FORTALEZA: 285 ANOS Artur Bruno – Professor De História E ...

Copy and paste this link to your website, so they can see this document directly without any plugins.



Keywords

Fortaleza, para, mais, como, anos, século, cidade, Fortaleza,, Avenida, capital, ainda, Ceará, pela, cidade., população, cearense, setores, Forte, crescimento, bairros, construção, Ceará., litoral, pelas, Centro, área, vila, cidade,, expansão, cada

Transcript

FORTALEZA: 285 ANOS
Artur Bruno – professor de História e Geografia e deputado federal pelo PT
Airton de Farias – professor de História
1. Origens
No dia 13 de abril, celebramos o aniversário da capital de todos os
cearenses. Em 2011, comemoramos 285 anos de uma cidade complexa, construída com
o trabalho, esforço e amor de gerações de fortalezenses. Este pequeno texto tenta
mostrar um pouco da História de Fortaleza.
Na verdade, a data de 13 de abril marca a elevação do povoado à condição
de vila, no ano de 1726. O núcleo original de Fortaleza é anterior, do século XVII.
A capitania do Siará Grande ficou renegada a um segundo plano por
Portugal no século XVI – faltavam maiores atrativos econômicos e as condições
humanas (resistência indígena) e geográficas (secas, correntes marítimas etc)
dificultavam a chegada dos europeus.
No começo do século XVII, aconteceram as primeiras tentativas de
conquista do litoral cearense. A ideia de Portugal era estabelecer no ponto médio do
litoral um forte que servisse para defender a região contra estrangeiros e facilitasse
contato com o norte do Brasil. Em decorrência, sucederam-se as tentativas
colonizadoras feitas por Pero Coelho (1603), Pe. Francisco Pinto e Luis Figueira (1607)
e Martim Soares Moreno (1611-31), todas sem maiores êxitos. Pero e Moreno chegaram
a erguer fortes (de São Tiago e São Sebastião, respectivamente) no local correspondente
hoje à Barra do (rio) Ceará.
O domínio português no Ceará foi interrompido em dois breves momentos
pelos holandeses. Em 1637, os holandeses conquistaram o forte de São Sebastião,
ficando até 1644, quando ocorreu uma revolta dos índios – o forte foi destruído e todos
os batavos foram assassinados. Em 1649, os holandeses voltariam ao Ceará, sob o
comando do capitão Matias Beck, que manda erguer o forte de Schoonemborch, perto
do riacho Pajeú. Em 1654, os portugueses retomariam a colonização do Ceará. Com
isso, o forte holandês teve seu nome mudado para Fortaleza de Nossa Senhora de
Assunção. Seria em torno deste forte, onde hoje se encontra a 10ª Região Militar, que
surgiria espontaneamente a capital cearense.
Há uma polêmica sobre o local e quem teria “fundado” Fortaleza – visões
historiográficas mais antigas debatiam acirradamente se isso caberia a Martim Soares
Moreno ou a Matias Beck. Atualmente, os historiadores questionam a ideia de
“fundação”. Preocupar-se com um dia exato para ser o “ponto zero” de uma cidade (ou
de um país, estado, município etc) não passa de uma ação burocrática e um mito de
origem. Como criação histórica de longa duração, as cidades não são construídas
propriamente num ato fundador e heroico, mas na sucessão do tempo e com esforço
anônimo de várias gerações.
2. Modesta
Fortaleza apresentou neste início pouca projeção econômica e política – era
um pequeno povoado “perdido” no litoral brasileiro. A base econômica local estava na
pecuária, atividade que levou os colonizadores a conquistarem os sertões cearenses no
final do século XVII e começo do seguinte. Com base na pecuária/charque (carne seca
salgada ao sol)se estruturariam várias vilas cearenses, a exemplo de Aracati, Sobral,
Camocim, Granja, Acaraú, Icó e Quixeramobim. O processo de conquista dos sertões
foi violentíssimo, com o assassinato e escravidão de milhares de indígenas. Apesar de
tentarem resistir pelas armas, acabaram derrotados e colocados, em boa parte, em
aldeamentos, a exemplo de Soure/Caucaia, Arronches/Parangaba, Messejana/Paupina, e
Monte-mor-novo/Baturité.
