públicas sem efeito imediato para suas vidas. Antes,
pelo contrário, “encara toda a organização governamental e política como simples instrumento de realização
das medidas práticas, cuja utilidade cada um reconhece na sua esfera especial de ação” – postura que era
louvada pelo intelectual como a mais adequada para o ritmo dos tempos modernos. Em suas palavras: “Nesse
indiferentismo, que se poderia por um exame superficial atribuir à atrofia dos instintos políticos, não há,
contudo, mais que a expressão sadia de um entendimento intuitivo das transformações que nos estão impondo as
211
dinâmica econômica mundial estaria a exigir a concentração do poder nas mãos da autoridade
máxima do Executivo, haja vista os desafios que a gestão política moderna trouxe para os
governos, sobretudo, em termos de urgência, pragmatismo e eficiência na tomada de decisões.
Azevedo Amaral reduzia o exercício da política à prática da administração, sendo
francamente favorável a um Executivo forte, coadjuvado por um corpo de especialistas
técnicos e por um conjunto de representantes dos principais setores da produção. Reunidos em
comissões consultivas, esses dois grupos seriam as instâncias deliberativas responsáveis por
fundamentar as decisões do Executivo. Segundo ele, somente esse tipo de mudanças, que
acenavam para a adoção do corporativismo, permitiria à máquina pública brasileira funcionar
em condições ótimas para fazer face à complexidade crescente da esfera produtiva e
impulsionar, efetivamente, o crescimento econômico do país 487.
No segundo caso, o projeto modernizador tornara-se um imperativo político
diante da situação desvantajosa do país no âmbito do comércio internacional. Como
demonstra Azevedo Amaral, o desenvolvimento material do Brasil foi anômalo, determinando
diretrizes novas no apreço das finalidades do Estado. [...] Inverte-se em nosso caso o desenvolvimento usual das
idéias. A massa dos cidadãos apreendeu os característicos do novo momento histórico e concentra as suas
preocupações nos aspectos da atividade política, de que somente agora começam a sentir a influência os
elementos da classe dirigente especializada na manobra do Estado”. (AMARAL, Ensaios brasileiros, 201-204,
230-236). A despeito dessas razões mais funcionais e que, supostamente, demonstrariam o fracasso do
liberalismo, segundo Azevedo Amaral este sistema político estava fadado ao fracasso porque partiria de uma
premissa irreal: a crença absurda na igualdade dos homens. Em uma sociedade, defende o ensaísta, há elementos
superiores destinados ao mando e elementos secundários, cujo papel é serem guiados pelo grupo dirigente. Sem
essa hierarquia natural, coletividade alguma subsistiria na história. O princípio da igualdade dos homens é uma
ficção perigosa para a vida nacional. Foi por isso, concluía o autor, que a Constituição de 1937 afastou do jogo
político a multidão despreparada, reservando a uma minoria a função de dirigir as massas e coordenar a nação.
(AMARAL, O Estado autoritário e a realidade nacional, p. 165-177).
487 Desde seus primeiros ensaios, o caráter técnico-administrativo do exercício da política moderna é um
elemento decisivo na argumentação de Azevedo Amaral. Segundo ele, “uma vez que se chegava a verificar que
os problemas principais do governo eram os que se deparavam na esfera econômica, dependendo da sua
solução satisfatória os resultados alcançados nos outros setores da organização política e cultural da
sociedade, era imprescindível adotar como norma da orientação progressiva as mesmas diretrizes que
caracterizam o desenvolvimento técnico” (AMARAL, O Brasil na crise atual, p. 50). Feito esse diagnóstico, o
autor não se demorava na prescrição, que vinha, inclusive, respaldada pela tendência política internacional, qual
seja: “[...] todas as energias coletivas coordenadas pelo Estado devem encaminhar-se para a solução de
problemas concretos, que reclamam a máxima eficiência e amplitude da autoridade executiva”; “[...] a pressão
dos interesses econômicos vai determinando a subordinação dos fatos políticos às realidades impostas pelo
mecanismo da produção; e de acordo com essas tendências se vai estendendo, por toda a parte, a esfera da
ação executiva que, em alguns casos já é exercida por forma inequivocamente ditatorial” (AMARAL, Ensaios
brasileiros, p. 218-219; 229. As duas últimas citações foram retiradas do capítulo “Tendências políticas”. Neste
tópico, Azevedo Amaral indica, com base na história contemporânea dos Estados Unidos, Itália e Rússia, os
rumos tomados pela política no contexto mundial, sobretudo, após a experiência da Primeira Grande Guerra).
212
um descompasso entre as exigências de consumo crescentes de uma população sofisticada e a
capacidade produtiva limitada de uma economia desorganizada, cujo resultado principal se
apresenta “na dificuldade permanente de equilibrar a nossa balança de contas com o
estrangeiro” 488. Absorvendo os hábitos de consumo dos povos mais civilizados, sem dispor
de um parque produtivo à altura dessas novas expectativas importadas, a economia nacional
padecia de um grave gargalo estrutural. Somando-se a este aspecto negativo da formação
econômica brasileira, havia um modelo de inserção no comércio exterior altamente pernicioso
para o país. A idéia de que cada coletividade nacional se especializaria na produção de um
gênero, podendo permutá-lo em condições ótimas nos mercados externos é denunciada pelo
autor como uma grande ilusão. Por trás da teoria das vantagens comparativas, havia, de fato,
um mundo dominado por potências econômicas, cujas áreas de influência forneciam-lhes as
matérias primas e os demais gêneros primários, em condições privilegiadas. Além disso, o
jogo das tarifas alfandegárias sempre pendia para os mais fortes. Portanto, arrematava o autor,
“será cada vez mais difícil encontrar mercado para os nossos produtos agrários” 489. 490
Deficiências estruturais determinadas pela trajetória econômica do país e pela
conjuntura internacional incompatível com a política de comércio exterior adotada pelo
Brasil, ambos fatores apontavam para a urgência das mudanças na política econômica
nacional. Ademais, sem um relativo grau de autonomia econômica, que, segundo Azevedo
Amaral, implicava no desenvolvimento do setor fabril, a idéia de nação torna-se um “contrasenso sociológico” 491 , na medida em que “toda a independência política, que não
corresponda a um estado de emancipação econômica mais ou menos considerável, não passa
de situação precária, na qual um povo se mantém pela condescendência de estranhos” 492.
488 AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 254.
489 AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 269.
490 Azevedo Amaral empreende as análises contidas no parágrafo acima no capítulo “Organização econômica”
que se encontra em: AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 249-272.
491 AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 141.
492 AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 141-142.
213
Para combater essas anomalias históricas e realizar, plenamente, a idéia nacional, Azevedo
Amaral propunha a implantação de um projeto integrado de desenvolvimento e a adoção de
um modelo econômico de postura francamente industrialista. Antes de atacar o problema da
desorganização dos setores produtivos, caracterizado, sobretudo, pela existência de “parcelas
de civilização já incorporadas no nosso meio, mas que não foram até agora senão
parcialmente aproveitados por falta de um ritmo coordenador” 493 , havia necessidade
primária de rediscutir “a própria orientação geral da nossa economia” 494.
Uma tradição que nos veio do período colonial [...] quer chumbar-nos à crença de
termos uma finalidade irrevogavelmente agrícola. Do peso de tal tradição não
conseguiu emancipar-nos o próprio surto vitorioso das indústrias mecânicas nos
últimos trinta anos. De quando em vez, reaparece o leitmotiv agrário, procurando
seduzir-nos com os encantos do bucolismo rural. Não há muito tempo que, a
propósito de um debate sobre tarifas, repercutia nas colunas mais autorizadas da
nossa imprensa o clamor bárbaro dos que nos aconselhavam a vender como ferro
velho a maquinaria das fábricas, para regredirmos de pá e enxada ao trabalho da
terra disputada às saúvas. E ainda há pouco, no recinto de uma das grandes
sociedades de agricultura de São Paulo, um orador, revelando aliás grande lucidez e
muita experiência sobre certos dos nossos problemas econômicos, sustentava a tese
da nossa fatal especialização agrícola, propugnando o abandono das indústrias
mecânicas e o retrocesso à venda pura e simples de matérias-primas e gêneros
alimentícios, tal qual o pensava e o conseguiu fazer, no século XVIII, o marquês de
Pombal 495
Se a industrialização era a meta suprema do país, a planificação, ao dotar a
economia nacional de uma organicidade própria e de um sentido comum, seria o meio
principal para a efetivação deste objetivo 496 . Identificando as propostas econômicas da
Constituição de 1937 às reformas operadas por Franklin Roosevelt na economia norteamericana, Azevedo Amaral defendia um certo dirigismo estatal nos diversos setores
produtivos. “Racionalizar para organizar e organizar para que se estabeleça uma correlação
493 AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 251.
494 AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 261.
495 AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 261-262.
496 “O problema brasileiro pode ser resumido na determinação dos meios de promovermos, tão breve quanto
possível, a organização das parcelas de civilização já incorporadas no nosso meio, mas que não foram até
agora senão parcialmente aproveitadas por falta de um ritmo coordenador. [...] A organização sistemática da
vida nacional tem, portanto, de ser iniciada pela solução do problema urgente que apresentam as nossas forças
produtoras, deixadas até hoje à mercê de um empirismo mais ou menos grosseiro, tanto no tocante ao regime
peculiar de cada uma, como principalmente nas relações das diferentes formas de produção entre si”.
(AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 251 e 252).
214
harmônica entre o esforço produtor e as conveniências da coletividade” 497, eis o pressuposto
básico que ancorava o ideal da planificação. Ao contrário dos regimes totalitários, em que o
setor privado dobra-se por completo aos planos e às metas estabelecidas de cima pelo poder
público, nos regimes autoritários, o papel de motor da economia continuaria sendo
desempenhado pelo setor particular. Definido este limite irremovível, o Estado teria a função
de coordenar toda a economia do país, de modo a preservá-lo de crises e permitir a expansão
ótima dos setores produtivos 498. Em outros termos, “os indivíduos, atuando isoladamente ou
em grupos, têm de subordinar as suas aptidões e os seus interesses ao ritmo imposto pelo
bem geral de que o poder público é o assegurador permanente” 499.
Desenvolvimento econômico, fortalecimento da coesão nacional e projeção
internacional, eis as aspirações e necessidades que se transformaram em programa de ação,
pela Constituição de 1937. Durante mais de um século, seguiram-se Cartas que não se
coadunavam à ambiência nacional. Procurava-se resolver dificuldades próprias, aplicando-se
soluções pré-fabricadas, importadas de outros povos, cuja realidade era completamente
diferente. “O estatuto de 10 de novembro traz inequivocamente impresso o sinete da
brasilidade dos seus autores” 500. Se houve, e é certo que houve, influências de outras Cartas
Magnas, isso não prejudicou o caráter eminentemente brasileiro desta Constituição. Com o
497 AMARAL, O Estado autoritário e a realidade nacional, p. 238.
498 No caso brasileiro, além de funcionar como um antídoto às perturbações cíclicas que assolavam as economias
capitalistas na vigência do modelo liberal e submeter toda a economia a um ritmo unificado, a planificação teria
uma importância decisiva na supressão de outros entraves fundamentais que impediam a modernização do país.
Segundo Azevedo Amaral, cabia aos órgãos responsáveis pelo planejamento econômico estatal solucionar as
dificuldades “criadas pela desproporção esmagadora entre os nossos recursos de população, de capital e de
capacidade técnica e as enormes possibilidades contidas na terra brasileira”. Dada a carência de capitais e de
mão-de-obra qualificada no país, o ensaísta considerava imprescindível buscar esses elementos no exterior, tal
como fizeram os grandes estadistas do Império, influenciados pela personalidade do grande Irineu Evangelista de
Souza. A introdução de valores étnicos capazes de corresponder ao desafio do desenvolvimento é também
apontada como uma medida estratégica. No que concerne a esses três aspectos, Azevedo Amaral tinha algumas
ressalvas pontuais diante do que estabelecia a Constituição de 1937. (AMARAL, O Estado autoritário e a
realidade nacional, p. 207-234. A citação feita acima encontra-se na página 213).
499 AMARAL, O Estado autoritário e a realidade nacional, p. 196.
500 AMARAL, O Estado autoritário e a realidade nacional, p. 132.
215
Estado Novo, a aventura política do Brasil parecia ter chegado ao fim – e um fim glorioso,
diga-se de passagem.501
O retrato do país apresentado por Azevedo Amaral é eivado de otimismo. O
quadro histórico que ele nos oferece é o de uma nação cuja trajetória é uma verdadeira
epopéia. Tudo levava a crer que o futuro destinava o Brasil a ser os Estados Unidos da
América do Sul. A nacionalidade vinha numa marcha ascendente de franco progresso, até o
momento em que a Corte portuguesa resolveu desembarcar no solo de sua colônia americana.
Aí foi a ruína de todo um porvir glorioso. O parasitismo que até então se efetuava
externamente e, a princípio, até com alguns benefícios para a jovem colônia, adentra o
organismo nacional, dominando-o de uma forma aviltante. A nação é desviada de seus rumos
naturais; perde-se no beletrismo imperial; amesquinha-se com o agrarismo; arruína-se com o
liberalismo; enfim, retrocede. Não obstante, a despeito de tudo isso, sempre houve uma
solução tangível. Bastava recolocar a nacionalidade nos trilhos. A reação teve início em pleno
século XIX. A proclamação da República representou algum avanço. A revolução de 1930
criou as condições para a reformulação política do país, ao dar o último golpe no regime
viciado que imperava no cenário nacional. Faltava o arremate final, a obra prima reservada ao
gênio político. Segundo Azevedo Amaral, o Estado Novo cumpriu essa última tarefa, ao forjar
sua Carta Magna das entranhas da própria nacionalidade.