Com a produção e comercialização do charque no século XVIII, Aracati,
situada na foz do rio Jaguaribe, tornou-se o principal núcleo urbano cearense, o que
duraria até o século XIX.
Ante o avanço da conquista do Siará Grande, Portugal autoriza em 1699 a
criação de uma vila no Ceará. Isso deu margem a disputas entre autoridades e
latifundiários pela localização do pelourinho da vila. Os primeiros queriam a vila nas
proximidades do Forte, enquanto os segundos desejavam instalá-la em Aquiraz. As
disputas pela vila não passavam de uma maneira dos envolvidos, sobretudo os
fazendeiros, tentarem aumentar seus poderes e influência. Após várias mudanças, o
pelourinho foi instalado definitivamente em Aquiraz, em 1713. Fortaleza seria elevada à
condição de vila, como vimos, em 1726.
Mesmo assim, a vila de Fortaleza, longe dos sertões da pecuária,
continuaria sendo, por mais de um século, um mero aglomerado sem sustentação
econômica ou expressividade política. Persistia o descaso português para com o Siará
Grande.
3. Lenta expansão
No final do século XVIII, a economia cearense passou a girar em torno da
produção e comércio de algodão, exportado para atender às fábricas da revolução
industrial inglesa. Com isso, Portugal passou a dar maior atenção ao Ceará, tanto que o
separa de Pernambuco em 1799, encerrando uma vinculação que vinha desde 1656.
Com isso, houve toda uma mobilização dos vereadores e “pessoas
graúdas” de Fortaleza para que a vila fosse confirmada oficialmente como capital da
capitania independente (embora na prática já fosse há décadas), em detrimento das
“rivais” Aquiraz, Aracati e Icó.
Historiadores afirmam que com aseparação de Pernambuco em 1799 e o
desenvolvimento do comércio exportador algodoeiro criaram-se condições
econômicas e administrativas para iniciar-se o longo processo que tornaria Fortaleza
na segunda metade do século XIX o principal núcleo urbano do Ceará, rompendo a
hegemonia até então de Aracati.
Enfatize-se que foi um crescimento fortalezense lento. Os relatos que
temos sobre o povoado, fossem de autoridades ou de viajantes estrangeiros,
apontavam ainda nas décadas iniciais do século XIX uma vila pequena, sem despertar
tanto a atenção.
O apoio cearense à Independência do Brasil levou o imperador D. Pedro I,
em 1823, a decretar Ato Régio, elevando Fortaleza à categoria de cidade. A elevação
do status da capital não pode deixar de ser visto como um reconhecimento ao
crescimento da Cidade e à importância política que apresentava.
4. Hegemonia
Apenas na metade do século XIX Fortaleza tornou-se o principal núcleo
urbano, político, econômico e social do Ceará. Para tanto contribuíram: a) o
capitalproveniente do comércio algodoeiro e de outros produtos; b) a centralização
política da monarquia brasileira, que concorria para concentrar nas capitais das
províncias todo o poder decisório, beneficiando-as com obras – assim, a condição de
capital de Fortaleza transformou-a em ponto destacado na recepção de obras e recursos;
c) a construção e melhorias de estradas e ferrovias, como a Estrada de Ferro FortalezaBaturité (EFB), inaugurada em 1873; d) e a intensa migração rural-urbana,
principalmente na época das secas,a exemplo da de 1877-79.
O crescimento de Fortaleza se evidencia em seu “aformoseamento”, ofertas
de serviços urbanos e adoção de uma infraestrutura razoável. Passa a ter transporte
coletivo por bondes de tração animal, calçamento nas ruas centrais, linhas de telégrafo e
de vapor para a Europa e Rio de Janeiro, iluminação a gás carbônico, telefonia,
biblioteca pública, bons educandários (como o Liceu e o Colégio Imaculada
Conceição), seminário (da Prainha), jornais etc.
É a chamada Belle Époque. As elites inspiravam-se nos valores
“civilizados” da Europa – luvas, chapéus, casacos, nomes franceses, ideias do velho
mundo. O Passeio Público era local de encontros, lazer e de mostrar a “civilidade”. Os
intelectuais reuniam-se nos famosos “cafés” (quiosques) da Praça do Ferreira. Num
desses cafés, o Java, em 1892, formar-se-ia a mais irônica e crítica associação de
letrados cearenses, a Padaria Espiritual.