Oliveira Vianna foi outro intelectual vinculado à tradição do nacionalismo
autoritário que se dedicou a pensar o Brasil, especialmente, nas décadas de 1920 e 1930. Não
temos a intenção de realizar uma análise ampla do pensamento social deste autor. Daremos
ênfase a suas propostas políticas, na medida em que elas se afastavam ou até se contrapunham
ao projeto modernizador de Azevedo Amaral, alicerçado no elogio dos valores capitalistas e
501 Ver o capítulo “A primeira constituição brasileira”, em: AMARAL, O Estado autoritário e a realidade
nacional, p. 127-136.
216
consubstanciado na constituição de um Estado econômico no país. O objetivo principal deste
tópico é opor dois projetos políticos, no intuito de que dessa confrontação a tradição da
modernização industrial seja salientada, conquanto deslegitimada por uma contra-discurso,
igualmente moderno, todavia, pertencente a um outro espectro do discurso modernizador,
menos preocupado com a industrialização e mais interessado com a racionalização e
secularização das estruturas sócio-políticas, como forma de resolver o “problema” nacional e
integrar, definitivamente, o país na modernidade. Para tanto, vamos nos circunscrever a uma
obra, em especial, do sociólogo fluminense: História social da economia capitalista no
Brasil, livro de publicação póstuma 502.
Apesar do título, a obra em destaque não trata propriamente do que se entende por
história econômica. Não fazia parte dos planos do autor retratar a formação econômica
brasileira com riqueza de detalhes. Isso, como confessava, ele deixava para outros
pesquisadores, aqueles especializados neste ramo emergente da história. Seu intuito era outro.
Lançando os olhos sobre a trajetória do desenvolvimento material do país, estudada por
“Roberto Simonsen e outros historiadores da nossa evolução econômica” 503 Oliveira Vianna
pretendia reforçar suas idéias a respeito da formação histórica brasileira e, ao mesmo tempo,
novamente demonstrar a validade de seu projeto político, desta vez, sob um novo ponto de
vista504. Em seus próprios termos:
Nele [no livro em foco] procuro apenas dar a discriminação das tendências gerais
das nossas instituições econômicas e das idéias e sentimentos que vêm presidindo e
inspirando o seu desenvolvimento e expansão; idéias e sentimentos que se
cristalizam em tradições e usos da nossa coletividade nacional.
[...]
O meu objetivo precípuo é, portanto, o estudo dos efeitos ou conseqüências das
“repercussões sociais” [...] que sobre a nossa sociedade em geral e, em especial,
502 De acordo com Antônio Paim, o “esboço fundamental” desta obra teria ficado pronto ainda durante o Estado
Novo. Ver: PAIM, Antônio. “Apresentação”, em VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v.
1, p. 13-15, especialmente a página 13.
503 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 19.
504 ODALIA, 1996, p. 129-130. Este artigo foi muito importante para a argumentação construída neste tópico.
217
sobre as nossas diversas sociedades regionais, em que se divide o nosso povo, tem
tido ou está tendo a nossa moderna estrutura industrial e supercapitalista. 505
Diferentemente de Azevedo Amaral, Oliveira Vianna nutria clara nostalgia pelas
sociedades tradicionais. Em suma, História social da economia capitalista no Brasil nada
mais é que uma apologia dos valores pré-capitalistas, cujo ápice, no caso brasileiro, foi
vivenciado no período colonial, muito especialmente, com a formação de uma nobreza da
terra, representante legítima dos valores aristocráticos da cavalaria medieval. O fascínio deste
intelectual pelas virtudes encarnadas pelas elites rurais brasileiras perpassa toda a sua obra.
No livro em destaque, essa peculiaridade de seu pensamento desempenha um papel
fundamental, qual seja: demonstrar a inviabilidade do que o autor chama de supercapitalismo
no país 506. Já no prefácio da obra, Oliveira Vianna apresenta a constatação que lhe servirá de
base factual para suas reflexões.
Reconheci [...], logo cedo, que, do ponto de vista da economia capitalista, havia dois
Brasis – e que a parte do nosso país superindustrializada pelo grande capitalismo
moderno, de tipo sombartiano, era muito pequena, reduzida mesmo a um pequeno
setor geográfico no sul do país.
[...]
O restante das nossas populações regionais [...] ainda se conservava fora da
mentalidade peculiar à moderna civilização industrial, mantendo-se dentro da sua
primitiva estrutura e da sua primitiva mentalidade pré-capitalista [...] desde a época
das feitorias e dos primitivos donatários. 507
Essa impermeabilidade nacional aos valores do supercapitalismo devia-se,
segundo o autor, à peculiaridade da formação histórica brasileira. Em contraste com as
sociedades européias e a norte-americana, onde a evolução dos tipos sociais acompanhou a
evolução da dinâmica econômica, no Brasil, isso não ocorreu. A trajetória percorrida pelos
505 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 19-20, grifos do autor.
506 A crítica de Oliveira Vianna às sociedades capitalistas tem ampla relação com a corrente sócio-política do
pensamento romântico. Como mostra Michel Lowy. Entre o final do século XIX e o início da década de 1930,
houve um novo surto do Romantismo, cujo traço definidor era a “nostalgia das sociedades pré-capitalistas e
uma crítica ético-social ou cultural do capitalismo” (LOWY, Michel. Romantismo e messianismo, 1990 apud
DUTRA, 1999).
507 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 20, grifos do autor. Ao final do
segundo volume da História social da economia capitalista no Brasil, a conclusão do autor permanece
inalterada. Assim diz Vianna: “Em síntese: o capitalismo existe entre nós e há mesmo sintomas da presença do
supercapitalismo, como em São Paulo e no Rio, mas, o tom geral da sociedade é ainda pré-capitalista. Tanto
que os valores espirituais – a inteligência, a cultura ainda contam por si sós, como valores autônomos e não
instrumentais”. (VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 2, p. 196, grifos do autor).
218
povos ocidentais foi a seguinte: pré-capitalismo, capitalismo e supercapitalismo. A cada uma
dessas economias correspondeu um “homem” com valores próprios, nascido do interior dessa
sociedade. No Brasil, além de o “homem” capitalista e supercapitalista não ter se
disseminado, mesmo naquelas regiões em que a economia de mercado já se instalara, havia
como que um descompasso entre o modo-de-produção vigente e a mentalidade subjacente.
É possível que, no ponto de vista da sua organização material, o nosso atual
supercapitalismo industrial, florescente em São Paulo e no Rio, haja atingido até
mesmo ao “neotecnicismo” de Munford e às “concentrações” de Berle; mas, do
ponto de vista do espírito e dos sentimentos que o animam, abre-se-nos, ainda aí
[...], uma larguíssima margem em favor das nossas velhas tradições précapitalistas.508
Tal defasagem, longe de ser prejudicial, era entendida como um fator positivo, um
trunfo da nacionalidade. Era isso que explicava, por exemplo, a relativa facilidade com que a
questão social foi resolvida no país. Diante da pálida presença do moderno espírito do
capitalismo no povo brasileiro e, até mesmo, nas elites industrias, a exacerbação dos conflitos
sociais, fenômeno típico no cenário europeu, não se manifestou no país. “Tudo, em nossa
formação histórica, como em nossos sentimentos e atitudes tradicionais, nos predispunha e
conduzia a esta política de amparo, aproximação e justiça para com os elementos
trabalhadores” 509. Daí, a nova Política Social, conquistada a ferro e fogo no Velho Mundo,
ter-se implementado sem maiores arruídos e derramamentos de sangue no caso do Brasil 510.
Outra vantagem advinda da singularidade da formação histórica nacional dizia
respeito à disposição, por assim dizer, natural do povo brasileiro para acompanhar uma
tendência que se generalizava por todo o Ocidente. De acordo com Oliveira Vianna, desde o
final do século XIX, teve início uma reação contra os valores hegemônicos da mentalidade
capitalista nos principais centros econômicos mundiais. Por essa época, a sociedade moderna
“começa[va] a dar sinais evidentes de cansaço, de enfado [...] e a mover-se, sensivelmente,
508 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 27, grifos do autor.
509 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 24.
510 É desnecessário dizer que Oliveira Vianna silenciava toda a história do movimento operário, cujo primeiro
ponto alto ocorreu com a onde de greves realizadas nas principais capitais do país, no final da década de 1910.
219
numa direção, em que, em tudo, parece restaurar-se a velha civilização pré-capitalista”511.
Era um novo ciclo da economia capitalista que se afigurava, tendo como palavras-chave: o
dirigismo, o corporativismo e o socialismo. Sem ter passado pelas decepções e pelos traumas
vividos por europeus e norte-americanos, a sociedade brasileira espontaneamente caminhava
nessa mesma direção 512.
Dentre os benefícios trazidos ao país por essa blindagem histórica da
nacionalidade ante a penetração da mentalidade capitalista, o principal vinculava-se ao tipo de
projeto político defendido por Oliveira Vianna. A grande questão que serviu de base ao
pensamento deste e de outros intelectuais do período se refere ao problema da construção da
nação e da formação da nacionalidade. Tendo um povo e um território, o Brasil carecia de
uma identidade própria, que o singularizasse historicamente e criasse uma idéia generalizada
de pertencimento entre seus habitantes. A rigor, não era ainda uma nação, ou seja, uma
coletividade solidária e articulada. O fenômeno da desagregação social, de origem física,
resultado da imensidão do território brasileiro em contraste com a escassez populacional,
marcou a trajetória política do país desde o período colonial, determinando a formação de
núcleos clânicos auto-suficientes e completamente isolados uns dos outros. Nesses redutos
patriarcais, a única autoridade reconhecida era a do chefe local. Impossibilitada de governar
sem a coadjuvação desses pequenos déspotas, a metrópole portuguesa teve que ceder às
tendências descentralizadoras. No Império, a opção foi pela centralização. Entretanto, a
despeito de uma sofisticada engenharia política, ancorada na figura catalisadora do monarca, e
do início de uma série de ações em prol da integração do território, a ação centrífuga do meio
511 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 52.
512 Michel Lowy define quatro vertentes de Romantismo: o romantismo passadista ou retrogrado; o romantismo
conservador; o romantismo desencantado; e o romantismo revolucionário ou utópico. Dentre esses quaro tipos, o
que melhor se encaixaria com a dimensão romântica do pensamento de Oliveira Vianna é o quarto. Vianna,
apesar de não pretender uma volta ao passado tal como desejavam os dois primeiros tipos apresentados e nem
aceitar resignadamente, como algo irreversível, a civilização capitalista como era a postura do terceiro tipo
mencionado, colocava no futuro suas esperanças – postura nutrida pelo quarto grupo de românticos. Apenas uma
nova sociedade, capaz de recuperar valores primordiais, ameaçados pelo capitalismo, conseguiria re-fundar a
sociedade moderna em novas bases. (LOWY, 1990, p. 15-17).
220
ambiente continuou atuando. Resultado: “livres do fascínio imperial, é a vez dos fatores
geográficos reivindicarem seus direitos” 513. Com a República, a fragmentação do poder e o
mandonismo local voltaram a imperar. Não há escapatória...
O problema da centralização implica, com efeito, a solução prévia do problema da
circulação. Sem resolver este, tudo o que se fizer em favor daquele é violência à
ordem natural das coisas. [...] Não é possível nenhuma organização central num país
de base física vasta, de baixa densidade demográfica e de circulação rudimentar.
Enfraquecido pela federação, o poder não tem, portanto, outro caminho para
recobrar seu antigo prestígio senão o desenvolvimento da circulação geral. Ou esta,
ou então a fragmentação federativa do poder, como recurso único para manter a
integridade do país.514
A outra face da integração territorial era a solidariedade social, cujo ápice se daria
com a constituição de uma política nacional, assegurada por um poder forte e centralizado,
assim como, asseguradora dos interesses coletivos. O autoritarismo de Oliveira Vianna se
justificava em face da política provincial que vigorava na República e colocava em risco a
integridade nacional, e em virtude da sua crença na incapacidade do povo brasileiro se
representar, o que impedia a manutenção de instituições democráticas vigorosas no país.
Diante desse par causal, a construção da nação deveria ficar a cargo do próprio Estado, que,
de cima, estabeleceria a vontade geral. No caso brasileiro, em razão de sua formação histórica
peculiar, o corporativismo seria a única forma de assegurar que o exercício do poder público
estivesse em conformidade com a vontade da Nação.
513 VIANNA, 1938, p. 287.
514 VIANNA, 1938, p. 304-305. Desenvolvendo a tese apresentada nesta citação, Oliveira Vianna dizia haver
dois meios de se atacar o problema da organização de um poder político centralizado e consistente no país. O
meio direto, em franca expansão no regime republicano, implicava em investir em ferrovias, navegação, correios
e telégrafos. O meio indireto, por sua vez, importava no desenvolvimento dos centros de povoamento, na
elevação da densidade demográfica e na colonização intensiva e sistemática, especialmente, das regiões
desabitadas dos planaltos centrais, localizadas no oeste brasileiro. No caso do meio indireto de se atacar o
problema, algum progresso vinha acontecendo de forma involuntária, seja pelo aumento populacional, seja pela
própria dinâmica dos movimentos migratórios, cujo fluxo era contínuo e cujo destino vinha se interiorizando.
(Ver o tópico “Os fundamentos da hegemonia da União. O progresso da circulação geral”, p. 304-317, no
capítulo “O período republicano”. Sobre os movimentos migratórios internos no Brasil, cf. os tópicos XVI-XIX,
p. 107-119, da primeira parte do livro, dedicada à “Evolução da sociedade”). Percebe-se, nesse conjunto de
medidas, alguma ligação com as iniciativas do visconde de Mauá no Império. No entanto, a identificação é
menos profunda do que se pode imaginar. Mauá desejava a integração territorial por razões eminentemente
econômicas; Oliveira Vianna defendia a interligação regional por motivos político-estratégicos.
221
Não obstante, se a centralização resolveria o problema do mandonismo local, a
penetração do capitalismo no país poderia representar uma ameaça à vigência do interesse
nacional, na medida em que a adoção dos valores burgueses implicaria na “clara
subordinação do político ao econômico” 515 . A condenação da moral burguesa, ultraindividualista e monetária ao último grau do paroxismo, é uma das notas mais repetidas ao
longo da obra em destaque neste tópico. Em consonância com sua lógica “mamonista”, o
capitalista não impõe limites a seus atos. Com efeito, ele acaba se tornando um mero escravo
do seu desejo ilimitado de riqueza.
Há nele uma tendência à majoração e à amplificação: e esta tendência nele é
irrefreável, incoercível. Nesta altura, o capitão de indústria não é mais senhor, por
assim dizer, de si mesmo, não mais domina a empresa; é ao contrário, dominado por
ela [...]. O empreendimento o absorve, o domina em tanta maneira e com tanta força
obsidional que ele acaba, por um processo de monoidealização progressiva,
arrastado por ele a um esforço esgotante, a um trabalho exaustivo, que lhe
enfraquece o organismo e arruína a felicidade pessoal e a saúde.
[...]
Não dão valor ao descanso, não procuram mesmo obtê-lo. Trabalham até o fim da
vida; só deixam a direção dos seus negócios quando impedidos pela doença, pela
velhice extrema, ou pela morte. Toda a sua atividade é dirigida numa direção única:
a produção, a fortuna ilimitada.516
De um lado, a sanha argentaria que move os capitalistas leva-os ao ápice do
espírito de concorrência, fase logo depois superada pelo movimento contrário da concentração
de capitais, na busca frenética pela formação de monopólios. Do outro lado, pari passu a essa
tendência, a burguesia industrial arremete-se contra o poder público, planejando a completa
515 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 47, grifos do autor. Em uma outra obra,
Oliveira Vianna define com clareza qual era a sua hierarquia de valores na escala pública. Nos seus termos, “o
político, parece-me fora de dúvida, deve preponderar sobre o econômico, no sentido de que a organização deve
ficar subordinada à direção política da sociedade – ao Estado, que nela introduz o princípio ético ou o sentido
de bem comum ou nacional”. (VIANNA, Idealismo e Constituição, p. 219, grifos do autor apud ODALIA,
1996, p. 130).
516 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 71, grifos do autor. Na seqüência do
texto, Oliveira Vianna identificava uma série de industriais brasileiros a esta ética do trabalho e do
enriquecimento desmedido. “É assim Mauá. É assim Luís Tarquínio. É assim Henrique Laje. É assim Francisco
Matarazzo. Estudam-se-lhes as vidas, através das confidências de amigos e dos biógrafos carinhosos – e ver-seá que nenhum deles soube pôr limite à sua ambição de trabalho e de riqueza – talvez mais de trabalho do que de
riqueza” (VIANNA, 1988, v. 1, p. 73). Neste momento do texto, Vianna comenta os hábitos domésticos de
Mauá, à luz de seus biógrafos mais conhecidos na época – Alberto de Faria e Lídia Besouchet – para mostrar
como a mentalidade capitalista nele se observava de um modo pleno. Sua casa em Petrópolis, em um tempo em
que todos os recém-enriquecidos davam mostras de sua fortuna, era simples e frugal, a considerar o poderio
financeiro de Irineu Evangelista naquele período de sua vida. Sobre a vida e os hábitos de Mauá, ver: VIANNA,
História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 73-74.
222
sujeição dos órgãos do governo e da administração aos seus interesses de classe, o que
necessariamente significaria o fim da política. Nenhum princípio ético, nenhum valor moral
preside suas ações, a não ser o fervoroso e ardente desejo das riquezas; movidos, então, por
essa ética instrumental, sua ascensão e estacionamento no poder pode ser fatal. Perpetram as
maiores barbaridades em nome do aumento contínuo do seu capital. A lógica que os move no
poder resume-se na seguinte fórmula: “wealth – power – more wealth” 517.
Para eles [os capitalistas], o Estado não lhe é um fim em si – como o é para as
nobrezas de título, de sangue ou de cultura: o Estado é-lhes apenas um meio. Sim,
um meio – para conseguirem, por exemplo, maiores possibilidades ou oportunidades
de lucro (isenção de impostos; franquias tributárias; privilégios; monopólios; tarifas
protecionistas; conquistas de mercados pelas armas ou pelos tratados; incorporações
de territórios; áreas de influências, etc). Nada mais. Ou, como no sorites de Ross:
“Dinheiro – Domínio do Estado – Mais Dinheiro”, Wealth – Power – More
Wealth.518
Felizmente, o Brasil encontrava-se suficientemente protegido contra esse tipo de
contaminação política. Conquanto a “dança em torno do Bezerro de Ouro” 519 viesse
ganhando novos adeptos no país, a psicologia do povo brasileiro não se coadunava facilmente
com os “ways of thinking” 520 da burguesia. No Brasil, o status obtido com “a terra e o
emprego ou cargo público” 521 não perdera a primazia para o dinheiro e o lucro; os valores
aristocráticos não se dobraram ao ideal do “lucrum in infinitum” 522; em conseqüência, o
Político continuava a prevalecer sobre o Econômico 523. Entre os brasileiros, tal como em
outros povos onde o peso das tradições pré-capitalistas fala mais alto, o domínio dos valores
capitalistas e da burguesia industrial é barrado pela força dos costumes, a despeito da
existência de um parque fabril amplo e complexo 524. É que, nesses casos,
517 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 50.
518 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 50, grifos do autor.
519 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 52.
520 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 259.
521 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 118.
522 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 33.
523 ODALIA, 1996, p. 135.
524 “Em suma, esta condição pré-capitalista ou proto-capitalista, este primado da preocupação do “status”
sobre a preocupação do “lucro” é um traço geral de nossa civilização agrária. Quer nas zonas do puro
pastoreio, quer nas zonas do cultivo cafeeiro, quer nas regiões de cana-de-açúcar, podemos, aqui e ali,
encontrar, sem dúvida, o grande capitalismo “jurídico” e o grande capitalismo “técnico”, da classificação de
223
[...] os preconceitos pré-capitalistas, ainda muito vivos, superestimando as atividades
não propriamente produtivas e lucrativas, deram, por sua, vez às profissões liberais,
o monopólio, por assim dizer, do poder político. [Com isso] o Estado continuará
ainda nas mãos da encalacrada oligarquia dos Bacharéis – e não nas pecuniosas
mãos das oligarquias da Indústria e da Finança.525
A maior prova histórica dessa resistência da nacionalidade à expansão da
mentalidade capitalista encontrava-se no destino daquele que inaugurou o “a fase inicial do
grande industrialismo no Brasil” 526 e que sintetizou “as primeiras manifestações do espírito
capitalista” 527 no país, dando início a uma longa história de “reajustamento técnico à
civilização européia” 528. Irineu Evangelista de Souza encarnou, como poucos brasileiros, a
ética capitalista do trabalho obsessivo em sua busca ilimitada pelo lucro. Enriquecido, nunca
descansava; abastado, nunca gozava os recursos amealhados; opulento, nunca estava satisfeito
529. A modesta vivenda construída por Mauá em Petrópolis para residência de verão da família
é mencionada e analisada por Oliveira Vianna. Em contraste com a condição econômica do
visconde e com os costumes da sua época, o sociólogo fluminense via no edifício simples e
no mobiliário despojado desta casa um símbolo concreto da vida de um homem dominado
pelos valores da mentalidade burguesa 530.
Mauá representou a projeção brasileira do espírito do grande capitalismo que
começava a conquistar a Europa. No entanto, toda a sua obra vinha ao mundo natimorta. Seus
esforços estavam condenados ao insucesso na medida em que eram executados fora do tempo
Pirou; não, porém, - pelo menos como traço geral da sociedade – o capitalismo “psicológico”, de tipo
sombartiano”. (VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 159).
525 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 49. Note-se que Oliveira Vianna, apesar
de valorizar a blindagem política de povos marcados por tradições pré-capitalistas contra a ascensão burguesa,
não via com bons olhos o controle do poder pelos bacharéis, uma elite atrapalhada e endividada. O modelo
tecnocrático era o ideal de gestão pública compartilhado por este autor, junto com boa parte da intelectualidade
que lhe foi contemporânea.
526 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 201.
527 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 201.
528 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 204. A expressão “reajustamento
técnico à civilização européia” foi tomada por Vianna da obra, já estudada por nós nesta Dissertação, Evolução
econômica do Brasil de J. F. Normano.
529 “Neles [nos homens dominados pelo jeito capitalista de ser] há qualquer coisa que se assemelha ao
fanatismo. Eles contemplam a empresa que cresce e as torrentes do ouro que lhe afluem aos cofres com a
satisfação de Deus no sétimo dia da Criação. Com esta diferença, porém – que Deus no sétimo dia descansou;
eles ao contrário, não descansam nunca – porque a sua satisfação e insaciabilidade não têm limites”.
(VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 72).
530 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 73-74.
224
devido e em um ambiente, agrário e pré-capitalista, incapaz de acolher o ímpeto inovador de
suas ações. “Na verdade, Mauá antecipara um movimento que só mais tarde – depois da
abolição e da proclamação da República – teria condições econômicas e sociais de
viabilidade e vitalidade” 531. A audácia e insensibilidade históricas deste heróico personagem
do passado brasileiro tiveram, entretanto, seu preço. Em razão da artificialidade de seu projeto
em face à realidade nacional, o visconde, a despeito de seus “patrióticos objetivos que
visava” 532, acabou sacrificado pela História.
Mauá, realmente, marca, com as suas iniciativas, o nosso rompimento com o
passado, com os nossos quatro séculos de rudimentarismo artesanal e eotecnismo
fabril.
[...]
O idealismo inovador de Mauá não era, porém, endógeno. Não vinha de dentro do
nosso meio, não exprimia uma impulsão das nossas próprias condições econômicas.
Era exógeno: vinha do então maior centro industrialista do mundo, que era a
Inglaterra, em cuja civilização material ele mergulhara a sua alma ardorosa de
homem de empresa.533
Irineu Evangelista não atentou para a realidade econômica do país, empedernida
por três séculos de um artesanato rudimentar 534. “Igualmente como a natureza, também as
sociedades humanas não conhecem saltos na sua evolução” 535. Mauá, pelo contrário, não fez
caso da “lenta evolução das realidades econômica” 536. Por isso, dadas as características précapitalistas da economia brasileira no período imperial, a tentativa de ruptura com esse
passado só poderia redundar em fracasso. A despeito de seu fim trágico, a biografia de Mauá,
entretanto, servia de lição para os futuros artífices da nacionalidade. De acordo com Oliveira
Vianna, a imposição de uma ordem pública em que o Estado se rebaixasse à posição de mero
guardião dos interesses econômicos do grande capital e da grande indústria não se coadunava
531 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 172.
532 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 205.
533 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 204.
534 “Recém-saído do regime colonial [...], o Brasil não estava, porém, em condições de resistir às exigências de
empreendimentos técnicos do porte concebido e tentado por Mauá. Neste ponto, as advertências e conselhos de
Silva Lisboa, formuladas muito tempo antes – em 1812 – tinham a clarividência de profecias”. (VIANNA,
História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 205).
535 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 206.
536 VIANNA, História social da economia capitalista no Brasil, v. 1, p. 205. Esta expressão foi tomada por
Vianna de Garcia Calderón.
225
com a experiência histórica do país e, muito menos, com o princípio público a ser colocado
em prática pelo poder, organizado em moldes corporativos, no intuito de preservar princípios
e valores comunitários próprios de uma vivência sócio-cultural pré-capitalista.
226
6 - CONCLUSÃO
Pelo que fez, pelo que legou à sua Pátria, Mauá, ao
mesmo tempo o homem razão e coração, deve ficar no
espírito brasileiro, através das idades, como alterosa
lição de fé consagrado padrão de coragem. Não sei de
outro, história em fora, que se lhe iguale em gesto e
pensamento. Bem haja a mão esclarecida que lhe
reviveu as memórias, que são capítulos majestosos
pontilhados da luz dos astros.
E agora que as mãos da terra rejuvenescida vergam
para o futuro o ferro do progresso, Mauá reponta
como o farol guia, por sobre todas as procelas,
mostrando o grande rumo do futuro.
Gastão Penalva, no artigo “Mauá, o homem dínamo”, publicado
no Jornal do Brasil, em 28 de janeiro de 1942.
As suas palavras na fala aos credores nos emocionam.
Mauá não termina falando sozinho. Termina falando
para o Brasil, para toda a América. E a sua fala
continua firme, cheia de sugestões, como um
discurso de paraninfo de uma nação.