Em 1875, o engenheiro pernambucano Adolfo Herbster elabora um plano
urbanístico, objetivando disciplinar a expansão da cidade através do alinhamento de
suas ruas e da abertura de novas avenidas.
Com o crescimento de Fortaleza, verificou-se uma preocupação do poder
público e das elites em controlar e disciplinar as camadas populares da cidade. A
capital cearense crescera e a economia dinamizava-se, porém com as contradições do
capitalismo: havia uma inquietante tensão social provocada pela diferença abissal
entre os setores dominantes e os mais pobres, cada vez mais concentrados na crescente
periferia.
Obviamente afirmar que havia normas de condutas e disciplinamento não
significa dizer que existia a obediência das mesmas pelas pessoas – ao contrário, a
massa reagia a essas normatizações, por vezes abertamente, outras vezes usando
táticas para burlar ou desprezar o que autoritariamente era imposto “de cima para
baixo” e limitava seu modo de ser. Uma forma de resistência pode ser encontrada na
compulsão dos populares ao deboche, ironia e sátira.
No final do século XIX e primeiras décadas do século XX ficaram
famosos em Fortaleza “tipos populares” que riam e faziam rir de qualquer coisa
jocosa que acontecesse nas ruas. Um caso exemplar disso foi o Bode Ioiô. O
comportamento cômico popular, profundamente censurado pelas elites e classes
médias, ganhou a alcunha de “Ceará Moleque”.
5. Cidade agitada
Nas décadas iniciais do século XX, Fortaleza continuou a passar por
transformações sócio-urbanas que ampliaram ainda mais sua condição de principal
centro político e econômico do Ceará. Com a Proclamação da República (1889), o
grupo político de Nogueira Accioly passou a dominar o Estado cearense, sendo
representado em Fortaleza pelo intendente (prefeito) Guilherme Rocha. Persistiam
as práticas de controle da massa e embelezamento das cidades, tidas como sinal de
“progresso e modernidade”. Em 1912, estoura a maior revolta popular da História
de Fortaleza, quando setores oposicionistas e populares forçam a renúncia de
Accioly.
Paralelo à agitação política e reformas promovidas pelos poderes públicos,
outras modificações iam ocorrendo na estrutura urbana de Fortaleza. As camadas mais
abastadas/emergentes erguiam novas lojas, bancos, hotéis, clubes, mansões etc.
Aparecem fábricas – pequenas/média, é verdade, e de peso quase insignificante no
contexto da economia cearense, que ainda se baseava no agro-comércio. Aos poucos
vai se formando uma pequena classe operária, vista como potencialmente perigosa
pelas autoridades e segmentos dominantes, pela presença de ideias socialistas.
Com a vinda da empresa inglesa Ceará Tramway Light and Power, em
1913, iniciou-se o uso da luz e bondes elétricos. Em 1909 chegou o primeiro
automóvel a Fortaleza, um Rambler adquirido em segunda mão nos Estados Unidos.
Com a presença dos bondes e carros alterou-se o cotidiano da cidade, no que toque ao
comportamento dos pedestres e a organização do trânsito e pavimentação das ruas.
Fortaleza crescia em direção aos arrabaldes, destacadamente para as zonas
oeste e sul e em oposição ao litoral (no começo do século a população ainda não
valorizava o mar). No lado leste, o riacho Pajeú era um obstáculo natural à expansão da
cidade. Nos anos 20/30, passaram a surgir os bairros de Fortaleza, a exemplo dos
refinados Jacarecanga (na estrada homônima) e Benfica (Estrada de
Arronches/Parangaba), e de Farias Brito/atual Otávio Bonfim (Estrada de
Soure/Caucaia) e Joaquim Távora (Estrada de Aquiraz).
Com a Era Vargas (1930-45), os estados e municípios perderam muito sua
autonomia. Em 1936, a capital cearense pode escolher pela primeira vez prefeito através
do voto direto da população, inclusive, com voto feminino – o eleito foi Raimundo de
Alencar Araripe.