José Lins do Rego, no artigo “O romântico Mauá”, publicado
n’O Jornal, em 28 de dezembro de 1941.
Entre os anos de 1939 e 1942, verificou-se um novo pico de interesse da
intelectualidade brasileira pela figura de Mauá. As comemorações do cinqüentenário do
falecimento de Irineu Evangelista de Souza assinalaram o início de um frenesi cujo
fechamento foi marcado pela reedição da Exposição aos credores, obra autobiográfica do
visconde. Como na primeira vez, de 1925 a 1929, o entusiasmo em torno do personagem
histórico pode ser mensurado por intermédio dos inúmeros eventos e artigos consagrados à
memória deste herói nacional. Intelectuais de todos os calibres e das mais variadas tendências
procuravam reter-lhe o significado. Dentre as programações cívicas realizadas na época, a
227
principal foi a promovida pelo IHGB. Em homenagem ao vulto, três sócios do Instituto
conferenciaram na sua sede, uma exposição foi montada no Salão de Leitura da Casa e um
índice bibliográfico, contendo textos, livros e estudos de e sobre Mauá, foi confeccionado.
Consta também deste período, a segunda biografia de peso sobre o visconde. Mauá y su
época, obra escrita em Buenos Aires por Lídia Besouchet, foi um livro endereçado aos
leitores estrangeiros na tentativa de explicar-lhes “o processo industrial brasileiro em suas
diversas etapas” 537 . Um ano depois, em 1943, a mesma autora publicou no Brasil a
Correspondência Política de Mauá no Rio da Prata – mais um fruto de sua longa pesquisa
realizada nos países vizinhos.
Com um intervalo de mais de uma década a separar as duas fases em que o nome
de Mauá esteve em destaque no cenário nacional, a segunda grande repercussão do
personagem entre a intelectualidade brasileira foi um pouco diversa da ocorrida no final dos
anos 1920. Aquela era uma época em que a burguesia industrial, respaldada por sua
importância crescente na economia do país, construía sua própria identidade de classe,
tencionando ampliar seu espaço em um ambiente político dominado pelo setor agroexportador. Aquele era um período em que, sob os impactos da Primeira Grande Guerra e por
ocasião do centenário da Independência do Brasil, as elites políticas e intelectuais repensavam
o país, de modo a apontar seus problemas e conceber soluções. Naquele momento, a figura do
visconde tornou-se o símbolo de um discurso político-educacional que ganhava força entre as
elites, em prol da modernização industrial do país.
Passados cerca de quinze anos, a inserção político-econômica do setor secundário
na sociedade brasileira alterou-se, senão drasticamente, pelo menos, significativamente. Em
termos políticos, o empresariado, particularmente, o grande empresariado industrial
conquistara uma projeção tal, que lhe garantia alguma influência na dinâmica das decisões
537 BESOUCHET, 1978, p. 7. Posteriormente, Mauá y su tempo foi republicado no Brasil, em uma segunda
edição revista e ampliada que verticalizou o foco da narrativa, centrando-se um pouco mais na figura do
visconde. Valemo-nos desta edição neste texto.
228
estatais, muito embora atuando em um cenário onde não ocupava posição hegemônica.
Aproveitando-se da reestruturação do aparelho estatal e da redefinição dos instrumentos de
expressão política ocorridas ao longo da década de 1930, contrapartida da crise de poder que
marcou o fim do regime oligárquico da Primeira República, a burguesia industrial articulou-se
melhor em suas organizações de classe e obteve expressão considerável nos órgãos
consultivos que compunham a estrutura corporativa do Estado. Além dos ganhos em termos
de aumento da influência e de ampliação do acesso ao poder estatal, o segmento empresarial
brasileiro foi imensamente beneficiado tanto pela consolidação de uma opinião pública
favorável a um projeto consistente de desenvolvimento industrial a ser encampado pelo
Estado, quanto pela supremacia da corrente autoritária no pensamento social brasileiro. A
influência dos pensadores autoritários, com sua bandeira da centralização e do
intervencionismo estatal (fenômenos concomitantes à modernização), e o lobby dos grupos
técnicos ligados à burocracia civil e militar, com sua defesa intransigente da “solução
industrial”, foram fatores decisivos para a ascensão dos interesses do setor secundário no
cenário nacional.538
Em termos econômicos, acompanhando e lastreando as mudanças na dinâmica
política, a década de 1930 foi um período de vigoroso surto industrial no país. Na base dessas
transformações, difundia-se um novo nacionalismo econômico de dimensões e implicações
políticas francamente industrialistas, em boa medida, motivadas pela conjuntura de crise
comercial da época. Diante da constatação generalizada da vulnerabilidade econômica do
país, em um contexto de retração permanente da demanda externa, a tríade desenvolvimento,
industrialização e independência foi ganhando força entre as elites do país. Ao mesmo tempo
em que se enraizava na opinião pública, esta concepção foi tomando a forma de um projeto
político, que ia aos poucos amadurecendo, por meio de uma série de medidas econômico 538 BIELSCHOWSKY, 2000, p. 248-250; DINIZ, 1978, p. 20-42, 68-74, 80.
229
financeiras e político-administrativas tomadas pelo governo, na tentativa de remediar os
efeitos da dependência estrutural que caracterizava a economia brasileira.539
Valendo-se desse clima favorável à expansão dos seus negócios, o setor industrial
viveu um período de grande desenvolvimento, cujo resultado mais expressivo foi o
“deslocamento do centro dinâmico” 540 da economia brasileira, que passou a girar
prioritariamente em torno dos interesses do promissor mercado consumidor interno, também
em expansão. Na década de 1930, a média de crescimento da indústria atingiu a casa de 10%
ao ano. Foram esses recordes continuados do setor que determinaram a mudança do peso do
ramo secundário no cômputo geral da economia do país. Em 1920, a produção industrial
contribuía com 1/5 do total da produção do país; vinte anos depois, este valor subiu para mais
de 2/5. Considerando que na década de 1920 a indústria cresceu a um ritmo menos acelerado
que a agricultura, não resta dúvida: a alteração decisiva aconteceu no decênio seguinte. E esta
transformação, então, em processo implicou não apenas mudanças quantitativas, mas também
qualitativas. Naquela época, as indústrias de bens de capital e de bens intermediários tiveram
um desenvolvimento notável. Entre 1919 e 1939, verificou-se um acréscimo de quase dez
pontos percentuais na participação desses segmentos no montante da produção industrial. Ao
final dos anos 1930, juntos, os dois ramos contribuíam com 27,8% de toda a produção
secundária do país.541
Estando o setor secundário a caminho da hegemonia no interior da economia
brasileira 542 era natural que a figura do visconde fosse “relida”, à luz de uma nova
perspectiva, menos aguerrida e reativa e mais triunfalista e orgânica. Nota-se no segundo
539 BIELSCHOWSKY, 2000, p. 250-252; IANNI, 1971, p. 29-33, 58-59.
540 FURTADO, 1979, capítulo XXXII apud BIELSCHOWSKY, 2000, p. 253.
541 BIELSCHOWSKY, 2000, p. 253; DINIZ, 1978, p. 65-67.
542 “O último relatório do Banco do Brasil salienta, em termos inequívocos e em plena correspondência com a
realidade econômica, o fato de que nossa economia atravessa uma fase de singular transformação com a
marcha ascensional das atividades industriais em proporções que estão gradativamente superando as da
produção agrícola, quer em valor, que em volume físico”. (Cf. PADILHA, Raymundo D. O industrialismo.
Boletim Econômico do Banco do Brasil, s. l., n. 24, p. 13-17, 1941. Neste artigo, que nos servirá de base nos
próximos parágrafos, Raymundo Padilha historia o processo de industrialização no Brasil, situando o papel
exponencial desempenhado pelo visconde de Mauá nesta metamorfose da economia nacional).
230
momento de generalizado interesse por Mauá que as apropriações deste personagem pelas
elites brasileiras perderam, em muito, o tom agressivo que impregnava quase todas as alusões
feitas ao vulto anos antes. Ao falarmos em hostilidade, estamos nos reportando à rivalidade
entre os interesses da indústria, em vias de afirmação nos anos 1920, e os interesses da
oligarquia agro-exportadora, política e economicamente hegemônica durante a República
Velha. Naquele contexto, o estilo agressivo que, no geral, caracterizou as apropriações de
Irineu Evangelista tinha um sentido histórico muito bem definido, qual seja: ser um discurso
político de conteúdo inovador e, em certo sentido, tal como o expressou Raymundo Padilha,
até revolucionário.
O nascimento da indústria oferece, no consenso unânime dos sociólogos e
economistas, as características de uma transformação revolucionária, que afetou, por
conseguinte, os próprios fundamentos da sociedade moderna. A expressão
“Revolução Industrial”, amplamente vulgarizada, não traduz precisamente a
grandiosa subversão político-social decorrente da aplicação, desde o século passado,
dos novos processos mecânicos de produção. Não se registrava apenas o embate de
duas concepções, mas de dois mundos em rivalidade de processos de criação
econômica. “A história econômica” – diz Arthur Birnie – “é um relato da colisão do
industrialismo com uma organização mais velha e estável”. 543
No primeiro pico da memória nacional em torno de Mauá, o herói falava a uma
nação que dava seus primeiros passos a caminho da “evolução de uma economia agrária
para uma economia de tipo industrial” 544. No segundo momento em que o visconde agitou
as elites brasileiras, a marcha rumo ao desenvolvimento fabril já estava em curso e, com
efeito, o país avançava em ritmo acelerado. Desta feita, não havia a necessidade de agitar uma
bandeira em prol da indústria. A trajetória percorrida pelo país falava por si mesma,
apontando (isso sim!) para a urgência em se completar o trajeto. Traduzindo esse sentimento
difuso no cenário nacional, as referências a Irineu Evangelista deixaram de ser um voto pela
543 PADILHA, 1941, p. 13-17.
544 PADILHA, 1941, p. 13-17.
231
modernização industrial do Brasil e passaram a expressar o anseio, generalizado entre as
elites, de consumação desse processo, em boa medida já realizado 545.
Mauá foi, em suma, o símbolo, em nossa Pátria, da Revolução Industrial que teve na
Europa Ocidental o seu primeiro e imenso laboratório. A presença desse homem
superior na vida econômica nacional já foi magistralmente estudada por Alberto de
Faria. [...] A ninguém que se interesse pela nossa história econômica é lícito ignorar
o que essas realizações [refere-se aos atos assombrosos de Mauá no domínio da
produção e do crédito] significaram em si mesmas e nos efeitos que produziram.
[...]
Ao ponto que atingiu, o industrialismo brasileiro se afirma no Continente de modo
verdadeiramente excepcional. Sem ainda os recursos da hulha nem do ferro, na
escala compatível com seu gigantesco potencial, realizou obra sobre-humana e
talvez ímpar em todo o mundo, não sendo exagerado admitir-se que seus resultados
sobre a economia sul-americana venham a ser, em futuro próximo, de singular
imponência.
O esforço de duas ou três décadas consagrar-se-á um dia nesses resultados, que
começam a ser entrevistos.
Mauá e seus continuadores realizaram – ainda o comprovará a História – aquele tipo
dinâmico do produtor que, no Vale do Clyde ou na Silésia, lançaram os fundamentos
materiais dos dois grandes impérios contemporâneos: a Grã-Bretanha e a
Alemanha.546
Em suma: Mauá, em sua “segunda edição”, tornou-se o símbolo desse novo
nacionalismo em vias de consolidação, um nacionalismo de conteúdo mais econômico e
focado na modernização planejada da economia brasileira, como um todo. Nos dizeres de
Feijó Bittencourt, “Mauá representa a visão ampla de um plano econômico” 547 . Um
programa voltado para a “organização econômica do país” 548 e que deveria ser encampado
imediatamente pelo Estado, tendo estas duas ambições básicas: obter a máxima utilização dos
545 Bielschowsky demonstra como, no Brasil do após-guerra, não se concebia mais uma solução para o país do
tipo: agricultura versus indústria. A partir da década de 1940, a tese da vocação agrária perde boa de sua força e
legitimidade, ao passo que a industrialização se torna quase que, por assim dizer, um destino nacional. (Cf.
BIELSCHOWSKY, 2000, p. 269-286, passim). Padilha expressou da seguinte forma o encerramento desta fase
de intensa tensão ideológica no país: “Nos últimos anos surgiu no país um polêmica, totalmente inócua, na sua
bizantinice, em torno das teses, consideradas em oposição, do “agrarismo” e do “industrialismo”. Os
partidários de Henry George e de seu monismo econômico, de um lado, e os da industrialização a qualquer
preço, do outro, sustentavam os respectivos pontos de vistas como se as simples definições ou as fórmulas sem
conteúdo pudessem conter a realidade, em todos os aspectos de sua infinita riqueza. [...] Eis porque acharam de
reputar irreconciliáveis uma política de intensa produção agrícola ao lado de uma produção industrial
igualmente intensiva. [...] Se a política, no conceito napoleônico, é a arte do possível, mais válido é o aforismo
quando aplicado no terreno da economia. Uma nação deve, portanto, realizar, em matéria de produção, aquilo
que lhe seja exeqüível para o fomento de sua riqueza. [...] A modalidade desse trabalho e o setor de sua
aplicação não podem ser apreciados, salvo em função daquele objetivo: criar a riqueza, no sentido de sua
utilização eficiente”. (PADILHA, 1941, p. 13-17).