Com mais de 100 mil habitantes no inicio da década de 1930, os problemas
de Fortaleza e suas contradições agravavam-se. Foi exatamente a partir dos anos 1930
que a cidade “explodiu”, crescendo desordenadamente, sem plano urbanístico que
fornecessem soluções convenientes, com o surgimento de várias favelas, arranha-céus,
destruição do perfil arquitetônico harmonioso anterior, aparecimento de fachadas e
monumentos de gosto duvidoso, entre outras mazelas, frutos muitas vezes dos interesses
das elites locais, da fraqueza e inoperância das gestões municipais, da especulação
imobiliária e do impressionante abismo social que separa os ricos e pobres de Fortaleza.
Desde a Planta Urbanística de Adolf Herbster, de 1875, a cidade não teve
outro projeto global para controlar sua expansão. O prefeito Raimundo Girão (1933-34)
se propôs a fazer um plano de remodelação da cidade. Em 1933, foi contratado, então, o
engenheiro paraibano Nestor de Figueiredo, urbanista com grande experiência. Setores
das autoridades locais e grupos privados colocaram-se contra o plano de Figueiredo. Foi
talvez uma das decisões mais prejudiciais da História de Fortaleza, pois teria se
começado a resolver, há mais de 70 anos, alguns dos sérios problemas que afligem a
cidade ainda hoje. Novas tentativas igualmente frustradas de fazer mudança na estrutura
urbana de Fortaleza se deram em 1952, com o Plano Diretor para Remodelaçãoe
Extensão de Fortaleza, de José Otacílio de Sabóia Ribeiro, e em 1962, com o Plano
Diretor de autoria do urbanista carioca Hélio Modesto.
Nos anos 30 intensificou-se o abandono no Centro da capital pelos setores
mais abastados, processo que havia se iniciado na década anterior – a porção central foi
assumindo cada vez mais a característica de zona comercial. Surgem os primeiros
“bairros nobres”. Ainda nos anos 20, o Jacarecanga, ganhou essa condição. As elites
fortalezenses foram ocupando, em menor escala, também a região do Benfica, ao sul do
Centro, e, vencendo a “barreira” representada pelo riacho Pajeú, áreas da Praia de
Iracema e Aldeota, ao leste.
Ficava cada vez mais explícita a segregação espacial e de classes dentro da
cidade. No lado leste de Fortaleza, os setores abastados, e no lado oeste, o reverso, onde
moravam os mais pobres.
Com a entrada do Brasil na II Guerra Mundial, em 1942, os Estados
Unidos fizeram acordos com o governo Vargas para instalarem bases militares em
Belém, Natal, Recife, Fernando de Noronha e Fortaleza. No início de 1943, os
estadunidenses iniciaram a construção de sua base na capital cearense. Na então
distante área onde hoje se encontra o Bairro do Pici, estabeleceram o seu Posto de
Comando, erguendo um aeroporto no Alto da Balança, conhecido como Cocorote.
Desde os anos 20, a Belle Époque (influência cultural europeia) estava em
decadência, perdendo espaço para o americanwayoflife, processo que se
intensificaria a partir dos anos 40.
6. Metrópole
O processo de expansão de Fortaleza e do aumento de sua população
intensificou-se de forma impressionante a partir da segunda metade do século XX. A
cidade cada vez mais se consolidava não só como o grande centro urbano cearense,
mas também como uma das principais metrópoles do Brasil (em 1973, foi criada
oficialmente a Região Metropolitana de Fortaleza). Para se ter ideia dos números,
em 1950, Fortaleza apresentava 270 mil habitantes; em 1960, passou a ter 518 mil
(um aumento de 90%); em 1970, 857 mil (aumento de 63%).
As sucessivas gestões de Fortaleza, efetivamente, não conseguiram
controlar a explosão que a cidade viveu a partir dos anos 50, com o desordenamento
urbano, crescimento das favelas, verticalização, especulação imobiliária, e muito
menos atender satisfatoriamente às crescentes demandas da população por serviços
públicos e infraestrutura. A municipalidade sofria com a apertura financeira, sendo
comuns os atrasos do pagamento dos salários dos funcionários públicos.
Na Ditadura Civil-Militar (1964-85),o governo federal passou a concentrar
mais recursos financeiros e a controlar política e administrativamente o Estado,
reduzindo sensivelmente a autonomia de prefeitos e governadores. Os prefeitos das
capitais e das “cidades de segurança nacional” deixaram de ser eleitos pelo voto
popular, passando a ser indicados pelos chefes do executivo estadual.
Em meados dos anos 80, a prefeitura da capital cearense vivia grave crise
política, ante as constantes trocas de prefeitos, e uma estrondosa crise financeira, com
dificuldades para pagar a folha do funcionalismo, o material de consumo da
administração, as dívidas passadas e fazer investimentos. Tinha-se um inchaço do
serviço público. Acusações davam conta que a Prefeitura virava cabide de emprego
para correligionários políticos, com servidores contratados por razoes clientelistas,
muitos dos quais “fantasmas”, ou seja, recebendo sem trabalhar. Era surpreendente a
quantidade de greves.
Existia ainda naquele momento toda uma pressão popular na defesa de
melhores condições de vida, expressa num forte movimento de bairros e favelas. Não
surpreende, portanto, que quando da volta das eleições livres e diretas para prefeito
em 1985, a eleita, Maria Luiza Fontenele (1986-88), tenha sido alguém que se opunha
à lógica das gestões municipais até então exercidas.
7. Cidade múltipla
Abandonado pelas camadas de alta renda e esvaziado no que se refere às
atividades de lazer, cultura e administração, o Centro histórico de Fortaleza foi
apropriado pelas camadas populares. Nos anos 80/90 tornou-se uma área tipicamente
comercial e de serviços, direcionada para a população pobre e de classe média da
periferia. Aos olhos dos setores abastados, a presença de populares simbolizou a
“decadência” do Centro e a necessidade de “revitalizá-lo”, expressões preconceituosas
e equivocadas, pois ainda hoje é grande o afluxo da população ao perímetro central.O
que tem de ser feito é a valorização do Centro, atentando-se e resolvendo seus
problemas, (re)atribuindo-lhe funções administrativas, artísticas, de lazer, cultural,
habitacional etc.
Vale ressaltar que a reabilitação do Centro de Fortaleza não pode ser feita
apenas com base na ação isolada dos poderes públicos. É necessário o apoio da
sociedade civil, especialmente dos proprietários privados.
Outra mudança de Fortaleza ao longo do século XX foi a valorização de
sua faixa marítima, durante décadas renegada, pois se associava mar à morte, pobreza
e lixo nas praias. Assim, teve-se a construção em 1963 da Avenida Beira Mar, sua
urbanização entre 1979-82, a constituição do bairro do Meireles (contíguo à Aldeota
e situado junto à orla), a instalação de vários clubes sociais no litoral leste de
Fortaleza nos anos 50 e 60 (antes, tais clubes localizavam-se no centro fortalezense)
e a construção dos calçadões da Praia de Iracema, do Futuro e da Leste-Oeste nos
anos 80 como fatos que impulsionavam a faixa de praia como zona de lazer.
Conforme dados do censo 2010 do IBGE, Fortaleza tem uma população de
cerca de 2 milhões e 447 mil habitantes, numa área de 313,14 km². Atualmente, as
zonas leste e sudeste são claramente as mais ricas e melhor dotadas de infraestrutura
na cidade. Bairros como Aldeota, Meireles e Dionísio Torres crescem, se verticalizam
e apresentam uma vida quase autônoma no que se refere a oferta de serviços e
comércio.
A Praia de Iracema, com a construção do calçadão, recuperação da Ponte
dos Ingleses e implantação do Centro Cultural Dragão do Mar (pelo governo do
Estado) nos anos 90, ganhou ainda mais importância como uma área de lazer noturno
e eixo turístico da cidade, processo vindo já das décadas anteriores.
No entorno do Porto do Mucuripe ainda encontram-se muitas indústrias
(de pesca, moinhos de trigo, fábrica de asfalto, depósitos de combustíveis, dentre
outras) e vários bairros populares e favelas (Serviluz, Farol, Castelo Encantado,
Vicente Pinzón). A Praia do Futuro ainda apresenta “vazios” urbanos, em virtude da
alta maresia, que prejudica as construções. Nos anos 90, com um projeto de
urbanização da gestão do ex-prefeito Juraci Magalhães, a área passou a ser um bem
destacado pólo de lazer – ali podem ser encontrados barracas e hotéis de luxo bem
frequentados.