546 PADILHA, 1941, 13-17.
547 BITTENCOURT, Leopoldo Feijó. Autobiografia do visconde de Mauá. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro,
19 jul. 1942, p. 3-4.
548 BITTENCOURT, 1942, p. 3-4.
232
meios de produção internos, tendo no pólo urbano industrial o seu eixo dinâmico, e alcançar o
maior aproveitamento do mercado consumidor brasileiro, visando a realização interna da
produção. Foi esse o grande recado deixado pelo visconde às gerações futuras, insistia o
articulista, enfatizando o significado profundo deste personagem histórico.
Quem foi esse homem? Só se pode dizer: um intuitivo, e uma inteligência
sumamente apta para, diante das situações, logo compreendê-las. [...] Pensar em
uma economia nacional, em um quadro de formação das riquezas no país, como fez
Mauá, representa uma originalidade, uma nova compreensão ou, se quiserem, uma
subversão! 549
No final da década de 1920, a indústria cooperava com uma porção ainda muito
pequena do Produto Interno Bruto. No começo dos anos 1940, conquanto não-hegemônico, o
segmento fabril não podia ser ignorado e, sequer, menosprezado. A participação expressiva no
“bolo nacional” acabou sendo seu passaporte de ingresso nas mesas onde qualquer debate ou
negociação política de vulto para o futuro do país estava em jogo. Foi, pois, nesse novo
contexto, que o pensamento industrialista, entendido em sua acepção mais ampla, ou seja,
compreendendo todos partidários do segmento fabril, pôde superar a dicotomia agricultura
versus indústria e adotar uma postura mais sobranceira em relação aos outros ramos da
economia, o que lhe permitiu, inclusive, repensar o seu papel na economia nacional. Se, em
épocas anteriores, alguns expoentes do pensamento industrialista já haviam apontado e
defendido a posição estratégica da indústria nas economias, foi no início década de 1940, após
todo um período de gestação, que efetivamente amadureceu um amplo projeto de
desenvolvimento a ser levado a cabo pelo Estado e tendo no setor secundário o seu carrochefe, embora com repercussões sobre toda a cadeia produtiva do país.
Muito embora a ascensão de Getúlio Vargas ao poder não tenha significado uma
revolução de cunho industrialista, “o conjunto das atividades estatais, entre 1930-1945,
assinala a agonia do Estado oligárquico e o desenvolvimento do Estado burguês” 550 .
549 BITTENCOURT, 1942, p. 3-4.
550 IANNI, 1971, p. 14.
233
Instituições político-econômicas e valores sócio-culturais de caráter tipicamente burguês
foram, então, se constituindo. Consta dessa época, a criação de uma série de órgãos de
planejamento e consultoria nos quais o governo se apoiava para definir seus planos e
programas de ação 551 . A participação da burguesia industrial e a postura, em geral,
industrialista das burocracias civil e militar nessas instâncias colegiadas foram de grande
valor para o amadurecimento de um novo modelo de crescimento econômico, ancorado no
planejamento das ações governamentais em longo prazo e na participação, mais decisiva, do
Estado na economia, muito especialmente, naqueles setores considerados estratégicos para
impulsionar a modernização e superar a dependência externa, quais sejam: transporte,
mineração, energia e indústria de base. Iam-se, assim, forjando as “bases de uma política ao
mesmo tempo estatizante e nacionalista” 552.
O ideal do crescimento pela ampla planificação da economia a ser levada a cabo
pelo Estado ia se consolidando como uma tendência, não somente entre a burocracia estatal,
mas também entre o empresariado. Tendo a sua frente uma figura de proa como foi Roberto
Simonsen, o segmento industrial brasileiro, pouco a pouco, foi se convencendo das vantagens
de uma organização estatal mais robusta e centralizadora, bem como, da importância do
planejamento como um instrumento ótimo de dinamização e integração da economia
nacional. Na primeira metade da década de 1940, dentro do contexto dos anos finais da
Segunda Grande Guerra, foram organizados três grandes eventos, reunindo as elites políticas,
intelectuais e econômicas do país. Primeiro Congresso Brasileiro de Economia (1943),
Primeiro Congresso Brasileiro da Indústria (1944) e Primeira Conferência das Classes
Produtoras do Brasil (1945), em cada um desses encontros, a situação do país diante da
aproximação do fim do conflito mundial era o grande tema de debate. Na pauta da discussão,
551 Entre estes órgãos, os de maior destaque no âmbito da política econômica do governo foram os seguintes:
Conselho Federal do Comércio Exterior (1934), Conselho Técnico de Economia e Finanças (1937), Coordenação
de Mobilização Econômica (1942), Conselho Nacional de Política Industrial e Comercial (1944) e Comissão de
Planejamento Econômico (1944).
552 MARTINS, 1976, p. 210 apud BIELSCHOWSKY, 2000, p. 252.
234
entravam os mais diversos aspectos da economia nacional, os quais eram sempre enfocados
de forma prática. Conquanto ainda faltasse a devida articulação das propostas levantadas no
momento das deliberações, esses eventos certamente representaram mais um passo em
direção a um projeto efetivo de aceleração do crescimento do país, por intermédio de um
plano sistemático de desenvolvimento de toda a cadeia produtiva nacional, a ser garantido,
particularmente, pela atuação do Estado naqueles segmentos tidos como estratégicos.553 Nos
termos de Simonsen, o maior defensor dos métodos de planejamento entre o empresariado:
Impõe-se [...] a planificação da economia brasileira em moldes capazes de
proporcionar os meios adequados para satisfazer as necessidades essenciais de
nossas populações e prover o País de uma estruturação econômica e social, forte e
estável, fornecendo à nação os recursos indispensáveis à sua segurança e à sua
colocação em lugar condigno, na esfera internacional.554
Inserida nesta fase em que desponta o interesse pelo planejamento estatal, como
instrumento político-administrativo efetivo para favorecer o crescimento econômico, a
memória nacional sobre Mauá sofreu algumas alterações, incorporando novas questões, antes
não-retratadas pelos intelectuais que se debruçavam sobre o legado histórico deste
personagem. Dentre os novos temas que entraram no campo de atenção da intelectualidade
brasileira, a problemática em torno do nível de controle do Estado sobre as atividades
econômicas do país foi um dos assuntos mais apaixonadamente discutidos naquela época 555.
No geral, havia, entre as elites, uma tendência de apoio à participação do Estado na economia,
sobretudo nas áreas chamadas estratégicas, desde que esta atuação não significasse o
553 BIELSCHOWSKY, 2000, p. 268-269, 300-301; IANNI, 1971, p. 51-58.
554 SIMONSEN, Roberto. O planejamento da economia brasileira. São Paulo, edição do autor, 1945, p. 11-12
apud IANNI, 1971, p. 55. Acrescente-se ainda que no documento de conclusão dos trabalhos da I Conferência
das Classes Produtoras do Brasil, conhecido como Carta Econômica de Teresópolis, os participantes do evento
fizeram coro às palavras de Simonsen, em sua querela travada com Eugênio Gudin no interior do CNPIC. Assim
diziam os congressistas: “É sua opinião que o Brasil, necessitando urgentemente recuperar o tempo perdido
para atingir a renda nacional necessária a permitir a seu povo um melhor nível de vida, procure acelerar a
evolução de sua economia por meio de técnicas que lhe assegurem rápida expansão. Para isso, reconhecem a
necessidade de um planejamento econômico que vise a aumentar a produtividade e desenvolver as riquezas
naturais”. (IANNI, 1987, p. 57).
555 A polêmica em torno do planejamento estatal da economia ocorrida entre Roberto Simonsen e Eugênio Gudin
é um bom exemplo disso.
235
sufocamento da iniciativa privada no país. Como vimos no capítulo anterior, era essa a
posição de Azevedo Amaral.
Cada unidade do sistema de produção e distribuição da riqueza é livre nas suas
iniciativas e nos seus movimentos realizadores, bem como na obtenção dos
proveitos da sua atividade, até o ponto em que o exercício dessas prerrogativas
pessoais não contradita a boa ordem do funcionamento do aparelho global da
economia coletiva.556
Os indivíduos, atuando isoladamente ou em grupos, têm de subordinar as suas
aptidões e os seus interesses ao ritmo imposto pelo bem geral de que o poder público
é o assegurador permanente.557
A despeito de haver certo consenso neste aspecto, posturas extremadas em favor
da centralização da vida econômica do país nas mãos do Estado também integravam o rol de
posições políticas do período. Um bom exemplo desse tipo de posicionamento aconteceu
durante as comemorações do cinqüentenário de falecimento do visconde, organizadas pelo
IHGB. A segunda conferência realizada na sede do Instituto produziu verdadeiro frissom na
platéia. Contrastando com o caráter apologético do evento, Gustavo Barroso feriu os ouvidos
dos presentes com um discurso que nada tinha de encomiástico. Em sua fala, o palestrante
abordou os conflitos havidos entre Mauá e o governo imperial como um símbolo de uma
disputa maior, envolvendo a Economia e o Estado, na fase de expansão mundial do
capitalismo industrial 558 . Reconhecendo em Irineu Evangelista o grande representante
brasileiro de uma época em que a sociedade ocidental procurava se desvencilhar da influência
estatal, guardião dos valores tradicionais e dos interesses nacionais, para se dobrar aos
interesses materialistas e internacionalistas da nova dinâmica econômica, Barroso
compreendia o personagem histórico em questão como um perigo para a nacionalidade.
556 AMARAL, O Estado autoritário e a realidade nacional, p. 260-261.
557 AMARAL, O Estado autoritário e a realidade nacional, p. 196.
558 Antes de apresentar o significado histórico de Mauá, Gustavo Barroso situa ideologicamente o personagem
em seu tempo, vinculando-o às doutrinas de Saint-Simon. Deixando de lado a validade da interpretação, nosso
interesse está no conteúdo dado pelo intelectual a essa ideologia. Segundo Barroso, o sansimonismo representou
a ascensão do ideal de libertação da sociedade da influência estatal e sua livre expansão pelas vias da razão
econômica. “Nessa curiosa sociedade [sonhada por Saint-Simon], tudo se alicerça na atividade material,
representada pela Indústria, tudo se produz através duma faculdade racional, a Ciência, e tudo se coroa pela
Simpatia, mães (sic) das Artes. [...] Esquecida a lição eterna de Santo Tomás, de que a Economia foi feita para o
homem e não o homem para a Economia, tudo se baseou na lição inversa. Saint-Simon representa com sua
doutrina, no começo do XIX, o espírito de seu tempo: o Banco e a Indústria, isto é, claramente, o “Capitalismo
Industrial”. (BARROSO, O visconde de Mauá no cinqüentenário do seu falecimento, p. 28-29).
236
Com efeito, as ações de Mauá sejam na política interna, sejam na política externa
constituíam uma “completa inversão de papéis” 559. Tais iniciativas implicavam na clara
tentativa de subordinar o Político, guardião do interesse público, ao Econômico, representante
dos interesses particulares, quando, exatamente, o oposto é que deveria vigorar, segundo o
palestrante. Irineu Evangelista viveu em um tempo em que “a Economia, livre dos entraves
que lhe havia posto sempre a antiga concepção espiritual da vida, vencera e dominara o
Estado” 560. Felizmente, as coisas logo começaram a mudar - transformação que, iniciada nos
tempos do visconde, estava a toda na época e nos dizeres do conferencista.
Quando o visconde de Mauá se aproximava de seu melancólico fim, esboçavam-se
as primeiras e ainda fracas reações contra esse estado de coisas, as quais marcariam
fundamente o espírito do século XX. Os primeiros passos para o intervencionismo
do próprio Estado Liberal no âmbito dos fatos econômicos se faziam ouvir. Estamos
hoje em plena ofensiva do Estado contra a Economia [...]. A guerra presente encerra
em seu seio o segredo de quem vencerá a luta secular: o Estado ou a Economia.561
Como um dos grandes líderes do integralismo, movimento de contornos
marcadamente fascistas, é certo que Gustavo Barroso desejava a expansão da esfera pública,
encarnada pelo Estado, sobre a esfera privada, representada pela sociedade. No entanto,
durante a ditadura de Vargas, a atuação do Estado na economia, conquanto tenha se ampliado
significativamente, revestiu-se de um sentido bem diferente daquele defendido pelo fundador
e diretor do Museu Histórico Nacional. Naquele momento, além da intervenção estatal na
economia ocorrer em cooperação e, não, em oposição à iniciativa privada, ao que tudo indica
a modernização industrial do país tornou-se o grande ideal das elites brasileiras. Portanto,
respondendo ao dilema lançado pelo conferencista no final da passagem citada, nessa luta
secular protagonizada pelo Estado e a Economia, pode-se dizer que o último combatente
levou a melhor. Nos dizeres penetrantes de Azevedo Amaral, em referência à dinâmica
política de sua época: “a pressão dos interesses econômicos vai determinando a
559 BARROSO, O visconde de Mauá no cinqüentenário do seu falecimento, p. 38.
560 BARROSO, O visconde de Mauá no cinqüentenário do seu falecimento, p. 30.
561 BARROSO, O visconde de Mauá no cinqüentenário do seu falecimento, p. 30-31.
237
subordinação dos fatos políticos às realidades impostas pelo mecanismo da produção” 562.
Em outros termos, mais do que fazer parte de qualquer programa de governo, a
industrialização tornar-se-ia o grande projeto do Estado brasileiro nas próximas décadas.