Já a Aldeota encontra-se totalmente loteada e construída, com prédios com
alto valor e sem terrenos disponíveis. Apresenta uma enorme quantidade de centros e
edifícios comerciais, de serviços, escritórios técnicos, etc.A Água Fria, bairro para onde
as elites se transferiam nos anos 80 em busca de privacidade, é uma das áreas mais
dinâmicas e autônomas da cidade, concentrando shopings, famosos colégios, sedes de
órgãos administrativos, equipamentos públicos e muitos edifícios e apartamentos de
luxo. O Parque do Cocó, importante área verde da cidade, tornou-se um espaço para
lazer e contemplação, além de local privilegiado para caminhantes e corredores.
Fortaleza expande-se ainda no rumo dos bairros Edson Queiroz, Luciano
Cavalcante, Seis Bocas, Praias da Cofeco, Porto das Dunas e Prainha, bem como na
direção da Cidade dos Funcionários, Cambeba e Messejana.
A cidade igualmente se expande em direção ao sul e oeste, mas com uma
ocupação feita por setores médios e/ou populares. Nas proximidades do Centro
histórico, há bairros mais antigos, com razoável infraestrutura e oferta de serviços, a
exemplo do Joaquim Távora, Fátima, Benfica, Otávio Bonfim, Montese
eParquelândia, onde predominam os setores médios. A expansão continua
acompanhando as grandes vias. Um caso exemplar é a Avenida Bezerra de Menezes,
praticamente tomada em quase toda sua extensão por escritórios, lojas, bares e
restaurantes.
Na saída da cidade, ligação da Avenida Mister Hull e BR-222, igualmente
concentram-se muitos negócios e indústrias, afora equipamentos públicos como o
Campus do Pici (Universidade Federal do Ceará), Terminal Rodoviário de Antônio
Bezerra e a chamada “Rodoviária dos Pobres”.
Na zona oeste, na porção mais próxima do mar, temos como grandes vias a
Avenida Leste Oeste (cuja expansão levou a retirada de milhares de famílias nos anos
90 do complexo do Pirambu) e Avenida Francisco Sá. O projeto Vila do Mar, em fase
de conclusão, revitalizará esta região da cidade, com a construção de moradias
populares, equipamentos de lazer e ações de urbanismo.
Da foz do Rio Ceará (onde foi construída uma ponte, ligando Fortaleza a
Caucaia), no rumo do sul, temos a Avenida Perimetral, que é cortada pela Avenida
Mister Hull e que permite acesso ao Conjunto Ceará, Henrique Jorge, João XXIII,
entre outros bairros.
Apesar de muitas fábricas terem abandonado a Francisco Sá, a avenida
continua dinâmica, com muitos estabelecimentos comerciais, residenciais, trânsito
intenso. Na região da Barra do Ceará (final da Francisco Sá), também se percebe uma
concentração de comércios, pequenas oficinas, lojas de autopeças ao longo da
Avenida Coronel Carvalho (ligação com a Avenida Perimetral). Ali próximo, nos anos
70, foram erguidos vários conjuntos habitacionais para segmentos médios (Conjunto
Polar, Conjunto dos Bancários, Nova Assunção são exemplos). Há também muitas
favelas e bairros populares.
Ligando os eixos norte e sul de Fortaleza tem-se a Avenida José Bastos,
com lojas, ofertas de serviço e equipamentos públicos (Campus de
Porongabussu/saúde da UFC, Instituto Nacional de Reforma Agrária, Terminal de
Ônibus da Lagoa e Parangaba).
O deslocamento do terminal do Aeroporto Pinto Martins para o Dias
Macedo dinamizou o bairro. A nova via de acesso ao aeroporto, Avenida Raul
Barbosa, permitiu maior fluxo de trânsito entre vários bairros da zona leste/sul e a
BR116.
Nas áreas suburbanas mais distantes, destacadamente nas zonas oeste e
sul, predominam a população de baixa renda, denotando o diferencial espacial/de
classe da cidade. Em geral, têm-se ruas estreitas, tortas, sem saída, não raras vezes
sem calçamento, saneamento, etc. Escasseiam as praças e equipamentos de lazer. São
muitas as favelas e residências humildes. Em tais regiões, as taxas de violências são
elevadas, numa clara vinculação com a grave questão social e pobreza que atingem os
cearenses e a falta de assistência do Estado.
Também ocorre de setores médios e abastados morarem em outros
municípios, para escapar dos problemas de Fortaleza, como trânsito complicado,
violência e poluição, transformando em habitação principal suas casas de praia (em
Iparana, Icarai, Tabuba, Prainha, Iguape e outras) ou sítios (Messejana, Eusébio,
Caucaia, Pacajus, Maranguape e Maracanaú). Em municípios vizinhos, igualmente
passaram a ser construídos conjuntos residenciais desde a década de 80.
Fortaleza apresenta-se hoje como um dos mais importantes polos têxteis e
de confecção do Brasil, bem como um destacado polo turístico nacional. Vale
salientar, porém, que a capital cearense não se firmou como uma cidade tipicamente
industrial, imperando a inclinação de “cidade terciarizada”, ou seja, do setor terciário da
economia (comércio, serviços, transportes), o que é uma tendência apresentada
mundialmente pelas economias metropolitanas, onde o crescimento mais notável
acontece nos serviços de comércioambulante, hospedagem e alimentação, de
incorporação de imóveis.
As indústrias de maior porte que antes se concentravam em Fortaleza
instalam-se/transferem-se para municípios da Região Metropolitana, a exemplo do
Distrito Industrial de Maracanaú e, mais recentemente para outros centros como
Horizonte, Caucaia, Pacatuba, Pacajus.
Em 2009, Fortaleza foi escolhida como uma das sedes da Copa do Mundo
de Futebol a se realizar no Brasil em 2014, o que vai ensejar novas obras e
intervenções urbanas na cidade. A cidade continua expandindo-se neste começo de
século, seja pela ação pública, por interesses privados (muitos deles, especuladores
imobiliários) ou por iniciativa da própria população. Continua atraindo multidões de
pessoas do interior cearense e até de outros estados. Sua economia cada vez mais se
dinamiza, apesar da alarmante concentração de renda. A favelização, as condições de
extrema pobreza da população e a violência convivem ao lado da expansão dos
serviços, comércio, turismo e do alto padrão de consumo dos segmentos sociais
abastados. Fortaleza continua sendo uma cidade múltipla neste século, sendo
atualmente a quinta cidade mais populosa do País.
Como as grandes metrópoles do mundo, a cidade de Fortaleza precisa
olhar para seu passado e planejar o futuro. Para isso, é preciso a participação efetiva
dos poderes públicos municipal, estadual e federal e, principalmente, do povo da
cidade. Faz-se necessário o engajamento de todos para que a Fortaleza ordenada e
pacata de outrora sirva de inspiração para a construção de uma cidade moderna,
organizada e desenvolvida, que possa verdadeiramente acolher, integrar e proteger seu
povo.