Como vimos, esta Dissertação foi estruturada com base em duas fontes-chave:
uma autobiografia e uma biografia. Estas obras encontram-se separadas no tempo por um
espaço de quase cinqüenta anos. No entanto, guardadas suas diferentes temporalidades e
significados, ambas contribuíram, cada uma a seu modo, para uma mesma inovação, um
mesmo lance na história das idéias, no Brasil. A hipótese central aqui defendida é a de que a
auto-imagem elaborada por Mauá em sua Exposição aos credores, ao ser re-apropriada por
Alberto de Faria na década de 1920, foi responsável pelo ingresso do visconde no panteão
cívico nacional. Por sua vez, na década seguinte, valendo-se da força onírica desta imagem
mítica de Mauá e das contribuições da historiografia econômica, então em fase de
consolidação no país, um outro intelectual, Azevedo Amaral, em vários livros de interpretação
do Brasil, teria desempenhado um papel fundamental para o surgimento, no nível do discurso,
de uma nova tradição no pensamento social brasileiro: a modernização industrial. Tradição
que, como também se indicou, sobretudo, desde a década de 1930, já vinha ganhado foros de
legitimidade entre os dirigentes nacionais e, por conseguinte, se manifestando, na prática, por
intermédio da efetivação de políticas públicas lastreadas pelos valores dessa tradição.
Perpassando este conjunto de obras fundamentais, há uma percepção romântica da
identidade que conecta, intimamente, as duas narrativas (auto)biográficas em questão – quais
sejam, a Exposição aos credores de Irineu Evangelista e o Mauá de Alberto de Faria – ao
pensamento social de Azevedo Amaral. Ao que tudo indica, foi a partir dessa compreensão
do homem e da nação como seres dotados de vida interior, passível de apreensão por sujeitos
562 AMARAL, Ensaios brasileiros, p. 229.
238
pensantes, que conseguimos relacionar as obras desses três autores, estabelecendo o nexo
lógico-causal que os mantêm unidos na efetuação de um mesmo lance no pensamento social
brasileiro. Na base de todas essas narrativas, garantindo sua imbricação, deparamo-nos com a
idéia subjacente de uma essência individual, única e imutável – cujo desenvolvimento
temporal envolve, apenas e tão somente, uma atualização de suas potencialidades préestabelecidas ab initio. Ou seja, em sua aventura temporal, o ser individual ou nacional
permanece o mesmo, limitando-se a se configurar e re-configurar, porém, sem perder a sua
matriz original. Em decorrência desse entendimento da identidade, desenvolver significa ser
fiel a si mesmo, ser leal a sua originalidade, respeitando e atualizando uma essência, uma
potência interior 563. E é justamente a idéia de uma essência, de um “núcleo identitário”, sede
íntima do ser, que se constitui na base de todas as três explorações principais da identidade
pessoal e nacional analisadas ao longo desta Dissertação.
O que fez o visconde de Mauá ainda nas páginas introdutórias de sua Exposição
aos credores? Sua primeira preocupação foi apresentar aos credores e ao público a essência
individual que animara o seu ser, no decorrer de seus 32 anos de carreira empresarial. O que
fez Alberto de Faria nos capítulos em que, com efeito, introduzia o personagem principal de
sua biografia? Antes de dar início à longa descrição dos feitos de Mauá, Faria também se
preocupou em delimitar os contornos da alma de Irineu Evangelista. Só depois dessa
caracterização estática do “eu” do visconde, foi que o biógrafo passou à caracterização
dinâmica do ser do seu personagem – mera atualização de uma imagem prévia oferecida aos
leitores. Finalmente, ainda cabe nos perguntar: qual foi o procedimento de Azevedo Amaral
ao analisar o Brasil? A primeira preocupação deste intelectual, seguindo uma metodologia
563 “No romantismo, a regeneração social e política supõe que seja possível, no próprio interior dos novos
tempos, retornar ao estado originário, anterior à corrosão da pessoa, da liberdade e da democracia. [...]
Restaurar a origem, aqui, não poderia dar-se como recuperação do tempo. [...] A origem é a natureza, eterna e
idêntica a si mesma, só possível de ser alcançada pela intuição superior, própria às almas geniais, espelhos de
sua harmonia, reconhecendo-a abaixo das leis mecânicas que regem o cotidiano dos homens comuns”.
(ROMANO, 1981, p. 100-101).
239
lastreada em uma percepção romântica do tempo 564 e bastante comum entre os autores da sua
geração, foi analisar a formação histórica do país, remontando, muito particularmente, ao
período colonial brasileiro – por suposto, repositório último da identidade nacional. Lá
estariam as origens autênticas da nacionalidade. Lá se encontrariam as raízes profundas do
povo brasileiro. Fundamentos dos quais a nação jamais poderia se desviar, sob o risco da
negação, da degenerescência, do colapso do ser nacional, como alegam os autores informados
por esta tradição hermenêutica.
Em sua autobiografia, Mauá apresenta sua trajetória pessoal como um norte para a
nacionalidade. Deste modo, aquilo que constituíra o cerne de seu projeto de vida deveria
servir de base diretiva para a trajetória nacional, admitindo-se que os contornos de sua
identidade pessoal teriam abarcado, integralmente, os limites do ser nacional. Décadas depois,
em sua biografia sobre o visconde, Alberto de Faria oferece aos leitores um Mauá arquetípico,
apresentando-o, nos termos de Carlyle, como um ideal realizado, uma encarnação prática dos
valores e rumos a serem perseguidos pela nação. Irineu Evangelista teria, não apenas antevisto
de forma abstrata as linhas mestras da nação, antes, pelo contrário, fora capaz de demonstrar,
efetivamente, suas idéias, fazendo de suas ações um guia prático para a posteridade. “Gênio
realizador” 565 – eis como o definia Getulio Vargas. Assim sendo, aquilo que, em vida, Mauá
não fora capaz de realizar, por obstáculos alheios à sua vontade, cumpria ser levado a cabo
pelas gerações futuras. Era essa a mensagem básica da narrativa autobiográfica escrita por
Faria. Finalmente, em suas obras de interpretação do Brasil, Azevedo Amaral reconhecia em
Mauá “o restaurador do sentido econômico da evolução brasileira” 566. Mais do que um
564 Sobre a percepção temporal do ponto de vista da tradição romântica, ver: ROMANO, 1981. Romano mostra
como o tempo e a história foram, absolutamente, fundamentais para a delimitação dos contornos da identidade
nacional, no interior da tradição romântica. Para uma abordagem sobre a influência do ideário romântico no
pensamento social brasileiro, cf. DUTRA, 1999. Neste artigo, Dutra empreende uma avaliação do pensamento
do integralista Plínio Salgado, ressaltando as vinculações das idéias e dos projetos políticos deste autor com o
ideário romântico.
565 Expressão usada por Getulio Vargas, em seu discurso ao assumir o Ministério da Fazenda do governo
Washington Luís, em 21 de novembro de 1926. Ver: FARIA, Mauá, p. 545.
566 AMARAL, A aventura política brasileira, p. 196.
240
homem sensível aos grandes problemas nacionais, Mauá teria intuído, com genialidade, o
núcleo duro da nacionalidade, revelando à nação o princípio de sua formação histórica e a
finalidade de sua evolução no tempo. Em Azevedo Amaral, portanto, é a própria essência
nacional que ganha um espírito modernizante, encarnando, em grande medida, os ideais
industrialistas consagrados por Mauá em sua narrativa autobiográfica. O progresso
econômico, via industrialização, projeto nacional, primeiramente, veiculado por Mauá e,
posteriormente, apropriado por Alberto de Faria, é concebido como um destino, um telos
nacional, no pensamento social de Azevedo Amaral. De acordo com este intelectual, a
modernização industrial do país, obra que deveria mobilizar o Estado e a sociedade brasileira
em um esforço conjunto, integral e continuado, significaria a consumação definitiva do ser
nacional: seria a atualização máxima do sentido da nacionalidade.
241
REFERÊNCIAS
Fontes
Fontes principais
AMARAL, Azevedo. Ensaios brasileiros. Rio de Janeiro, Omena & Barreto, 1930.
AMARAL, Azevedo. O Brasil na crise atual. São Paulo, Nacional, 1934. (Coleção Brasiliana, série V, v. 31).
AMARAL, Azevedo. A aventura política do Brasil. Rio de Janeiro, Livraria José Olympio, 1935.
AMARAL, Azevedo. O Estado autoritário e a realidade nacional. Rio de Janeiro, Livraria José Olympio, 1938.
FARIA, Alberto. Mauá. 1ª ed. Rio de Janeiro, Paulo Pongetti & Cia., 1926. 2ª ed. São Paulo, Nacional, 1933.
(Coleção Brasiliana, série V, v. 20).
MAUÁ, Irineu Evangelista de Souza, visconde de. Exposição do visconde de Mauá aos credores de Mauá e
Cia. e ao público. 1ª ed. Rio de Janeiro, Villeneuve & Cia., 1878. 2ª ed. Autobiografia: “Exposição aos credores
e ao público” seguida de “O meio circulante”. Rio de Janeiro, Zelio Valverde, 1943. 3ª ed. Rio de Janeiro,
Topbooks, 1998.
MAUÁ, Irineu Evangelista de Souza, visconde de. O meio circulante do Brasil. 1ª ed. Rio de Janeiro,
Villeneuve & Cia., 1878. 3ª ed. Autobiografia. Rio de Janeiro, Zelio Valverde, 1943.
Fontes secundárias
Periódicos e Revistas
ALVES, José Luiz. Elogio histórico de Irineu Evangelista de Souza, Visconde de Mauá: discurso proferido a 15
de dezembro de 1890, no IHGB. Revista do IHGB, Rio de Janeiro, tomo LIII, 2ª parte, 1890, pág. 612-615.
Boletim Econômico do Banco do Brasil, Rio de Janeiro: nº 24, nov. de 1941.
Correio da Manhã, Rio de Janeiro: 1927; 1938; 1941; 1942.
Correio Paulistano, São Paulo: 1927.
Fon-Fon, Rio de Janeiro: fev. de 1912.
Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro: out. de 1912 – jan. de 1913; 1925.
INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO DO RIO GRANDE DO SUL. Revista do
Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro do Rio Grande do Sul, Porto Alegre: ano VIII, nº 29-32,
1928.
INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO. O visconde de Mauá no cinqüentenário do seu
falecimento. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1940. (Edição especial da Revista do Instituto).
Jornal do Brasil, Rio de Janeiro: 1925; 1927; 1942.
Jornal do Comércio, Rio de Janeiro: out. de 1889; out. de 1912 – jan. de 1913; 1925; 1927; 1928;
1930; 1932; 1934; 1936; 1938; 1939; 1942.
O Estado de São Paulo, São Paulo: 1927; 1929.
O Jornal, Rio de Janeiro: 1925; 1927; 1934; 1941; 1942.
O Observador Econômico e Financeiro, Rio de Janeiro: ano VI, nº 46, nov. de 1939.
O País, Rio de Janeiro: 1904; 1927; 1928.
242
Revista da Academia Brasileira de Letras, Rio de Janeiro: 1929, 1935.
Revista da Semana, Rio de Janeiro: ano XXX, nº 13, mar. de 1929.
Revista do Brasil, São Paulo: nº 51, set. de 1942.
Revista do Clube de Engenharia, Rio de Janeiro: ano VI, nº 62, nov. de 1939.
Revista do Instituto Politécnico, Rio de Janeiro: v. XXX, 1904.
SOUZA FERREIRA, J. C. de. Visconde de Mauá: esboço biográfico. Revista do Instituto Histórico e
Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, tomo LXII, 2ª parte, nov. de 1900, p. 75-136.
Tribuna Liberal, Rio de Janeiro: out. de 1889.
Vamos ler, revista do Rio de Janeiro: 1939.
Livros
CAIRU, José da Silva Lisboa, visconde de. Visconde de Cairu (org. Antônio Penalves Rocha). São
Paulo, Ed. 34, 2001.
CARDOSO, Vicente Licínio. À margem da história da República. 1ª ed. Rio de Janeiro, Annuario do Brasil,
1924. 3ª ed. Recife, FUNDAJ, Massangana, 1990.
CARDOSO, Vicente Licínio. À margem da história do Brasil. São Paulo, Nacional, 1933. (Coleção Brasiliana,
série V, v. 13).
GOMES, Alfredo. O visconde de Mauá: de caixeiro a visconde. São Paulo, Melhoramentos, s./d.
LEMOS BRITO, José G. de. Pontos de partida para a história econômica do Brasil. 1ª ed. Rio de Janeiro,
1923. 2ª ed. São Paulo, Nacional, 1939. (Coleção Brasiliana, série V, v. 155).
NORMANO, João F. Evolução econômica do Brasil. São Paulo, Nacional, 1939. (Coleção Brasiliana, série V,
v. 152).
REBELO, Edgard de Castro. Mauá, de novo Mauá. In: Mauá e outros estudos. Rio de Janeiro, São José, 1975.
(Artigos de polêmica contra o prefácio escrito por Cláudio Ganns para a reedição da Autobiografia do visconde
de Mauá. Foram publicados na Revista do Brasil, ns. 46-49, de abril a julho de 1942. Posteriormente, foram
reunidos em um livro).
REBELO, Edgard de Castro. Mauá, restaurando a verdade. Rio de Janeiro, Editorial Universo, 1932. (Livro de
contestação à obra Mauá de Alberto de Faria. Metade dos capítulos já tinham saído pela revista Cultura, em
1929).