CRONOLOGIA DE FORTALEZA
 1500 – O espanholVicente YáñezPinzón navega pelo litoral brasileiro e atinge o
que seria o atual Mucuripe;
 1603 – Pero Coelho de Souza desembarca no litoral cearense seguindo em direção
à Ibiapaba. No retorno, funda o Forte de São Tiago na foz do Rio Ceará;
 1611 – Martins Soares Moreno desembarca no Ceará e ergue no ano seguinte o
Forte de São Sebastião, na Barra do (rio) Ceará;
 1631 – Martins Soares Moreno retira-se do Ceará, deixando uma pequena
guarnição no Forte de São Sebastião;
 1637 – Os holandeses conquistam o Forte de São Sebastião;
 1644 - Os holandeses são massacrados e o Forte de São Sebastião é destruído;
 1649 – Os holandeses, comandados por Matias Beck, retornam ao Ceará e fundam
nas proximidades do riacho Pajeú o Forte Schoonenborch;
 1654 – Com a derrrota em Pernambuco, os holandeses retiram-se do Ceará. Os
portugueses retomam a colonização do Siará e o Forte Schoonenborch tem o nome
mudado para Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção;
 1656– O Ceará é separado do Estado do Maranhão, ao qual estava vinculado desde
1621 e passa a se subordinar a Pernambuco;
 1699 – Portugal autoriza a criação de uma vila no Ceará. Após várias mudanças, o
pelourinho é instalado definitivamente em Aquiraz;
 1726 – Instalação da Vila da Fortaleza de Nossa Senhora d'Assunção;
 1799 –Separação do Ceará de Pernambuco;
 1823 – Fortaleza é elevada à categoria de Cidade;
 1825 – São executados no Campo da Pólvora (Passeio Público) os líderes da
Confederação do Equador;
 1818 – Silva Paulet desenha o primeiro traçado de Fortaleza, as ruas passavam a
ser organizadas em forma de xadrez;
 1875 – Planta Urbanística de Adolf Hebster, sinal do crescimento de Fortaleza, que
passa a ter a hegemonia urbana do Ceará na segunda metade do século XIX;
 1880 – Inauguração do Passeio Público, um dos principais locais de sociabilidade
e sinal da Belle Époque na cidade;
 1892 – Fundação, no Café Java, localizado na Praça do Ferreira, da Padaria
Espiritual, movimento literário de letrados cearenses, marcado pela ironia e crítica
social;
 1889 – Início, com a Proclamação da República (1889), do período político
dominado pela oligarquia de Nogueira Accioly;
 1910 – Inauguração do Theatro José de Alencar;
 1912 – Revolta popular de Fortaleza que força a renúncia de Nogueira Accioly do
governo do Ceará;
 1913 - Vinda da empresa inglesa Ceará TramwayLlightand Power, iniciou-se o
uso da luz e bondes elétricos;
 1914 – Tropas vindas de Juazeiro cercam Fortaleza e obrigam a renúncia do
governador Franco Rabelo;
 1925 – Revolta popular cotra o sistema de transporte público;
 1936 – Vitória de Raimundo de Alencar Araripe, primeiro prefeito eleito pelo voto
popular na cidade;
 1943 – Instalação de uma base americana em Fortaleza, no contexto da Segunda
Guerra Mundial (1939-45);
 1947 – Após o fim da Ditadura do Estado Novo (1937-45), é eleito prefeito
Acrísio Moreira da Rocha. Também sao eleitos vários vereadores comunistas;
 1960 - Censo revela que Fortaleza tem 518 mil habitantes. A cidade vive uma
explosão populacional. Setores mais abastados cada vez mais se concentram no
lado leste da cidade, enquanto os mais pobres ficam na zona oeste;
 1963 – Construção da avenida Beira-Mar;
 1964 – Com o Golpe Militar, Fortaleza perde a autonomia política e
administrativa;
 1973 – É criada oficialmente a Região Metropolitanade Fortaleza;
 1985 – Na primeira eleição pós-fim da Ditadura, Maria Luiza Fontenele é a
primeira mulher eleita prefeita de Fortaleza;
 1990 – Juraci Magalhães assume a prefeitura. O Centro cada vez mais vira uma
área comercial voltada para a perifeira;
 2004 – Luiziane Lins eleita prefeita;
 2009 – Fortaleza é escolhida como uma das sedes da Copa do Mundo de Futebol
de 2014;
 2011 – Fortaleza completa 285 anos, com uma população de 2 milhões e 447 mil
habitantes.

PDF Document reader online

This website is focused on providing document in readable format, online without need to install any type of software on your computer. If you are using thin client, or are not allowed to install document reader of particular type, this application may come in hand for you. Simply upload your document, and Docureader.top will transform it into readable format in a few seconds. Why choose Docureader.top?

  1. Unlimited sharing - you can upload document of any size. If we are able to convert it into readable format, you have it here - saved for later or immediate reading
  2. Cross-platform - no compromised when reading your document. We support most of modern browers without the need of installing any of external plugins. If your device can oper a browser - then you can read any document on it
  3. Simple uploading - no need to register. Just enter your email, title of document and select the file, we do the rest. Once the document is ready for you, you will receive automatic email from us.

Previous 10

Next 10