RODRIGUES TORRES, Joaquim José. Proposta e relatório apresentados à Assembléia Geral Legislativa na
primeira sessão da oitava legislatura, pelo Ministro e Secretário d’Estado dos Negócios da Fazenda. Rio de
Janeiro, Tipografia Nacional, 1850.
SILVA, Joaquim. História do Brasil (4º ano ginasial). 7ª ed. São Paulo, Nacional, 1943.
SIMONSEN, Roberto Cochrane. A evolução industrial do Brasil. São Paulo, Nacional, 1939. (Coleção
Brasiliana, série V, v. 349). 2ª ed. São Paulo, Nacional, 1945.
SIMONSEN, Roberto Cochrane. História econômica do Brasil: 1500-1820. São Paulo, Nacional, 1937.
(Coleção Brasiliana, série V, v. 100 e 100-A). 7ª ed. São Paulo, Nacional; Brasília, INL, 1977.
TORRES, Alberto. O problema nacional brasileiro: introdução a um problema de organização
nacional. 4ª ed. São Paulo, Nacional; Brasília, UnB, 1982.
VARGAS, Getúlio. As diretrizes da nova política do Brasil. Rio de Janeiro, José Olympio, 1942.
VIANA, Victor. Histórico da formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1922.
243
VIANNA, Oliveira. Evolução do povo brasileiro. São Paulo, Nacional, 1938. (Brasiliana, série V, v.
10).
VIANNA, Oliveira. História social da economia capitalista no Brasil. 2 v. Belo Horizonte, Itatiaia;
Rio de Janeiro, UFF, 1988. (Coleção Reconquista do Brasil, v. 109 e 110).
Outras fontes
FARIA, Alberto de. Telegrama agradecendo ao dep. Wanderley Pinho (BA) correspondências de
Mauá com Cotegipe. (Arquivo do IHGB).
MAUÁ, Irineu Evangelista de Souza, visconde de. Carta ao conde de Iguaçú. Sem local, 28(?) de fev.
de 1879. (BN – fonte manuscrita).
PINHO, Wanderley. Resenha crítica da Autobiografia publicada por Cláudio Ganns. (Arquivo do
IHGB – fonte manuscrita).
VIANA, Hélio. O aniversário de Mauá. (Crônica para o Departamento de Propaganda e Difusão
Cultural. Escrito em 25 de dez. de 1935 e lido no dia 28).
Bibliografia
Obras de referência
ABREU, Alzira Alves de; CENTRO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO DE HISTÓRIA
CONTEMPORÂNEA DO BRASIL. Dicionário histórico-biográfico brasileiro: pós-1930. 2ª ed. rev.
e atual. Rio de Janeiro, FGV/CPDOC, 2001.
VAINFAS, Ronaldo (org.). Dicionário do Brasil imperial. Rio de Janeiro, Objetiva, 2002.
Sites especializados e institucionais
ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Desenvolvido pela ABL, 2006. Apresenta informações
históricas e biográficas sobre a ABL. Disponível em: . Acesso em mar.
2007.
CENTRO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO DE CONTEMPORÂNEA DO BRASIL.
Desenvolvido pela Fundação Getúlio Vargas, 2005. Apresenta rico material documental sobre o
período contemporâneo brasileiro. Disponível em: < http://www.cpdoc.fgv.br>. Acesso em mar. 2007.
LIGA DE DEFESA NACIONAL. Desenvolvido por Tatiana Faleiro de Lacerda, 2006. Apresenta
histórico, documentação, informações e curiosidades da Liga. Disponível em:
. Acesso em: mar. 2007.
MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES. Desenvolvido pelo Ministério dos Transportes, s./d. Apresenta
um rico banco de informações atuais e históricas sobre o Ministério dos Transportes. Disponível em:
. Acesso em: mar. 2007.
NOVO MILÊNIO. Desenvolvido pela Prefeitura de Santos, s./d. Apresenta uma série de informações
históricas e atuais sobre a cidade de Santos. Disponível em:
. Acesso em mar. 2007.
244
Livros e artigos
ABREU, J. Capistrano de. Fases do Segundo Império. In: ______. Ensaios e estudos: crítica e história (3ª série).
2ª ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira; Brasília, INL, 1976.
AGOSTINHO, Santo. Confissões. São Paulo, Paulus, 1984.
ALCÂNTARA, Aspásia Brasileiro. A teoria política de Azevedo Amaral. Dados – Revista de Ciências Sociais.
Rio de Janeiro, v.2, nº 3, p. 194-224, 1967.
ALONSO, Ângela. Idéias em movimento: a geração 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo, Paz e Terra,
2002.
BACZKO, Bronislaw. Imaginação social. In: ENCICLOPÉDIA Einaudi, vol. 5 – Anthropos/Homem.
Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1985.
BARROS, Roque Spencer. A ilustração brasileira e a idéia de universidade. São Paulo, Convívio/Edusp, 1986.
BERSTEIN, Serge. A cultura política. In: RIOUX, Jean-Pierre & SIRINELLI, Jean-François (org.).
Para uma história cultural. Lisboa, Editorial Estampa, 1998.
BESOUCHET, Lídia. Correspondência Política de Mauá: no Rio da Prata (1850-1885). São Paulo,
Cia. Editora Nacional, 1943. (Coleção Brasiliana, série V, v. 227).
BESOUCHET, Lídia. Mauá e seu tempo. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1978.
BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do
desenvolvimentismo. 4ª ed. Rio de Janeiro, Contraponto, 2000.
BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Pátria, civilização e trabalho: o ensino de história nas
escolas paulistas (1917-1939). São Paulo, Edições Loyola, 1990.
BORGES, Vavy Pacheco. Anos trinta e política: história e historiografia. In: FREITAS, Marcos Cezar
(org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo, Contexto, 1998.
BOSI, Alfredo. A arqueologia do Estado-providência. In: A dialética da colonização. 4ª ed. São Paulo,
Cia. Das Letras, 2001.
BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de M. (org.).
Usos e abusos da história oral. 5ª ed. Rio de Janeiro, FGV, 2002, p. 183-192.
BURKE, Peter. A invenção da biografia e o individualismo renascentista. Estudos Históricos. Rio de
Janeiro, v. 10, nº 19, p.83-97, 1997.
CALDEIRA, Jorge. Mauá: empresário do império. São Paulo, Cia. das Letras, 1995.
CAPELATO, Maria Helena R. & DUTRA, Eliana de F. Representação política. In: CARDOSO, C. F.
& MALERBA, J. (org.). Representações: contribuição a um debate transdisciplinar. Campinas,
Papirus, 2000, pp. 227-267.
CAPELATO, Maria Helena R. Estado Novo: novas histórias. In: FREITAS, Marcos Cezar (org.).
Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo, Contexto, 1998.
CARLYLE, Thomas. Os heróis. São Paulo, Melhoramentos, s/d.
CARONE, Edgard. O pensamento industrial no Brasil. São Paulo, Difel, 1977.
CARVALHO, José M. de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo, Cia. das
Letras, 1990.
CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem & Teatro das sombras. 2ª ed. Rio de Janeiro,, UFRJ,
Relume-Dumará, 1996.
245
CARVALHO, José Murilo de. Federalismo e centralização no império brasileiro: história e
argumento. In: ______. Pontos e bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte, UFMG,
1999.
CARVALHO, Maria Alice R. de. O quinto século: André Rebouças e a construção do Brasil. Rio de
Janeiro, Revan, IUPERJ-UCAM, 1998.
CONGRESSO AGRÍCOLA, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa,
1988.
DEAN, Warren. A industrialização de São Paulo. 2ª ed. São Paulo, Difel, 1991.
DIAS, Maria Odila L. da Silva. Ideologia liberal e construção do Estado no Brasil. Anais do Museu Paulista,
São Paulo, tomo XXX, p. 211-225, 1980/1981.
DINIZ, Eli. Empresário, Estado e capitalismo no Brasil: 1930-1945. Rio de Janeiro, Paz e Terra,
1978.
DUTRA, Eliana R. de Freitas. O ardil totalitário: imaginário político no Brasil dos anos 30. Rio de Janeiro,
UFRJ, UFMG, 1997.
EAKIN, Paul John. Self-invention in autobiography: the moment of language. In: Fictions in autobiography:
studies in the art of self-invention. Princeton, Princeton University Press, 1988, pp. 181-278.
FALCON, Francisco C. História e representação. In: CARDOSO, C. F. & MALERBA, J. (org.).
Representações: contribuição a um debate transdisciplinar. Campinas, Papirus, 2000, pp. 41-79.
FAUSTO, Boris. A Primeira República; O Estado Getulista. In: ______. História concisa do Brasil.
São Paulo, Edusp, Imprensa Oficial SP, 2002.
FAUSTO, Boris. O pensamento nacionalista autoritário: 1920-1940. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2001.
FERLINI, Vera Lúcia do Amaral. Trabalho e engenho. In: ______. Terra, trabalho e poder. O mundo dos
engenhos no nordeste colonial. São Paulo, Brasiliense, 1988.
FREDRIGO, Fabiana de Souza. O Brasil no epistolário de Simon Bolívar: uma análise sobre o
desconhecimento entre as Américas. História Revista, Goiânia, 8 (1/2), jan/dez, p. 89-115, 2003.
FREYRE, Gilberto. Ingleses no Brasil: aspectos da influência britânica sobre a vida, a paisagem e a cultura do
Brasil. Rio de Janeiro, José Olympio, 1948. (Coleção Documentos Brasileiros, 58).
GIRARDET, Raoul. Mitos e mitologias políticas. São Paulo, Cia. das Letras, 1987.
GOMES, Ângela de Castro. A República não-oligárquica e o liberalismo dos empresários. In:
SZMRECSÁNYI, T.; SILVA, Sérgio S. História da Primeira República. São Paulo, Hucitec, 1996.
GOMES, Ângela de Castro. Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro, FGV, 2004.
GOMES, Ângela de Castro. História e historiadores: a política cultural do Estado Novo. Rio de
Janeiro: Editora da Fundação Getulio Vargas, 1996.
GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. DIAS, Maria Odila Leite da Silva. A interiorização da metrópole e
outros estudos. São Paulo, Alameda Casa Editorial, 2005, 168 p. Almanack brasiliense. São Paulo, n.
2, p. 128-131, nov. 2005.
GRAHAM, Richard. Grã-Bretanha e o início da modernização do Brasil: 1850-1914. São Paulo, Brasiliense,
1973.
GRANZIERA, Rui Guilherme. A guerra do Paraguai e o capitalismo no Brasil: moeda e vida urbana
na economia brasileira. São Paulo, UNICAMP, 1979.
GUIMARÃES, Lúcia Maria Paschoal. Primeiro Congresso de História Nacional: breve balanço da
atividade historiográfica no alvorecer do século XX. Tempo, Rio de Janeiro, nº 18, p. 147-170.
GUSDORF, Georges. Conditions and limits of autobiography. In: OLNEY, James (org.). Autobiography:
essays theoretical and critical. Princeton, Princeton University Press, 1980, p. 28-48.
246
GUSDORF, Georges. La découverte de soi. Paris, PUF, 1948.
HARDMAN, Francisco Foot & LEONARDI, Victor. História da indústria e do trabalho no Brasil: das origens
aos anos vinte. São Paulo, Global, 1982. (Teses, 6).
HARDMAN, Francisco Foot. Trem fantasma: a modernidade na selva. São Paulo, Cia. das Letras, 1998.
HOBSBAWM, Eric. A era do capital: 1848-1875. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1977.
HOBSBAWM, Eric. O sentido do passado. In: Sobre história. São Paulo, Companhia das Letras,
1998.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Nossa revolução. Raízes do Brasil. 3ª ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 1956.
HOLLANDA, Guy de. Um quarto de século de programas e compêndios de história para o ensino
secundário brasileiro (1931-1956). Rio de Janeiro, Centro Brasileiro de Pesquisas Nacionais; D.F.,
INEP – Ministério da Educação e da Cultura, 1957.
HOWARTH, William L. Some principles of autobiography. In: OLNEY, James (org.).
Autobiography: essays theoretical and critical. Princeton, Princeton University Press, 1980, p. 84-114.
IANNI, Octávio. Estado e planejamento econômico no Brasil (1930-1970). Rio de Janeiro, Civilização
Brasileira, 1971.
IGLÉSIAS, Francisco. Historiadores do Brasil. Rio de Janeiro, Nova Fronteira; Belo Horizonte,
UFMG, 2000.
IGLÉSIAS, Francisco. Introdução à historiografia econômica. Belo Horizonte, s. ed., 1959.
LAMOUNIER, Bolívar. Formação de um pensamento político autoritário na Primeira República: uma
interpretação. In: FAUSTO, Boris (org.). História geral da civilização brasileira, tomo III, v. 2. São
Paulo, Difel, 1977.
LAPLATINE, François; TRINDADE, Liana. O que é imaginário. São Paulo, Brasiliense, 1984.
LE GOFF, Jacques. Documento/Monumento. In: ENCICLOPÉDIA Einaudi, v. 7 - Memória/História. Lisboa,
Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1984.
LEJEUNE, Philippe. Le pacte autobiographique. Paris, Seuil, 1975.
LEME, Marisa Saenz. A ideologia dos industrias brasileiros (1919-1945). Petrópolis, Vozes, 1978.
LEVI, Giovani. Usos da biografia. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de M. (org.). Usos e abusos
da história oral. 5ª ed. Rio de Janeiro, FGV, 2002, p. 167-182.
LEVILLAIN, Philippe. Os protagonistas: da história. In: RÉMOND, René. Por uma história política.
Rio de Janeiro, UFRJ, 1996.
LIMA, Heitor Ferreira. Mauá: empresário e economista. In: 3 industrialistas brasileiros: Mauá, Rui Barbosa,
Roberto Simonsen. São Paulo, Alfa-Ômega, 1976.
LIMA, Nísia Trindade. Um sertão chamado Brasil: intelectuais e representação geográfica da identidade
nacional. Rio de Janeiro, Revan/IUPERJ-UCAM, 1999.
LOBO, Hélio. Docas de Santos: suas origens, lutas e realizações. Rio de Janeiro, Tipografia do Jornal do
Comércio, 1936.
LOPES, Marco Antônio. Uma nova história intelectual. In: ______. Para ler os clássicos do pensamento
político: um guia historiográfico. Rio de Janeiro, FGV, 2002.
LORIGA, Sabina. La biographie comme problème. In: REVEL, Jacques (org.). Jeux d’échelles: la
micro-analyse à l’expérience. Paris, Gallimard, Le Seuill, 1996, p. 209-231.
LÖWY, Michel. Romantismo e messianismo: ensaios sobre Luckács e Walter Benjamin. São Paulo,
Perspectiva, 1990.
LUZ, Nícia Vilela. A luta pela industrialização do Brasil. São Paulo, Alfa-Ômega, 1975.
247
LYONS, Martyn. La culture littéraire des travailleurs: autobiographies ouvrières dans l’Europe du
XIXe siècle. Annales HSS, juillet-octubre, 2001, nº 4-5, p. 927-946.
MANCHESTER, Alan K. Preeminência inglesa no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1973.
MANDEL, Barret J. Full of life now. In: OLNEY, James (org.). Autobiography: essays theoretical and
critical. Princeton, Princeton University Press, 1980, p. 49-72.
MARCHANT, Anyda. Viscount Mauá anda the empire of Brazil: a biography of Irineu Evangelista de
Sousa. Berkeley e Los Angeles, University of Califórnia Press, 1965.
MARSON, Adalberto. A ideologia nacionalista em Alberto Torres. São Paulo, Duas Cidades, 1979.
MARSON, Izabel Andrade. Minha formação: autobiografia, política e história. Revista Brasileira de
História. São Paulo, v. 17, nº 33, p. 70-97, 1997.
MARTINS, José de Souza. Capitalismo e tradicionalismo: estudos sobre as contradições da sociedade
agrária no Brasil. São Paulo, Pioneira, 1975.
MARTINS, Luciano. Industrialização, burguesia nacional e desenvolvimento: introdução à crise
brasileira. Rio de Janeiro, 1968.
MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema. São Paulo, Hucitec; Brasília, INL, 1987.
MAZA, Fábio. Escola Livre de Sociologia e Política de São Paulo e a elite industrial paulista. Revista
do Mestrado em Educação, UFS, v. 7, jul./dez. 2003, p. 67-78.
MENDONÇA, Sônia R. A consolidação da república oligárquica; Da industrialização restringida à
internacionalização. In: LINHARES, Maria Y. (org.). História Geral do Brasil. Rio de Janeiro, Campus, 1999,
pp. 252-299.
MENDONÇA, Sônia R. O ruralismo brasileiro (1888-1931). São Paulo, Hucitec, 1997.
MENESES, Ulpiano T. Bezerra. A história cativa da memória? Para um mapeamento da memória no campo
das Ciências Sociais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, nº 34 (1992), pp. 9-23.
MILL, John Stuart. A liberdade; Utilitarismo. São Paulo, Martins Fontes, 2000. (Coleção Clássicos).
MONTEIRO, Hamilton de Mattos. O “Ronco da Abelha”. Anais do Museu Paulista. São Paulo, tomo
XXVIII, p. 53-76, 1977/1978.
MOTA, Carlos Guilherme (org.). 1822: Dimensões. São Paulo, Perspectiva, 1972.
MOTA, Carlos Guilherme (org.). Brasil em perspectiva. 8ª ed. São Paulo, Difel, 1977.
MOTTA, Rodrigo Patto Sá. A História Política e o conceito de cultura política. In: LPH: Revista de História – X
Encontro Regional de História ANPUH/MG. Juiz de Fora, Universidade Federal de Juiz de Fora, n. 6, 1996, pp.
83-91.
NAGLE, Jorge. Educação e sociedade na Primeira República. São Paulo, EPU; Rio de Janeiro, Fundação
Nacional de Material Escolar, 1974.
NEVES, Guilherme Pereira das. Elétrons não são intrinsecamente interessantes como gente. In:
Encontro Regional de História, 10, 2002, Rio de Janeiro. História e Biografias. Rio de Janeiro, UERJ,
2002. 1 CD-ROM.
NORA, Pierre. Entre a memória e história: a problemática dos lugares. Tradução Yara Aun Khoury.
Revista Projeto História, São Paulo (10) dez. 1993, pp.7-58.
ODALIA, Nilo. A economia e o pensamento de Oliveira Viana. In: SZMRECSÁNYI, T.; SILVA,
Sérgio S. História da Primeira República. São Paulo, Hucitec, 1996.
OLIVEIRA, Lúcia Lippi. “Autoridade e política: o pensamento de Azevedo Amaral”. In: OLIVEIRA,
Lúcia Lippi et alii. Estado Novo: ideologia e poder. Rio de Janeiro, Zahar, 1982.
OLIVEIRA, Lúcia Lippi. A questão nacional na Primeira República. São Paulo, Brasiliense, 1990.
248
OLIVEIRA, Maria Luiza Ferreira de. O Ronco da Abelha: resistência popular e conflito na
consolidação do Estado nacional, 1851-1852. Almanack brasiliense. São Paulo, n. 1, p. 120-127, maio
2005.
OLNEY, James. Autobiography and the cultural moment: a thematic, historical and bibliographical
introduction. In: OLNEY, James (org.). Autobiography: essays theoretical and critical. Princeton, Princeton
University Press, 1980, p. 3-27.
POCOCK, John G. A. Apresentação; Introdução; O conceito de linguagem e o “métier d’historien”; Virtudes,
direitos e maneiras. In: ______. Linguagens do ideário político (org. Sérgio Miceli). São Paulo, Edusp, 2003.
(Clássicos, 25).
PROCHASSON, Christophe. Sur le cas Maurras: biographie et histoire des idées politiques. Annales: histoire,
sciences sociales, 50e année, nº 3, mai.-juin, 1995.
RAMOS, Graciliano. Memórias do Cárcere (2 v.). São Paulo, Círculo do Livro, s. d.
REIS, José Carlos. As identidades do Brasil: de Varnhagen a FHC. Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas,
1999.
RICCI, Magda. Como se faz um vulto na história do Brasil. In: GUAZZELLI, César A. Barcellos, et
alii. Questões de teoria e metodologia da história. Porto Alegre, UFRGS, 2000.
RODRIGUES, José Honório. Os gêneros históricos na história do Brasil. In: ____. Teoria da história
do Brasil. 3ª ed. São Paulo, Nacional, 1969, p. 163-169.
ROMANO, Roberto. Conservadorismo romântico: origem do totalitarismo. São Paulo, Brasiliense,
1981.
ROSANVALLON, Pierre. Para uma historia conceptual de lo político (nota de trabajo). Prismas, revista de
história intelectual, nº 6, p. 123-133, 2002.
ROSENTHAL, Gabriela. A estrutura e a gestalt das autobiografias e suas conseqüências metodológicas. In:
AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de M. (org.). Usos e abusos da história oral. 5ª ed. Rio de
Janeiro, FGV, 2002, p. 193-202.
SÁ, Dominichi Miranda de. Idéias sem Fronteiras: da generalidade à especialização no pensamento
intelectual do Brasil Republicano (1895-1935). (Doutorado em História Social) – Universidade
Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.
SAES, Flávio Azevedo Marques de; CYTRYNOWICZ, Roney. O ensino de economia e as origens da
profissão de economista no Brasil. Lócus, Juiz de Fora, v. 6, n. 1, p. 37-54, 2000.
SALIBA, Elias Thomé. As utopias românticas. 2ª ed. São Paulo, Estação Liberdade, 2003.
SANTOS, Wanderley Guilherme dos Santos. Ordem burguesa e liberalismo político. São Paulo, Duas
Cidades, 1978.
SAYRE, Robert F. Autobiography and the making of America. In: OLNEY, James (org.).
Autobiography: essays theoretical and critical. Princiton, Princeton University Press, 1980, pp. 146168.
SCHMIDT, Benito Bisso. A biografia histórica: o “retorno” do gênero e a noção de “contexto”. In:
GUAZZELLI, César A. Barcellos, et alii. Questões de teoria e metodologia da história. Porto Alegre,
UFRGS, 2000.
SCHMIDT, Benito Bisso. Grafia da vida: reflexões sobre a narrativa biográfica. História Unisinos, v.
8, nº 10, jul/dez, p. 131-142, 2004.
SCHVARZMAN, Sheila. As encenações da história. História, São Paulo, v. 22, n. 1, p.165-182, 2003.
SCHWARTZ, Stuart B. Safra: as técnicas de fabrico do açúcar. In: ______. Segredos internos: engenhos e
escravos na sociedade colonial. São Paulo, Cia. das Letras, 1988.
249
SCHWARTZMAN, Simon; BOMENY, Helena M. Bousquet; COSTA, Vanda M. Ribeiro. Tempos de
Capanema. Rio de Janeiro, Paz e Terra; São Paulo, Universidade de São Paulo, 1984.
SILVA, Helenice Rodrigues da. A história como “a representação do passado”: a nova abordagem da
historiografia francesa. In: CARDOSO, C. F. & MALERBA, J. (org.). Representações: contribuição a
um debate transdisciplinar. Campinas, Papirus, 2000, pp. 81-99.
SINGER, Paul. O Brasil no contexto do capitalismo internacional: 1889-1930. In: FAUSTO, Boris. História
geral da civilização brasileira. Tomo III, O Brasil Republicano; 1º v., Estrutura de poder e economia. 2ª ed. São
Paulo, Difel, 1977.
SKINNER, Quentin. Prefacio. In: ______. As fundações do pensamento político moderno. São Paulo,
Companhia das Letras, 2003.
SKINNER, Quentin. Significado y comprensión en la historia de las ideas. Prismas, revista de história
intelectual, Nº 4, p. 149-191, 2000.
SOARES, Carlos Luiz. A indústria na sociedade escravocrata: as origens do crescimento manufatureiro na
região fluminense em meados do século XIX (1840-1860). In: SZMRECSÁNYI, T.; SILVA, Sérgio S.
História da Primeira República. São Paulo, Hucitec, 1996.
SOGENTINI, Hernán. Reflexion sobre la memória y la autorreflexion de la historia. Revista Brasileira de
História. São Paulo, v. 23, nº 45, p. 103-128, 2003.
SOUZA, Luiz de Souza. Nacionalismo e autoritarismo em Alberto Torres. Sociologias, Porto Alegre, ano 7, n.
13, p. 302-323, jan/jun 2005.
SPENDER, Stephen. Confessions and autobiography. In: OLNEY, James (org.). Autobiography:
essays theoretical and critical. Princeton, Princeton University Press, 1980, p. 115-122.
STAROBINSKI, Jean. The style of autobiography. In: OLNEY, James (org.). Autobiography: essays
theoretical and critical. Princeton, Princeton University Press, 1980, pp. 73-83.
STEIN, STANLEY J. A historiografia do Brasil: 1808-1889. Revista de História. São Paulo, ano XV, v. XXIX,
p. 81-131, 1964.
SZMRECSÁNYI, Tamás. Retomando a questão do início da historiografia econômica no Brasil. Nova
Economia, Belo Horizonte, vol. 14, n.º 1, p. 11-37, jan./abr. 2004.
TUCK, Richard. História do pensamento político. In: BURKE, Peter (org.). A escrita da história: novas
perspectivas. São Paulo, Unesp, 1992.
VIANNA, Luiz Werneck. Americanistas e iberistas: a polêmica de Oliveira Vianna com Tavares Bastos. Dados
– Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, v. 34, nº 2, p. 145-189, 1991.
VIDAL E SOUZA, Candice. A pátria geográfica: sertão e litoral no pensamento social brasileiro.
Goiana, UFG, 1997.
WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo, Pioneira, 1967.
XAVIER, Regina Célia Lima. O desafio do trabalho biográfico. In: GUAZZELLI, César A. Barcellos, et
alii. Questões de teoria e metodologia da história. Porto Alegre, UFRGS, 2000.

PDF Document reader online

This website is focused on providing document in readable format, online without need to install any type of software on your computer. If you are using thin client, or are not allowed to install document reader of particular type, this application may come in hand for you. Simply upload your document, and Docureader.top will transform it into readable format in a few seconds. Why choose Docureader.top?

  1. Unlimited sharing - you can upload document of any size. If we are able to convert it into readable format, you have it here - saved for later or immediate reading
  2. Cross-platform - no compromised when reading your document. We support most of modern browers without the need of installing any of external plugins. If your device can oper a browser - then you can read any document on it
  3. Simple uploading - no need to register. Just enter your email, title of document and select the file, we do the rest. Once the document is ready for you, you will receive automatic email from us.

Previous 10

Next 10